Catarse

Toda a alma é imortal, porque aquilo que se move a si mesmo é imortal.


Deixe o seu comentário

Os tristes dias destes dias – Baptista Bastos

“Que é o futuro?”, eis uma das perguntas. E a resposta surgiu como se fora o verso de um poema: “O futuro é uma coisa cá dentro que nos dá coragem.” Poucas vezes assisti a um acerto tão justo e, ainda por cima, em forma de metáfora. “É uma coisa cá dentro.” Não sabemos muito bem o que essa coisa é. Mas lá que ela existe, existe mesmo. Podemos também chamar-lhe coragem, energia, esperança e até fé. Quer dizer que não devemos desistir, que não devemos deixar cair os braços, que temos de encontrar alento onde o alento parece desaparecido.

Vejamos: que nos espera, a partir de domingo? Não sendo arauto de desgraças nem propagandista de receios maiores do que aqueles no interior dos quais vamos andando, tudo indica que a vida vai piorar para os portugueses. Não para todos: para a esmagadora maioria.

Seja quem for que ganhe as eleições, nem um nem outro dos presumíveis vencedores melhorará a triste e melancólica existência portuguesa. Além do que as guerras partidárias reiniciar-se-ão no minuto seguinte. É estranho verificar que tanto Sócrates como Passos Coelho não é bafejado pelo amor do próximo. Seja: pela estima dos seus “camaradas” e “companheiros.”

Passos, esse, então, reúne um montão de inimizades que o desfile de “apoiantes” de última hora corresponde a uma farsa pegada. Desde a inimitável Manuela Ferreira Leite, que proferiu uma declaração cheia de sicuta, além de adicionar aquela extraordinária frase de que nem na oposição queria Sócrates – até Santana, mais o sempre inteligente dr. Sarmento e o prof. Marcelo, a parada foi um monumento de hipocrisia.

Na hipótese de Passos Coelho vencer as eleições, a vida ser-lhe-á dura. Nem um, um sequer, daqueles que foram ao beija-mão, o estima, o admira, o estremece. Além do que o projecto de que conhecemos alguns extractos são de molde a deixar-nos seriamente assustados. Passos Coelho conseguiu o aparentemente impossível: levar o PSD mais para a direita. Mas também Sócrates fez o mesmo com o PS. As diferenças são, apenas de forma, e a forma é tosca.

As ideias do presidente do PSD são confusas e, por vezes, abstrusas, porém baseiam-se, firmemente, no breviário mais atroz do neoliberalismo. A tese “menos Estado, melhor Estado” é a bandeira de Passos, e tem sido condenada por todos os que pensam a sério. Arrastou o conceito de Europa unida para um lamaçal cujas consequências são imprevisíveis, mas sempre trágicas. Não é, apenas, a crise “sistémica” do capitalismo que originou a crise. É a arrogância de um programa de direita que não quer “aliviar o desfavorecimento e reduzir os extremos de riqueza e indigência” [Tony Judt].

José Sócrates diz que tentou forjar uma nova linguagem de justiça e de acção pública. Reconheçamos que obteve, inicialmente, alguns resultados amolgando alguns interesses corporativos. Mas Sócrates é amigo e defensor do “mercado”; nunca ambicionou modificar o “sistema” através de decisões progressistas e socializantes. Não esqueçamos de que foi aplaudido e incensado pelas faixas mais redutoras e reaccionárias da sociedade portuguesa. Desprovido do mais leve resquício de “socialismo”, suprimiu do discurso oficial do PS a palavra “trabalhadores”, “classe operária” e “luta de classes” no que foi severamente criticado, mas mais tarde, muito mais tarde, por Mário Soares. Este, agora, vendo o barco a afundar-se, veio em socorro de Sócrates, aparecendo num comício, um tanto surpreendentemente, tendo em conta os ásperos comentários que lhe tem dedicado, sobretudo nos artigos semanais que assina no “Diário de Notícias.”

O velho estadista sabe muito bem que, nestas eleições, os vencedores e os vencidos aproximam-se. E que as raivas, apesar de tudo, e os ressentimentos dissimulados, os pequemos ódios e a sede de vingança irão emergir. Se Passos Coelho se move em terreno armadilhado, José Sócrates irá tombar nas ciladas há muito montadas. Um e outro não criaram afectos, dentro e fora dos respectivos partidos. Um e outro pertencem a uma geração para a qual as convicções são o meio disfarçado de atingirem respectivos fins.

O mundo sem ideias acelerou. O mundo dos negócios, das trapaças, do espertismo pacóvio é um mundo triunfante. Temos de esperar mais duas ou três gerações para que outros momentos históricos surjam e se imponham. Até lá, temos de sobreviver com os Sócrates e com os Passos. O que, decididamente, não é razão para alegria.


Deixe o seu comentário

Markus Kerber “Portugal tem que abandonar o euro”

Markus C. Kerber, Fundador do Europolis diz que a ideia de uma taxa de juro igual para todos no euro é um disparate.

Para o fundador do Europolis, o grupo de pressão alemão que colocou uma providência cautelar no Tribunal Constitucional com o objectivo de impedir que Portugal receba ajuda internacional, a ideia de uma taxa de juro igual para todos no euro é um disparate.

Porque não deve a Alemanha prestar assistência financeira a Portugal?
Em Maio e Junho do ano passado requeremos junto do Tribunal Constitucional a constatação que as ajudas à Grécia e o fundo europeu de resgate são anti-constitucionais. Com Portugal temos o terceiro caso, e, se isto continuar, deixa de fazer sentido processar, porque uma vez o dinheiro entregue, será tarde demais para uma intervenção do Tribunal. Pelo que interpusemos a providência cautelar. Do ponto de vista económico, somos contra o ‘bailout’ de uma forma geral, porque viola a soberania fiscal dos países dadores. Também não ajuda Portugal a resolver os seus problemas fundamentais. O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai transformar Portugal num protectorado. Mas a política económica portuguesa tem que ser feita pelos portugueses. Uma reacção liberal à crise só é possível se os políticos portugueses, que foram eleitos, puderem agir de forma soberana.

Portugal deve abandonar o euro?
Portugal tem que aumentar a competitividade e reforçar o crescimento. O que não será possível enquanto estiver entalado no espartilho do euro. A noção de uma taxa de juros directora para 17 sistemas económicos e financeiros diferentes é um profundo disparate. Portugal está a sofrer as consequências de uma falta de consolidação atempada das suas finanças e só poderá recuperar se abandonar temporariamente a união monetária. A questão não é se, mas quando. Com o curso actual do euro aliado a um programa de austeridade não há saída possível, pois a austeridade vai conduzir à recessão.


Deixe o seu comentário

A Fitch e o abuso de poder – Daniel Oliveira

 

A agência Fitch, uma das que andou a avaliar positivamente lixo e a descobrir pelos jornais a falência de empresas e de países, ameaça baixar de novo o ratig da dívida portuguesa se Portugal não recorrer à ajuda externa . Diz-se, quando se contesta a fiabilidade das avaliações destas empresas (que, recorde-se, trabalham para quem ganha dinheiro com o aumento dos juros), que nada podemos fazer. Elas limitam-se a olhar para os dados económicos e financeiros e a dizer de sua justiça.

Se assim fosse, não havia avisos. Se assim fosse, as agências limitavam-se a olhar para as contas – que não são um segredo de Estado, são públicas e podem ser avaliadas pelos investidores – e a dar a nota correspondente. O que a Fitch fez, e não é o primeiro caso, foi dar um conselho a Portugal. Sendo que Portugal não é seu cliente. E nesse conselho está implícita a ameaça: ou fazem o que os nossos clientes querem ou nós dizemos aos mercados que vocês não vão conseguir pagar, aumentando assim as vossas dificuldades de financiamento e, obviamente, a dificuldade em pagar. O que a Fitch fez não foi uma avaliação externa ao próprio mercado. Foi uma intervenção direta no mercado para determinar as políticas de um Estado. Foi lobby em favor dos seus clientes, usando o instrumento que tem para determinar decisões políticas. Porque, todos sabemos, o recurso à ajuda externa, sendo péssimo para a nossa economia, permite o saque final e impede qualquer renegociação da dívida, a única solução racional para as economias periféricas da Europa.

Nada a fazer, é o que se diz. Falso. Está nas mãos da Europa determinar os moldes em que a ajuda externa é garantida. Está nas mãos da Europa garantir essa ajuda, comprando ela própria a dívida nos mercados primários, e dando garantias para uma renegociação da dívida. Está nas mãos da Europa proteger os países que estão na linha da frente de um ataque especulativo ao euro, dizendo o que diz qualquer devedor que seja vítima do abuso de poder dos credores: ou renegociamos as condições ou não pagamos. Não estamos dispostos a trabalhar para pagar juros que não correspondem ao risco real de incumprimento. É isto que famílias, empresas e Estados fazem quando o credor abusa do seu poder: se queres receber o que te devo não tentes levar o que não te devo. Mas para isso Grécia, Irlanda, Espanha e Portugal não podem ser abandonados à sua sorte. Cabe à Europa cumprir o seu papel solidário. E não deixar que seja a Fitch e restantes agências de notação a determinar as políticas dos seus Estados


Deixe o seu comentário

Dois discursos: a grandeza de quem sabe; e a soberba de quem é apenas Presidente – Baptista Bastos

O discurso do Presidente da República não teve importância nenhuma. Nem novidades nem brilho. O costume. O dr. Cavaco repetiu o que já tem dito, e as advertências que faz são as mesmas que outros economistas e preopinantes têm feito. Gostava, de uma vez por todas, esclarecer que de nada de pessoal tenho contra o senhor. Mas ele não dá azo a que mude de opinião. Quer que todos pensem como ele. E, como se sabe, é um homem que nunca se engana e raramente tem dúvidas [Cavaco dixit].

O discurso reflecte essa arrogância, essa soberba e essa notável falta de humildade e de senso. Largou umas zurzidelas menores ao Governo e a Sócrates, num português medíocre, muito apreciado pelos seus prosélitos. Dizem que é bom economista. Parece que os bons economistas não estão nada de acordo. Usa frases insípidas e ríspidas, mas não imparciais, independentes ou neutrais. Um Presidente nunca dispõe dessas virtudes. Um Presidente, neste caso o dr. Cavaco, reserva-se o direito de omitir, ser pouco claro, e de ter com a verdade relações nem sempre translúcidas.

O texto é obscuro, sinuoso, baço, desmotivador porque o conteúdo é mais tenebroso do que as críticas de Medina Carreira. Este, pelo menos sustentava as suas opiniões; além de falar um idioma de lei. Digam-me, em consciência e com toda a franqueza: que português é atraído por aquelas frases e corre, desabrido e ofegante, para salvar a pátria? Nem um. A não ser, acaso, o dr. Miguel Macedo, o único que viu um escondido fulgor, um resplandecente apelo à acção, uma cintilante chamamento no cabisbaixo documento.

Paulo Portas, esse, foi a desilusão estatelada. Interrogado por febris jornalistas, declamou, sério e assertivo: “Um discurso duro e verdadeiro.” Tenho saudades do tempo em que Paulo Portas, n’ “O Independente”, reduzia Cavaco e sua corte a subnitrato. A prosa do então jornalista, era do melhor que a Imprensa produzia. Aliás, era o que de mais vivo, mais combativo e jovem o semanário publicava. Agora, parece um senhor que, para abater as banhas, tem de ir frequentemente ao ginásio.

E as decorrências do discurso foram penosas. Os habituais comentadores do óbvio procederam, obviamente, ao que deles se esperava. Não percebem que este temor reverencial pelos vencedores e pelos candidatos a tal acabará por engoli-los. A mediocridade puxa à mediocridade, e como a mediocridade já por aí assentou fundos arraiais, a coisa está cada vez mais perigosa.


1 Comentário

Baptista Bastos- Resistir é uma forma de combater

Não há motivação, na sociedade portuguesa, que consiga alterar a inércia em que nos encontramos. Vem aí o PEC e o pouco que do documento sabemos deixa-nos desassossegados, mais desassossegados do que até aqui nos encontrávamos. Sócrates aparece, fala dois minutos, vai embora e lega aos outros a maçada de nos esclarecer. Nenhum dos membros do Governo, de plantão para a funçanata, esclareceu coisa alguma. Fomos sabendo do infortúnio que nos aguarda através dos especialistas em economia. E as informações, repito, são de molde a deixar-nos espavoridos.

O PEC é uma pouca-vergonha. Um trapo cheio de remendos. Uma negaça mal amanhada, com uns truques pelo meio, como aquele de se proceder a outra fiscalidade a quem aufira, por ano, mais de 150 mil euros. Somos nós quem vai pagar a crise. Nós, o resto, numeroso, dos portugueses para os quais nada se oferece e tudo se tira.

Toda a nossa vida tem sido um processo de demolição empreendido por este Governo (mas também por outros) que nos fez entrar na mais dolorosa letargia, porque nada nos acena a mais escassa e módica esperança. Sócrates serve-se de nós, com um impudor que raia a esquizofrenia. Qual o conceito que possui de poder? Democrático não é, certamente.

Este novo golpe do PEC nem sequer lhe mereceu o cuidado de ser explícito, claro, pausado e mobilizador, tendo em conta a brutalidade das propostas. Porém, já nos habituámos a estas manifestações de sobranceria. Os “intocáveis” continuam os mesmos. Os vencimentos sumptuosos talvez apenas sejam atingidos por pequenas amolgadelas. Nós é que vamos pagar tudo. E não somos culpados de nada. Os responsáveis do descalabro a que chegámos ficarão alegremente impunes, nem sequer o ferrete da indignidade nacional (que, em França, depois da guerra, se converteu em figura jurídica) lhes será aplicado. Esta gente faz o que quer, não presta contas (a penalização dos votos é uma rábula consecutiva) e passa à frente.

Este ciclo político que está moribundo terá continuidade no que se lhe segue. As indicações que temos dizem–nos que os candidatos à chefia do PSD, e um deles putativo candidato a primeiro-ministro, não harmonizam nenhuma ideia, diferente das que até agora têm articulado o nosso pobre destino. É tudo mais do mesmo: privatizações, entregar ao “mercado” a solução dos problemas, mesmo quando o “mercado” é o que é e o que nós sabemos, impostos directos ou indirectos – enfim, todo o breviário com que a globalização da economia, cega e surda, sobrecarregou as nossas já atávicas desgraças.

O Governo Sócrates não presta para nada. Está visto e provado. Mas as ameaças que se seguem fazem temer o pior. Os Governos, perante a abertura dos mercados, tal como as redes de comércio, e as estratégias planetárias das grandes empresas, encontram-se fragilizadíssimos. Todavia foi a inacção da política que permitiu a sobreposição da economia. É preciso entendermos que a nação deixou de ser o quadro simbólico e territorial como anteriormente se conhecia. Não mandamos em nada do que julgávamos nosso. Porque também é preciso compreender que a zona a que chamávamos “pátria” não nos pertencia: era propriedade dos grandes cavalheiros da indústria, dos latifundiários e de um ou dois grupos financeiros. Quando apelam à nossa colaboração (nos sacrifícios económicos como nas guerras e em outras manifestações de falsa posse) apelam que façamos a defesa daquilo que nos não pertence.

O que, neste momento, é de nós exigido, melhor: que nos é rudemente imposto por um Governo, dito, mentirosamente, de “socialista”, faz parte do discurso do poder quando o poder se sente cercado. Deixámos, há muitos anos, de proceder de fontes directamente culturais e de valores que haviam instituído uma certa maneira de viver. Este Governo e os que o antecederam (sublinhando a calamitosa herança de Durão Barroso e o intermezzo cómico de Santana Lopes) depredaram o que ainda existia (a década cavaquista foi o prelúdio à fatalidade) de sentimento de comunidade, de laços afectivos de solidariedade e de “presença.” Todos os políticos nomeados estavam desprovidos de sentido cultural e, em muitos casos, manifestavam liminar ignorância. Recordo-me de, certa vez, conversando, com Eduardo Prado Coelho, sobre Durão Barroso, com quem ele simpatizava, o meu amigo, como que a defendê-lo, disse: “Mas olha: é leitor de Maria Gabriela Llansol.” Fiquei calado de espanto.

Estas minhas inquietações e, amiudadas vezes, a veemência com que defendo ideias, não é de agora. Vem de muito longe. Desse imperativo que sempre me impeliu a criticar posições de recuo e de fechamento, sobretudo em relação àqueles, politicamente com responsabilidades histórica, que traíram os testamentos e espezinharam sonhos e esperanças.

No entanto, vale a pena acreditar porque vale a pena resistir: resistir é uma forma de combater.

b.bastos@netcabo.pt


Deixe o seu comentário

De novo os velhos ratos

Baptista Bastos
De novo os velhos ratos
b.bastos@netcabo.pt

Continuo a frequentar, com mão diurna e mão nocturna, muitos daqueles poetas que, sem serem a minha escada de Jacob para atingir o céu, têm sido os inseparáveis companheiros da minha jornada para compreender os homens na terra. Muitos deles conheci…

Continuo a frequentar, com mão diurna e mão nocturna, muitos daqueles poetas que, sem serem a minha escada de Jacob para atingir o céu, têm sido os inseparáveis companheiros da minha jornada para compreender os homens na terra. Muitos deles conheci pessoalmente, de muitos deles fui amigo pessoal, camarada de armas e ouvinte curioso e atento. Não merece a pena nomeá-los; são numerosos e talvez parecesse presunção dizer que com eles comparti tudo o que aconteceu na minha vida. As rivalidades entre eles sempre as coloquei à margem. Deram e continuam a dar a imagem do português médio e arteiro, desolado e trágico, cheio de sorriso e cheio de melancolia.

Não deixo de sorrir quando ouço a vã convocação dos seus nomes, feita por políticos notoriamente distantes do que chamam. Aposto que o dr. Cavaco nunca se deteve numa página de Torga e muito menos de Guerra Junqueiro. Citou-os, no entanto, na abertura das comemorações do centenário da República, com a displicência calma de quem os usa para suportar o que diz. Claro que foi um qualquer assessor do dr. Cavaco o autor do texto. Claro. Mas não deixa de causar uma estranha sensação de mal-estar a designação daqueles que nada têm a ver com estes. Pura girândola.

Há dias, José Sócrates, que, penso, também não será muito dado a estas coisas da literatura, convidou para um almoço (foi um almoço?, não percebi bem) jovens criadores portugueses. Trocou o nome a um deles, o que não tem muita importância, a não ser que se deseje atribuir importância a um acontecimento medíocre. Há anos, António Guterres também chamou a São Bento um sortido grupo de “intelectuais.” O objectivo, disse ele, era o de conviver com os homens e as mulheres que “produziam cultura.” Confesso que a expressão me incomodou. Saí, acaso espavorido, com Álvaro Guerra, e fomos beber uns uísques, para desanuviar. Não gosto nada destas reuniões. Nada dizem e a nada conduzem, a não ser a circunstância de os convidados sujeitarem-se a ser os “brinquinhos” da cultura com que os políticos se ataviam. Convites para isto e para aquilo recebo-os com regularidade. Em grupo, rejeito-os. Se for coisa de conversa, de troca de ideias, tudo bem. E tenho obtido conhecimentos e informações importantes, confissões e inconfidências que permanecem sigilosos.

Há dias, fui à estante e tirei um dos mais belos livros de poesia do nosso tempo: “O Nome das Coisas”, de Sophia de Mello Breyner Andresen, editado em 1977, pela Moraes, no célebre Círculo de Poesia. Gostaria de partilhar com os meus Dilectos a beleza de um texto cuja grandeza jamais é ofuscada pela evidente intervenção que contém. E lá está o sonho permanente de integridade, o gosto inextinguível pela nitidez das coisas, pela eternidade inteira da liberdade.

Sei que seria possível construir o mundo justo
As cidades poderiam ser claras e lavadas
Pelo canto dos espaços e das fontes
O céu o mar e a terra estão prontos
A saciar a nossa fome de terrestre.

O poema chama-se A Forma Justa e vai por aí fora. Este pequeno livro da grande poetisa está repleto de ensinamentos a que a ordem do tempo atribuiu valor incalculável. A visão do mundo e a noção da relatividade das coisas encontram-se como um vaticínio (Nestes últimos tempos é certo a Esquerda muita vez / desfigurou as linhas do seu rosto / mas que diremos da meticulosa eficaz expedita / degradação da vida que a Direita pratica?).

Esta mundivivência reverte-nos para a situação actual. Sophia previu, como ninguém, a degenerescência de uma Revolução que recusara a pedagogia em favor da tomada do poder. As críticas que faz aos socialistas são premonitórias. Ela desejava uma sociedade ideal, fraterna e solidária (estas palavras são, hoje, apontadas como anacronismos), onde as possibilidades de tudo estivessem ao alcance de todos.

Assistimos a este desfile de contradições, de mentiras, de vacuidades, a esta petrificação do poder pelo poder, à ascensão da mais parda mediocridade que Portugal já gerou – e desalentamo-nos. Há dias, no programa Prós e Contras, de Fátima Campos Ferreira, RTP-1, ouvimos tamanha dose de pesares que fomos, esbaforidamente, tomar uns Xanaxes, a fim de aliviar, um pouco, o peso do nosso desânimo.

Nada nos impele à esperança; ninguém, daqueles que valem a pena ser escutados, nos induz que as melhorias estão próximas. Pelo contrário: tudo vai piorar, os portugueses vão viver num inferno de dor e assombro, o desemprego vai aumentar dramaticamente, a emigração voltou aos valores da década de 60, quando os homens fugiam “a salto”, na demanda de um futuro mais justo; quando a nossa melhor juventude abalava da guerra colonial, do salazarismo, da espessa falta de ar e de sonho. Por esses anos, fui ver, em Paris, os bidonvilles, os bairros-da-lata imundos onde sobreviviam os nossos compatriotas. A responsabilidade dessa miséria inominável nunca foi rigorosamente atribuída. Mas sabe-se de quem era. Hoje, a erosão da mocidade mais culta e intelectualmente apetrechada, a angústia de não saber que futuro lhe está reservado faz-nos, de novo, lembrar Sophia:

Cantaremos o desencontro:
O limiar e o linear perdidos.
Cantaremos o desencontro:
A vida errada num país errado.
Novos ratos mostram a avidez antiga.

b.bastos@netcabo.pt


Deixe o seu comentário

O doloroso ‘intermezzo’ : BAPTISTA-BASTOS

Matamos duas e três vezes os nossos poetas. Os políticos, esses, servem-se deles para adiantar conhecimentos literários de duvidosa autenticidade. Torga, Sena, O’Neill foram os mais citados por presidentes da II República. Mário Soares conheceu quase todos. De muitos, foi amigo. E ouviu de Torga, de Sena e de O’Neill mordazes palavras recriminatórias. O’Neill timbrou um estribilho célebre: “Ele não merece, mas vota no PS.”

Era gente de outra estaleca, que se deixava levar pelo poder da ironia e do sarcasmo. Procedia de uma geração sem equívocos e sem ambições de soldo ou de glória. O sonho de liberdade alimentou a vida e iluminou a obra dessa gente. Soares sentou à mesa do Palácio de Belém o que de melhor havia na literatura portuguesa e europeia. Eanes, com a decência comum ao cavalheiro da aristocracia de província, nunca alardeou as suas amizades intelectuais, mas tinha-as, honrava-as e respeitava as plurais tendências de cada qual. Com discrição e decoro chegou a ajudar alguns e a tentar corrigir injustiças, como no caso de Natália Correia.

Também tivemos sorte, nesta matéria, com Jorge Sampaio. Acaso foi timorato em excesso, quando presidente. Porém, seria incapaz de confundir Thomas Mann com Thomas More. Não era adepto da superstição do consumo, não era frequentado pela ironia, mas emocionava-se com a condição humana.

Cavaco constitui um intermezzo por vezes doloroso, amiudadamente cómico, e sempre torturante: não é homem animado pelas apoquentações do espírito. E se nunca está à vontade num ajuntamento, quase entra em pânico num grupo de pessoas medianamente letradas.

A Presidência da República, com excepção do interregno salazarista, possui a tradição de ser ocupada por homens dados à cultura e à curiosidade literária. Estes atributos não fazem, necessariamente, um bom executante do cargo, mas ajudam muitíssimo. Um presidente de recursos culturais escassos, medíocres e insistentes, não só banaliza a função como causa a zombaria. Sabe-se: Cavaco chegou aos altos cumes do Estado por uma simbiose milagrosa, casual e disparatada que a História, por vezes, concebe e concede. Não foi um grande primeiro-ministro, pelo contrário; não é um Presidente marcante pela positiva.

Ora, perante estas amargas evidências, não surpreende que Manuel Alegre se “disponibilize” para “entrar na luta.” Apesar dos anticorpos que criou, inclusive em certos yes men do seu partido, ele possui uma vida numerosa, intensa e arriscada, que cauciona o humanismo de voz alta, próprio de quem não confunde razões de coração com as imposições da tabuada.


1 Comentário

Este país é para pobres

Este país é para pobres

Este país é para pobres


Aumentar o salário mínimo para 500 euros não serve para nada. Não nos aproxima dos europeus, que ganham muito mais que isso, e afasta-nos dos chineses e indianos, que trabalham por uma malga de arroz. O que seria da nossa competitividade?

1 – Regressam os debates ao Parlamento, regressam as boas notícias. Mostrando um elevado sentido de responsabilidade social, o Governo anunciou que vai aumentar as pensões. Quanto mais baixa a pensão, maior será o aumento. No limite, pode chegar à loucura de subir 1,25%. Mais ainda, como oportunamente lembrou o primeiro-ministro: se a lei fosse cumprida, as pensões não só não aumentariam, como teriam de diminuir. Tudo por causa da inflação negativa. Ou seja, os pensionistas com pensões miseráveis terão um aumento real que chega aos 2%. E em tudo isto, o Estado vai gastar, de forma altruísta, 150 milhões de euros, que tanta falta fazem, por exemplo, para tapar o buraco do BPN, ou para a construção de uma terceira ponte sobre o Tejo. O senhor Silveira, reformado e residente em Torneiros, Vila Real, recebeu a notícia de forma efusiva. A sua pensão passará de uns míseros 374 euros, para uns abastados 378 euros. Poderá deixar a venda de couves e grelos que cultiva no quintal, para se dedicar a tempo inteiro a programas de turismo sénior.

2 – Nada como as sábias declarações de um antigo ministro das Finanças, ainda por cima também antigo administrador do Banco de Portugal, para acabar com a balbúrdia que se adivinhava no que diz respeito a aumentos salariais. Silva Lopes não esteve com meias tintas e qualificou os aumentos salariais, quaisquer que sejam, como “fábricas de desemprego”. Um dia depois, José Sócrates mostrava ter tomado boa nota dos conselhos, deste ou de outros economistas. E no que lhe diz respeito, o aumento das pensões será mesmo a única loucura a cometer. Quanto ao salário mínimo, o melhor é renegociar os prazos, assume o primeiro-ministro. Porque o que estava aceite por sindicatos e patrões, agora já não convém aos patrões. Sendo que o que estava acordado era a ousadia de passar o salário mínimo de 450 para 475 euros em 2010, e para uns incríveis 500 euros já em 2011. Com nenhuma vantagem, como é evidente. Porque não só não nos aproxima dos europeus, que ganham muito mais que isso, como nos afasta dos chineses e dos indianos, que aceitam trabalhar por uma malga de arroz. Se começassem para aí a dar aumentos salariais, pequeninos que fossem, o que aconteceria à nossa competitividade?

3 – Os lucros da Corticeira Amorim aumentaram no terceiro trimestre do ano, pela terceira vez consecutiva. Foram 5,7 milhões de euros (3,6 milhões no mesmo período do ano passado). Lucros que só se conseguiram graças a vendas de 103 milhões de euros. E é aqui que bate o ponto. Porque, ao contrário dos lucros, as vendas apresentam valores mais baixos do que um ano antes. Assim, se há lucro, isso deve-se à diminuição dos custos da empresa. E como conseguiram os notáveis gestores da Corticeira Amorim diminuir os custos para aumentar os lucros? Com o despedimento de cerca de duas centenas de trabalhadores, pois claro. Mas atenção que a isto não se chama “fábrica de desemprego”, chama-se visão estratégica.


1 Comentário

“Portugal está à beira da irrelevância, talvez do desaparecimento”

A justiça está refém de grupos prof issionais e os portugueses sem esperança. António Barreto em entrevista

Dedica hoje o melhor de si mesmo à Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), cujo grande objectivo é “pensar, estudar e contribuir para o melhor conhecimento da realidade portuguesa”, como se lê na sua carta de princípios. Mas não é de agora que António Barreto, 67 anos, gosta de números, factos, dados. À excelência com que tem vindo a desenvolver e profissionalizar esse gosto não foi certamente alheio o convite de Alexandre Soares dos Santos para presidir ao conselho de administração da FFMS. Foi nessa pele que, com sedutora fluidez e um grande conhecimento de causa, este ex-ministro, ex-deputado e ex-dirigente partidário viajou comigo pelo país. Os resultados são ácidos, a radiografia má, embora – surpreendentemente? – não concorde que o país esteja doente: “O nosso problema não é doença nem asfixia, mas sim dependência, o que é muito mais grave”. Com brilho, sabedoria e substância, explica porquê.

António Barreto, está a tempo e alma inteira na fundação que dirige?

A tempo inteiro. Estamos na fase inicial e a fazer coisas tão prosaicas como estatutos, legalização, escrituras notariais, etc. Um trabalho que me leva o dia inteiro, incluindo fins-de-semana e noites. É necessário pensar, criar os primeiros textos, delinear projectos, estudos, programas de trabalho a médio e longo prazo, procurar as pessoas que os possam levar a cabo…

Com que objectivo prioritário? Dotar o país de instrumentos para que ele se conheça melhor a si próprio?

A nossa prioridade é dar informação e instrumentos de conhecimento aos cidadãos. Aquilo que transmite informação faz homens e mulheres livres. E uma das lacunas de Portugal – por falta de hábito, de experiência, de cultura – é não ter cidadãos livres, informados, capazes de participarem de modo independente na vida pública.

Dirige uma fundação que não só é totalmente portuguesa como é a primeira a visar exclusivamente esses objectivos…

Fazer estudos sobre a realidade nacional, torná-los públicos e organizar projectos à roda deles, sim, é caso único português. Os think thank que conheço são organizações para pensar, promover e publicitar ideias, mas são organizações programáticas, têm um programa político. Como nos Estados Unidos, onde grande parte destas fundações servem para organizar a discussão pública promovendo as ideias dos partidos republicano e democrático. Portugal é uma sociedade diferente e nem foi essa a vontade do fundador nem a minha. Não somos um think thank, na medida em que não temos um programa político. Temos uma carta de princípios.

E têm o conselho científico e o de curadores. Actuam em nome de quê?

A carta foi aprovada pelos conselheiros e define justamente alguns princípios. Além dos princípios gerais da liberdade e da igualdade de oportunidades visa-se o reforço dos direitos dos cidadãos, para um maior conhecimento por parte deles, uma opinião mais participada e independente, para a melhoria das instituições públicas. Eis o que define uma missão e uma causa e não um programa político. É-me totalmente indiferente se houver colaboradores um bocadinho à esquerda ou um bocadinho à direita…

O que pode já anunciar?

Até à Primavera de 2010, creio poder ter já concretizados dois projectos a que chamamos, em linguagem interna, “permanentes” – durarão sempre. O primeiro – e digo-lhe o nome em primeira mão – chama-se Pordata, nome já registado, que serve para o mundo inteiro e para a net, sem acentos circunflexos, nem til, nem cedilhas… Por baixo há um subtítulo, “Base de Dados Portugal Contemporâneo”: é a tentativa de agregar, organizar e homogeneizar os dados existentes sobre Portugal desde 1960 até hoje, em todos os domínios: demográfico, sanitário, educativo, populacional, emprego, desemprego, salários, vencimentos, justiça, cultura… Houve rupturas estatísticas nos últimos 20, 30 ou 40 anos que fazem com que muitas delas sejam deficientes e exista um enorme défice de informação pública. Não podemos obviamente produzir estatísticas – só as instituições oficiais o podem fazer -, mas estamos a coligi-las com uma fantástica colaboração do Instituto Nacional de Estatística – principal fonte de estudo – e ainda do Banco de Portugal, dos organismos da saúde e da educação, com as ordens, por exemplo, que têm dados interessantes sobre as profissões. Harmonizaremos depois tudo isto de modo a estar disponível para todos. É de graça e será feito de modo tão moderno quanto possível, como as melhores coisas que se fazem no mundo!

Mais?

A segunda iniciativa é uma espécie de contraponto desta. Os números – tenho uma grande atracção pessoal por eles – têm uma grande vantagem: sugerem factos. E não há boas opiniões sem bons factos por trás. Em paralelo vamos lançar – talvez na Primavera de 2010 – uma colecção de ensaios, no verdadeiro sentido da palavra. Contactámos dezenas de pessoas, algumas delas têm prazos já marcados. E todas vão ser surpresas.

Quais os temas?

Os que são relevantes na vida nacional: saúde, envelhecimento da população, natalidade, mortalidade infantil. Mas também a propriedade, o ensino do Português, a corrupção, a organização de certos aspectos da justiça processual. A ideia é organizarmos 10 ou 12 por ano com 60 a 100 páginas, no máximo. Não produzirão factos ou estatísticas, não terão uma linguagem hermética. Queremos que sejam acessíveis a todos, para que todos fiquem informados. Não ambiciono concorrer com as telenovelas ou o futebol, mas muitas das pessoas que vêem telenovelas ou futebol poderão estar interessadas em lê-los. Aliás, os termos de referência com os autores são sempre os mesmos: não se trata de um livro de um jurista para juristas, de um economista para economistas. Destinam-se a especular sobre ideias, e por isso lhe disse que eram o contraponto dos factos. Quero discutir como se nasce e morre em Portugal, discutir os pobres e os ricos, a liberdade das empresas, a dependência do Estado. Quero uma opinião fundamentada e uma discussão informada.

É como se estivesse debruçado sobre a sociedade portuguesa. Como é a nossa sociedade?

É muito antiga, o que deixa marcas e faz dela uma sociedade complexa. E preocupada com a sua memória. Eduardo Lourenço diz que os portugueses sofrem por ter identidade a mais e eu concordo. Habituámo-nos a viver da memória, o que cria frustração. É também uma sociedade que vive obnubilada, obcecada com o seu atraso. A ideia de que há um problema de subdesenvolvimento e sociedades que se desenvolvem menos que as outras deve ter começado cá há 200 ou 250 anos! Havia a memória da grandeza, mas quando a seguir vem a pobreza ou o atraso é pior, funciona como mito. E há a ideia da periferia. Ainda hoje os portugueses pensam que não estão no centro do mundo e das coisas. Há uma invenção de que Portugal estava no centro do Atlântico e fazia a charneira, mas não é a mesma coisa que estar no centro. É o facto de estar num canto da Europa não sendo bem Europa, não sendo bem África, não sendo bem Mediterrâneo, não sendo bem Atlântico. Os portugueses há 500 anos que vão para qualquer sítio, para a emigração, para África, para as conquistas, para o Oriente, para o Brasil ou para o Atlântico… e agora não sabem para onde ir. Não podem ir para a Europa porque já lá estão. Há quem diga que Angola é novamente uma oportunidade. É uma relação interessante, mas é preciso reconstruir, sarar feridas, fechar cicatrizes. Não faço a mínima ideia se vamos conseguir e se os angolanos vão conseguir…

Mas houve mudanças e aberturas…

Sim, décadas de abertura com a emigração, a televisão, o turismo e, depois do 25 de Abril, as liberdades, as viagens, a integração europeia, a adesão, a liberdade do comércio. Os portugueses ficaram a conhecer o que há de melhor no mundo e portanto a ambicionar o que há de melhor no mundo. As pessoas querem ter o sistema médico sueco, o escolar dos noruegueses, as estradas dos alemães, os automóveis dos ingleses. Ambicionar uma coisa medíocre é em si mesmo um sinal de mediocridade. Os portugueses querem o máximo, simplesmente não são capazes de fazer o máximo: não têm organização, nem capital, nem empresas, nem experiência, nem treino.

E porquê, justamente?

Porque já estamos atrasados há 250 anos, porque perdemos 15 ou 20 anos com a guerra colonial, com uma ditadura que durou, durou, com uma Revolução que fez disparates, disparates. Tivemos de revolucionar e fazer a contra-revolução, nacionalizámos e privatizámos. Foi uma perda de tempo, de recursos, de energia e abriu feridas. Ainda hoje noto que Portugal tem uma maneira de fazer política mais crispada que muitos países da Europa. O primeiro-ministro, o chefe da oposição, os partidos da oposição falam uns com os outros no Parlamento aos gritos, evocando problemas de honra, evocando a mentira, a coragem, a vigarice. Nos debates parlamentares de Madrid, de Paris, dos Estados Unidos, ou até de Itália vemos que as pessoas são capazes de falar racionalmente, com bons modos e educação, sem que lhes falte energia ou têmpera. Mas nunca com esta crispação portuguesa, que se vem mantendo ao longo dos últimos 20 ou 30 anos. No fundo, o facto de os portugueses serem os mais pobres dos mais ricos cria uma terrível frustração… Fazendo parte dos ricos – parece paradoxal mas é verdade, há 150 países mais pobres que nós -, somos o último deles, e isso aumenta- -nos a frustração. A distância entre o que temos e o que gostaríamos de ter é muito maior que noutros casos.

No início dos anos 70 a nossa situação era boa…

Continuo a pensar isso. Mas comparando com países que tiveram recentemente de fazer profundíssimas reformas, como a República Checa, a Polónia, a Hungria, a Eslovénia, dou-me conta de que estão a ir mais depressa e melhor que nós. Estão mais consolidados e, tendo menos anos de democracia, parece que têm mais. Têm melhor cultura, melhor formação e usam muito melhor que nós os meios que têm.

Qual a falta mais gritante?

Parece-me óbvio que há uma falta de empresários, de capitalistas. Será um problema ancestral? Vem da nossa maneira passada de viver e de gastar? Dos desperdícios? Do facto de os ricos portugueses terem vivido à sombra do Estado durante 200, 300 ou 400 anos? De o Estado ter ocupado tudo desde os Descobrimentos? Não quero ir por aí, mas o resultado é este. Há poucos empresários, poucos capitalistas com capitais, as elites são fracas e têm uma noção medíocre do serviço público. É raríssimo encontrar ricos, poderosos, famílias antigas, com um sentimento forte do contributo que podem dar à sociedade.

Que mais falta?

Falta literacia. Tínhamos há 30 anos a mesma taxa de analfabetismo que a Inglaterra de 1800. Em matéria de alfabetização havia 150 anos de atraso. Porque é que os portugueses não lêem jornais? A falta de hábito de ler os jornais é muito importante, porque o jornal é a fonte de informação que mais está virada para o raciocínio, o pensamento, a participação. Quem vê televisão está geralmente em posição passiva.

Mas hoje a imagem é rainha. O apetite por um jornal nunca igualará o da televisão…

Mas quem tem como informação exclusiva a televisão subordina o raciocínio, o pensamento, o estudo, o lápis que toma as notas, às emoções. É mais fácil ser livre e independente com um papel na frente do que diante de uma imagem que é fabricada com som e se dirige às emoções e aos sentimentos e não à razão – ou pouco à razão. Sou consumidor de televisão e da net, mas o que quero dizer é que, ao contrário de todos os países europeus, quando os portugueses começaram a aceder à escola e a aprender a ler, nos anos 50 e 60, já havia televisão. Não se fez o caminho que todos os outros países da Europa fizeram, que foi dois séculos a lerem jornais e só depois com uma passagem gradual para a rádio e para a televisão.

Portugal deprime-o?

Não. Entristece-me umas vezes, irrita- -me outras. O que se passa hoje com a justiça em Portugal entristece-me muito, mas também me irrita.

Quando se debruça especificamente sobre o mapa político e social o que o aflige mais é a justiça?

É. Há muito que falo disso e todos os anos com mais razão que no anterior. Não há alternativa para a justiça, como na saúde, em que se pode escolher o privado, ou na educação, onde se vai para outra escola. Na justiça não há alternativa e ainda bem, não deve haver. Mas a nossa justiça está hoje refém, capturada…

Por quem?

Pelos grandes grupos profissionais: o dos magistrados, dos procuradores e dos advogados, que são quem ordena e quem comanda a justiça, os operativos, os agentes. Não sei como lhes chame, mas qualquer nome é bom. Agora até já há sindicatos, que são uma espécie de infantaria avançada de cada um destes grupos. Há evidentemente centenas de juízes fantásticos. Sei que há, e é possível hoje fazer a diferença entre os 100 ou 200 tribunais que funcionam muitíssimo bem e os outros. Só que a sociedade portuguesa contemporânea está essencialmente nas grandes áreas metropolitanas, o resto é paisagem. Não é bem, mas conta muito menos. E o que se passa é que a sua vida privada, familiar, as sucessões, as heranças, os despejos, os contratos de trabalho, os requerimentos… tudo está hoje em causa porque não há justiça, não há recurso para nada nem para ninguém. Se quiser resolver um problema, recorre a quem? À justiça. Há 20 anos os magistrados vinham em primeiro lugar, era o grupo profissional que mais confiança merecia dos portugueses. Estão hoje em penúltimo lugar; abaixo só os deputados. É o grupo mais destituído da confiança dos portugueses. Os portugueses não confiam nos tribunais nem nos magistrados e isto é terrível, mina a alma, mina os sentimentos, mina o coração.

Como se inverte tal estado de coisas?

O poder legislativo e o poder executivo. Não há outra maneira. Em Portugal há uma confusão profunda entre independência e autogestão. A independência dos juízes é aquela com que, no tribunal, diante das partes, julgam e ditam a sentença, e não pode haver a menor beliscadura a essa independência. No entanto, isso não quer dizer autogestão, que significa organizar as carreiras, os dinheiros, as comarcas, as promoções, fazer nomeações e avaliações. Ora isso está totalmente em autogestão. Enquanto o poder executivo, através do poder legislativo – porque ambos representam o povo -, não tomar a iniciativa, a justiça piorará. Há meses que assistimos a ela estar cada vez pior, cada vez pior…

Tem a tentação de fazer comparações negativas entre a classe política de hoje e a gente do seu tempo, quando foi ministro, deputado, dirigente partidário, fundador dos Reformadores, o movimento político criado em 79?

Isso é ingrato, as circunstâncias eram tão diferentes… Eram tempos de grande empenho, grandes causas, quase de vida ou de morte. Hoje estamos na “vida normalizada”, em que os políticos fazem carreira e ela pode produzir pessoas interessantes, ou não. Não é uma vocação, é uma carreira. Diz-se que muitas pessoas competentes saíram da política mas fizeram-no porque dantes ela era uma vocação que se confundia com uma causa. Hoje há certamente pessoas capazes, o que têm é uma maneira muito diferente de fazer política.

Diferente como?

Porque se fala tanto, há cinco ou seis anos, de um crescendo da propaganda política? Porque a vontade não é que as pessoas participem, mas que se limitem a subscrever, e passivamente. Se se quiser participação, há que respeitar as pessoas, dando-lhes conhecimento, informação e manifestando respeito pelas opiniões contrárias. Participar é isso. Quando não se quer que as pessoas participem faz-se propaganda: exigindo obediência ou impassibilidade.

Nunca houve como hoje um governo tão praticante da propaganda?

Há 15 anos que vem aumentando, aumentando… O último governo foi o que teve mais vontade e mais meios – que hoje são fantásticos: empresas, agências, inúmeras pessoas a trabalhar com esse objectivo…

Daí à tal “asfixia” vai – ou não vai – um passo?

O problema é a dependência, não a asfixia…

Prefere chamar-lhe “dependência”?

Prefiro, acho que é mais grave. Em Portugal quase toda a gente depende do Estado, do governo, das instituições públicas oficiais, dos superiores, dos empregadores. Não há verdadeiros focos de independência. Depende-se de muita coisa: do alvará, de ter autorização, de ser aceite, da boa palavrinha do bom secretário de Estado que diz ao bom banqueiro que arranje uns bons dinheirinhos para fazer o investimento. A dependência é enorme. Não é asfixia, uma vez mais, é dependência. As pessoas têm receio pelo seu emprego, pelo seu trabalho, pelo trabalho da família. Conheço algumas que até têm receio de falar…

Já fomos mais independentes?

Há 20 anos havia mais independência em Portugal, nas associações, nas empresas… Durante o marcelismo, por exemplo, não havia mais independência mas as pessoas estavam mais dispostas a correr riscos e nessa altura eles eram bem mais pesados: metia deportação, cadeia, polícia. Hoje há muito menos disponibilidade para o risco porque a dependência é muito, muito forte.

O país está muito doente?

Está dependente, doente não. Há um fenómeno de esgotamento, de cansaço. Entre 1960 e 1995 houve uma verdadeira cavalgada: fomos o país que mais cresceu e se desenvolveu na Europa, com uma mudança demográfica completa, outra nos costumes, algo de absolutamente fantástico! De repente chegámos a 90 ou 95 e percebemos que não tínhamos inovado nem criado muito… Fizemos auto-estradas – qualquer país com um cheque na mão as faz -, mas não fizemos novas empresas, novos projectos, novos produtos. E perdemos muito do que tínhamos: demos cabo da floresta, demos cabo da agricultura, demos cabo do mar. Três coisas imperdoáveis, três erros históricos. E não sei se ainda é possível voltar a prestar atenção à floresta, à agricultura, ao mar…

No Portugal de hoje que há que valha

a pena?

Há coisas que se conseguiram: nas telecomunicações, na organização da banca, um bocadinho na universidade, outro bocadinho na ciência, numa ou outra indústria, na distribuição dos produtos de consumo diário (que está muito bem organizada). Mas são as excepções. No resto, importamos 4/5 do que comemos. Hoje, no produto nacional, 3% ou 4% são agricultura e alimentação, 20% ou 25% são indústria. Ou seja, produtos novos, feitos em Portugal, são 30%, menos de um terço. Que vamos exportar daqui a dez anos? E daqui a 20? Serviços? Quais? Financeiros, bancários, serviços de informações, serviços de quê? Estamos a quilómetros e quilómetros de distância da capacidade de exportação de serviços da Espanha, de Inglaterra, da França, dos Estados Unidos… Novas coisas, novas indústrias, novos projectos, novos planos, novas ideias, fizemos muito pouco. Chegados a 95, 96 ou 97, começaram a aparecer os países de Leste, apareceu a China, apareceram os grandes concorrentes. No fim da década de 90 já a Irlanda estava à nossa frente com inúmeras reformas feitas – embora hoje se encontre em dificuldades -, a Espanha também, e até a Grécia já nos estava a ultrapassar…

Que conclusão se impõe tirar? E isto para não lhe perguntar que caminho pisar…

Se não houvesse a Europa e se ainda houvesse Forças Armadas, já teríamos tido golpes de Estado. Estamos à beira de iniciar um percurso para a irrelevância, talvez o desaparecimento, a pobreza certamente. Duas coisas são necessárias para evitar isso. Por um lado, a consciência clara das dificuldades, a noção do endividamento e a certeza de que este caminho está errado. Por outro, a opinião pública consciente. Os poderes só receiam uma coisa: a opinião dos homens livres.

Poderemos estar à beira de uma crise institucional?

Com a justiça que temos, sim! Com a cultura dominante nos partidos, sim!

Em face de tudo o que me disse e daquilo que sabemos – do endividamento aos fumos de corrupção -, convinha que o país ouvisse mais o Presidente da República?

Penso que sim. Desde o conflito sobre o Estatuto dos Açores que está esgotada a cooperação estratégica, e com isso a boa saúde das relações entre os dois órgãos de soberania, Presidência e governo. Não creio que ainda se possa esperar mais alguma coisa. A não ser cordialidade institucional. Por isso defendo o envio de mensagens do Presidente à Assembleia da República. Os argumentos serão mais consistentes e terão o povo como testemunha. A opinião pública pode ser a grande parteira da democracia.


Deixe o seu comentário

Choque frontal-Fernando Sobral

Fernando  Sobral
Choque frontal
fsobral@negocios.pt

Clausewitz dizia que nenhum plano de batalha sobrevive ao contacto com o inimigo. Isso, claro, acontece tanto na guerra como na paz podre da política portuguesa. Compare-se dois planos de batalha desenvolvidos pelos principais partidos indígenas. No Governo, o PS elegeu a criação de emprego como o seu principal desafio: 150 mil novos empregos na anterior legislatura era a meta.

 

Até a criação de “call centers” serviu para mostrar que o emprego avançava a todo o vapor. Foi então que o Governou acertou com a cabeça na crise. E, aí, como Clausewitz alertava, todos os planos do Governo entraram em curto-circuito. O emprego, em vez de descer, comprou um ascensor e não se sabe em que andar parará. O défice pediu-lhe boleia e já vai no oitavo andar.

As multinacionais esconderam-se na cave e debandam do país. Nem Mary Poppins, com toda a sua capacidade mágica, sobreviveria a este choque do plano de batalha com a realidade. Nisso, o PS não está sozinho. O PSD tinha o seu plano perfeito para ocupar o poder. Mas tudo o que as Europeias prometeram as Legislativas se encarregaram de tirar.

O resultado foi uma das cíclicas convulsões dentro do partido. Se o PSD fosse um país seria uma espécie de Libéria: criado com a melhor das intenções, tornou-se num pesadelo ingovernável. A única diferença é que o PSD não tem riquezas naturais, nem ideias, para explorar e para garantir um futuro em paz a quem quer que seja. É essa a sorte do PS: tendo pouco para oferecer defronta-se com alguém que só tem uma guerra civil para partilhar.


Deixe o seu comentário

Um País pronto-a-vestir?

Fernando  Sobral
fsobral@negocios.pt

 

Há dias os jornais anunciavam o assassinato de uma jovem funcionária de um “callcenter” em Coimbra. Trabalhava ali apesar de ser mestre em biologia. Não é caso único: nas caixas de todos os hipermercados existem licenciados nas mais diferentes áreas. Dir-se-á: trabalham, coisa que começa a ser difícil de fazer num País com 10% de desemprego. Mas tudo isto demonstra a real dimensão da pobreza nacional. Portugal é uma gigantesca sopa dos pobres. Uns sem emprego, outros empregados com ordenados ridículos face ao que se investiu neles, outros sem hipóteses de regressarem ao mundo do trabalho. Fala-se muito das grandes empresas que têm fechado portas, mas o mais impressionante é a destruição das PME que alimentavam a teia social que é invisível. Num sítio como este, onde a circulação de dinheiro e o consumo é que animam parte da economia, estes dados são arrepiantes. Durante anos esquecemos a necessidade de criar um modelo económico para Portugal. Agora, face à destruição de uma estrutura económica caduca, não há alternativa viável. Muitos dos empregos chacinados não regressarão e a maioria das pessoas ceifadas não têm qualificações para um outro modelo. Passámos demasiado tempo a discutir os nossos “clusters” e a debater relatórios como os de Porter. Tentámos comprar prontos-a-vestir mas as nossas medidas são diferentes. Construímos pouco a partir desse debate. Portugal criou o deserto e chamou-lhe paz social. Com tantos desempregados sem futuro veremos onde essa paz nos leva


Deixe o seu comentário

O País levezinho – Fernando Sobral

 amigos

Os filósofos chineses que criaram a estrutura do seu Estado consideravam que a força de um país dependia da lei. Nenhum país é permanentemente forte ou fraco, diziam. Ou seja, se a adaptação à lei é forte, o país é forte; se não, é fraco. Se aplicarmos estes princípios aos nossos dias, poucos duvidarão de que Portugal é um país levezinho. Nos últimos anos, a justiça parece uma cena do deplorável programa “Acorrentados”: os processos nunca mais chegam ao destino. Caminham, de incidente em incidente, até ao esquecimento ou à nulidade. Com o tempo criou-se em Portugal um complexo labirinto jurídico onde se perdem inocentes cordeiros e lobos disfarçados. E se perde, também, o País. Nenhum país consegue sair do pântano carregando às costas processos que, desde o início, têm todo o tipo de entraves, criados pelos biombos do próprio poder judicial. No labirinto judicial português, até Minotauro se perdeu. O destino das escutas entre José Sócrates e Armando Vara e as declarações de Pinto Monteiro e de Cândida Almeida dizem muito sobre a fraqueza do nosso Estado. A justiça de Portugal é de cristal reciclado: parte-se, mesmo sem o auxílio da madame Castafiori. Cada vez que há um caso do estilo do “Face Oculta”, pede-se, normalmente, mais uma tonelada de legislação. Tanta legislação criou em Portugal um palheiro legal onde a justiça final é mais difícil de descobrir que uma agulha. Muitos esperam que o “Face Oculta” se transforme no processo “Bela Adormecida”. Mas aí o Estado português ainda ficará mais fraco.

Fernando Sobral – Jornal de Negócios


Deixe o seu comentário

Quem governa?

 

 

Fernando  Sobral
Quem governa?
fsobral@negocios.pt

 

José Sócrates gosta, às vezes, de ser o educador das massas. Por isso não perdeu a oportunidade de reafirmar que “quem governa é o Governo”. Foi bom recordar-nos esse facto. Porque poderíamos andar distraídos e julgar, erradamente, que quem…

 

José Sócrates gosta, às vezes, de ser o educador das massas. Por isso não perdeu a oportunidade de reafirmar que “quem governa é o Governo”. Foi bom recordar-nos esse facto.

Porque poderíamos andar distraídos e julgar, erradamente, que quem governava era dra. Manuela Ferreira Leite ou mesmo o dr. Francisco Louçã. Não é nem um nem outro. Por outro lado, quem governa de facto também não é o PS: é José Sócrates. Por isso poderia ter dito, sensatamente: quem governa sou eu. Luís XIV, que tinha uma visão mais megalómana do exercício do poder, não se conteve e confidenciou que o Estado era ele. Criou-se assim o absolutismo. Em Portugal isso é, por agora, inviável. Sócrates criou uma outra figura: o oficialismo. As ideias do Governo, isto é, de Sócrates, tornaram-se hegemónicas na sociedade.

Todas iguais, todas aparentemente diferentes. O discurso de Sócrates foi um conjunto de medidas, como é típico nas suas conversas com os deputados: algumas sensatas, outras nem tanto. Mas mostrou que ainda não se libertou da camisa-de-forças onde colocou a sua eventual capacidade para dialogar com quem não está de acordo com ele. Sócrates criou um oficialismo que paralisa o debate. Que só admite o sim e o não como bases de argumentação. No seu discurso, a ênfase foi sempre mais audível que os princípios, mas isso não é novidade. Quem quer ser ouvido fala alto. O oficialismo é exemplificado por esta política de megafone em punho. Só em parcos momentos o oficialismo se engasga: quando tem de dizer alguma coisa sobre casos como o “Face Oculta”.

 

 

 

Jornal de Negócios


Deixe o seu comentário

O que deveria fazer o Bloco de Esquerda?

Antes de responder à pergunta que dá o título a este texto para debate, é preciso ter presente uma outra: como se define o Bloco de Esquerda?

Convém não ignorar que, perante as pessoas concretas que vivem e trabalham no dia-a-dia, o BE continua como uma espécie de “frente” que agrupa correntes ideológicas que vão desde os maus “puros” estalinistas até a social-democratas com complexos de esquerda. Esta amálgama de correntes começa por transmitir ruído e confusão a quem tenta perceber algo mais sobre as propostas do Bloco.

O Bloco de Esquerda deveria assumir inequivocamente um sentido de afirmação democrática e socialista. Não tem nada a ver com as correntes estalinistas, nem com as correntes social-democratas que não rejeitem o liberalismo e o capitalismo. O Bloco de Esquerda deveria ter uma posição de total repúdio por todas as formas de autoritarismo e totalitarismo.

O Bloco de Esquerda deveria defender a interligação activa entre as formas de democracia participativa com a democracia representativa. Deveríamos defender que é urgente encontrar caminhos para a democracia política e social que vençam a crescente abstenção eleitoral e vençam também os bloqueios que o liberalismo e a dita economia de mercado criaram à participação democrática das pessoas. O poder e o exercício do poder não deve ser algo distante das pessoas que trabalham, que pagam os impostos, que consomem, que vivem o dia-a-dia.

O Bloco de Esquerda parte da realidade das lutas sociais, dos jovens, dos trabalhadores, das mulheres, das incontornáveis classes sociais, para a definição das suas propostas concretas . E é na constatação das limitações endémicas à economia de mercado, i.e. o capitalismo, para a formulação de soluções de justiça social, que o Bloco de Esquerda defende um modelo alternativo de socialismo democrático e libertário. Os adjectivos ao “socialismo” justificam-se pela imensidão de “socialismos” que negam o próprio socialismo …

Partindo desta alternativa de socialismo democrático e libertário, o Bloco de Esquerda deveria diferenciar-se, no plano político e ideológico, dos modelos ditos “socialistas” autoritários e capitulacionistas face ao neo-liberalismo, embora se deva dirigir socialmente a todas as mulheres e homens que se reinvindicam das esquerdas e por outros modelos societários.

No caso concreto da realidade política portuguesa, aquela onde o BE intervém prioritariamente, deveria haver uma assunção estratégica de apelo a uma alternativa de governo à esquerda, baseada nas esquerdas representadas na Assembleia da Republica, como forma de dar expressão política à maioria social de esquerda, expressa em sucessivos actos eleitorais. Ou seja, o Bloco de Esquerda não é uma “vanguarda” dessa alternativa de governo, mas um pólo social e político que luta, com todas as suas forças, pela concretização dessa alternativa.

No quadro dessa maioria social de esquerda, o Bloco de Esquerda deveria também assumir-se, com muita clareza, como o pólo socialista democrático e libertário e, para isso, estaria politicamente empenhado na reorganização do espaço político que é identificado na dita opinião pública como sendo o “espaço socialista” em Portugal. Ou seja, a base social e militante à qual o BE se deveria dirigir permanentemente é a do PS, dos simpatizantes e militantes em ruptura com o PCP (ex.: renovação comunista), dos imensos “independentes de esquerda”, dos ainda agrupados noutros grupos, movimentos e partidos sem expressão eleitoral (menos de 1% nos actos eleitorais).

O Bloco de Esquerda dirige-se a essa base social mantendo sempre presente a mensagem estratégica fundacional: é possível criar condições organizativas para se realizar uma síntese política e ideológica, em condições de democracia e de liberdade, entre todos que pretendam uma alternativa de socialismo que rejeite todos os modelos de autoritarismo, de totalitarismo e de capitulacionismo face ao liberal/capitalismo.

Organizativamente o Bloco de Esquerda deveria reforçar o seu carácter de partido-movimento, aprofundando o seu direito interno de tendência e abrindo a sua organização à adesão de grupos e movimentos sociais e políticos que aceitem, de facto e formalmente, os seus Estatutos aprovados em Convenção Nacional. Consequentemente todos os fóruns e meios de comunicação e informação criados e/ou patrocinados pelo BE deveriam sempre reflectir essa realidade organizativa plural e diversificada. O que constituiria um exemplo em todo o sistema politico e partidário português!

Também no plano organizativo interno, seria salutar, desde um ponto de vista democrático, que a eleição dos órgãos regionais, distritais, concelhios e de freguesia pudessem passar a contar com a escolha democrática, pelos aderentes/militantes, entre diversas listas/propostas na base de programas de acção diferentes e alternativos. O contraditório democrático sempre foi esclarecedor, mobilizador e unitário! Quem não o pratica é que arrisca sempre a periódicas dissidências e colectivas saídas…


Autor: João Pedro Freire


Deixe o seu comentário

Os vampiros e o PSD

Fernando  Sobral
fsobral@negocios.pt

 

No tempo de Luís XIV, os médicos só tinham dois remédios para salvar os corpos que definhavam: a purga ou a sangria. A purga permitia uma melhor circulação de fluxos e o aliviar das contracções. A sangria, pelo contrário, era o saneamento total…

 

No tempo de Luís XIV, os médicos só tinham dois remédios para salvar os corpos que definhavam: a purga ou a sangria.

A purga permitia uma melhor circulação de fluxos e o aliviar das contracções. A sangria, pelo contrário, era o saneamento total para libertar o corpo.

Mas quando se tirava o sangue, muitas vezes o doente falecia. O PSD vive, agora, o mesmo dilema dos médicos do tempo de Luís XIV: não sabe se, para libertar o seu corpo doente, deve aplicar a purga ou a sangria. Os seus senhores da guerra tornaram-se verdadeiros vírus mortais, entretidos sobretudo em enfraquecer os adversários internos.

Os adversários externos e a criação de ideias fortes estão, neste momento, fora das suas preocupações.

O objectivo de alguns deles é trocar de lugar com o PP e fazer com que o PSD se torne o partido do Mini.

Não é por acaso que Marcelo Rebelo de Sousa evita o bombom que lhe estão a oferecer todos os Reis Magos do PSD: o seu aroma não é de incenso nem mirra. Cheira a ácido sulfúrico.

O principal partido da oposição tem, desde há anos, a tentação de um típico clube de futebol português: quando os resultados não aparecem avança-se rapidamente para a chicotada psicológica. Não se analisa porque é que a mensagem (se ela existe) não chega aos eleitores ou porque é que não há uma estratégia a prazo do partido. É por isso que o PSD se vai dilacerando em sangrias sucessivas sem resultados aparentes e animadoras. O PSD tornou-se um vampiro diferente: alimenta-se do próprio sangue.


Deixe o seu comentário

As luzes e a mariposa

por Baptista Bastos

Obom Governo é aquele cuja acção se não sente. O axioma é bom; mas é um equívoco. Todos os Governos têm a mão pesada; logo, não há Governos bons. Sobretudo para a arraia-miúda. E é esta miuçalha que ainda gosta dos que com ela se preocupam. Acredito que a função da escrita reside nesta modesta epítome. Levo tantos anos de batucar prosa que se desenvolveu fortemente em mim algumas induções rudimentares. Por exemplo: os Governos são todos iguais, com as ligeiras diferenças nascidas dos voos dos seus hábitos. Pragmáticos, dizem. A definição mais acabada de indiferença para com os laços sociais.

Este, agora, é uma mariposa encandeada pelas luzes das câmaras de televisão. Viu-se a esfuziante alegria dos “novos” ministros, limpos e asseados, na passarela da Ajuda, e os grupinhos dos excluídos, ligeiramente acabrunhados, a fazer contraste. José Sócrates, com o encanto secreto e frio que o distingue, apenas mudou de pele. Lá dentro, é o mesmo. E o discurso que proferiu no-lo reafirmou.

É estranho, ou não o será, o facto de os comentadores do óbvio terem passado, rápidos, sobre a aspereza das palavras do engenheiro. A debilidade do dr. Cavaco, depois do melancólico fiasco das falsas escutas, e da sua triste fuga às responsabilidades, foi sobrepujada pelo que Sócrates disse. E disse, muito naturalmente, ser ele quem manda, com os seus obedientes discípulos e com os áulicos que o incensam. Como “autoridade moral”, o dr. Cavaco acabou. Desapareceu no funil por ele próprio construído. Aliás, o que disse foi pouco mais do que uma banalidade assustada. O dr. Cavaco está sempre mal neste tipo de cerimónias. Na Ajuda esteve pessimamente: ele era o indivíduo convidado a contragosto, o parente indesejado numa festa de arlequins.

José Sócrates tem as coisas na mão e a seu bel-prazer. Tudo vai gravitar à sua volta: a moral como ele a entende, e a ideologia da classe dominante, a que finalmente ascendeu. O PSD é um saco de lacraus, um ringue [Marcelo dixit] onde as questões se resolvem a murro, um concentrado de medíocres ambições. Não conta para nada, a não ser para a implícita conspiração permanente em que se enreda. Com os outros três do Parlamento pode ele muito bem. Aqui e ali estabelecerá relações de “civilidade”, outra palavra no circuito de quem claudica ante todas as vergonhas. Ali e acolá inventará práticas e conivências que lhe permitirão sobrenadar numa sociedade sem debates, num país sem pudor, sem respeito e sem dimensão colectiva.

As coisas são o que são. E parece impossível escapar a estas tensões e às implacáveis exigências de um tempo que perdeu de vista o reconhecimento da solidariedade e da igualdade. O horizonte da democracia avançada está cada vez mais distante. Mas há quem não desista.


Deixe o seu comentário

Estado do Sítio: Empates técnicos

“A um mês da eleições Legislativas é perfeitamente legítimo começar a desconfiar do que aí vem em matéria de sondagens.”

A um mês das eleições os partidos já têm as máquinas afinadas e preparadas para ir em força para a estrada na habitual e normal caça ao voto. A um mês das eleições ficaram para trás as polémicas sobre as listas de candidatos a deputados, velhas querelas de mercearia que normalmente animam as hostes antes da batalha final.

A um mês das eleições começam a conhecer-se os programas dos partidos, textos inúteis que só uma minoria tem a pachorra de ler, cheios de promessas e frases eloquentes sobre o sítio, que vão direitinhos para o lixo mal acabam os espectáculos de apresentação. A um mês das eleições já de disparam insultos a torto e a direito, com figuras e figurinhas a pôr-se em bicos de pés para justificar as suas candidaturas e agradar aos respectivos chefes. A um mês das eleições o senhor presidente do Conselho e líder do PS desmultiplica-se em lançamentos de primeiras pedras de hospitais, fontanários, túneis, estradas e auto-estradas. A um mês das eleições o senhor presidente do Conselho até perdeu o medo e foi à Madeira dizer que adorava os madeirenses numa festinha que os seus camaradas organizam com o engraçado nome de Festa da Liberdade. A um mês das eleições tudo isto acontece.

Mas a um mês das eleições é natural que surjam também muitas sondagens em todos os jornais, rádios e televisões. E como as eleições são daqui a um mês é bom que não se esqueça a vergonha das sondagens que antecederam as eleições europeias de 7 de Junho. A um mês das eleições importa lembrar que os indígenas deste sítio pobre, deprimido, manhoso, cheio de larápios, povoado de mentirosos e obviamente cada vez mais mal frequentado merecem algum respeitinho da parte das empresas responsáveis pelos estudos de opinião.

A um mês das eleições é importante repetir que as sondagens custam muito dinheiro às empresas de Comunicação Social que não podem andar por aí a vender gato por lebre aos seus clientes. A um mês das eleições não vale a pena começarem por aí a inventar isto e aquilo, indecisos para trás e para a frente, altos níveis de abstenção e outras coisas mais para justificarem erros crassos e resultados verdadeiramente enganadores. A um mês das eleições só faltava mesmo que as sondagens começassem a repetir empates técnicos a torto e a direito entre o PS e o PSD. A um mês das eleições Legislativas é perfeitamente legítimo começar, desde já, a desconfiar do que aí vem em matéria de sondagens.

António Ribeiro Ferreira, Grande Repórter


Deixe o seu comentário

O que diz Madelino


O desemprego aumentou no segundo trimestre deste ano 23,9% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, e o número total de desempregados bateu já a assustadora barreira dos 500 000 (sem contar com os 143 648 misteriosamente “desaparecidos” do IEFP e em paradeiro estatístico incerto). Para Francisco Madelino, presidente do mesmo IEFP (o tal dos concursos de admissão com testes sobre os discursos de Sócrates), isso são “peanuts”. Ele é o homem certo no lugar certo para, em tempos pré-eleitorais, nos dar boas e camonianas notícias: o desemprego cresce, sim, mas não cresce já como soía. Ou, explica Madelino, cresce mas – deitem foguetes desempregados e famílias – cresce “estavelmente”, que é como quem diz que voa alto mas voa baixinho. O papel do presidente do IEFP é o mais difícil e desamparado da comédia que é a gestão política dos números negros do desemprego; cabe-lhe vir à boca de cena e pintá-los de cor-de-rosa. Atire-lhe a primeira pedra quem, no seu lugar, que é de nomeação política, não fizesse o mesmo ou pior de modo a evitar vir a engrossar também ele as estatísticas do desemprego.


1 Comentário

Sweet Misery: A Poisoned World – Parte 05/06 – Aspartame

O aspartamo ou aspartame é uma neurotoxina utilizada para substituir o açúcar comum. Ele tem maior poder de adoçar (cerca de 200 vezes mais doce que a sacarose) e é menos denso. O aspartamo geralmente é vendido junto com outros produtos. É o adoçante mais utilizado em bebidas.

O aspartamo é consumido por mais de 200 milhões de pessoas, em todo o mundo e está presente em mais de 6000 produtos.
Este veneno esta sendo consumido inocentemente pelas pessoas, com aprovação da Organização Mundial de Saúde.

Faça uma pesquisa por “Codex Alimentarius” e você ficará surpreso com as proporções que isso vem tomando.

Obs: Não fui eu quem legendou o video, apenas mesclei as legendas a ele. Mesmo que em alguns momentos tenham dificuldade de acompanhar a legenda por conta da cor, vale a pena assistir ao documentário

Publicado por libertas000


Deixe o seu comentário

Sweet Misery: A Poisoned World – Parte 04

O aspartamo ou aspartame é uma neurotoxina utilizada para substituir o açúcar comum. Ele tem maior poder de adoçar (cerca de 200 vezes mais doce que a sacarose) e é menos denso. O aspartamo geralmente é vendido junto com outros produtos. É o adoçante mais utilizado em bebidas.

O aspartamo é consumido por mais de 200 milhões de pessoas, em todo o mundo e está presente em mais de 6000 produtos.
Este veneno esta sendo consumido inocentemente pelas pessoas, com aprovação da Organização Mundial de Saúde.

Faça uma pesquisa por “Codex Alimentarius” e você ficará surpreso com as proporções que isso vem tomando.

Obs: Não fui eu quem legendou o video, apenas mesclei as legendas a ele. Mesmo que em alguns momentos tenham dificuldade de acompanhar a legenda por conta da cor, vale a pena assistir ao documentário

Publicado por libertas000


Deixe o seu comentário

Freeport XVIII: o meu primo é um mestre de ‘kung fu’

Só faltava mesmo o surgimento do jovem herói de Shaolin para transformar o caso Freeport numa ópera bufa que alguém devia levar à cena. Se eu estivesse a assistir a uma telenovela venezuelana onde um dos protagonistas tivesse decidido, numa altura delicada, partir para a China para estudar kung fu, teria encolhido os ombros e suspirado: “Estes argumentistas já não sabem o que mais hão-de inventar.” Ao ver o primo de José Sócrates na primeira página do Expresso, empoleirado num pilar como se estivesse a ensaiar para o Karate Kid IV, comecei a rir de incredulidade – e ainda não parei. Aliás, isto é o mais próximo que alguma vez vi da famosa piada dos Monty Python que matava as pessoas à gargalhada.

Caro leitor: eu percebo que você ande enjoado. Eu próprio, semana após semana, sento-me em frente do computador para escrever mais um texto para esta página e a mão está sempre a fugir-me para Alcochete. Mas será que a culpa é minha? Por amor de Deus: depois daquele tio, agora sai-nos um primo vestido de Bruce Lee, a treinar artes marciais no templo de Shaolin e a chamar pelo nome de Wu Guo, “o guerreiro profundo”? Sobre o que é que querem que eu escreva, se nem a família Adams é tão divertida? É a mesma coisa que um paleontólogo tropeçar num osso de dinossauro e virem criticá-lo por começar a escavar.

Desde que o site do DN mudou e os leitores passaram a poder escrever comentários aos textos dos colunistas, sou frequentemente instado a confessar o que me move contra José Sócrates e qual é a minha “agenda”. Meus caros amigos: eu não tenho agenda, eu não tenho partido e a minha única ambição política é conseguir governar a minha biblioteca. Acreditem ou não, ainda há seis meses estava convencidíssimo de que iria votar no engenheiro Sócrates nas próximas legislativas, sobretudo perante a tragédia que foram os primeiros meses de Manuela Ferreira Leite. Mas subitamente entrámos na twilight zone política e judicial no que ao Freeport diz respeito. E não há como virar a cara.

Só esta semana, tivemos: 1) O senhor procurador-geral a interpor um processo disciplinar devido a pressões que ele próprio garantira não existirem. 2) Ilustres juristas a defender que conversas privadas não são pressões mas delações (as pressões costumam ser feitas em conversas públicas, como toda a gente sabe). 3) Um jovem herói de Shaolin – que até hoje nunca foi escutado pela justiça portugue- sa – a desmentir o seu primo quanto ao seu conhecimento de Charles Smith. E podia continuar. Lamento muito, mas o caso Freeport transformou-se numa tragicomédia nacional, que põe ao léu uma República grotesca, sem princípios, sem carácter e completamente disfuncional. Sobre o que hei-de eu escrever, se a vergonha já se estende desde aqui até à China?

Fonte: D.N.por João Miguel Tavares


5 Comentários

Alex Jones: A Mentira de Obama (The Obama Deception) 10

NO INFRINGEMENT OF COPYRIGHT IS INTENDED

obama-brainThe Obama Deception – A Mentira de Obama é o mais novo documentário do produtor Alex Jones onde destrói por completo o mito de que Barack Obama esteja trabalhando no melhor dos interesses do povo americano.

O fenómeno de Obama é uma mentira maquinada cuidadosamente para liderar a NOva Ordem Mundial. Obama foi apresentado como o salvador em uma tentativa de enganar o povo americano com o fim de aceitar a escravidão mundial.

Já não se trata de esquerda ou direita, de comunismo ou sistema de liberdades, do que realmente se trata até agora de forma encoberta é de um Governo Mundial.

Este documentário cobre: Para quem Obama trabalha, as mentiras que disse e sua verdadeira agenda. Se você quer saber dos factos e passar por cima de toda essa ladainha messiânica, este filme é para você.

http://www.prisionplanet.com
http://www.infowars.com

Publicado por deusmihifortis