Catarse

Toda a alma é imortal, porque aquilo que se move a si mesmo é imortal.


Deixe o seu comentário

A exiguidade do Estado em abdicação

A exiguidade do Estado em abdicação

A exiguidade do Estado em abdicação

00h55m

O professor Adriano Moreira detectou os riscos civilizacionais da exiguidade dos estados quando deixam de cumprir as funções que são a sua razão de ser. Em Portugal o Estado está a desaparecer. Outros actores estão a substitui-lo. Em todo o lado.

“Deloitte não detecta crimes públicos na REN”: título na imprensa diária nacional, há uma semana.

“Como organização de referência em serviços profissionais de auditoria, e consultoria fiscal, a Deloitte consolida a sua liderança em Portugal integrando a sua oferta para melhor servir o cliente e as suas necessidades.”. Página promocional em http://www.deloitte.com

“A Deloitte, chamada na sequência da vinda a público do caso “Face Oculta”, não detectou crimes públicos na REN.”. Notícia de jornal do dia 24 de Novembro de 2009.

“A Deloitte disponibiliza experiência, conhecimento técnico e capacidade de implementação. Pensamos e agimos com rigor e competência: o nosso propósito é o transformar os desafios em soluções”. Página promocional da Deloitte Portugal em http://www.deloitte.com

“Aveiro, 25 Nov – José Penedos indiciado pela prática de um crime de corrupção passiva. O juiz de instrução do processo “Face Oculta” determinou hoje a suspensão de funções de José Penedos na presidência da REN – Redes Eléctricas Nacionais e sujeitou-o a uma caução de 40 mil euros.”. Despacho da agência noticiosa Lusa.

“Na sequência de notícias hoje divulgadas, o Gabinete do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça considera tornar público o esclarecimento em anexo.”. Texto de uma comunicação numa página com o timbre oficial do Supremo Tribunal de Justiça de Portugal que a empresa privada de assessoria de media Luís Paixão Martins Comunicação (LPM) enviou a todos os órgãos de comunicação nacionais, a 14 de Novembro de 2009.

“Informações adicionais LPM Comunicação http://www.lpmcom.pt”; Indicação final na Comunicação do Supremo Tribunal de Justiça de Portugal.

“O universo mediático português torna-se mais complexo e confuso. Só os especialistas conseguem descodificar esta proliferação caótica de media através de uma abordagem simples, directa, virada para os resultados.”. Página promocional da LPM em http://www.lpmcom.pt.

“(…) A execução do despacho proferido pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça cabe tão-só à autoridade judiciária que dirige o inquérito, ou seja, à Procuradoria-geral da República;” – Quinto ponto da comunicação de esclarecimento distribuída com o timbre do Supremo Tribunal de Justiça pela Luís Paixão Martins Comunicação com instruções para a Procuradoria–geral da República sobre divulgação de peças processuais do caso “Face Oculta”.

“Há 217 títulos publicados, 225 rádios e 91 canais de TV.”. Informação no portal promocional da LPM sob o título Estratégia de Assessoria Mediática.

Na semana passada , António Mota, dono da Mota Engil, desdobrou-se numa série de raras entrevistas que o seu grupo organizou em que falou a vários órgãos de Comunicação Social, como se fosse titular das pastas conjuntas da Economia, das Finanças e do Planeamento. Fez bem. Na situação de exiguidade a que o Estado português se remeteu, ele é provavelmente já isso tudo e muito mais.


Deixe o seu comentário

Professores pedem números para avaliar propostas do Governo

Os sindicatos de professores querem saber qual será a duração da carreira proposta pelo Ministério da Educação, bem como o número de professores em cada escalão e o tempo necessário para a transição, antes de qualquer compromisso.

Enric Vives-Rubio

Na sequência da primeira reunião sobre a estrutura da carreira docente, realizada na semana passada, tanto a Federação Nacional dos Sindicatos da Educação (FNE) como a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) se comprometeram a enviar hoje uma resposta ao Governo sobre esta matéria, na qual pedem dados para avaliarem o impacto das primeiras medidas propostas, no âmbito da negociação em curso. O secretário de Estado Adjunto e da Educação, Alexandre Ventura, apresentou na passada quarta-feira aos sindicatos um documento de trabalho, no qual se compromete a acabar com a divisão da carreira em duas categorias (professor e professor titular), o que agrada às estruturas sindicais, mas deixa reservas no que se refere a vagas para acesso ao terceiro, quinto e sétimo escalões. “Precisamos de esclarecer qual é o tempo de duração da carreira. O ministério diz que serão 10 escalões, mas sem dizer qual é o tempo de permanência em cada um, nem o tempo de serviço necessário para atingir o escalão mais elevado”, disse à agência Lusa o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, para quem 10 “não é um número pacífico”, embora admita discutir “nove ou oito”. Tanto a FNE como a Fenprof pediram informação sobre o número de professores que estão actualmente em cada escalão para avaliarem o impacto das medidas propostas pelo Governo e manifestaram-se contra a manutenção da prova de ingresso na profissão. “Se de uma forma geral registamos o fim da divisão carreira como positivo, a alternativa não é mais positiva do que aquilo que existia”, pois “deixa de haver duas categorias, mas passa a existir um estrangulamento com três escalões”, indicou à Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira. “A questão não era só o nome de professor ou professor titular, tinha só a ver com as consequências. Independentemente do mérito, os professores não podem passar a determinado patamar, em função de uma decisão política [abertura de vagas]”, argumentou. Para a Fenprof, não é necessário que todos os professores cheguem ao topo da carreira, mas aqueles que vierem a revelar mérito, no âmbito de um novo modelo de avaliação, “não podem ser impedidos” de atingir esse reconhecimento. Ambas as estruturas estiveram hoje a ultimar o texto para o ministério, de forma a prosseguirem as conversações na quarta-feira, numa reunião em que deverão receber já um documento sobre a avaliação de desempenho dos professores para ser discutido posteriormente. Segundo Mário Nogueira, “está implícito” no documento entregue aos sindicatos na semana passada que vão manter-se quotas para atribuição das melhores classificações.


Deixe o seu comentário

Frases subliminares – Aquecimento global

Das suas próprias palavras: o aquecimento global é uma fraude

“Nós precisamos de algum apoio com  ampla base, para capturar a imaginação do público … Então, temos que oferecer cenários assustadores, simplificando, declarações dramáticas e fazer pouca menção de quaisquer dúvidas … Cada um de nós tem de decidir o equilíbrio entre ser efetivo e ser honesto. ”  Stephen Schneider, professor de Climatologia de Stanford, autor de vários relatórios do IPCC

“A menos que anunciemos catástrofes ninguém nos vai ouvir.” – Sir John Houghton , first chairman of IPCC – Sir John Houghton, primeiro presidente do IPCC

“Não importa o que é verdadeiro, só importa o que as pessoas acreditam que é verdade.” – Paul Watson , co-founder of Greenpeace – Paul Watson, co-fundador do Greenpeace

” “Temos de resolver este problema do aquecimento global. Mesmo se a teoria do aquecimento global é errada, nós estaremos fazendo a coisa certa em termos de política económica e ambiental”. – Timothy Wirth , President of the UN Foundation – Timothy Wirth, presidente da Fundação das Nações Unidas

“Não importa se a ciência do aquecimento global é tudo falso …as  alterações climáticas  fornecem a maior oportunidade para trazer justiça e igualdade no mundo.” – Christine Stewart , fmr Canadian Minister of the Environment – Christine Stewart, FMR-ministro canadense do Meio Ambiente

“A única maneira de obter da nossa sociedade uma verdadeirada mudança é assustar as pessoas com a possibilidade de  catástrofes”. – emeritus professor Daniel Botkin – Professor Daniel Botkin

“Precisamos de um princípio organizador central – un sistema acordado de manera voluntaria. Pequenas mudanças na política, a melhora moderada em leis e regulamentos, a retórica oferecida em lugar da verdadeira mudança – essas são todas as formas de apaziguamento, concebido para satisfazer o desejo do público a acreditar np sacrifício , na luta e uma violenta transformação da sociedade, não será necessário. ” – Al Gore , Earth in the Balance – Al Gore, Earth in the Balance

“Não é a única esperança para o planeta que o colapso civilizações industrializados? Não é nossa responsiblity trazer isso?” – Maurice Strong , founder of the UN Environment Programme – Maurice Strong, fundador do Programa Ambiental da ONU

“Uma grande campanha deve ser lançada para de-desenvolvimento nos Estados Unidos. De-desenvolvimento significa trazer nosso sistema econômico em consonância com as realidades da ecologia e da situação do recurso mundo”. – Paul Ehrlich , Professor of Population Studies – Paul Ehrlich, professor de Estudos Populacionais

“A única esperança para o mundo é para se certificar de que não há outro Estados Unidos. Não podemos deixar que outros países tenham o mesmo número de carros, a quantidade de industrialização, temos em os E.U.. Temos de parar os países do Terceiro Mundo de modo a que não se desenvolvam. ” – Michael Oppenheimer , Environmental Defense Fund – Michael Oppenheimer, Environmental Defense Fund

“Sustentabilidade Global exige a busca deliberada de pobreza, consumo reduzido de recursos e definir níveis de controle da mortalidade”. – Professor Maurice King – Professor Maurice King

“Estilos de vida e padrões atuais de consumo da influente classe média  – envolvendo o enorme consumo de carne , o uso de combustíveis fósseis, aparelhos de ar condicionado e habitação suburbana – não são sustentáveis”. – Maurice Strong , Rio Earth Summit – Maurice Strong, Rio Cúpula da Terra

“A tecnologia complexa de qualquer espécie é um ataque à dignidade humana. Seria pouco menos que desastroso para descobrirmos uma fonte de energia limpa, barata e abundante, por causa do que poderíamos fazer com ela.” – Amory Lovins , Rocky Mountain Institute – Amory Lovins, Rocky Mountain Institute

“A perspectiva da energia de fusão barata é a pior coisa que poderia acontecer ao planeta”. – Jeremy Rifkin , Greenhouse Crisis Foundation – Jeremy Rifkin, Greenhouse Crisis Foundation

“Dar à sociedade , abundante energia seria o equivalente a dar uma criança idiota uma metralhadora.” – Prof Paul Ehrlich , Stanford University – Prof Paul Ehrlich, da Universidade de Stanford

“A grande ameaça para o planeta são as pessoas: há muitos, fazendo muito bem economicamente e queimando óleo demais”. – Sir James Lovelock , BBC Interview – Sir James Lovelock, BBC Interview

“Meus três objetivos principais seria a de reduzir a população humana para cerca de 100 milhões em todo o mundo, destruir a infra-estrutura industrial e ver o deserto, com o seu complemento total de espécies, retormado em todo o mundo.” – Dave Foreman , co-founder of Earth First! – Dave Foreman, co-fundador do Earth First!

“A população total de 250-300 milhões de pessoas, um declínio de 95% em relação aos níveis atuais, seria o ideal.” – Ted Turner , founder of CNN and major UN donor – Ted Turner, fundador da CNN e da ONU principais doadores

“… A população ideal resultante sustentável é, portanto, mais de 500 milhões, mas inferior a um bilhão.” – Club of Rome , Goals for Mankind – Clube de Roma, Goals for Mankind

“Se eu reencarnasse gostaria de ser devolvido à terra como um vírus mortal para baixar os níveis de população humana.” – Prince Philip , Duke of Edinburgh, patron of the World Wildlife Fund – Prince Philip, duque de Edimburgo, patrono do World Wildlife Fund

“Eu suspeito que a erradicação da varíola estava errado. Desempenhou um papel importante no equilíbrio dos ecossistemas.” – John Davis , editor of Earth First! – John Davis, editor da Earth First! Journal Jornal

“A extinção da espécie humana não só pode ser inevitável, mas uma coisa boa.” – Christopher Manes , Earth First! – Christopher Manes, Earth First!

“A gravidez deve ser um crime punível contra a sociedade, salvo se os pais obtiverem uma licença do governo. Todos os potenciais pais devem ser obrigados a usar produtos químicos anticoncepcionais, o governo deve usar antídotos para os cidadãos escolham quando engravidar.” – David Brower , first Executive Director of the Sierra Club – David Brower, primeiro diretor executivo do Sierra Club

Google Translate(29 November 2009)

http://translate.google.com/translate?hl=en&langpair=en|pt&u=http://www.informationliberation.com/?id=27941

http://snipurl.com/th0ry


Deixe o seu comentário

General diz que Blair deve responder em tribunal por crimes de guerra

 

O general britânico Michael Rose afirmou que o ex-primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, deveria comparecer em tribunal para responder por crimes de guerra no Iraque.
Segundo o Daily Mail, Rose afirma que a investigação sobre a guerra a decorrer no Reino Unido deixou algumas coisas claras, como por exemplo, o facto de os serviços secretos britânicos terem informado que o Iraque tinha destruído o seu arsenal químico, dez dias antes da invasão do país.
O ex-embaixador britânico nos EUA, Christopher Meyer, já tinha afirmado que Tony Blair e George Bush tinham assinado “um pacto de sangue” para derrubar Saddam Hussein, praticamente um ano antes do início da guerra, e que por isso tentou-se a todo o custo arranjar um pretexto que justificasse a invasão.


1 Comentário

Louçã acusa Sócrates de estar «desesperado por eleições»

Francisco Louçã acusou sábado o primeiro-ministro de estar «desesperado por eleições» e de não querer assumir a responsabilidade em momentos difíceis, comentando assim as declarações de José Sócrates ao chumbo do Código Contributivo

«Espero que a Assembleia da República tenha a responsabilidade de perceber, todos os partidos, que não se pode governar a partir das Assembleia da República, porque quem governa é o Governo», reagiu sexta-feira o primeiro-ministro, aos diplomas anti-crise aprovados pela oposição, onde se incluía o Código Contributivo.

Falando esta tarde aos jornalistas, em Coimbra, à margem da reunião da assembleia distrital do BE, Francisco Louçã acusou José Sócrates de reagir com o «fado do desgraçadinho», considerando que as suas declarações são «muito indicativas de uma tensão política que se está a acumular».

«O primeiro-ministro reage com o fado do desgraçadinho, com uma enunciação de uma catástrofe que não tem qualquer rigor nem resposta à realidade. É simplesmente o Governo a atirar-se para o chão porque houve uma derrota e a alegar que não tem condições para governar», afirmou o coordenador nacional do Bloco de Esquerda.

«O que o primeiro-ministro fez foi dizer que está desesperado por eleições mas não quer assumir a responsabilidade dos momentos difíceis, a não ser numa matéria. Se houver um banco que lhe bata à porta temos a certeza que há 450 milhões para um privado ou já sabemos que há quatro mil milhões para o BPN, num buraco sobre o qual o Governo se recusa determinantemente a dizer qual será aquilo que chegará ao bolso dos contribuintes», acrescentou.

Os partidos da oposição aprovaram sexta-feira no Parlamento um projecto de lei do CDS/PP e um projecto de resolução do PSD, que ainda serão discutidos na comissão parlamentar da especialidade, que têm como objectivo adiar um ano a entrada em vigor do Código Contributivo.

Francisco Louçã garantiu que o seu partido quer dar respostas precisas para dar condições para governar e que o Código Contributivo «deve e pode entrar em vigor assim que forem corrigidos três erros importantes».

«O código tem de promover o emprego e não a precariedade, defender os salários e não reduzi-los e defender a economia e não prejudicá-la. Corrigidas as três grandes questões, o código deve entrar em vigor e aí estará a favorecer o trabalho e a competência em Portugal», frisou o líder bloquista.

Por outro lado, Francisco Louçã recordou que «houve uma coligação negativa na Assembleia da República entre o PS e o PSD para recusar o direito a quem já descontou 40 anos do seu trabalho para poder ter uma reforma depois de tanto tempo de trabalho, em particular quem começou a trabalhar com 11, 12, 13 ou 14 anos».

Lusa / SOL


Deixe o seu comentário

Climategate – Uma máfia no debate do clima ?


O escândalo já ganhou nome. Climategate. E às vésperas de uma conferência mundial sobre mudanças climáticas. Mensagens trocadas ao longo da última década entre os maiores nomes da comunidade científica que defendem a influência humana no aquecimento global revelam tentativas de manipulação de dados e sonegação de informações no que alguns cientistas já classificam como uma “conspiração” para defraudar a ciência. Tudo veio à tona após hackers terem invadido os computadores da Universidade de East Anglia, na Inglaterra, um dos principais centros mundiais de pesquisa sobre as mudanças climáticas. Mais de mil arquivos foram roubados, incluindo 1.079 emails e 72 documentos, trocados ao longo dos últimos 13 anos entre os cientistas. O material inclui mensagens de James Hansen, director do Goddard Institute for Space Studies da NASA; Michael Mann, famoso pelo gráfico hockey stick que produziu para mostrar que a Terra passa pelo período mais quente em mil e anos e que depois foi acusado de ser uma fraude matemática; Gavin Schmidt, especialista em modelagem climática da NASA; e Stephen Schneider, professor da Universidade de Stanford e consultor de Al Gore. Em comunicado, a universidade de East Anglia confirmou a invasão de seus computadores, mas se negou a dizer se os arquivos que passaram a circular pela internet eram autênticos.

O jornalista Andrew Revkin, especialista em meio ambiente do jornal norte-americano New York Times, confirmou com vários dos envolvidos nas discussões a autenticidade de suas mensagens. “Estes documentos vão, sem dúvida, levantar muitas dúvida sobre a qualidade das pesquisas e das acções de alguns cientistas”, disse Revkin. Nas mensagens, existem frases que podem deitar por terra as teorias mais alarmistas relacionadas com o aquecimento global.

Numa delas, alegadamente escrita por Phil Jones, responsável pela unidade de estudos climáticos da Universidade de East Anglia, pode ler-se sobre a necessidade de em um gráfico (acima) se “esconder a queda da temperatura no planeta” por meio de um “truque” já utilizado por Michael Mann. Procurado, Mann se negou a responder se o conteúdo do seu correio electrónico era verdadeiro e se resumiu a qualificar a acção dos hackers de criminosa.

From: Phil Jones
To: ray bradley ,mann@XXXX, mhughes@XXXX
Subject: Diagram for WMO Statement
Date: Tue, 16 Nov 1999 13:31:15 +0000

Dear Ray, Mike and Malcolm,

Once Tim’s got a diagram here we’ll send that either later today or first thing tomorrow.

I’ve just completed Mike’s Nature trick of adding in the real temps to each series for the last 20 years (ie from 1981 onwards) amd from 1961 for Keith’s to hide the decline. Mike’s series got the annual land and marine values while the other two got April-Sept for NH land N of 20N. The latter two are real for 1999, while the estimate for 1999 for NH combined is +0.44C wrt 61-90. The Global estimate for 1999 with data through Oct is +0.35C cf. 0.57 for 1998.

Thanks for the comments, Ray.

Cheers
Phil

Prof. Phil Jones
Climatic Research Unit Telephone XXXX
School of Environmental Sciences Fax XXXX
University of East Anglia
Norwich

Em entrevista à revista australiana “Investigate”, Jones disse que não se recorda exactamente o que queria dizer há dez anos com aquela expressão, mas que não era sua intenção enganar ninguém. Em diversas mensagens de correio electrónico, Kevin Trenberth do National Center for Atmospheric Research (NCAR) e outros cientistas discutem as dificuldades em entender recentes variações da temperatura do planeta e o caráter ‘inadequado da nossa rede de observação’.

From: Kevin Trenberth
To: Michael Mann
Subject: Re: BBC U-turn on climate
Date: Mon, 12 Oct 2009 08:57:37 -0600
Cc: Stephen H Schneider , Myles Allen , peter stott , “Philip D. Jones” , Benjamin Santer , Tom Wigley , Thomas R Karl , Gavin Schmidt , James Hansen , Michael Oppenheimer

Hi all

Well I have my own article on where the heck is global warming ? We are asking that here in Boulder where we have broken records the past two days for the coldest days on record. We had 4 inches of snow. The high the last 2 days was below 30F and the normal is 69F, and it smashed the previous records for these days by 10F. The low was about 18F and also a record low, well below the previous record low.

The fact is that we can’t account for the lack of warming at the moment and it is a travesty that we can’t. The CERES data published in the August BAMS 09 supplement on 2008 shows there should be even more warming: but the data are surely wrong. Our observing system is inadequate.***

Em um correio electrónico, Phil Jones pede ao seu interlocutor que sejam “destruídos” qualquer mensagem que ele tenha relacionada ao AR4, sigla para o relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas) da ONU, publicado em 2007.

Mike, Can you delete any emails you may have had with Keith re AR4? Keith will do likewise. He’s not in at the moment – minor family crisis. Can you also email Gene and get him to do the same? I don’t have his new email address. We will be getting Caspar to do likewise.

A revelação dos e-mails fez a festa dos céticos quanto às teses mais alarmistas sobre a influência humana no clima do planeta. Blogs e páginas na internet dedicadas a oferecer teses alternativas às mudanças do clima, apontadas como decorrentes de causas naturais, passaram a reproduzir as mensagens e repercuti-las. Para o jornalista Andrew Bolt, do jornal australiano The Herald, um crítico de longa data das teses alarmistas, trata-se de um dos maiores escândalos da ciência moderna. “Os e-mails sugerem conspiração, conluio para exagerar o aquecimento, possivelmente destruição de informações, resistência organizada a tornar público os dados usados nas pesquisas, confidências sobre falhas em seus estudos e muito mais”, declarou Bolt. As mensagens ainda trazem uma montagem fotográfica com os rostos de pesquisadores céticos no aquecimento sobre um pedaço de gelo flutuante.

 

 

Um dos e-mails chega a comemorar a notícia da morte de um céptico de longa data, o australiano John Daly, morto em 2004. “Isso é horrível” afirmou Pat Michaels, climatologista do Cato Institute em Washington que é atacado nos e-mails desviados. “Isso é que todos temiam. Ao longo dos anos, se tornou cada vez mais difícil para qualquer um que seja descrente de que o aquecimento global seja o fim do mundo, publicar trabalhos. Isso não é prática questionável, mas falta de ética”, acusou Michaels. O pesquisador alemão Mojib Latif, do Instituto Leibniz de Pesquisas Marinhas, disse não poder acreditar que “exista uma máfia tentando impedir que trabalhos críticos sejam publicados”.

A invasão dos computadores teria partido de um site ‘ambientalista-céptico’ chamado “The Air Vent” que divulgou o material, mediante um arquivo “zipado” com 61 megabites. A página opera a partir de um servidor russo e foi encerrada algumas horas depois, quando todo o conteúdo já se encontrava disseminado na internet. O jornal inglês “The Telegraph” chama o caso de “Climategate” e considera preocupante para os investidores em energia verde. “Se você detém quaisquer acções de empresas ligadas a energias alternativas, deve começar a livrar-se delas imediatamente”, aconselhou o diário britânico. (artigo por Alexandre Amaral de Aguiar, diretor de comunicação da MetSul Meteorologia)

Autor: Alexandre Amaral de Aguiar em O Arauto do Futuro
Publicado em 23/11/2009 03:02


3 Comentários

Rússia pode abandonar a OMS se provar a corrupção entre a Indústria Farmacêutica e a OMS

O deputado da Duma Russa, Igor Barinov, apelou para a Rússia se retirar da OMS se uma investigação sobre o alegado acordo entre a OMS e as empresas farmacêuticas sobre o escândalo da gripe suína provar ser exacto, de acordo com relatos sa imprensa europeia.

Igor Barinov, Membro da Comissão do Parlamento do Estado (Duma) nas acusações de corrupção, disse que era preciso haver uma investigação para apurar se os especialistas de aconselhamento  receberam dinheiro da indústria farmacêutica e se isso influenciou a OMS a declarar uma pandemia de nível 6 de emergência pela primeira vez em 40 anos, apesar do fato de que a gripe não ser letal, nem se espalhar rapidamente.

Jornalistas dinamarqueses que forneceram “informações” concluiram que a gripe pode ser o maior caso de corrupção da nossa era, após analisarem as ligações entre os especialistas da OMS e as empresas farmacêuticas.

A OMS recomendou a compra do controverso Tamilfu suíço Roche, a despeito de evidência que a droga causa efeitos colaterais graves.   O ministério ucraniano para a saúde comprarou grandes estoques em excessivo de Tamiflu.

Nós certamente devemos levar a cabo uma investigação minuciosa antes de tomar qualquer decisão “,declarou  Barinov na sexta-feira aos jornalistas.

“Se a informação for confirmada, vamos ter de colocar a questão de saber se faz sentido para a Rússia pertencer a OMS, e suspender a nossa participação . se necessário “.

Rússia gastou mais de 4 bilhões de rublos até agora com gripe suína.

Barinov sugeriu que o chefe de investigação da OMS, o representante russo na organização, o membro do comitê executivo da OMS, Vladimir Starodoubov.

“Ninguém põe em causa os serviços prestados no século 20 pela OMS na luta contra a malária, a sida, mas hoje deve-se perguntar se essa organização não é atingida  pelo vírus da corrupção, e até que ponto estas recomendações são fundadas, até que ponto podemos nós confiar  “, disse Barinov.

O director do Programa Nacional de Vigilância Sanitária do Instituto russo Guennadi Onichtchenko disse na reunião com o Procurador-Geral da Federação da Rússia para a legislação na área farmacêutica que a luta contra a gripe suína no mundo tem as características de uma parcela.

Há também evidências de que foi fundamental na difusão da Aids.

Google Translate(28 November 2009)

http://translate.google.com/translate?hl=en&langpair=en|pt&u=http://www.theflucase.com/index.php?option=com_content&view=article&id=2100:russia-could-withdraw-from-who-over-swine-flu-corruption&catid=41:highlighted-news&Itemid=105&lang=en

http://snipurl.com/tglv5


1 Comentário

Este país é para pobres

Este país é para pobres

Este país é para pobres


Aumentar o salário mínimo para 500 euros não serve para nada. Não nos aproxima dos europeus, que ganham muito mais que isso, e afasta-nos dos chineses e indianos, que trabalham por uma malga de arroz. O que seria da nossa competitividade?

1 – Regressam os debates ao Parlamento, regressam as boas notícias. Mostrando um elevado sentido de responsabilidade social, o Governo anunciou que vai aumentar as pensões. Quanto mais baixa a pensão, maior será o aumento. No limite, pode chegar à loucura de subir 1,25%. Mais ainda, como oportunamente lembrou o primeiro-ministro: se a lei fosse cumprida, as pensões não só não aumentariam, como teriam de diminuir. Tudo por causa da inflação negativa. Ou seja, os pensionistas com pensões miseráveis terão um aumento real que chega aos 2%. E em tudo isto, o Estado vai gastar, de forma altruísta, 150 milhões de euros, que tanta falta fazem, por exemplo, para tapar o buraco do BPN, ou para a construção de uma terceira ponte sobre o Tejo. O senhor Silveira, reformado e residente em Torneiros, Vila Real, recebeu a notícia de forma efusiva. A sua pensão passará de uns míseros 374 euros, para uns abastados 378 euros. Poderá deixar a venda de couves e grelos que cultiva no quintal, para se dedicar a tempo inteiro a programas de turismo sénior.

2 – Nada como as sábias declarações de um antigo ministro das Finanças, ainda por cima também antigo administrador do Banco de Portugal, para acabar com a balbúrdia que se adivinhava no que diz respeito a aumentos salariais. Silva Lopes não esteve com meias tintas e qualificou os aumentos salariais, quaisquer que sejam, como “fábricas de desemprego”. Um dia depois, José Sócrates mostrava ter tomado boa nota dos conselhos, deste ou de outros economistas. E no que lhe diz respeito, o aumento das pensões será mesmo a única loucura a cometer. Quanto ao salário mínimo, o melhor é renegociar os prazos, assume o primeiro-ministro. Porque o que estava aceite por sindicatos e patrões, agora já não convém aos patrões. Sendo que o que estava acordado era a ousadia de passar o salário mínimo de 450 para 475 euros em 2010, e para uns incríveis 500 euros já em 2011. Com nenhuma vantagem, como é evidente. Porque não só não nos aproxima dos europeus, que ganham muito mais que isso, como nos afasta dos chineses e dos indianos, que aceitam trabalhar por uma malga de arroz. Se começassem para aí a dar aumentos salariais, pequeninos que fossem, o que aconteceria à nossa competitividade?

3 – Os lucros da Corticeira Amorim aumentaram no terceiro trimestre do ano, pela terceira vez consecutiva. Foram 5,7 milhões de euros (3,6 milhões no mesmo período do ano passado). Lucros que só se conseguiram graças a vendas de 103 milhões de euros. E é aqui que bate o ponto. Porque, ao contrário dos lucros, as vendas apresentam valores mais baixos do que um ano antes. Assim, se há lucro, isso deve-se à diminuição dos custos da empresa. E como conseguiram os notáveis gestores da Corticeira Amorim diminuir os custos para aumentar os lucros? Com o despedimento de cerca de duas centenas de trabalhadores, pois claro. Mas atenção que a isto não se chama “fábrica de desemprego”, chama-se visão estratégica.


1 Comentário

“Portugal está à beira da irrelevância, talvez do desaparecimento”

A justiça está refém de grupos prof issionais e os portugueses sem esperança. António Barreto em entrevista

Dedica hoje o melhor de si mesmo à Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), cujo grande objectivo é “pensar, estudar e contribuir para o melhor conhecimento da realidade portuguesa”, como se lê na sua carta de princípios. Mas não é de agora que António Barreto, 67 anos, gosta de números, factos, dados. À excelência com que tem vindo a desenvolver e profissionalizar esse gosto não foi certamente alheio o convite de Alexandre Soares dos Santos para presidir ao conselho de administração da FFMS. Foi nessa pele que, com sedutora fluidez e um grande conhecimento de causa, este ex-ministro, ex-deputado e ex-dirigente partidário viajou comigo pelo país. Os resultados são ácidos, a radiografia má, embora – surpreendentemente? – não concorde que o país esteja doente: “O nosso problema não é doença nem asfixia, mas sim dependência, o que é muito mais grave”. Com brilho, sabedoria e substância, explica porquê.

António Barreto, está a tempo e alma inteira na fundação que dirige?

A tempo inteiro. Estamos na fase inicial e a fazer coisas tão prosaicas como estatutos, legalização, escrituras notariais, etc. Um trabalho que me leva o dia inteiro, incluindo fins-de-semana e noites. É necessário pensar, criar os primeiros textos, delinear projectos, estudos, programas de trabalho a médio e longo prazo, procurar as pessoas que os possam levar a cabo…

Com que objectivo prioritário? Dotar o país de instrumentos para que ele se conheça melhor a si próprio?

A nossa prioridade é dar informação e instrumentos de conhecimento aos cidadãos. Aquilo que transmite informação faz homens e mulheres livres. E uma das lacunas de Portugal – por falta de hábito, de experiência, de cultura – é não ter cidadãos livres, informados, capazes de participarem de modo independente na vida pública.

Dirige uma fundação que não só é totalmente portuguesa como é a primeira a visar exclusivamente esses objectivos…

Fazer estudos sobre a realidade nacional, torná-los públicos e organizar projectos à roda deles, sim, é caso único português. Os think thank que conheço são organizações para pensar, promover e publicitar ideias, mas são organizações programáticas, têm um programa político. Como nos Estados Unidos, onde grande parte destas fundações servem para organizar a discussão pública promovendo as ideias dos partidos republicano e democrático. Portugal é uma sociedade diferente e nem foi essa a vontade do fundador nem a minha. Não somos um think thank, na medida em que não temos um programa político. Temos uma carta de princípios.

E têm o conselho científico e o de curadores. Actuam em nome de quê?

A carta foi aprovada pelos conselheiros e define justamente alguns princípios. Além dos princípios gerais da liberdade e da igualdade de oportunidades visa-se o reforço dos direitos dos cidadãos, para um maior conhecimento por parte deles, uma opinião mais participada e independente, para a melhoria das instituições públicas. Eis o que define uma missão e uma causa e não um programa político. É-me totalmente indiferente se houver colaboradores um bocadinho à esquerda ou um bocadinho à direita…

O que pode já anunciar?

Até à Primavera de 2010, creio poder ter já concretizados dois projectos a que chamamos, em linguagem interna, “permanentes” – durarão sempre. O primeiro – e digo-lhe o nome em primeira mão – chama-se Pordata, nome já registado, que serve para o mundo inteiro e para a net, sem acentos circunflexos, nem til, nem cedilhas… Por baixo há um subtítulo, “Base de Dados Portugal Contemporâneo”: é a tentativa de agregar, organizar e homogeneizar os dados existentes sobre Portugal desde 1960 até hoje, em todos os domínios: demográfico, sanitário, educativo, populacional, emprego, desemprego, salários, vencimentos, justiça, cultura… Houve rupturas estatísticas nos últimos 20, 30 ou 40 anos que fazem com que muitas delas sejam deficientes e exista um enorme défice de informação pública. Não podemos obviamente produzir estatísticas – só as instituições oficiais o podem fazer -, mas estamos a coligi-las com uma fantástica colaboração do Instituto Nacional de Estatística – principal fonte de estudo – e ainda do Banco de Portugal, dos organismos da saúde e da educação, com as ordens, por exemplo, que têm dados interessantes sobre as profissões. Harmonizaremos depois tudo isto de modo a estar disponível para todos. É de graça e será feito de modo tão moderno quanto possível, como as melhores coisas que se fazem no mundo!

Mais?

A segunda iniciativa é uma espécie de contraponto desta. Os números – tenho uma grande atracção pessoal por eles – têm uma grande vantagem: sugerem factos. E não há boas opiniões sem bons factos por trás. Em paralelo vamos lançar – talvez na Primavera de 2010 – uma colecção de ensaios, no verdadeiro sentido da palavra. Contactámos dezenas de pessoas, algumas delas têm prazos já marcados. E todas vão ser surpresas.

Quais os temas?

Os que são relevantes na vida nacional: saúde, envelhecimento da população, natalidade, mortalidade infantil. Mas também a propriedade, o ensino do Português, a corrupção, a organização de certos aspectos da justiça processual. A ideia é organizarmos 10 ou 12 por ano com 60 a 100 páginas, no máximo. Não produzirão factos ou estatísticas, não terão uma linguagem hermética. Queremos que sejam acessíveis a todos, para que todos fiquem informados. Não ambiciono concorrer com as telenovelas ou o futebol, mas muitas das pessoas que vêem telenovelas ou futebol poderão estar interessadas em lê-los. Aliás, os termos de referência com os autores são sempre os mesmos: não se trata de um livro de um jurista para juristas, de um economista para economistas. Destinam-se a especular sobre ideias, e por isso lhe disse que eram o contraponto dos factos. Quero discutir como se nasce e morre em Portugal, discutir os pobres e os ricos, a liberdade das empresas, a dependência do Estado. Quero uma opinião fundamentada e uma discussão informada.

É como se estivesse debruçado sobre a sociedade portuguesa. Como é a nossa sociedade?

É muito antiga, o que deixa marcas e faz dela uma sociedade complexa. E preocupada com a sua memória. Eduardo Lourenço diz que os portugueses sofrem por ter identidade a mais e eu concordo. Habituámo-nos a viver da memória, o que cria frustração. É também uma sociedade que vive obnubilada, obcecada com o seu atraso. A ideia de que há um problema de subdesenvolvimento e sociedades que se desenvolvem menos que as outras deve ter começado cá há 200 ou 250 anos! Havia a memória da grandeza, mas quando a seguir vem a pobreza ou o atraso é pior, funciona como mito. E há a ideia da periferia. Ainda hoje os portugueses pensam que não estão no centro do mundo e das coisas. Há uma invenção de que Portugal estava no centro do Atlântico e fazia a charneira, mas não é a mesma coisa que estar no centro. É o facto de estar num canto da Europa não sendo bem Europa, não sendo bem África, não sendo bem Mediterrâneo, não sendo bem Atlântico. Os portugueses há 500 anos que vão para qualquer sítio, para a emigração, para África, para as conquistas, para o Oriente, para o Brasil ou para o Atlântico… e agora não sabem para onde ir. Não podem ir para a Europa porque já lá estão. Há quem diga que Angola é novamente uma oportunidade. É uma relação interessante, mas é preciso reconstruir, sarar feridas, fechar cicatrizes. Não faço a mínima ideia se vamos conseguir e se os angolanos vão conseguir…

Mas houve mudanças e aberturas…

Sim, décadas de abertura com a emigração, a televisão, o turismo e, depois do 25 de Abril, as liberdades, as viagens, a integração europeia, a adesão, a liberdade do comércio. Os portugueses ficaram a conhecer o que há de melhor no mundo e portanto a ambicionar o que há de melhor no mundo. As pessoas querem ter o sistema médico sueco, o escolar dos noruegueses, as estradas dos alemães, os automóveis dos ingleses. Ambicionar uma coisa medíocre é em si mesmo um sinal de mediocridade. Os portugueses querem o máximo, simplesmente não são capazes de fazer o máximo: não têm organização, nem capital, nem empresas, nem experiência, nem treino.

E porquê, justamente?

Porque já estamos atrasados há 250 anos, porque perdemos 15 ou 20 anos com a guerra colonial, com uma ditadura que durou, durou, com uma Revolução que fez disparates, disparates. Tivemos de revolucionar e fazer a contra-revolução, nacionalizámos e privatizámos. Foi uma perda de tempo, de recursos, de energia e abriu feridas. Ainda hoje noto que Portugal tem uma maneira de fazer política mais crispada que muitos países da Europa. O primeiro-ministro, o chefe da oposição, os partidos da oposição falam uns com os outros no Parlamento aos gritos, evocando problemas de honra, evocando a mentira, a coragem, a vigarice. Nos debates parlamentares de Madrid, de Paris, dos Estados Unidos, ou até de Itália vemos que as pessoas são capazes de falar racionalmente, com bons modos e educação, sem que lhes falte energia ou têmpera. Mas nunca com esta crispação portuguesa, que se vem mantendo ao longo dos últimos 20 ou 30 anos. No fundo, o facto de os portugueses serem os mais pobres dos mais ricos cria uma terrível frustração… Fazendo parte dos ricos – parece paradoxal mas é verdade, há 150 países mais pobres que nós -, somos o último deles, e isso aumenta- -nos a frustração. A distância entre o que temos e o que gostaríamos de ter é muito maior que noutros casos.

No início dos anos 70 a nossa situação era boa…

Continuo a pensar isso. Mas comparando com países que tiveram recentemente de fazer profundíssimas reformas, como a República Checa, a Polónia, a Hungria, a Eslovénia, dou-me conta de que estão a ir mais depressa e melhor que nós. Estão mais consolidados e, tendo menos anos de democracia, parece que têm mais. Têm melhor cultura, melhor formação e usam muito melhor que nós os meios que têm.

Qual a falta mais gritante?

Parece-me óbvio que há uma falta de empresários, de capitalistas. Será um problema ancestral? Vem da nossa maneira passada de viver e de gastar? Dos desperdícios? Do facto de os ricos portugueses terem vivido à sombra do Estado durante 200, 300 ou 400 anos? De o Estado ter ocupado tudo desde os Descobrimentos? Não quero ir por aí, mas o resultado é este. Há poucos empresários, poucos capitalistas com capitais, as elites são fracas e têm uma noção medíocre do serviço público. É raríssimo encontrar ricos, poderosos, famílias antigas, com um sentimento forte do contributo que podem dar à sociedade.

Que mais falta?

Falta literacia. Tínhamos há 30 anos a mesma taxa de analfabetismo que a Inglaterra de 1800. Em matéria de alfabetização havia 150 anos de atraso. Porque é que os portugueses não lêem jornais? A falta de hábito de ler os jornais é muito importante, porque o jornal é a fonte de informação que mais está virada para o raciocínio, o pensamento, a participação. Quem vê televisão está geralmente em posição passiva.

Mas hoje a imagem é rainha. O apetite por um jornal nunca igualará o da televisão…

Mas quem tem como informação exclusiva a televisão subordina o raciocínio, o pensamento, o estudo, o lápis que toma as notas, às emoções. É mais fácil ser livre e independente com um papel na frente do que diante de uma imagem que é fabricada com som e se dirige às emoções e aos sentimentos e não à razão – ou pouco à razão. Sou consumidor de televisão e da net, mas o que quero dizer é que, ao contrário de todos os países europeus, quando os portugueses começaram a aceder à escola e a aprender a ler, nos anos 50 e 60, já havia televisão. Não se fez o caminho que todos os outros países da Europa fizeram, que foi dois séculos a lerem jornais e só depois com uma passagem gradual para a rádio e para a televisão.

Portugal deprime-o?

Não. Entristece-me umas vezes, irrita- -me outras. O que se passa hoje com a justiça em Portugal entristece-me muito, mas também me irrita.

Quando se debruça especificamente sobre o mapa político e social o que o aflige mais é a justiça?

É. Há muito que falo disso e todos os anos com mais razão que no anterior. Não há alternativa para a justiça, como na saúde, em que se pode escolher o privado, ou na educação, onde se vai para outra escola. Na justiça não há alternativa e ainda bem, não deve haver. Mas a nossa justiça está hoje refém, capturada…

Por quem?

Pelos grandes grupos profissionais: o dos magistrados, dos procuradores e dos advogados, que são quem ordena e quem comanda a justiça, os operativos, os agentes. Não sei como lhes chame, mas qualquer nome é bom. Agora até já há sindicatos, que são uma espécie de infantaria avançada de cada um destes grupos. Há evidentemente centenas de juízes fantásticos. Sei que há, e é possível hoje fazer a diferença entre os 100 ou 200 tribunais que funcionam muitíssimo bem e os outros. Só que a sociedade portuguesa contemporânea está essencialmente nas grandes áreas metropolitanas, o resto é paisagem. Não é bem, mas conta muito menos. E o que se passa é que a sua vida privada, familiar, as sucessões, as heranças, os despejos, os contratos de trabalho, os requerimentos… tudo está hoje em causa porque não há justiça, não há recurso para nada nem para ninguém. Se quiser resolver um problema, recorre a quem? À justiça. Há 20 anos os magistrados vinham em primeiro lugar, era o grupo profissional que mais confiança merecia dos portugueses. Estão hoje em penúltimo lugar; abaixo só os deputados. É o grupo mais destituído da confiança dos portugueses. Os portugueses não confiam nos tribunais nem nos magistrados e isto é terrível, mina a alma, mina os sentimentos, mina o coração.

Como se inverte tal estado de coisas?

O poder legislativo e o poder executivo. Não há outra maneira. Em Portugal há uma confusão profunda entre independência e autogestão. A independência dos juízes é aquela com que, no tribunal, diante das partes, julgam e ditam a sentença, e não pode haver a menor beliscadura a essa independência. No entanto, isso não quer dizer autogestão, que significa organizar as carreiras, os dinheiros, as comarcas, as promoções, fazer nomeações e avaliações. Ora isso está totalmente em autogestão. Enquanto o poder executivo, através do poder legislativo – porque ambos representam o povo -, não tomar a iniciativa, a justiça piorará. Há meses que assistimos a ela estar cada vez pior, cada vez pior…

Tem a tentação de fazer comparações negativas entre a classe política de hoje e a gente do seu tempo, quando foi ministro, deputado, dirigente partidário, fundador dos Reformadores, o movimento político criado em 79?

Isso é ingrato, as circunstâncias eram tão diferentes… Eram tempos de grande empenho, grandes causas, quase de vida ou de morte. Hoje estamos na “vida normalizada”, em que os políticos fazem carreira e ela pode produzir pessoas interessantes, ou não. Não é uma vocação, é uma carreira. Diz-se que muitas pessoas competentes saíram da política mas fizeram-no porque dantes ela era uma vocação que se confundia com uma causa. Hoje há certamente pessoas capazes, o que têm é uma maneira muito diferente de fazer política.

Diferente como?

Porque se fala tanto, há cinco ou seis anos, de um crescendo da propaganda política? Porque a vontade não é que as pessoas participem, mas que se limitem a subscrever, e passivamente. Se se quiser participação, há que respeitar as pessoas, dando-lhes conhecimento, informação e manifestando respeito pelas opiniões contrárias. Participar é isso. Quando não se quer que as pessoas participem faz-se propaganda: exigindo obediência ou impassibilidade.

Nunca houve como hoje um governo tão praticante da propaganda?

Há 15 anos que vem aumentando, aumentando… O último governo foi o que teve mais vontade e mais meios – que hoje são fantásticos: empresas, agências, inúmeras pessoas a trabalhar com esse objectivo…

Daí à tal “asfixia” vai – ou não vai – um passo?

O problema é a dependência, não a asfixia…

Prefere chamar-lhe “dependência”?

Prefiro, acho que é mais grave. Em Portugal quase toda a gente depende do Estado, do governo, das instituições públicas oficiais, dos superiores, dos empregadores. Não há verdadeiros focos de independência. Depende-se de muita coisa: do alvará, de ter autorização, de ser aceite, da boa palavrinha do bom secretário de Estado que diz ao bom banqueiro que arranje uns bons dinheirinhos para fazer o investimento. A dependência é enorme. Não é asfixia, uma vez mais, é dependência. As pessoas têm receio pelo seu emprego, pelo seu trabalho, pelo trabalho da família. Conheço algumas que até têm receio de falar…

Já fomos mais independentes?

Há 20 anos havia mais independência em Portugal, nas associações, nas empresas… Durante o marcelismo, por exemplo, não havia mais independência mas as pessoas estavam mais dispostas a correr riscos e nessa altura eles eram bem mais pesados: metia deportação, cadeia, polícia. Hoje há muito menos disponibilidade para o risco porque a dependência é muito, muito forte.

O país está muito doente?

Está dependente, doente não. Há um fenómeno de esgotamento, de cansaço. Entre 1960 e 1995 houve uma verdadeira cavalgada: fomos o país que mais cresceu e se desenvolveu na Europa, com uma mudança demográfica completa, outra nos costumes, algo de absolutamente fantástico! De repente chegámos a 90 ou 95 e percebemos que não tínhamos inovado nem criado muito… Fizemos auto-estradas – qualquer país com um cheque na mão as faz -, mas não fizemos novas empresas, novos projectos, novos produtos. E perdemos muito do que tínhamos: demos cabo da floresta, demos cabo da agricultura, demos cabo do mar. Três coisas imperdoáveis, três erros históricos. E não sei se ainda é possível voltar a prestar atenção à floresta, à agricultura, ao mar…

No Portugal de hoje que há que valha

a pena?

Há coisas que se conseguiram: nas telecomunicações, na organização da banca, um bocadinho na universidade, outro bocadinho na ciência, numa ou outra indústria, na distribuição dos produtos de consumo diário (que está muito bem organizada). Mas são as excepções. No resto, importamos 4/5 do que comemos. Hoje, no produto nacional, 3% ou 4% são agricultura e alimentação, 20% ou 25% são indústria. Ou seja, produtos novos, feitos em Portugal, são 30%, menos de um terço. Que vamos exportar daqui a dez anos? E daqui a 20? Serviços? Quais? Financeiros, bancários, serviços de informações, serviços de quê? Estamos a quilómetros e quilómetros de distância da capacidade de exportação de serviços da Espanha, de Inglaterra, da França, dos Estados Unidos… Novas coisas, novas indústrias, novos projectos, novos planos, novas ideias, fizemos muito pouco. Chegados a 95, 96 ou 97, começaram a aparecer os países de Leste, apareceu a China, apareceram os grandes concorrentes. No fim da década de 90 já a Irlanda estava à nossa frente com inúmeras reformas feitas – embora hoje se encontre em dificuldades -, a Espanha também, e até a Grécia já nos estava a ultrapassar…

Que conclusão se impõe tirar? E isto para não lhe perguntar que caminho pisar…

Se não houvesse a Europa e se ainda houvesse Forças Armadas, já teríamos tido golpes de Estado. Estamos à beira de iniciar um percurso para a irrelevância, talvez o desaparecimento, a pobreza certamente. Duas coisas são necessárias para evitar isso. Por um lado, a consciência clara das dificuldades, a noção do endividamento e a certeza de que este caminho está errado. Por outro, a opinião pública consciente. Os poderes só receiam uma coisa: a opinião dos homens livres.

Poderemos estar à beira de uma crise institucional?

Com a justiça que temos, sim! Com a cultura dominante nos partidos, sim!

Em face de tudo o que me disse e daquilo que sabemos – do endividamento aos fumos de corrupção -, convinha que o país ouvisse mais o Presidente da República?

Penso que sim. Desde o conflito sobre o Estatuto dos Açores que está esgotada a cooperação estratégica, e com isso a boa saúde das relações entre os dois órgãos de soberania, Presidência e governo. Não creio que ainda se possa esperar mais alguma coisa. A não ser cordialidade institucional. Por isso defendo o envio de mensagens do Presidente à Assembleia da República. Os argumentos serão mais consistentes e terão o povo como testemunha. A opinião pública pode ser a grande parteira da democracia.


Deixe o seu comentário

Choque frontal-Fernando Sobral

Fernando  Sobral
Choque frontal
fsobral@negocios.pt

Clausewitz dizia que nenhum plano de batalha sobrevive ao contacto com o inimigo. Isso, claro, acontece tanto na guerra como na paz podre da política portuguesa. Compare-se dois planos de batalha desenvolvidos pelos principais partidos indígenas. No Governo, o PS elegeu a criação de emprego como o seu principal desafio: 150 mil novos empregos na anterior legislatura era a meta.

 

Até a criação de “call centers” serviu para mostrar que o emprego avançava a todo o vapor. Foi então que o Governou acertou com a cabeça na crise. E, aí, como Clausewitz alertava, todos os planos do Governo entraram em curto-circuito. O emprego, em vez de descer, comprou um ascensor e não se sabe em que andar parará. O défice pediu-lhe boleia e já vai no oitavo andar.

As multinacionais esconderam-se na cave e debandam do país. Nem Mary Poppins, com toda a sua capacidade mágica, sobreviveria a este choque do plano de batalha com a realidade. Nisso, o PS não está sozinho. O PSD tinha o seu plano perfeito para ocupar o poder. Mas tudo o que as Europeias prometeram as Legislativas se encarregaram de tirar.

O resultado foi uma das cíclicas convulsões dentro do partido. Se o PSD fosse um país seria uma espécie de Libéria: criado com a melhor das intenções, tornou-se num pesadelo ingovernável. A única diferença é que o PSD não tem riquezas naturais, nem ideias, para explorar e para garantir um futuro em paz a quem quer que seja. É essa a sorte do PS: tendo pouco para oferecer defronta-se com alguém que só tem uma guerra civil para partilhar.


Deixe o seu comentário

Nunca fomos outra coisa senão isto…- Baptista Bastos

b.bastos@netcabo.pt

Pouco podemos esperar desta democracia. Chamam-lhe “representativa” mas, na verdade, pouco ou nada nos representa. Vivemos não numa comédia de enganos, mas numa tragédia de mentiras. Os conceitos morais, os princípios éticos foram pulverizados. Ainda agora, Fernando Lima, que fora destituído das funções de assessor para a comunicação social do Presidente da República, foi por este promovido. Recordemos que Lima, envolvido no caso das escutas em Belém, portou-se como o cargo exigia: defendeu o amo e senhor, notoriamente responsável pelo imbróglio. Fernando Lima é um jornalista abaixo do medíocre, cuja carreira é embaraçosamente surpreendente. Não possui méritos assinaláveis que apoiem ou justifiquem os lugares de chefia e de directoria por ele desempenhados. Sobre o caso já escrevi, no JN, dois artigos. Não desejo alongar-me mais: o assunto fede. Mas que esse fedor exala algo de nauseabundo e de pérfido, lá isso…

Sobrenadamos neste oceano glauco de pagamento de favores, de tranquibérnias de todo o jeito e feitio, de promoção de “yes men”, de percursos sombrios, de corrupção vulgarizada, de actividades pouco claras. Um fartote! Podemos afirmar que vivemos em democracia? Não.

Ainda há dias, no programa Prós e Contras, RTP1, de Fátima Campos Ferreira, ficámos a saber, uma vez mais, como os lídimos representantes da Justiça não se entendem. Não é novidade para ninguém que a Justiça, em Portugal, é inexistente. E que, como muita gente responsável declara, beneficia quem tem dinheiro e desmerece de quem o não tem. O bastonário da Ordem dos Advogados, o dr. Marinho e Pinto, tem desmontado, com invulgar coragem e rara audácia, os meandros em que a instituição se tem enredado. Não se esqueceu de dizer que nada aconteceu aos juízes que ofendiam a moral e a decência, nos amargamente famosos Tribunais Plenários, antes do 25 de Abril. Depois, muitos foram recolocados, com alegre leviandade.

Um país sem memória, ou que não cultiva a recordação das coisas, está irremediavelmente condenado. E, a propósito, não esquecer, também, o facto de o dr. Cavaco ter negado uma pensão à viúva de Salgueiro Maia, e não as haver recusado a ex-agentes da PIDE. Foi, aliás, durante a década cavaquista que a amnésia histórica se alargou, como ideologia dominante.

Nas Redacções dos jornais jornalistas de grande competência foram removidos pela incomodidade que representavam. A decadência da Imprensa portuguesa, o elevado grau da sua imaturidade, a ausência de carácter na maioria dos jornais decorre daí. Ramalho Ortigão, que foi nosso mestre, disse que, “para se escrever nas folhas é preciso ter ombros largos.” Queria dizer que o jornalista, para o ser e enquanto tal, tem de saber enfrentar as armadilhas, as velhacarias que a todo o momento se erguem no caminho dos profissionais honrados.

Pouco podemos esperar desta democracia, repito. Os Governos (este, então, bate recordes) estão repletos de pingentes encardidos, cuja noção de serviço público é igual à de um eguariço a açoitar as bestas. O Executivo Sócrates, depois de ganhar as eleições com margem relativa, começou, imediatamente, a tripudiar sobre o programa que apresentara, semanas antes, ao eleitorado. Chama-se falta de palavra. Todavia, parece que os portugueses já se habituaram a esta continuada indignidade. Um cavalheiro é acusado de crime e logo se descobre que auferia o vencimento de 6 700 contos, moeda antiga. Um outro, que escuma de ira, quando vai à televisão e o contradizem, vai receber uma reforma de 3 600 contos mensais, “adaptáveis” à inflação, por ter exercido funções públicas, durante seis meses!, num banco. O rol não pára. E só raramente estes casos, de absoluta imoralidade, aparecem nas primeiras páginas ou abrem os noticiários dos telejornais.

A nebulosa do viver português leva-nos a conjecturar as mais sinistras tropelias e a desconfiar de meio-mundo, enquanto o outro meio está de remissa. A Justiça não está ao nosso lado, ao lado daqueles que não dispõem de dividendos suficientes para pagar a um advogado dos grandes escritórios. A imprensa, de uma forma geral, ignora-nos e aos nossos dramas. O futebol serve muito mais o poder, depois de Abril, do que durante o salazarismo. Serve-o como entorpecedor das nossas energias e das nossas indignações. Estas, estão pelas ruas da amargura.

O eng.º Van Zeller, nobre figura, vem à liça e quase que impede a miséria dos aumentos. O dr. Constâncio, socialista e tudo, ergue, medonho e implacável, a sobrancelha direita, e proclama o mesmo ou pior ainda. José Sócrates anda de beijinho com o PSD e enfurece o CDS-PP, que se presumia o privilegiado. O Bloco está à espera. O PCP desconfia, como é seu estilo. O PS não é nem deixa de ser. Claramente, esta situação opaca e suja não pode continuar. Os portugueses têm sido comprimidos entre o que dois partidos desejam. Nenhum é melhor do que o outro. Mas já não somos o que éramos ou, acaso, sempre fomos assim…

b.bastos@netcabo.pt


Deixe o seu comentário

A traição do PSD. A Assembleia da República tem de suspender a avaliação

 

Concordo em pleno com a opinião do Octávio:

Pelos vistos, a ingenuidade não é uma fraqueza assim tão mal distribuída.
Para aqueles que embandeiraram em arco, fizeram festejos prematuros e acreditaram na abertura deste ME (não subestimem a obstinação e a “embirração” de Sócrates em relação aos professores), talvez a proposta da sorridente Isabel Alçada os deixe bastante apreensivos.
Particularmente o PSD já devia ter compreendido que “gato escaldado devia pensar duas vezes antes de se meter em a-venturas”.
Esta das quotas por motivações económicas diz tudo sobre a natureza deste governo: poupanças e constrangimentos artificiais e absurdos no financiamento à Educação para se poderem esbanjar milhares de milhões de euros no apoio à Banca, em consequência de especulações e de fraudes financeiras.

 

 

Proposta do M.E.

Princípios da Revisão do Estatuto da Carreira Docente e da sua articulação com a Avaliação de Desempenho

1) Estruturação da carreira docente:
• Carreira única para os educadores de infância e para os professores dos ensinos básico e secundário;
• Carreira com uma única categoria, sem divisão entre professores titulares e não titulares;
• Desenvolvimento da carreira em 10 escalões;
• Especialização funcional facultativa nos dois escalões do topo da carreira, para as funções de supervisão pedagógica, de gestão da formação, de desenvolvimento curricular e de avaliação, acessível, sob candidatura, aos docentes que possuam formação especifica adequada.
2) Ingresso na carreira:
• Ingresso na carreira dependente de qualificações adequadas, mérito e selectividade;
• Selectividade no ingresso na carreira realiza-se através de uma prova pública de acesso e da aprovação no final de um período probatório de um ano, em que é obrigatória a observação de aulas e a avaliação da prática docente não lectiva.
3) Progressão na carreira e sua articulação com a avaliação de desempenho:
• Acesso ao escalão imediatamente superior mediante a conjugação dos seguintes elementos: tempo de serviço, formação continua ou especializada e mérito traduzido na classificação obtida na avaliação de desempenho, sem prejuízo da dimensão também formativa da avaliação;
• 0 sistema de classificação e o regime dos efeitos da avaliação de desempenho continuarão a assegurar consequências efectivas da avaliação nas condições e no ritmo de progressão na carreira, sem prejuízo das adaptações necessárias à nova estruturação da carreira docente;
• Independentemente dos normais ciclos de avaliação de dois anos, a avaliação com observação de aulas é condição de acesso ao 3.º e ao 5.º escalão, bem como ao 7.° escalão quando tal observação não tenha tido lugar em nenhum dos ciclos anteriores. Se ao docente não estiver distribuído serviço lectivo, a avaliação requerida para o acesso aos escalões referidos inclui um relatório elaborado pelo director da escola;
• As condições de progressão na carreira promovem a necessária selectividade da progressão, como forma de estimular e premiar um melhor desempenho, mediante a fixação anual de vagas para acesso ao 3.º, ao 5.º e ao 7.º escalão.
4) Distribuição de responsabilidades funcionais:
• A atribuição de funções de coordenação, orientação, supervisão pedagógica e avaliação são reservadas aos docentes posicionados a partir do 4.º escalão da carreira, preferencialmente detentores de formação especializada e, de entre eles, sempre que possível aos docentes dos dois últimos escalões que tenham optado pela especialização funcional correspondente;
• A Direcção de cada escola poderá, por motivo justificado, designar para as funções referidas no ponto anterior docentes posicionados no 3.º escalão, desde que possuam formação especializada para o desempenho das funções em causa.
5) Regime transitório:
• Transitoriamente, aos docentes que actualmente se encontram posicionados nos índices 299 e 340 aplicam-se as regras de progressão previstas no Decreto-Lei n.º 270/2009.

Comentário e proposta minha:
O fim da arbitrária e injusta divisão na carreira entre professores titulares e professores não titulares devia ser objecto de um anúncio oficial por parte do ME, à semelhança do que já ocorreu com a inclusão no processo de avaliação dos docentes que não procederam à entrega dos Objectivos Individuais, explicitando-se e estabelecendo-se desde já a nova estrutura da carreira, deixando para a negociação os princípios e os mecanismos de progressão.
Integrar o princípio do fim da divisão na carreira neste pacote, que contém propostas inaceitáveis para os professores, pode protelar a decisão da eliminação efectiva da divisão para além do aceitável (para já não falar do prazo imposto pelo PSD), além de constituir uma estratégia para o ME ganhar tempo com vista à consolidação da farsa que são as classificações obtidas no 1º ciclo de avaliação e a aberrante e incoerente admissão das suas consequências para efeitos de concursos e de progressão na carreira.
Já que os Sindicatos não tomam a iniciativa de implementação de um processo de audição pública dos professores, escola a escola, relativamente a estes princípios e à proposta de novo modelo de avaliação que será entregue pelo ME, proporei aos movimentos independentes de professores que desencadeiem uma campanha nacional a exigir essa auscultação
Porque qualquer análise que cada um de nós, individualmente, possa fazer das propostas do ME pode ser sempre redutora e não exprimir a vontade maioritária dos professores. E também não é prudente deixarmos assuntos desta relevância ao arbítrio das cúpulas sindicais.
AUSCULTEM OS PROFESSORES!

Permitam que os professores se pronunciem sobre:
1) prova de ingresso na carreira;
2) condicionamentos no acesso aos escalões;
3) anulação dos efeitos das classificações obtidas no 1º ciclo de avaliação para efeitos de concursos e progressão na carreira;
4) duração dos ciclos de avaliação;
5) princípios e mecanismos de avaliação aceitáveis;
6) condições de candidatura a funções de coordenação e supervisão;
7) abertura de um concurso extraordinário de professores, tendo em conta as injustiças e as colocações “privadas” (a pedido) que ocorreram neste último concurso, dando também a possibilidade aos ex-titulares, que assim o desejem, de poderem concorrer;
8) eleição dos directores e dos coordenadores de departamento pelos professores. Publicada por Octávio V Gonçalves


1 Comentário

Organização Mundial de Saúde planeou “O Medo Global da Gripe Suína” – suspeitas de corrupção

Novye Izvestija Novye Izvestija
November 26, 2009 26 de novembro de 2009

Translated from Russian by Infowars Ireland Traduzido do russo por Infowars Irlanda

A pandemia de gripe suína que Novye Izvestija tem escrito sobre esre assunto, pode ser o embuste mais ambicioso e de corrupção do nosso tempo. Em qualquer caso, o aspecto comercial do enorme susto “gripe suína” é já evidente.

A mesma conclusão foi feita por jornalistas dinamarqueses que habilmente examinaram as relações entre a Organização Mundial da Saúde (OMS) e empresas farmaceuticas de todos o mundo, ganharam fortunas com a venda de drogas para combater a doença. Acontece, por exemplo, que muitos cientistas que se sentam em vários comitês da OMS, cuidadosamente ocultando o fato de que recebem dinheiro das empresas multinacionais farmacêuticas do mundo.

De acordo com o banco de investimento internacional da JP Morgan, a indústria farmacêutica vai fazer mais de 7 bilhões de euros este ano com a venda de vacinas contra H1N1. Os principais países ocidentais têm encomendado doses suficientes para vacinar toda a população, quer a sua (como a Austrália), ou um terço (Alemanha e em vários outros Estados-membros da UE).Fábricas de vacinas e comprimidos estão trabalhando dia e noite, em quatro rotações por turnos, com uma carteira de encomendas … eles não estão enfrentando a crise econômica mundial como pode acontece com outros.

Pela primeira vez em muitos anos de pandemia de gripe “o pânico” tem afetado a UE. A vacina foi produzida sem um número suficiente de exames clínicos e exames laboratoriais.

É um tal pânico justificado?  um número crescente de especialistas está examinando a questão comparando as estatísticas de mortalidade do vírus da gripe suína e a “convencional”,que no Outono começam sua marcha por todo o planeta. Até agora, segundo a OMS, seis mil pessoas foram vítimas de H1N1, enquanto a taxa de mortalidade média anual durante as epidemias  ‘tradicionais’ de gripe atinge meio milhão.

A principal causa da reação histérica à epidemia da gripe suína, de acordo com os repórteres do jornal dinamarquês ‘Informação’, não é porque ele é tão perigoso, mas por causa de uma forte campanha de relações públicas por especialistas da OMS.  Alguns deles [especialistas da OMS], estão, literalmente, ao serviço dos fabricantes de vacinas.

“É preocupante que muitos dos cientistas que se sentam em vários comitês da OMS, são apresentados como” peritos independentes, mas escondem o fato de que recebem dinheiro das empresas farmacêuticas “, confessou o professor de epidemiologia, Tom Jefferson, que trabalha na do Centro Cochrane, em Roma, a repórteres.

A OMS anunciou a pandemia da gripe suína sob pressão de um painel de conselheiros, liderado por um médico holandês, Albert Ostenhaus, apelidado de “Dr. Flu’ (do nome ‘Tamiflu’), porque ele era activo na promoção da vacinação em massa da população através da OMS e dos média ocidentais.  Agora, o governo da Holanda está a realizar um inquérito de emergência às actividades do “Doutor Flu”, tal se tornou conhecido que ele recebe um salário de várias companhias de fabricação de vacinas. Muitos outros conselheiros que se sentam nas duas cadeiras ‘(conflito de interesses) como Ostenhaus, e ao mesmo tempo a lidar com a pandemia da gripe suína, em nome da OMS, eles não gostam de anunciar que são pagos como assessores das gigantes farmacêuticas Roche, Johnson RW, SmithKline Beecham e Glaxo Wellcome, que receberam a maior parte das encomendas para a fabricação de vacinas. O resultado da pressão desses especialistas foi a resolução da OMS em 7 de julho deste ano, que apelou para uma campanha inédita de vacinação em massa.

“A OMS é tendenciosa em suas recomendações – diz o professor Tom Jefferson. – Medidas de higiene normal proporcionam efeitos muito maiores do que estas vacinas pouco estudadas, e ao mesmo tempo, a OMS refere-se ao uso de máscaras e lavar as mãos como um meio para combater a gripe suína apenas duas vezes em seus documentos.  Vacinas e outros medicamentos são referidas 42 vezes! “Dr. Jefferson e vários de seus colegas acreditam que os assessores pagos pelas empresas farmacêuticas devem ser removidos de suas posições e não autorizados a dar recomendações à OMS, mas a própria organização não tem pressa para realizar essa reforma.Porta-voz da OMS, Gregory Hertl, comentando o artigo na ‘Informação’ (jornal dinamarquês) disse que é impossível negar os serviços dos maiores especialistas do mundo pela simples razão de que eles têm um interesse financeiro na promoção de uma estratégia para combater diversas doenças.

Refira-se que este não é o primeiro ano em que o tema da corrupção “em farmacologia tem sido o foco dos média ocidentais. The New England Journal of Medicine publicou “o denunciante” há vários anos. Em uma série de artigos do denunciante revelou a vida dentro da “máfia de branco”. Segundo eles, apenas 11-14% dos orçamentos das empresas farmacêuticas são gastos em pesquisa, mas 36% dos fundos são gastos no PR. Grande parte do dinheiro acaba nos bolsos dos médicos, cientistas, e as contas de várias organizações que trabalham em cuidados de saúde.


Deixe o seu comentário

Um outro cientista proeminente chama “criminosos” a cientistas da CRU

Documentos que sairam provam a existência de planos para pedir financiamento a “agências de energia “

Steve Watson Steve Watson
Infowars.net [1] Infowars.net [1]
Wednesday, Nov 25, 2009 Quarta-feira, novembro 25, 2009

Um cientista proeminente pediu que os processos criminais sejam movidos contra os cientistas da ONU filiados e envolvidos no que foi denominado “ClimateGate”.
Geólogo australiano e um oponente de longa data da teoria do aquecimento global antropogénico, Ian Plimer, condenou o que ele descreve como “alarmismo apoiado por fraude”.

“Esse comportamento é o de criminosos e todos os dados do Hadley Centre e do GISS E.U. agora devem ser rejeitados.  Esses criminosos cometeram esses crimes à custa dos contribuintes britânicos e E.U. “. Plimer escreve num pequeno artigo [2].

“Os mesmos bandidos  controlam do IPCC e os dados fraudulentos nos relatórios do IPCC. ” Plimer . Os mesmos  bandidos reunir-se-ão  em Copenhaga, na próxima semana e querem 0,7% do PIB do mundo ocidental a ser dado a um governo não  eleito da ONU e, em seguida, para explorar o mundo em desenvolvimento “. Plimer continua.

Ele ressalta que os e-mails íntimos mostram  que os dados foram manipulados para cobrir o período de aquecimento medieval, e continuar o arrefecimento global, além de dados artificialmente inflacionados para enfatizar o aquecimento durante o século 20.
Plimer, autor do best-seller sobre o debate do aquecimento global, o Céu e a Terra – Aquecimento Global: A Ciência em falta, tem sido um crítico do que ele descreve como o movimento sequestrador ambiental.

Plimer declarou muitas vezes que ele  sente que vastas áreas da comunidade científica têm optado por manipular dados em troca de milhões para a continuação   financiamento da pesquisa .

Os e-mails vazaram do centro Hadley revelam que CRU chefe PD Jones recebeu 55 doações desde 1990 [5] das agências que vão desde o E.U. Departamento de Energia para a NATO, no valor total de £ 13.718.547, ou aproximadamente US $ 22,6 milhões.

Outro documento intitulado (potencial funding.doc [6]), enumera as fontes de financiamento potenciais e mostra que os cientistas consideraram urgentes agências de “energia” que tratam especificamente em novas tecnologias para reduzir as emissões de carbono.

Renewables North West, uma companhia americana que promovem a expansão da energia solar, eólica e geotérmica, está listado como um benfeitor quarta potencial.

Naturalmente, todos estes potenciais apoiadores financeiros têm interesse em manter a concepção de que o homem provocou o  aquecimento global,e que é uma realidade apoiada pela ciência.

Teóricos do aquecimento antropogênico global há muito tempo que atacam os cientistas cépticos, afirmando que eles são comprados e pagos por companhias de petróleo, no entanto, aqui temos o mais influente grupo de cientistas do clima que  reconhecem ser um grupo de cientistas prontos para para receber financiamento de empresas de energia com interesses escusos.
Ian Plimer junta-sea  outra figura de destaque no debate, Senhor Christopher Monckton [7], que pediu uma investigação completa e processos criminais no início desta semana.

Fonte:

Article printed from Alex Jones’ Prison Planet.com: http://www.prisonplanet.com Artigo impresso de Prison Alex Jones ‘Planet.com: http://www.prisonplanet.com

URL to article: http://www.prisonplanet.com/another-prominent-scientist-calls-cru-scientists-criminals.html URL do artigo: http://www.prisonplanet.com/another-prominent-scientist-calls-cru-scientists-criminals.html

URLs in this post: URLs in this post:

[1] Infowars.net: http://www.infowars.net/index.html [1] Infowars.net: http://www.infowars.net/index.html

[2] Plimer writes in a commentary piece: http://pajamasmedia.com/blog/climategate-alarmism-is-underpinned-by-fraud-pjm-exclusive/2/ [2] Plimer escreve em um pedaço comentário: http://pajamasmedia.com/blog/climategate-alarmism-is-underpinned-by-fraud-pjm-exclusive/2/

[3] : http://prisonplanet.tv/signup.html [3]: http://prisonplanet.tv/signup.html

[4] Image: http://infowars-shop.stores.yahoo.net/faofreprofba.html [4] Image: http://infowars-shop.stores.yahoo.net/faofreprofba.html

[5] received 55 endowments since 1990: http://spreadsheets.google.com/ccc?key=0Ah4XLQCleuUYdFIxMnhMNnlXb2JQcDZUendjUXpWWUE&hl=en [5] recebeu 55 doações desde 1990: http://spreadsheets.google.com/ccc?key=0Ah4XLQCleuUYdFIxMnhMNnlXb2JQcDZUendjUXpWWUE&hl=en

[6] potential-funding.doc: http://ukginger.net/FOI2009/FOIA/documents/potential-funding.doc [6] potencial funding.doc: http://ukginger.net/FOI2009/FOIA/documents/potential-funding.doc

[7] Lord Christopher Monckton: http://pajamasmedia.com/blog/viscount-monckton-on-global-warminggate-they-are-criminals-pjm-exclusive/ [7] Lord Christopher Monckton: http://pajamasmedia.com/blog/viscount-monckton-on-global-warminggate-they-are-criminals-pjm-exclusive/


Deixe o seu comentário

A grande farsa do Aquecimento Global 1- 4

O Canal 4 britânico produziu um documentário devastador intitulado “A Grande Fraude do Aquecimento Global”. Ele não foi, ao que parece, exibido por nenhuma das redes de televisão nos EUA. Mas, felizmente, ele está disponível na Internet.


Deixe o seu comentário

A história surpreendente atrás do embuste do aquecimento global


Um texto publicado em Janeiro de 2009 no site OSMOOTHIE alertava para a manipulação climatérica, para o embuste do CO2 como principal poluente da atmosfera e causado do efeito de estufa:
Publicado janeiro em 29, 2009

KUSI, “a história surpreendente atrás do embuste do aquecimento global
por John Coleman

Todos os actores importantes estão agora no lugar em Washington e nos governos estatais através de América para etiquetar oficialmente o dióxido de carbono como um poluente e para decretar as leis que nos taxam cidadãos para nossas pegadas do carbono. Somente dois detalhes estão na maneira, nos tempos económicos esmorecidos e em uma volta dramática para um clima mais frio. Os últimos dois Invernos amargos têm conduzir a uma ascensão na consciência pública que o CO2 não é um poluente e não é um gás de estufa significativo que esteja provocando o aquecimento global do fugitivo.

Como nós chegamos a este ponto onde a ciência má está conduzindo o governo ?

A história começa com um Oceanographer nomeado Roger Revelle. Seriu com a marinha na segunda guerra mundial. Depois que a guerra ele assentou bem no director do instituto Oceanographic de Scripps em La Jolla em San Diego, Califórnia. Revelle viu a oportunidade de obter o financiamento principal da marinha para fazer medidas e pesquisa sobre o oceano em torno dos Atolls pacíficos onde as forças armadas dos E.U. conduziam testes da bomba atómica. Expandiu extremamente as áreas do instituto de interesse e entre outro empregou Hans Suess, um químico notável da Universidade de Chicago, que estava muito interessada nos traços de carbono no ambiente do burning de combustíveis fósseis. Revelle etiquetou sobre aos estudos de Suess e co-autorizou um estudo em 1957. O papel levanta a possibilidade que o dióxido de carbono pôde criar um efeito de estufa e causar o aquecimento atmosférico. Parece ser um argumento para financiar para mais estudos. Financiar, sincera, é onde a mente de Revelle estava na maioria das vezes.

Revelle seguinte empregou um Geochemist nomeado David Keeling para planear uma maneira de medir o índice atmosférico do dióxido de carbono. Em Keeling 1960 publicado seu primeiro papel que mostra o aumento no dióxido de carbono na atmosfera e que liga o aumento à queima de combustíveis fósseis.

Estes dois artigos de investigação transformaram-se a terra firme da ciência do aquecimento global, mesmo que não oferecessem nenhuma prova que o dióxido de carbono era de facto um gás de estufa. Além não explicaram como este gás de traço, simplesmente uma fração minúscula da atmosfera, poderia ter todo o impacto significativo em temperaturas.

Deixe-me agora tomá-lo de volta aos anos 50 em que isto estava indo sobre. Nossas cidades entrapped em um nuvem da poluição motor a combustão interna crus que carros pstos e caminhões para trás então e das emissões descontroladas das centrais energéticas e das fábricas. Os carros e as fábricas e as centrais energéticas enchiam o ar com todas as sortes dos poluentes. Havia um válido e a preocupação séria sobre as consequências da saúde desta poluição e de um movimento ambiental forte estava tornando-se para exigir a ação. O governo aceitou este desafio e os padrões ambientais novos foram ajustados. Os cientistas e os coordenadores vieram ao salvamento. Os novos combustíveis reformulados  foram desenvolvidos para carros, como eram os motores altas tecnologia, controlados por computador novos e os conversores catalíticos. Em o meio dos anos 70 os carros eram já não poluidores do máximo, emitindo-se somente alguns dióxido de carbono e vapor de água de suas tubulações de cauda. Do mesmo modo, o processamento novo do combustível e os purificadores da pilha de fumo foram adicionados a industrial e as centrais energéticas e suas emissões foram reduzidas extremamente, também.

Mas um movimento ambiental tinha sido estabelecido e seu financiamento e muito existência dependeu de ter uma edição de continuação da crise. Assim os artigos de investigação de Scripps vieram apenas no momento direito. E, com eles veio o nascimento de uma edição; aquecimento global sintético do dióxido de carbono da queima de combustíveis fósseis.

Revelle e Keeling usaram esta alarmismo nova para manter seu crescimento do financiamento. Outros investigadores com motivações ambientais e uma fome para o financiamento viram este tornar-se e escalaram-no a bordo também. As concessões de pesquisa começaram a fluir e a hipótese alarmista começou a aparecer em toda parte.

A curva de Keeling mostrou uma ascensão constante no CO2 na atmosfera durante o período desde que o óleo e o carvão foram descobertos e usados pelo homem. Até à data de hoje, o dióxido de carbono aumentou de 215 a 385 porções por milhão. Mas, apesar dos aumentos, é ainda somente um gás de traço na atmosfera. Quando o aumento for real, a percentagem da atmosfera que é CO2 permanece minúscula, aproximadamente .41 centésimo de um por cento.

Diverso a hipótese emergiu nos anos 70 e no 80s sobre como este componente atmosférico minúsculo do CO2 pôde causar um aquecimento significativo. Mas permaneceram não demonstrados. Os anos passaram e os cientistas mantiveram-se alcangar para fora para a evidência do aquecimento e da prova de suas teorias. E, o dinheiro e as reivindicações ambientais manteve-se na acumulação.

Para trás nos anos 60, esta pesquisa do aquecimento global veio à atenção de um Maurício nomeado de nação unida carregada burocrata canadense forte. Procurava edições que poderia se usar para cumprir seu sonho do governo do um-mundo. Forte organizou um evento do dia de terra do mundo em Estocolmo, Sweden em 1970. Disto desenvolveu um comité dos cientistas, dos ecólogos e de eficiente políticos do UN para continuar uma série de reunião.

Forte desenvolveu o conceito que o UN poderia exigir pagamentos das nações avançadas para o dano climático de seu burning de combustíveis fósseis beneficiar as nações subdesenvolvidas, uma sorte do imposto do CO2 que fosse o financiamento para seu governo do um-mundo. Mas, ele necessário mais prova científica suportar sua tese preliminar. Tão forte patrocinou o estabelecimento do painel intergovernamental de nação unida na mudança de clima. Esta não era uma organização científica do estudo puro do clima, como nós fomos conduzimos para acreditar. Era uma organização dos burocratas do UN do governo do um-mundo, dos activistas ambientais e dos cientistas da ecologia que imploraram o financiamento do UN assim que poderiam produzir a ciência eles necessários para parar a queima de combustíveis fósseis. Durante os últimos 25 anos foram muito eficazes. As centenas de papéis científicos, de quatro reuniões internacionais principais e de resmas de notícias sobre o Armageddon climático mais tarde, o UN IPCC fizeram seus pontos à satisfação da maioria e compartilharam mesmo de um prémio de paz de Nobel com Al Gore.

Ao mesmo tempo, esse Maurício Strong era ocupado no UN, coisas começ um bocado fora da mão para o homem que é chamado agora o avô do aquecimento global, Roger Revelle. Tinha sido muito polìtica active nos anos 50 atrasados porque trabalhou para mandar a Universidade do Califórnia encontrar um terreno de San Diego junto ao instituto de Scripps em La Jolla. Ganhou essa guerra principal, mas perdeu uma batalha da mais alta importância mais tarde quando foi passado sobre na selecção do primeiro chanceler do terreno novo.

Deixou Scripps finalmente em 1963 e transportou-se à Universidade de Harvard para estabelecer um centro para estudos de população. Era lá que Revelle inspirou um de seus estudantes assentar bem em um activista principal do aquecimento global. Este estudante diria mais tarde, “ele feltro como tal privilégio poder ouvir-se sobre os readouts de algumas daquelas medidas em um grupo de não mais do que os undergraduates uma dúzia. Estava aqui este professor que apresenta a algo não os anos velhos mas frescos fora do laboratório, com implicações profundas para nosso futuro!” O estudante descreveu-o como “um professor maravilhoso, visionário” quem fosse “um dos primeiros povos na comunidade académico para soar o alarme no aquecimento global,” esse estudante era Al Gore.

gore_firegloablawarminghoax1

Pensou do Dr. Revelle como seu mentor e referiu-lhe frequentemente, retransmitindo suas experiências como um estudante em sua terra do livro no contrapeso, publicou em 1992.

Então, Roger Revelle era certamente o avô do aquecimento global. Seu trabalho tinha colocado a fundação para o UN IPCC, desde que a munição do combustível do anti-fóssil ao movimento ambiental e a Al Gore emitido em sua estrada a seus livros, sua movimento, seu prémio de paz de Nobel e uns cem milhão dólares do negócio de créditos do carbono.

O que aconteceu em seguida é surpreendente. A agitação do aquecimento global estava transformando-se a celebridade da causa dos meios. Depois que todos os meios são na maior parte liberais, ama Al Gore, amores advertir que nós de desastres iminentes e para nos dizer “o céu estão caindo, o céu estão caindo”. Os políticos e o ecólogo amaram-no, demasiado.

Mas a maré estava girando com o Roger Revelle. Foi forçado para fora em Harvard em 65 e retornou a Califórnia e semi a uma posição da aposentadoria no UCSD. Lá teve o tempo para repensar o dióxido de carbono e o efeito de estufa. O homem que tinha inspirado Al Gore e tinha dado ao UN a investigação básica ele necessário para lanç seu painel intergovernamental na mudança de clima tinha dúvidas. Em 1988 escreveu duas letras preventivas aos membros de congresso. Escreveu, “minha própria opinião pessoal é que nós devemos esperar outros 10 ou 20 anos a ser convencidos realmente que o efeito de estufa está indo ser importante para seres humanos, em maneiras positivas e negativas.” Adicionou, “… nós devemos ser cuidadosos não despertar demasiado alarme até a taxa e uma quantidade de aquecimento torna-se mais desobstruída.”

E em 1991 Revelle aliou-se com Chauncey Starr, fundando o directivo do instituto de investigação da energia eléctrica e do cantor de Fred, o primeiro diretor do serviço satélite de tempo dos E.U., para escrever um artigo para o compartimento do cosmos. Incitaram mais pesquisa e imploraram cientistas e governos não mover demasiado rápido para emissões de CO2 da estufa do freio porque era de modo nenhum certo que o impacto verdadeiro do dióxido de carbono e limitar o uso de combustíveis fósseis poderia ter um impacto negativo enorme na economia e os trabalhos e nosso standard de vida. Eu discuti esta colaboração com o Dr. Cantor. Assegura-me que era consideravelmente mais certo que Revelle do que era naquele tempo que o dióxido de carbono não era um problema.

Roger Revelle atendeu à enclave do verão no bosque boémio em Califórnia do norte no verão de 1990 ao trabalhar nesse artigo? Entregou um discurso da beira do lago lá aos motores e aos abanadores montados de Washington e de Wall Street em que se desculpou emitindo o UN IPCC e Al Gore neste ganso selvagem – persiga sobre o aquecimento global? Disse que a conjectura científica chave de sua vida tinha despejado erradamente? A resposta 2 aquelas perguntas é, “eu penso assim, mas eu não a sei  certo”. Eu não consegui confirmar até à data deste momento. É um pequeno como Las Vegas; o que é dito nas estadas boémias do bosque no bosque boémio. Não há nenhum transcrito ou as gravações e os povos que atendem são incentivados não falar. Contudo, o tópico é tão importante, que alguns povos compartilharam comigo em uma base informal.

Roger Revelle morreu de um ataque cardiaco três meses depois que a história do cosmos foi imprimida. Oh, como eu o desejo estavam ainda vivo hoje. Pôde poder parar este disparate científico e terminar o embuste do aquecimento global.

Al Gore não admitiu a culpa do Mea de Roger Revelle como as acções do homem idoso senil. E, o próximo ano, ao funcionar para o vice-presidente, disse que a ciência atrás do aquecimento global está estabelecida e não haverá não mais debate, de 1992 até que hoje, e suas cortes recusem debater o aquecimento global e em que nos pergunte aproximadamente cépticos insultam-nos simplesmente e chamam-nos nomes.

Tão hoje nós temos a aceitação do dióxido de carbono como o culpado do aquecimento global. Conclui-se que quando nós queimamos combustíveis fósseis nós estamos deixando uma pegada inexorável do carbono que nós devamos pagar a Al Gore ou aos ecólogos para deslocar. Nossos governos em todos os níveis estão considerando taxar o uso de combustíveis fósseis. A Agência de Protecção Ambiental federal está na orla de nomear o CO2 como um poluente e estritamente de regular seu uso proteger nosso clima. O presidente novo e o congresso dos E.U. são a bordo. Muitos governos estatais estão movendo sobre o mesmo curso.

Nós já estamos sofrendo deste disparate do CO2 de várias maneiras. Nossa política energética hobbled estritamente por nenhuma perfuração e por nenhumas refinarias novas por décadas. Nós pagamos pela falta que esta criou cada vez que nós compramos o gás. Sobre isso que o tudo isto sobre o milho baseou o álcool etílico custa-nos milhões dos dinheiros provenientes dos impostos nos subsídios. Isso igualmente conduziu acima dos preços dos alimentos. E, toda a esta é longe de sobre.

E, eu sou convencido totalmente que não há nenhuma base científica para algum dela.

Aquecimento global. É o embuste. É ciência má. É um levantamento com macaco elevado da política de interesse público. Não é nenhum gracejo. É o grande embuste na história.

John Coleman é o fundador da canaleta de tempo e é um apresentador do tempo para o KUSI em San Diego, CA.

Neste momento, este artigo continua a ter importência pelo facto de ter rebentado o caso “Climategate”. Mais um vídeo acerca do assunto:



2 Comentários

O escândalo climategate representa um duro golpe para o movimento do aquecimento global

Enquanto em Portugal se fala sobre o Aquecimento Global provocado pelo homem e seus perigos, na América e Grâ-Bretanha debate-se o tema do o Aquecimento Global alterado e modificado por cientistas de renome do IPCC pertencente à ONU, cuja base de dados e emails foram retirados por hackers e divulgados em vários sites internacionais. Um bomba que explodiu antes da conferência de Copenhaga sobre o acordo de redução de emissão de CO2. Com esta informação ficamos todos a saber das tramas realizadas por alguns ditos cientistas sobre a manipulação de dados climatéricos de forma a enquadrar a agenda de políticos e multinacionais interessadas não em controlar a poluição mas em impor taxas sobre a poluição e nomeadamente o CO2. Esta matéria vai ainda dar que falar.

Estas são as notícias que interessam à propaganda e aos interesses dos políticos e multinacionais:

Previsto aumento da temperatura em sete graus até 2100
por Lusa

Um grupo de 24 cientistas internacionais alertou hoje que a temperatura global deverá aumentar sete graus até 2100, pelo que são necessárias medidas rápidas e eficazes para travar o aquecimento climatérico.

Impacto ecológico do Homem atinge níveis recorde

por Lusa
Impacto ecológico do Homem atinge níveis recorde

A concentração de gases com efeito de estufa atingiu níveis recorde e aproxima-se do “cenário pessimista” previsto pelos cientistas, advertiu a Organização Meteorológica Mundial (OMM) a duas semanas da Cimeira de Copenhaga. Um estudo independente revela também que o planeta precisa cada vez de mais tempo para repôr os recursos consumidos pelas actividades humanas.

Vejam agora os vídeos acerca dos mail hackeados do servidor do IPCC da ONU e a bomba que explodiu , que irá ser arrasadora para Al Gore e seus amigalhaços:

Mais sobre o TEMA:

AQUI e AQUI


Deixe o seu comentário

Comunicado – Mário Crespo

Comunicado

“Ilibação progressiva” devia ser um termo da ciência jurídica em Portugal. Descreve uma tradição das procuradorias-gerais da República. Verifica-se quando o poder cai sob a suspeita pública. Pode definir-se como a reabilitação gradual das reputações escaldadas por fogos que ardem sem se ver porque a justiça é cega. Surge, sempre, a meio de processos, lançando uma atmosfera de dúvida sobre tudo. As “Ilibações” mais famosas são as declarações de Souto Moura sobre alegadas inocências de alegados arguidos em casos de alegada pedofilia. As mais infames, por serem de uma insuportável monotonia, são os avales de bom comportamento cívico do primeiro-ministro que a Procuradoria-Geral da República faz regularmente. Dos protestos verbais de inocência dos arguidos que Souto Moura deu à nossa memória colectiva, Pinto Monteiro evoluiu para certidões lavradas em papel timbrado com selo da República onde exalta a extraordinária circunstância de não haver “elementos probatórios que justifiquem a instauração de procedimento criminal contra o senhor primeiro-ministro”. Portanto, pode parecer que sim. Só que não se prova. Ou não se pode provar. Embora possa, de facto e de direito, parecer que sim. Este género de aval oficial de “parem-lá-com-isso-porque-não-conseguimos-provar” já tinha sido feito no “Freeport”. Surge agora no princípio do “Face Oculta” com uma variante assinalável. A “Ilibação progressiva” deixou de ser ad hominem para ser abrangente. Desta vez, o procurador-geral da República não só dá a sua caução de abono ao chefe do Governo como a estende a “qualquer outro dos indivíduos mencionados nas certidões”, que ficam assim abrangidos por estes cartões de livre-trânsito oficiais que lhes vão permitir dar voltas sucessivas ao jogo do Poder sem nunca ir para a prisão. Portanto, acautelem-se os investigadores e instrutores de província porque os “indivíduos mencionados em certidões” já têm a sua inocência certificada na capital e nada pode continuar como dantes.

Desta vez, nem foi preciso vir um procurador do Eurojust esclarecer a magistratura indígena sobre limites e alcances processuais. Bastou a prata da casa para, num comunicado, de uma vez só, ilibar os visados e condicionar a investigação daqui para a frente. Só fica a questão: que Estado é este em que o chefe do Executivo tem de, com soturna regularidade, ir à Procuradoria pedir uma espécie de registo criminal que descrimine vários episódios de crime público e privado e que acaba sempre com um duvidoso equivalente a “nada consta – até aqui”.

Ângelo Correia, nos idos de 80, quando teve a tutela da Administração Interna acabou com a necessidade dos cidadãos terem de apresentar certidões de bom comportamento cívico nos actos públicos. A Procuradoria-Geral da República reabilitou agora estes atestados de boa conduta para certos crimes. São declarações passadas à medida que os crimes vão sendo descobertos, porque é difícil fazer valer um atestado de ilibação progressiva que cubra a “Independente”, o “Freeport” e a “Face Oculta”. Quando se soube do Inglês Técnico não se sabia o que os ingleses tinham pago pelos flamingos de Alcochete e as faces ainda estavam ocultas. Portanto, o atestado de inocência passado pelo detentor da acção penal, para ser abrangente, teria de conter qualquer coisa do género… “fulano não tem nada a ver com a ‘Face Oculta’ nem tem nada a ver com o que eventualmente se vier a provar no futuro que careça de qualquer espécie de máscara”, o que seria absurdo. Por outro lado, a lei das prerrogativas processuais para titulares de órgãos de soberania do pós-“Casa Pia”, devidamente manipulada, tem quase o mesmo efeito silenciador da Justiça.


Deixe o seu comentário

Global Warming On Trial: Inhofe Solicita uma investigação ao IPCC da ONU

Em resposta à revelações surpreendentes decorrentes dos e-mails hacked CRU, o senador Jim Inhofe afirmou que a menos que algo seja feito nos próximos sete dias, ele vai levar o pedido de uma investigação rigorosa em evidências de que os conceituados cientistas do clima conspiraram para manipular dados para ocultar provas de resfriamento global, enquanto exercíciam a caça às bruxas  a académicos para eliminar os cientistas cépticos de  mudança climática feita pelo homem.

Falando no programa  “Américas Morning Show” hoje cedo, Inhofe,  Membro do Senado do Meio Ambiente e Comissão das Obras Públicas , disse que as novas revelações provam o que ele tem advertido há sobre mais de quatro anos, que os políticos orientaram o preconceito dos cientistas do clima filiadas com a ONU IPCC,  fraudulentamente “cozinharam a ciência” para estar conforme com sua agenda.

“Se nada acontecer nos próximos sete dias, quando voltamos para a sessão de hoje a uma semana que iria mudar essa situação, vou pedir uma investigação”, disse Inhofe. “Cause this thing is serious, you think about the literally millions of dollars that have been thrown away on some of this stuff that they came out with.” “Porque este assunto é sério, você pensa  literalmente acerca dos milhões de dólares que foram gastos em algumas dessas matérias que saíram.”

Ouça a entrevista com Inhofe


2 Comentários

Gripe A: Quarta grávida vacinada perde bebé

Em Portalegre

Morreu mais um feto no Hospital de Portalegre em que a grávida foi vacinada contra a gripe A.

A grávida residente em Ponte de Sôr deu entrada, nas últimas 24 horas, nesta unidade hospitalar, onde a 15 de Novembro morreu um outro feto com 34 semanas em que a mãe também foi vacinada.

O pai da grávida, Romão Catarino, confirmou o caso referindo que uma das possíveis causas poderá ter resultado do enrolamento do cordão umbilical à volta do pescoço do feto.

O Hospital de Portalegre promete, para o final da tarde, esclarecimentos sobre este caso, divulga a ‘Rádio Portalegre’.

No espaço de oito dias, sobe para quatro o número de grávidas vacinadas com a ‘Pandemrix’ que perderam os bebés. Além dos dois casos de Portalegre, ocorreu um em Lisboa e um outro em Leira.

Na Europa são conhecidos pelo menos mais três casos com grávidas que tomaram a vacina e perderam os bebés. Dois na Noruega e um em França.

João Saramago