Catarse

Toda a alma é imortal, porque aquilo que se move a si mesmo é imortal.


Deixe o seu comentário

O perigo do transénico – ” ratos alimentados com o milho geneticamente modificado tinham uma maior taxa de mortalidade (duas a três vezes superior, no caso das fêmeas) e desenvolviam grandes tumores.”

Paris quer proibição de milho transgénico na UE

por Lusa, publicado por Ricardo Simões FerreiraHoje

O primeiro-ministro francês anunciou hoje que a França defenderá a proibição de milho transgénico “a nível europeu”, caso se confirmem as conclusões de um estudo que associa milho transgénico ao aparecimento de grandes tumores em ratos.

“A publicação de um estudo por investigadores franceses que põe gravemente em causa a inocuidade a longo prazo do milho trangénico NK 603 provocou o alerta imediato da agência de segurança sanitária e da autoridade europeia de segurança dos alimentos”, disse Jean-Marc Ayrault num discurso em Dijon.

O chefe do governo francês adiantou ter pedido um processo rápido que permita, “em algumas semanas”, verificar a validade científica deste estudo.

“Se os resultados forem conclusivos, [o ministro francês da Agricultura] Stéphane Le Foll defendera a nível europeu a proibição destes OGM [organismos geneticamente modificados)”, assegurou.

O estudo, realizado por investigadores da universidade de Caen ao longo de dois anos, partiu de uma amostra de 200 ratos, alguns dos quais foram alimentados com agua e milho NK 603, uma variedade transgénica do grupo norte-americano Monsanto, enquanto o grupo de controlo recebeu milho convencional.

Depois da experiência, os cientistas concluíram que os ratos alimentados com o milho geneticamente modificado tinham uma maior taxa de mortalidade (duas a três vezes superior, no caso das fêmeas) e desenvolviam grandes tumores.


Deixe o seu comentário

OS lacaios de Merkel: CIP defende redução de férias para 22 dias

O presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), António Saraiva, considera que os trabalhadores portugueses devem voltar a ter 22 dias de férias como forma de diminuir o custo unitário do trabalho e aumentar a competitividade.

“Advogamos que deveríamos retomar os 22 dias” de férias, em vez dos 25 atuais, disse à Lusa António Saraiva.

“Já quando se decidiu aumentar de 22 para 25 dias úteis premiando aqueles que não faltam considerámos a medida errada porque todos nós temos a obrigação de trabalhar mais e melhor”, explicou, criticando que se premeie “uma coisa que deve ser natural, que é a comparência ao trabalho”.

Para António Saraiva, a posição da chanceler alemã, Angela Merkel – que exigiu a unificação da idade da reforma e dos períodos de férias na União Europeia e criticou os sistemas vigentes na Grécia, Espanha e Portugal — é “natural”.

“Quando somos obrigados a pedir ajuda externa perdemos alguma da nossa liberdade de ação e é natural que os nossos credores e, desde logo, a Alemanha, venham tentar impor condições diferentes daquelas a que estamos habituados”, referiu.

No entanto, ressalvou o presidente da CIP, “cada país tem especificidades próprias e instituições próprias”.

Ainda assim, António Saraiva acredita que a redução de férias é uma forma de tornar a economia portuguesa mais competitiva.

“A economia portuguesa tem de se tornar mais competitiva e os custos unitários do trabalho têm que ser melhorados, quer pelo lado da Taxa Social Única, quer pelo tempo de trabalho”, defendeu.

Para António Saraiva, a solução deve passar “por um ‘mix’ até para não ser necessário compensar com penalizações fiscais para diferenciar positivamente alguns sectores e empresas mais expostos à concorrência internacional”

 Angela Merkel também defendeu um adiamento da idade de reforma nos países com maior crise financeira, lembrando que a Alemanha passará gradualmente dos 65 para os 67 anos, entre 2012 e 2029.

Uma posição que o presidente da CIP diz ser “uma velha pretensão da União Europeia”, mas que António Saraiva critica.

“Não posso deixar de lamentar que a UE queira nivelar algumas práticas e regras mas feche os olhos a outras, como é o caso da harmonização fiscal”, disse.

“O programa de ajustamento deve ser socialmente repartido de forma equitativa e justa. Não se queira adotar em Portugal as regras da Alemanha, porque a Alemanha tem taxas de juro de 1 por cento e nós suportamos 9 e 10 por cento”, concluiu.


Deixe o seu comentário

As agruras de hoje da Grécia serão as de Portugal no futuro com o pacote da troika

As consequências de uma reunião não tão secreta

por Euro Intelligence

O nosso ponto de vista foi sempre que a resolução da crise consistiria num refinanciamento (rollover) permanente. Quando confrontados com a questão de permitir o incumprimento da Grécia ou concordar com mais um programa (irrealista), os ministros europeus das Finanças aceitaram esta última opção.

Numa reunião secreta no Luxemburgo, os ministros das Finanças de um subconjunto de países da eurozona encontraram-se para discutir o futuro da Grécia e, segundo o FT , alcançaram um consenso de que querem recorrer a um pacote inteiramente novo, pois o actual programa da Grécia, o qual prevê um retorno aos mercado em 2012, não é realista.

A Grécia precisa obter €25 a €30 mil milhões no próximo ano. O FT informa que o European Financial Stability Facility (EFSF) pode comprar dívida grega em mercados primários, em complemento de uma reestruturação voluntária para “rolar” (roll over) dívida que será devida em 2012. Responsáveis parecem ter descartado com firmeza qualquer reestruturação involuntária da dívida, a qual criaria mais problemas do que resolveria. O ministro grego das Finanças foi convidado à reunião de modo a que responsáveis pudessem enfatizar-lhe a importância de mais austeridade e privatização.

Na sexta-feira à noite, a revista Der Spiegel informou que a Grécia havia considerado uma saída da eurozona e revelou que uma tal teria lugar, com Wolfgang Schäuble tendo um estudo na sua pasta sobre porque uma saída grega far-se-ia a um custo proibitivo – para a Grécia mas também para a própria eurozona. A notícia deu lugar a negações frenéticas de responsáveis da UE e provocou uma nova derrota do euro, o qual declinou de um pico de US$1,49 para US$1,43 em dois dias. Responsáveis da UE primeiro tentaram negar que uma tal reunião viesse a ocorrer, mas quando se tornou impossível sustentar isso, eles simplesmente negaram que os ministros discutissem uma reestruturação da dívida, muito menos uma saída.

“COMENTÁRIOS ABSURDOS DE JOSÉ SÓCRATES”

Wolfgang Münchau escreve na sua coluna no FT que o fracasso em ser capaz de organizar uma reunião secreta simboliza a dificuldade em administrar uma união monetária (e especialmente um programa de refinanciamento de dívida) com um grupo de decisores executivos tão diversos. Disse ele não acreditar em quaisquer pronunciamentos oficiais de qualquer responsável da UE. Afirmou que os comentários absurdos de José Sócrates de que obteve um acordo melhor do que os gregos e os irlandeses também são muito típicos para o programa de acção colectiva da eurozona. E que vê cada vez mais evidências de uma bifurcação – uma situação dentro de poucos anos nesse caminho em que estados membros da eurozona terão de decidir se saltam para dentro de uma união política ou saltam para fora de uma união monetária.

Juan Ignacio Crespo escreve em El Pais que uma saída da eurozona seria o equivalente a uma outra crise financeira global. Se a Grécia saísse, o sistema bancário do país entraria em colapso e o país seria confrontado com uma implosão económica e social. E a crise imediatamente propagar-se-ia ao país seguinte da eurozona. A Europa neste ponto suspenderia tanto o mercado como o acordo de Schengen.

Os principais jornais alemães estão divididos sobre os méritos de um segundo pacote de resgate para a Grécia. Enquanto os diários económicos Financial Times Deutschland e Handelsblatt endossam a ideia de má vontade o Frankfurter Allgemeine Zeitung e o Bild estão em franca revolta. Holger Steltzner , do FAZ, destaca que a UE e o FMI não têm quaisquer meios de aplicar pressão sobre a Grécia uma vez que excluem a reestruturação da dívida grega e a saída da Grécia da eurozona. O colunista Hugo Müller-Vogg, do Bild, argumenta que se bem que o euro seja indispensável para a Europa, a Grécia não é. Se a Grécia quisesse deixar a zona da divisa ninguém deveria impedi-la. “Isso seria caro para o contribuinte europeu”, argumenta ele. “Mas um final caro é melhor do que infindáveis pacotes caros de resgate”.

PSD revela seu plano económico pelo lado da oferta

Passos Coelho revelou o plano económico do seu partido com o objectivo de mudar o modelo económico de Portugal. A principal característica é uma redução de encargos sociais dos negócios em 4 pontos percentuais, de 23,75% para 19%, financiando por cortes estruturais na despesa governamental. Isto inclui cortes no período que dá direito a benefício de desemprego; um corte no número de Secretarias de Estado em 30% e de conselheiros à metade; reduções em entidades públicas em pelo menos 15%; um serviço de recrutamento independente para postos no governo e o fim de prestigiosos projectos de infraestrutura, tais como serviços ferroviários de alta velocidade. O Jornal de Negócios tem os pormenores. O presidente Cavaco Silva disse que um corte fiscal para os negócios é possível e está de acordo com o acordo da troika mas que deveria ir a par com um corte fiscal sobre o trabalho, ao passo que o IVA pode aumentar.

Desordem tempestuosa na Irlanda após apelo de Morgan Kelly à reestruturação da dívida

Um comentário do economista irlandês Morgan Kelly no Irish Times a apelar a que a Irlanda se afaste do acordo de salvamento provocou uma enorme tempestade na Irlanda e alguma reacção irada do banco central e do governo. Kelly argumentou que o governo irlandês deveria afastar-se da dívida bancária, deixando-a para o BCE, de modo a que país ficasse com uma dívida “sobrevivivel” de €110 mil milhões. O governador do banco central, Patrick Hohohan, sentiu-se obrigado a defender-se, depois de Kelly acusá-lo de ter feito o “mais custoso erro alguma vez já feito por uma pessoa da Irlanda” ao calcular mal a escala das perdas bancárias. Hoohan defendeu o seu papel na corrida para o acordo de salvamento original e a sua decisão de manter a garantia bancária. O ministro das Finanças também respondeu emitindo uma rígida advertência ao artigo de Kelly, dizendo que benefícios à infância e os salários de 300 mil trabalhadores do sector público seriam reduzidos em 33% se o governo abandonasse o acordo de salvamento com a UE-FMI.

E se a França recorrese a um programa de resgate da UE e do FMI?

Em Les Echos Nicolas Barre também é céptico quando ao resgate grego, mas por razões diferentes. Originalmente os pacotes de resgate tinham duas razões bem fundamentadas. Eles precisavam mostrar a populações locais nos países periféricos quão grave era a situação e houve tantos pacotes de resgate para aqueles países quanto houve resgates para os bancos no resto da eurozona. Hoje aquelas duas razões já não são válidas segundo Barre. De modo que reestruturar a dívida grega seria a solução adequada. O colunista francês argumenta que políticos em Paris deveriam reflectir sobre os seus colegas em Atenas, Dublim e Lisboa, onde os governos já não estão no comando e têm de receber ordens da UE e do FMI. Barre aponta o sempre crescente rácio da dívida em relação ao PIB em França e diz que o destino de países periféricos deveria ser motivo de reflexão para qualquer candidato às eleições presidenciais francesas na Primavera de 2012.


Deixe o seu comentário

Sócrates garantiu 80 mil milhões em troca do PEC 4

O primeiro-ministro já tinha preparado o pedido de ajuda à UE e ao BCE quando se comprometeu em Bruxelas a avançar com novas medidas de austeridade.

Quando José Sócrates assinou em Bruxelas, no passado dia 11 de Março, o acordo com as medidas do PEC 4 ficou também estabelecido que a esse acordo se seguiria um pedido de ajuda externa a Portugal no valor de 80 mil milhões de euros, apurou o SOL junto de elementos da Comissão Europeia (CE) envolvidos nas negociações.

O compromisso assumido pelo primeiro-ministro português com o Banco Central Europeu (BCE), a CE e o grupo Euro começou a ser negociado no final de Fevereiro e passou pelo encontro, a 2 de Março, em Berlim, de Sócrates e Teixeira dos Santos com a chanceler alemã Angela Merkel.

As crescentes dificuldades de financiamento do Estado português e, em particular, da banca colocaram como inevitável a antecipação das medidas do PEC 4 e a definição de um pacote de ajuda externa a curto prazo.

O próprio presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, viria a confirmar publicamente, dias depois, que considerava «apropriado um resgate a Portugal» num valor próximo dos «75 mil milhões de euros».

O bluff…

O anúncio das medidas do PEC 4, no mesmo dia 11 de Março em que foi oficializado em Bruxelas, apanhou o país de surpresa. E deixou antever – pela forma como o primeiro-ministro marginalizou ostensivamente o PR e a Oposição do processo – que dificilmente o PEC 4 recolheria o imprescindível apoio maioritário na AR. E que estava próxima a abertura da crise política.

Ciente de que a negociação do PEC 4 tinha implícito, num segundo momento, o pedido a Bruxelas da ajuda de 80 mil milhões de euros, Sócrates apostou tudo no bluff político e na estratégia de ruptura que permitisse culpabilizar a Oposição, e em especial o PSD, pela queda do Governo e pelo recurso à ajuda financeira da Europa.


Deixe o seu comentário

Corte salarial. Pensões e subsídio de férias em risco

A 6 de Abril de 2011, Portugal pede pela terceira vez na sua história ajuda externa ao Fundo Monetário Internacional. Resgate deverá estar entre os 70 e os 80 mil milhões.

Bruxelas deverá exigir um corte substancial do dinheiro pago pelo Estado em salários e pensões para que o país possa recorrer ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF). Em cima da mesa, apurou o i, poderá estar um corte que ronde os 20% da massa salarial. Não cabe a Bruxelas definir o modo como esse corte será efectuado porém o caminho mais directo, à semelhança do que já foi feito quando Mário Soares era primeiro-ministro, na década de 80, passa pelo 13º mês dos funcionários públicos. A esta possibilidade poderá ser somado um imposto adicional sobre as pensões mais altas e o congelamento das reformas. Ainda assim, o executivo poderá pagar o 13º mês dos funcionários públicos através de títulos de dívida portuguesa.

Mudanças nas leis laborais e aumento da idade da reforma deverão ser igualmente equacionados. O pacote de ajuda será sempre duríssimo, à semelhança do que aconteceu na Grécia e na Irlanda .

Depois da reunião do Ecofin, que junta os ministros das Finanças da zona euro sexta-feira e sábado, poderá ser já avançado o valor de um empréstimo de emergência ao país para suprir necessidades imediatas, devendo ser, posteriormente, formalizado um pacote de ajuda de Bruxelas em troca de medidas de austeridade. O resgate português deverá rondar os 70 a 80 mil milhões de euros, parte deste valor será assegurado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) .

A posição concertada dos bancos, que decidiram deixar de financiar o Estado através da compra de dívida pública, empurrou o executivo para esta decisão. As necessidades de tesouraria do Estado estavam suprimidas durante o mês de Abril, mas com o corte do financiamento bancário o governo não conseguiu manter a posição irredutível de não pedir ajuda até às eleições de 5 de Junho. À voz dos banqueiros juntou-se a do governador do Banco de Portugal que esta semana reuniu com o ministro das Finanças, a quem disse, sabe o i, que um pedido de ajuda imediato era indispensável.

6 de Abril de 2011 O dia de ontem fica para a história. Portugal assumiu pela terceira vez a incapacidade de fazer face às suas obrigações, recorrendo a uma ajuda externa. Depois de o jornal “Financial Times” ter anunciado que Portugal estaria a negociar um empréstimo com Bruxelas, o gabinete do primeiro-ministro foi categórico logo pela manhã, recusando, numa primeira fase, contactos formais com a União Europeia e, mais tarde, negando igualmente conversas informais.

Porém, na Assembleia da República, o tom era outro e, à semelhança do que tinha feito no dia anterior o líder da bancada parlamentar, Francisco Assis, o ministro dos Assuntos Parlamentares abria a porta à ajuda externa “perante uma situação excepcional”.

A notícia do pedido de ajuda chegou a meio da tarde, de forma inédita, através da versão online do “Jornal de Negócios”. O ministro das Finanças anunciava, em entrevista dada por escrito, que era “necessário recorrer aos mecanismos de financiamento disponíveis no quadro europeu”. “O país foi irresponsavelmente empurrado para uma situação muito difícil nos mercados financeiros”, disse Teixeira dos Santos, atirando as culpas para a oposição. Ontem, os juros portugueses mantiveram-se em queda acentuada e a taxa a dois anos desceu dos 9%.

Filipa Martins


Deixe o seu comentário

O Mentiroso e aldrabão, o animal político que nos conduziu ao abismo.

O cenário macroeconómico em que se baseia o Programa de Estabilidade e Crescimento entregue pelo Governo hoje no Parlamento aponta para uma contracção da economia este ano de 0,9 por cento, uma revisão acentuada face ao crescimento de 0,2 por cento projectado no Orçamento do Estado.

O governo prevê uma recessão de 0,9% em 2011 na versão actualizada do PEC (Programa de Estabilidade e Crescimento). Esta previsão contraria uma estimativa de crescimento de 0,7% do PIB este ano quando as instituições internacionais apontavam para uma recessão de 1%.

 

O agravamento do quadro macroeconómico foi a principal razão apontada para a necessidade de avançar com medidas adicionais de consolidação orçamental. Em 2012, o PIB deverá crescer apenas 0,3% e só em 2013 está previsto um crescimento superior a 1%.

 

Segundo as novas estimativas do Governo, a inflação deverá acelerar para 2,7% este ano. Já o desemprego vai continuar a crescer este ano até aos 11,2%, o que reflecte uma contracção de 0,6% do emprego total. Só vai recuar a partir do próximo ano com o governo a prever 10,8%.

 

O mesmo documento prevê que o preço do petróleo se situe nos 107,2 dólares por barril este ano, ficando sempre acima dos 100 dólares até 2014. O Orçamento do Estado para 2011 previa uma cotação de 78 dólares por barril para o petróleo.

 

O documento entregue diz que ainda que as empresas públicas vão ter que cortar mais custos operacionais, além dos 15% que foi exigido este ano. Além disso, diz o governo, estas empresas vão ficar limitadas a tectos máximos de despesa “até ao final de Março de 2011″.

 

Já os hospitais EPE  vão ter de reduzir os seus custos operacionais nos próximos dois anos. “Na sequência dos programas lançados em 2011, serão prosseguidos em 2012 e 2013 os esforços de redução dos custos operacionais nos hospitais EPE”, diz o documento.

 

Apesar das condições desfavoráveis dos mercados, que já levaram ao adiamento de operação, o governo reviu em alta as receitas esperadas com privatizações entre 2010 e 2013.
Agora, a estimativa é obter de 6470 milhões de euros, contra seis mil milhões de euros previstos há um ano. Este valor já inclui a única operação realizada até agora, a venda de 7% da Galp.

 

O Governo vai também rever as listas anexas ao Código do IVA (imposto sobre o valor acrescentado), prevendo gerar um “ganho de receitas” de 0,1 por cento do PIB em 2012 e 0,3 por cento em 2013.

 

Tal como já tinha anunciado, o Executivo prepara-se para aumentar as pensões mais baixas em 2012 e cortar a partir de 1500 euros.


Deixe o seu comentário

CIA utilizou franceses como cobaias

Um fenómeno sem explicação ocorreu em Pont-Saint-Esprit, uma pequena localidade a sul de França em 1951. De repente, cinco pessoas morreram misteriosamente, dezenas foram internadas em hospícios e centenas sentiram-se mal. Agora alega-se que a CIA seria responsável pelos factos.

Acontecimentos bizarros como um homem que afirmou ser um avião e se atirou de uma janela no segundo andar, outro que assegurava que o seu coração lhe estava a fugir pelos pés ou outro que declarava que o seu umbigo estava a ser devorado por cobras, assolaram a pacata localidade a 16 de Dezembro de 1951.

O fenómeno assemelhava-se a uma intoxicação alimentar, só que, para além de vómitos e dores de cabeça, as pessoas demonstraram outros sintomas como loucura, alucinações e tentativas de suicídio.

Durante décadas atribuiu-se o fenómeno a um pão ‘amaldiçoado’, que teria sido envenenado por um padeiro local com bolor psicadélico ou mercúrio orgânico.

Agora um jornalista americano descobriu provas que sugerem que a CIA estaria por detrás do misterioso caso, tendo alterado a composição da comida local, com LSD, numa experiência para tentar controlar mentes, em plena Guerra Fria.

O governo francês já negou qualquer tipo de envolvimento no caso, remetendo para a CIA que ainda não se pronunciou.


Deixe o seu comentário

Terramoto pode ter sido provocado

O Mundo foi agitado nas últimas semanas com a notícia divulgada pelo jornal moscovita Pravda que cita a Frota Russa do Norte segundo a qual, o sismo que devastou o Haiti em 12 de Janeiro passado resultou do teste de uma das “armas de terramotos” da Marinha norte-americana. De acordo com a informação, o tremor de terra no Haiti estava inserido num diagrama de sucessão linear em relação aos terramotos denunciados que se produziram à mesma profundidade de 10 km na Venezuela (8 de Janeiro) e em Honduras (11 de Janeiro).

O presidente venezuelano Hugo Chávez, numa declaração pronunciada no mês passado, acusou os Estados Unidos de “brincarem aos deuses”, e denunciou a existência de uma arma capaz de provocar tremores de terra.

Segundo o jornal Pravda, a Frota Russa do Norte, comandada pelo cruzador nuclear “Pedro, o Grande” tem controlado os movimentos navais dos EUA no Caribe desde 2008.

O relatório compara as experiências de duas destas armas de terramotos com um teste realizado no Pacífico que causou um sismo de magnitude 6,5 na área em torno da cidade de Eureka, na Califórnia. Não se registaram vítimas.

A informação acrescenta que os norte-americanos “tinham conhecimento total” dos danos que poderiam ser causados e que, para tal, mandara avançar o general P.K.

Keen, Comandante Delegado do Comando Sul, para supervisionar na ilha os trabalhos de ajuda que fossem necessários.

Logo após o terramoto no Haiti, seguindo o relatório da marinha russa e o jornal Pravda, o Pentágono mandou preparar o navio-hospital USNS Confort para seguir para a sacrificada ilha.

O porta-aviões USS Carl Vinson foi enviado para a zona com a sua capacidade máxima de aviões e helicópteros. Chegou no dia 14 de Janeiro, dois dias depois da catástrofe.

No terreno, já operava há tempos a agência norte-americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID) que, junto com o Comando Sul e o Departamento de Estado accionaram o envio de 10.000 soldados para “ajuda humanitária” e controlo do país que entrou em total ruptura administrativa após o sismo.

O relatório russo afirma ainda que existe um plano dos EUA para destruição do Irão por intermédio de uma sucessão de sismos induzidos, com o objectivo de derrubar o regime islâmico local.

A harpa que nem os anjos tocam

A verdade é que, por muito que tudo pareça saído de um manual da guerra das estrelas em versão tenebrosa, existe, de facto, um projecto em desenvolvimento desde 1993 chamado HAARP (High Frequency Active Auroral Program), destinado a estudar a ionoesfera com base na radiofrequência induzida por hipocampos. Em linguagem corrente, o programa permite controlar o tempo, provocar terramotos, baralhar as telecomunicações mundiais, detectar e destruir mísseis.

O HAARP foi fundado pela Força Aérea e Marinha dos Estados Unidos, pela Universidade do Alasca e pela DARPA (Agência de Projectos de Pesquisa Avançada de Defesa).

Funciona num lugar recôndito do Alasca, em Gakona e, em 2008, custou 250 milhões de dólares.

Segundo dados oficiais, o HAARP estuda a forma como a ionoesfera afecta as comunicações via rádio.

Para mitigar os efeitos negativos, os cientistas desenvolvem meios de melhorar as comunicações e sistemas de navegação tanto sobre a terra como debaixo de água e no sub-solo.

Uma das aplicações pode ser mapear os conteúdos minerais no sub-solo da Terra assim como estudar o subsolo de países como o Irão e a Coreia do Norte.

O principal instrumento da estação no Alasca consiste num potentíssimo radiotransmissor de alta-frequência com um conjunto de 180 antenas que ocupam uma área de 13 hectares.

O sistema permite enviar sinais para a ionoesfera a uma altitude compreendida entre os 70 e os 350 km, conforme a frequência.

Militares afirmam que o HAARP pode facultar toda uma série de aplicações, desde descobrir petróleo, gás e depósitos minerais em largas áreas, a detectar aviões e mísseis de cruzeiro, tornando obsoletas as outras tecnologias.

Em curto, o HAARP substitui com menos custos, as comunicações submarinas, substitui o sistema de radar sobre o horizonte, fornece meios para apagar as comunicações numa área extremamente larga, ao mesmo tempo que mantém as próprias comunicações dos militares, penetra na terra para controlar instalações subterrâneas de armas nucleares.

Grande controvérsia

São tudo boas ideias para ajustar o patriótico sentido de defesa nacional (norte-americana), para além de serem bem mais económicas. Isto é o que dizem as informações do próprio HAARP. O que não dizem, pode ser verdadeiramente alarmante. Mais: os efeitos de uma utilização menos “responsável” destes poderes sobre o escudo natural da Terra que é a ionosfera, pode ser cataclísmico, segundo alguns cientistas.

Um fundador do movimento contra o HAARP, Clare Zickuhr diz: “Os militares vão dar um grande pontapé na ionosfera e vão ficar a ver o que vai acontecer”. Acontece que os militares não sabem esclarecer exactamente o que pode acontecer com experiências de utilização de imensos níveis de energia. O projecto tem sido alvo de muitas teorias da conspiração.

Muitos críticos apontam objectivos escondidos: provocar um poderoso raio da morte, ser uma fonte alternativa de energia, ser um sistema de defesa anti-míssil, ser uma arma de controlo da mente.

A rádio iraniana, além de apoiar a teoria de que o sismo do Haiti foi provocado, acrescenta que o HAARP criou um tempo extraordinariamente frio para evitar acções contra o aquecimento global.

A própria Duma (Parlamento da Rússia) produziu uma violenta denuncia contra o HAARP em 2002 ao acusar os Estados Unidos de “ter criado armas geofísicas integrais capazes de influenciar a Terra com ondas de rádio de alta frequência”.

Cientistas independentes como Begich e Manning afirmam que assaltos ao céu do tipo do HAARP, com os seus imprevistos efeitos, “podem ser um acto de vandalismo global”.

Os haitianos, o primeiro povo negro a tornar-se independente e livre, preocupados em simplesmente sobreviver, nunca saberão se o sismo que lhes levou familiares e bens foi natural ou provocado.

Helder de Sousa


Deixe o seu comentário

Jesse Ventura ex-Governador do Minnesota desmonta a farsa do Aquecimento Global – ‘Conspiracy Theory’

Posted on Dezembro 18, 2009 by ovigia

Jesse Ventura ex-Governador do Minnesota tem agora uma série de reportagens de investigação que visam tentar esclarecer ou fazer alguma luz sobre alguns assuntos designados por aqueles que os querem desacreditar como Teorias da Conspiração.

Este ex-Navy SEAL, ex-lutador de Wrestling e ex-político resolveu abordar numa nova série de televisão em formato tipo reportagens de investigação, diversos temas nossos conhecidos, tendo já ido para o ar três episódios desta série que se designa por CONSPIRACY THEORY WITH JESSE VENTURA e é uma produção da trutv.com.

Entre os temas abordados nos seus três primeiros episódios encontram-se o projecto militar HAARP capaz de alterar a atmosfera e o clima bem como o pensamento de todos nós e até provocar tremores e terra entre outros, no segundo episódio tratou do tema dos atentados do 11Set2001 e no episódio de ontem o terceiro, foi sobre o AGW, Aquecimento Global supostamente de origem antropogénica, sobre o qual Alex Jones tem um interessante artigo no seu site.

Para darem olhada aos seguintes episódios vão até ao site do projecto, caso queiram fazer o seu download através de torrents, aqui estão eles, para darem uma olhada primeiro vão até ao youtube.


Deixe o seu comentário

Espiando os cidadãos, novas tecnologias via DARPA

Espiando os cidadãos, novas tecnologias via DARPA

Posted on Março 15, 2009 by ovigia

O Pentágono acaba de anunciar que se prepara através da DARPA, para lançar uma esquadra de cerca de 450 dirigíveis «ISIS» capazes de voar a 65000 pés de altitude «19812 metros» durante 10 anos e alimentados por células de hidrogénio e painéis solares.
Serão gastos 400Milhões de dólares apenas no protótipo.

A ideia não é nova, mas parece que será desta vez ainda mais abrangente e poderosa.
As deculpas para a sua implementação também não deverão ser novas, terrorismo, ataques exteriores com misseis, etc etc.
Quando se quer enganar o povo, as desculpas arranjam-se, e que as vende já está à muito controlado e no bolso, os media mainstream acríticos.

Estes equipamentos permitirão aos seus operadores em estações no terreno, o controlo e monitorização de várias centenas de kms de diâmetro através de equipamentos de vigilância, tais como câmaras de alta resolução bem como antenas de radar.

Podendo através dessa vigilância monitorizar e controlar, veículos, aviões e pessoas.

Já não chegando todos os ataques às Liberdades, Direitos e Garantias dos cidadãos dos EUA, com o constante ataque e destruição da sua constituição, como são provas o fim do Habeas Corpus, Posse Comitatus, a implementação do Patriot Act e da FISA, do projecto REX 84 que permite a espionagem/vigilância de todas as comunicações internas e externas sem necessidade de recorrer a um Juíz, chega agora mais uma arma para as mãos da cleptocracia oligarca dos EUA.

Não deve tardar a chegar à UE, especialmente através do Reino Unido.

Afinal de contas A Oligarquia está a ficar com medo – A Lei Marcial está a chegar

DARPA courted defense contractors Raytheon, Lockheed Martin and Northrop Grumman to develop the airships

Infowars.com
sept 6, 2004

The skies were filled with surveillance helicopters as well as the Fuji Blimp, that was being rented by the NYPD. We could always tell where the protests and arrests were taking place because as many as 4 helicopters and a blimp would be circling overhead.

A look at the future. Homeland Security plans to tether megablimps 32xs the size of the goodyear blimp over every major US city mounted with ground-penetrating radar looking right through your walls. This is only conditioning.

(Photo by Ted O’Brien)

[Via mediamonarchy, LA Times, Guardian, Infowars]

Powered by ScribeFire. in O Vigia


Deixe o seu comentário

Entrevista do “pai” dos alertas para as alterações climáticas ao “The Guardian” J. Hansen: “É preferível que a cimeira de Copenhaga falhe”

Considera ser o desafio moral do século: a luta contra as alterações climáticas. James Hansen, um dos mais eminentes estudiosos do clima, o homem que alertou para os perigos das alterações climáticas muitos anos antes de Al Gore abrir os olhos ao mundo com o seu documentário “Uma Verdade Inconveniente”, falou ao “The Guardian” nas vésperas da cimeira de Copenhaga. E o que tem a dizer não é agradável. Hansen diz que é preferível que a cimeira redunde em fracasso, dado que o ponto de partida é profundamente defeituoso. Mais valia começar tudo do zero, argumenta.

“Preferia que não acontecesse [um acordo em Copenhaga], se as pessoas aceitarem a cimeira como sendo a ‘via certa’, em vez de a ‘via do desastre’”, indicou Hansen, que dirige o Instituto Goddard para os Estudos Espaciais, da NASA, em Nova Iorque.

O cientista que convenceu o mundo a prestar atenção ao perigo crescente do aquecimento global é muito claro quando diz ao “The Guardian” que seria melhor para o Planeta e para as futuras gerações que a cimeira de Copenhaga acabasse num desastre. James Hansen considera que qualquer acordo que venha a emergir das negociações será tão profundamente defeituoso que mais valia começar tudo de novo a partir do zero.

“Toda a abordagem é tão profundamente errada que é melhor reavaliar a situação. Se isto for uma coisa ao estilo Quioto, então as pessoas irão demorar anos a tentar determinar o que é que aquilo quer dizer exactamente”, criticou Hansen.

Hansen começou a apresentar-se diante do Congresso americano em 1989, alertando para as consequências do aquecimento global, e fez mais do que qualquer outro cientista na educação dos políticos norte-americanos acerca das mudanças climáticas e das suas consequências.

Apesar de se considerar um relutante orador, diz que foi forçado a entrar na esfera pública depois de as catástrofes naturais se terem começado a multiplicar.

Esta entrevista ao “The Guardian” acontece numa altura em que se registaram alguns progressos na cimeira de Copenhaga, com a Índia a anunciar um limite à emissão de CO2 para a atmosfera. Os quatro maiores produtores de gases com efeito de estufa – EUA, China, UE e Índia – já se comprometeram com limites para as emissões, mas ainda há muito a fazer e muitos obstáculos a serem ultrapassados.

Hansen opõe-se veementemente aos esquemas de compra e venda de emissões de CO2 para a atmosfera entre nações. Compara este sistema às indulgências vendidas pelo Clero na Idade Média, quando os fiéis compravam a redenção das suas almas dando dinheiro aos padres. Neste caso os países ricos dão dinheiro aos países pobres em troca de emissões de carbono.

Hansen é igualmente muito crítico das actuações de Barack Obama e de Al Gore, afirmando que estes líderes mundiais falharam aquele que é considerado hoje o desafio moral da nossa era. Porque o problema do corte das emissões de CO2 para a atmosfera não se pode ajustar aos interesses políticos e económicos internacionais. “Neste tipo de assuntos não pode haver compromissos”, avalia. “Não temos um líder que seja capaz de entender o que se passa e que diga o que realmente importa dizer. Em vez disso, estamos todos a tentar continuar com os negócios de sempre”.

Apesar de tudo, Hansen permanece optimista: “Podemos já nos ter comprometido com um aumento do nível do mar em pelo menos um metro – ou mais – mas isso não quer dizer que desistamos. Porque se desistirmos, em vez de um poderemos ter de lidar com dezenas de metros. Por isso acho contraproducente as pessoas dizerem que atingimos um ponto de não retorno e que é demasiado tarde. Nesse caso, em que é que estamos a pensar: vamos abandonar o Planeta? Devemos minimizar os estragos”, vaticinou.


Deixe o seu comentário

A Queda da República (Fall of the Rep*blic) 9-15


1 Comentário

Organização Mundial de Saúde planeou “O Medo Global da Gripe Suína” – suspeitas de corrupção

Novye Izvestija Novye Izvestija
November 26, 2009 26 de novembro de 2009

Translated from Russian by Infowars Ireland Traduzido do russo por Infowars Irlanda

A pandemia de gripe suína que Novye Izvestija tem escrito sobre esre assunto, pode ser o embuste mais ambicioso e de corrupção do nosso tempo. Em qualquer caso, o aspecto comercial do enorme susto “gripe suína” é já evidente.

A mesma conclusão foi feita por jornalistas dinamarqueses que habilmente examinaram as relações entre a Organização Mundial da Saúde (OMS) e empresas farmaceuticas de todos o mundo, ganharam fortunas com a venda de drogas para combater a doença. Acontece, por exemplo, que muitos cientistas que se sentam em vários comitês da OMS, cuidadosamente ocultando o fato de que recebem dinheiro das empresas multinacionais farmacêuticas do mundo.

De acordo com o banco de investimento internacional da JP Morgan, a indústria farmacêutica vai fazer mais de 7 bilhões de euros este ano com a venda de vacinas contra H1N1. Os principais países ocidentais têm encomendado doses suficientes para vacinar toda a população, quer a sua (como a Austrália), ou um terço (Alemanha e em vários outros Estados-membros da UE).Fábricas de vacinas e comprimidos estão trabalhando dia e noite, em quatro rotações por turnos, com uma carteira de encomendas … eles não estão enfrentando a crise econômica mundial como pode acontece com outros.

Pela primeira vez em muitos anos de pandemia de gripe “o pânico” tem afetado a UE. A vacina foi produzida sem um número suficiente de exames clínicos e exames laboratoriais.

É um tal pânico justificado?  um número crescente de especialistas está examinando a questão comparando as estatísticas de mortalidade do vírus da gripe suína e a “convencional”,que no Outono começam sua marcha por todo o planeta. Até agora, segundo a OMS, seis mil pessoas foram vítimas de H1N1, enquanto a taxa de mortalidade média anual durante as epidemias  ‘tradicionais’ de gripe atinge meio milhão.

A principal causa da reação histérica à epidemia da gripe suína, de acordo com os repórteres do jornal dinamarquês ‘Informação’, não é porque ele é tão perigoso, mas por causa de uma forte campanha de relações públicas por especialistas da OMS.  Alguns deles [especialistas da OMS], estão, literalmente, ao serviço dos fabricantes de vacinas.

“É preocupante que muitos dos cientistas que se sentam em vários comitês da OMS, são apresentados como” peritos independentes, mas escondem o fato de que recebem dinheiro das empresas farmacêuticas “, confessou o professor de epidemiologia, Tom Jefferson, que trabalha na do Centro Cochrane, em Roma, a repórteres.

A OMS anunciou a pandemia da gripe suína sob pressão de um painel de conselheiros, liderado por um médico holandês, Albert Ostenhaus, apelidado de “Dr. Flu’ (do nome ‘Tamiflu’), porque ele era activo na promoção da vacinação em massa da população através da OMS e dos média ocidentais.  Agora, o governo da Holanda está a realizar um inquérito de emergência às actividades do “Doutor Flu”, tal se tornou conhecido que ele recebe um salário de várias companhias de fabricação de vacinas. Muitos outros conselheiros que se sentam nas duas cadeiras ‘(conflito de interesses) como Ostenhaus, e ao mesmo tempo a lidar com a pandemia da gripe suína, em nome da OMS, eles não gostam de anunciar que são pagos como assessores das gigantes farmacêuticas Roche, Johnson RW, SmithKline Beecham e Glaxo Wellcome, que receberam a maior parte das encomendas para a fabricação de vacinas. O resultado da pressão desses especialistas foi a resolução da OMS em 7 de julho deste ano, que apelou para uma campanha inédita de vacinação em massa.

“A OMS é tendenciosa em suas recomendações – diz o professor Tom Jefferson. – Medidas de higiene normal proporcionam efeitos muito maiores do que estas vacinas pouco estudadas, e ao mesmo tempo, a OMS refere-se ao uso de máscaras e lavar as mãos como um meio para combater a gripe suína apenas duas vezes em seus documentos.  Vacinas e outros medicamentos são referidas 42 vezes! “Dr. Jefferson e vários de seus colegas acreditam que os assessores pagos pelas empresas farmacêuticas devem ser removidos de suas posições e não autorizados a dar recomendações à OMS, mas a própria organização não tem pressa para realizar essa reforma.Porta-voz da OMS, Gregory Hertl, comentando o artigo na ‘Informação’ (jornal dinamarquês) disse que é impossível negar os serviços dos maiores especialistas do mundo pela simples razão de que eles têm um interesse financeiro na promoção de uma estratégia para combater diversas doenças.

Refira-se que este não é o primeiro ano em que o tema da corrupção “em farmacologia tem sido o foco dos média ocidentais. The New England Journal of Medicine publicou “o denunciante” há vários anos. Em uma série de artigos do denunciante revelou a vida dentro da “máfia de branco”. Segundo eles, apenas 11-14% dos orçamentos das empresas farmacêuticas são gastos em pesquisa, mas 36% dos fundos são gastos no PR. Grande parte do dinheiro acaba nos bolsos dos médicos, cientistas, e as contas de várias organizações que trabalham em cuidados de saúde.


Deixe o seu comentário

A grande farsa do Aquecimento Global 1- 4

O Canal 4 britânico produziu um documentário devastador intitulado “A Grande Fraude do Aquecimento Global”. Ele não foi, ao que parece, exibido por nenhuma das redes de televisão nos EUA. Mas, felizmente, ele está disponível na Internet.


Deixe o seu comentário

A história surpreendente atrás do embuste do aquecimento global


Um texto publicado em Janeiro de 2009 no site OSMOOTHIE alertava para a manipulação climatérica, para o embuste do CO2 como principal poluente da atmosfera e causado do efeito de estufa:
Publicado janeiro em 29, 2009

KUSI, “a história surpreendente atrás do embuste do aquecimento global
por John Coleman

Todos os actores importantes estão agora no lugar em Washington e nos governos estatais através de América para etiquetar oficialmente o dióxido de carbono como um poluente e para decretar as leis que nos taxam cidadãos para nossas pegadas do carbono. Somente dois detalhes estão na maneira, nos tempos económicos esmorecidos e em uma volta dramática para um clima mais frio. Os últimos dois Invernos amargos têm conduzir a uma ascensão na consciência pública que o CO2 não é um poluente e não é um gás de estufa significativo que esteja provocando o aquecimento global do fugitivo.

Como nós chegamos a este ponto onde a ciência má está conduzindo o governo ?

A história começa com um Oceanographer nomeado Roger Revelle. Seriu com a marinha na segunda guerra mundial. Depois que a guerra ele assentou bem no director do instituto Oceanographic de Scripps em La Jolla em San Diego, Califórnia. Revelle viu a oportunidade de obter o financiamento principal da marinha para fazer medidas e pesquisa sobre o oceano em torno dos Atolls pacíficos onde as forças armadas dos E.U. conduziam testes da bomba atómica. Expandiu extremamente as áreas do instituto de interesse e entre outro empregou Hans Suess, um químico notável da Universidade de Chicago, que estava muito interessada nos traços de carbono no ambiente do burning de combustíveis fósseis. Revelle etiquetou sobre aos estudos de Suess e co-autorizou um estudo em 1957. O papel levanta a possibilidade que o dióxido de carbono pôde criar um efeito de estufa e causar o aquecimento atmosférico. Parece ser um argumento para financiar para mais estudos. Financiar, sincera, é onde a mente de Revelle estava na maioria das vezes.

Revelle seguinte empregou um Geochemist nomeado David Keeling para planear uma maneira de medir o índice atmosférico do dióxido de carbono. Em Keeling 1960 publicado seu primeiro papel que mostra o aumento no dióxido de carbono na atmosfera e que liga o aumento à queima de combustíveis fósseis.

Estes dois artigos de investigação transformaram-se a terra firme da ciência do aquecimento global, mesmo que não oferecessem nenhuma prova que o dióxido de carbono era de facto um gás de estufa. Além não explicaram como este gás de traço, simplesmente uma fração minúscula da atmosfera, poderia ter todo o impacto significativo em temperaturas.

Deixe-me agora tomá-lo de volta aos anos 50 em que isto estava indo sobre. Nossas cidades entrapped em um nuvem da poluição motor a combustão interna crus que carros pstos e caminhões para trás então e das emissões descontroladas das centrais energéticas e das fábricas. Os carros e as fábricas e as centrais energéticas enchiam o ar com todas as sortes dos poluentes. Havia um válido e a preocupação séria sobre as consequências da saúde desta poluição e de um movimento ambiental forte estava tornando-se para exigir a ação. O governo aceitou este desafio e os padrões ambientais novos foram ajustados. Os cientistas e os coordenadores vieram ao salvamento. Os novos combustíveis reformulados  foram desenvolvidos para carros, como eram os motores altas tecnologia, controlados por computador novos e os conversores catalíticos. Em o meio dos anos 70 os carros eram já não poluidores do máximo, emitindo-se somente alguns dióxido de carbono e vapor de água de suas tubulações de cauda. Do mesmo modo, o processamento novo do combustível e os purificadores da pilha de fumo foram adicionados a industrial e as centrais energéticas e suas emissões foram reduzidas extremamente, também.

Mas um movimento ambiental tinha sido estabelecido e seu financiamento e muito existência dependeu de ter uma edição de continuação da crise. Assim os artigos de investigação de Scripps vieram apenas no momento direito. E, com eles veio o nascimento de uma edição; aquecimento global sintético do dióxido de carbono da queima de combustíveis fósseis.

Revelle e Keeling usaram esta alarmismo nova para manter seu crescimento do financiamento. Outros investigadores com motivações ambientais e uma fome para o financiamento viram este tornar-se e escalaram-no a bordo também. As concessões de pesquisa começaram a fluir e a hipótese alarmista começou a aparecer em toda parte.

A curva de Keeling mostrou uma ascensão constante no CO2 na atmosfera durante o período desde que o óleo e o carvão foram descobertos e usados pelo homem. Até à data de hoje, o dióxido de carbono aumentou de 215 a 385 porções por milhão. Mas, apesar dos aumentos, é ainda somente um gás de traço na atmosfera. Quando o aumento for real, a percentagem da atmosfera que é CO2 permanece minúscula, aproximadamente .41 centésimo de um por cento.

Diverso a hipótese emergiu nos anos 70 e no 80s sobre como este componente atmosférico minúsculo do CO2 pôde causar um aquecimento significativo. Mas permaneceram não demonstrados. Os anos passaram e os cientistas mantiveram-se alcangar para fora para a evidência do aquecimento e da prova de suas teorias. E, o dinheiro e as reivindicações ambientais manteve-se na acumulação.

Para trás nos anos 60, esta pesquisa do aquecimento global veio à atenção de um Maurício nomeado de nação unida carregada burocrata canadense forte. Procurava edições que poderia se usar para cumprir seu sonho do governo do um-mundo. Forte organizou um evento do dia de terra do mundo em Estocolmo, Sweden em 1970. Disto desenvolveu um comité dos cientistas, dos ecólogos e de eficiente políticos do UN para continuar uma série de reunião.

Forte desenvolveu o conceito que o UN poderia exigir pagamentos das nações avançadas para o dano climático de seu burning de combustíveis fósseis beneficiar as nações subdesenvolvidas, uma sorte do imposto do CO2 que fosse o financiamento para seu governo do um-mundo. Mas, ele necessário mais prova científica suportar sua tese preliminar. Tão forte patrocinou o estabelecimento do painel intergovernamental de nação unida na mudança de clima. Esta não era uma organização científica do estudo puro do clima, como nós fomos conduzimos para acreditar. Era uma organização dos burocratas do UN do governo do um-mundo, dos activistas ambientais e dos cientistas da ecologia que imploraram o financiamento do UN assim que poderiam produzir a ciência eles necessários para parar a queima de combustíveis fósseis. Durante os últimos 25 anos foram muito eficazes. As centenas de papéis científicos, de quatro reuniões internacionais principais e de resmas de notícias sobre o Armageddon climático mais tarde, o UN IPCC fizeram seus pontos à satisfação da maioria e compartilharam mesmo de um prémio de paz de Nobel com Al Gore.

Ao mesmo tempo, esse Maurício Strong era ocupado no UN, coisas começ um bocado fora da mão para o homem que é chamado agora o avô do aquecimento global, Roger Revelle. Tinha sido muito polìtica active nos anos 50 atrasados porque trabalhou para mandar a Universidade do Califórnia encontrar um terreno de San Diego junto ao instituto de Scripps em La Jolla. Ganhou essa guerra principal, mas perdeu uma batalha da mais alta importância mais tarde quando foi passado sobre na selecção do primeiro chanceler do terreno novo.

Deixou Scripps finalmente em 1963 e transportou-se à Universidade de Harvard para estabelecer um centro para estudos de população. Era lá que Revelle inspirou um de seus estudantes assentar bem em um activista principal do aquecimento global. Este estudante diria mais tarde, “ele feltro como tal privilégio poder ouvir-se sobre os readouts de algumas daquelas medidas em um grupo de não mais do que os undergraduates uma dúzia. Estava aqui este professor que apresenta a algo não os anos velhos mas frescos fora do laboratório, com implicações profundas para nosso futuro!” O estudante descreveu-o como “um professor maravilhoso, visionário” quem fosse “um dos primeiros povos na comunidade académico para soar o alarme no aquecimento global,” esse estudante era Al Gore.

gore_firegloablawarminghoax1

Pensou do Dr. Revelle como seu mentor e referiu-lhe frequentemente, retransmitindo suas experiências como um estudante em sua terra do livro no contrapeso, publicou em 1992.

Então, Roger Revelle era certamente o avô do aquecimento global. Seu trabalho tinha colocado a fundação para o UN IPCC, desde que a munição do combustível do anti-fóssil ao movimento ambiental e a Al Gore emitido em sua estrada a seus livros, sua movimento, seu prémio de paz de Nobel e uns cem milhão dólares do negócio de créditos do carbono.

O que aconteceu em seguida é surpreendente. A agitação do aquecimento global estava transformando-se a celebridade da causa dos meios. Depois que todos os meios são na maior parte liberais, ama Al Gore, amores advertir que nós de desastres iminentes e para nos dizer “o céu estão caindo, o céu estão caindo”. Os políticos e o ecólogo amaram-no, demasiado.

Mas a maré estava girando com o Roger Revelle. Foi forçado para fora em Harvard em 65 e retornou a Califórnia e semi a uma posição da aposentadoria no UCSD. Lá teve o tempo para repensar o dióxido de carbono e o efeito de estufa. O homem que tinha inspirado Al Gore e tinha dado ao UN a investigação básica ele necessário para lanç seu painel intergovernamental na mudança de clima tinha dúvidas. Em 1988 escreveu duas letras preventivas aos membros de congresso. Escreveu, “minha própria opinião pessoal é que nós devemos esperar outros 10 ou 20 anos a ser convencidos realmente que o efeito de estufa está indo ser importante para seres humanos, em maneiras positivas e negativas.” Adicionou, “… nós devemos ser cuidadosos não despertar demasiado alarme até a taxa e uma quantidade de aquecimento torna-se mais desobstruída.”

E em 1991 Revelle aliou-se com Chauncey Starr, fundando o directivo do instituto de investigação da energia eléctrica e do cantor de Fred, o primeiro diretor do serviço satélite de tempo dos E.U., para escrever um artigo para o compartimento do cosmos. Incitaram mais pesquisa e imploraram cientistas e governos não mover demasiado rápido para emissões de CO2 da estufa do freio porque era de modo nenhum certo que o impacto verdadeiro do dióxido de carbono e limitar o uso de combustíveis fósseis poderia ter um impacto negativo enorme na economia e os trabalhos e nosso standard de vida. Eu discuti esta colaboração com o Dr. Cantor. Assegura-me que era consideravelmente mais certo que Revelle do que era naquele tempo que o dióxido de carbono não era um problema.

Roger Revelle atendeu à enclave do verão no bosque boémio em Califórnia do norte no verão de 1990 ao trabalhar nesse artigo? Entregou um discurso da beira do lago lá aos motores e aos abanadores montados de Washington e de Wall Street em que se desculpou emitindo o UN IPCC e Al Gore neste ganso selvagem – persiga sobre o aquecimento global? Disse que a conjectura científica chave de sua vida tinha despejado erradamente? A resposta 2 aquelas perguntas é, “eu penso assim, mas eu não a sei  certo”. Eu não consegui confirmar até à data deste momento. É um pequeno como Las Vegas; o que é dito nas estadas boémias do bosque no bosque boémio. Não há nenhum transcrito ou as gravações e os povos que atendem são incentivados não falar. Contudo, o tópico é tão importante, que alguns povos compartilharam comigo em uma base informal.

Roger Revelle morreu de um ataque cardiaco três meses depois que a história do cosmos foi imprimida. Oh, como eu o desejo estavam ainda vivo hoje. Pôde poder parar este disparate científico e terminar o embuste do aquecimento global.

Al Gore não admitiu a culpa do Mea de Roger Revelle como as acções do homem idoso senil. E, o próximo ano, ao funcionar para o vice-presidente, disse que a ciência atrás do aquecimento global está estabelecida e não haverá não mais debate, de 1992 até que hoje, e suas cortes recusem debater o aquecimento global e em que nos pergunte aproximadamente cépticos insultam-nos simplesmente e chamam-nos nomes.

Tão hoje nós temos a aceitação do dióxido de carbono como o culpado do aquecimento global. Conclui-se que quando nós queimamos combustíveis fósseis nós estamos deixando uma pegada inexorável do carbono que nós devamos pagar a Al Gore ou aos ecólogos para deslocar. Nossos governos em todos os níveis estão considerando taxar o uso de combustíveis fósseis. A Agência de Protecção Ambiental federal está na orla de nomear o CO2 como um poluente e estritamente de regular seu uso proteger nosso clima. O presidente novo e o congresso dos E.U. são a bordo. Muitos governos estatais estão movendo sobre o mesmo curso.

Nós já estamos sofrendo deste disparate do CO2 de várias maneiras. Nossa política energética hobbled estritamente por nenhuma perfuração e por nenhumas refinarias novas por décadas. Nós pagamos pela falta que esta criou cada vez que nós compramos o gás. Sobre isso que o tudo isto sobre o milho baseou o álcool etílico custa-nos milhões dos dinheiros provenientes dos impostos nos subsídios. Isso igualmente conduziu acima dos preços dos alimentos. E, toda a esta é longe de sobre.

E, eu sou convencido totalmente que não há nenhuma base científica para algum dela.

Aquecimento global. É o embuste. É ciência má. É um levantamento com macaco elevado da política de interesse público. Não é nenhum gracejo. É o grande embuste na história.

John Coleman é o fundador da canaleta de tempo e é um apresentador do tempo para o KUSI em San Diego, CA.

Neste momento, este artigo continua a ter importência pelo facto de ter rebentado o caso “Climategate”. Mais um vídeo acerca do assunto:



Deixe o seu comentário

Global Warming On Trial: Inhofe Solicita uma investigação ao IPCC da ONU

Em resposta à revelações surpreendentes decorrentes dos e-mails hacked CRU, o senador Jim Inhofe afirmou que a menos que algo seja feito nos próximos sete dias, ele vai levar o pedido de uma investigação rigorosa em evidências de que os conceituados cientistas do clima conspiraram para manipular dados para ocultar provas de resfriamento global, enquanto exercíciam a caça às bruxas  a académicos para eliminar os cientistas cépticos de  mudança climática feita pelo homem.

Falando no programa  “Américas Morning Show” hoje cedo, Inhofe,  Membro do Senado do Meio Ambiente e Comissão das Obras Públicas , disse que as novas revelações provam o que ele tem advertido há sobre mais de quatro anos, que os políticos orientaram o preconceito dos cientistas do clima filiadas com a ONU IPCC,  fraudulentamente “cozinharam a ciência” para estar conforme com sua agenda.

“Se nada acontecer nos próximos sete dias, quando voltamos para a sessão de hoje a uma semana que iria mudar essa situação, vou pedir uma investigação”, disse Inhofe. “Cause this thing is serious, you think about the literally millions of dollars that have been thrown away on some of this stuff that they came out with.” “Porque este assunto é sério, você pensa  literalmente acerca dos milhões de dólares que foram gastos em algumas dessas matérias que saíram.”

Ouça a entrevista com Inhofe


Deixe o seu comentário

A Queda da República (Fall of the Rep*blic) 5 a 8


Deixe o seu comentário

UK plano do governo para criar leis”Pirate Finder Geral”, com poder de nomear milícias

Divulgação


Uma fonte próxima ao Governo trabalhista britânico acaba de dar-me informações confiáveis sobre a proposta mais radical de autor que eu já vi.

Secretário de Estado Peter Mandelson está a planear introduzir alterações à Economia Digital Bill hoje em debate no Parlamento.  Estas mudanças vão dar ao Secretário de Estado (Mandelson – ou o seu sucessor no próximo governo) o poder de fazer “direito derivado” (legislação que é aprovada sem debate) para alterar as disposições do Copyright, Designs and Patents Act (1988) .

O que isto significa é que um funcionário não eleito teria o poder de fazer nada, sem debate parlamentar de supervisão ou, desde que foi feito em nome da proteção de direitos autorais. : Mandelson elabora sobre isso, dando três razões para que a sua proposta:

1. 1.  O Secretário de Estado iria tirar o poder de criar soluções novas para as infracções em linha (por exemplo, ele poderia criar penas de prisão para compartilhamento de arquivos, ou criar um “três strikes” O plano que os custos de famílias inteiras do seu acesso de Internet, se qualquer membro acusado de infracção)

2. 2. O Secretário de Estado iria tirar o poder de criar procedimentos para “conferir” direitos para efeitos de protecção dos titulares de direitos de violação online.  (por exemplo, gravadoras e estúdios de cinema pode ser dado poderes de investigação e de aplicação que lhes permitem compelir ISPs, bibliotecas, empresas e escolas para dar informações pessoais sobre usuários de Internet, e para ordenar as empresas de desconectar os usuários, remover sites, bloqueio URLs, etc)

3. 3.  O Secretário de Estado receberia o poder de “impor tais direitos, poderes ou funções a qualquer pessoa que pode ser especificado em conexão com facilitando violação on-line” (por exemplo, os ISPs podem ser forçado a espionar seus usuários, ou de ter advogados de direitos autorais analisar cada parte do conteúdo gerado pelo usuário antes que ele vai viver, também, direitos de autor “milícias” pode ser formada com o poder de polícia de direitos autorais na web)

Mandelson também vigiar sites como o YouSendIt e outros serviços que permitem a fácil transferência de arquivos grandes e para trás privada (eu uso YouSendIt para enviar podcasts para trás e para o meu editor de som durante a produção).  Como a Viacom, ele está esperando para forçá-los a desligar qualquer recurso que permite que os usuários para manter seus uploads privado, já que bandeiras de privacidade pode ser usado para manter violar arquivos fora da vista de aplicação da lei de direitos autorais.

É uma declaração de guerra por parte da indústria de entretenimento e seus reguladores capturados contra os princípios da liberdade de expressão, privacidade, liberdade de reunião, a presunção de inocência, e da concorrência.

Esta proposta cria o cargo de Pirate-Finder Geral, com poderes ilimitados para nomear as milícias que estão acima da lei, que pode intrometer-se em cada canto de sua vida, que pode desconectar-se da sua família, trabalho, educação e governo, que pode multar você ou colocá-lo na cadeia.

Mais a seguir, tenho certeza, uma vez Open Rights Group e outras organizações ativistas começar a trabalhar nisso. Entretanto, a dizer a cada britânico que você conhece. Se não podemos parar isso, é início do fim para a rede na Grã-Bretanha.


Deixe o seu comentário

The European BioWar outbreak, by Dr Rebecca Carley

A Tale of Two Stories: The European BioWar outbreak and the censoring of it by the mainstream news media.

by Dr Rebecca Carley

The biggest story on the Planet today is the outbreak of a veryserious Advanced Biological War virus in Europe.

The second biggest story on the Planet is the suppression of this story for almost two weeks by the corporate owned mainstream news media.

There is a lot we know and a lot that we can only speculate on about what is unfolding in Central Europe. We know that in mid-October, less than a month ago, there was a growing number of cases of what many thought was Swine Flu (A/H1N1) in the western part of the Ukraine. We know that many hundreds if not thousands of people in western Ukraine witnessed low flying light airplanes aerosol spraying something over

Ukrainian cities during the days of October 29, 2009 and October 31, 2009.

We know that beginning the night of October 29th, massivenumbers of people begin to get very sick. We know that the Ukraine government issued a statement denying that it was doing any aerial spraying to combat the growing disease or authorizing any spraying

over Ukrainian cities. We know that by October 30th, the Ukrainian authorities closed all schools for three weeks and banded public gatherings.

We do NOT know what disease the people were/are coming down with. We do know that doctors are describing the disease as Pneumonic Plague, or as some type of hemorrhagic fever, or as hemorrhagic influenza, or as hemorrhagic pneumonia. We know that the illness, whatever it is, does not appear to be A/H1N1. We do not know if the disease is a

recombination of A/H1N1 with other viruses or some totally different virus or if it is in fact a virus. We know that the World Health Organization (WHO) has had several days to sequence the genes of the disease but has failed to release this data.

We know that WHO has NOT called for the quarantining of the Ukraine or the shutdown of all global travel to/from the area of infection and that this is the same thing that they did when Mexican Swine Flu (A/H1N1) first broke out and that the failure to contain that virus early on ensured its spread throughout the world.

We know that the internal temperature of the lungs of those with a terminal case of what many are calling ‘Ukrainian Plague’ is often from 130F to 135F. We do know that autopsies show that the lungs are filled with blood, and are black in color, and that the lung tissue has turned to mush. We know that patients who first show any signs of illness usually crash in less than 48 hours, sometimes the same day.

We know that the disease was spreading by about 200,000 per day but that this has slowed to about 100,000 day now, in the Ukraine, as people take extraordinary steps to contain the spread of the disease.

We know that well over one and a third million people in the Ukraine are very ill with the disease (according to published official sources) and that over 60,000 are hospitalized in serious to critical condition. We know that the disease has a very high transmission rate with a likely low amount of viral (if it is in fact a virus) material needed to cause an infection. We know that the official reports of deaths are under 300 in the Ukraine. We also know that it is normal for hospital admissions of people with ARI (acute respiratory infection) to have a fatality rate of from 5% to 10%. We know that non-official sources were reporting over 3,000 deaths several days ago and that this number is more in tune with the 5-10% fatality rate than the official figures.

We do not know what effective treatments are for this illness. We do know that young adults seem to be more in danger of this illness. We suspect that ‘cytokine storming’ similar to that in the 1918 Spanish Flu, that killed approximately 50 million people, is taking place.

We know from official Ukrainian Health Ministry reports that the illness does not test out as Mexican Swine Flu (A/H1N1). We do not know if the existing Swine Flu vaccine has any effect, but based on the non-positive response to Swine Flu in testing, we suspect that the vaccine is ineffective as the viral protean shell is different than A/H1N1 (if in fact it is a virus that causes the illness).

We know that the illness has spread to Poland, where over one quarter of a million people are now very ill. We know that it has spread to Belarus and to Hungary and elsewhere in central Europe. We know that 900,000 people are said to have Swine Flu in Norway but we do not know if this is related to Ukraine Plague in any way.

We know that on November 8th a South African site (fto.co.za ) carried the following:

/”Suspicious aircraft were forced to land. A US operated (Russian-made long-range heavy transport) AN-124 changed its call sign from civilian to military which then triggered a respo nse from the IAF (Indian Air Force) upon entering Pakistani air space (forcing) the plane to land in Mumbai while (a) second one was forced down by Nigerian fighter jets that also arrested the crew.”

“According to reports, China’s People’s Liberation Army Air Force contacted the Indian and Nigerian intelligence officials about the presence of these US operated Ukrainian aircraft amidst growing concern that the United States was spreading ‘biological agents’ in the Earth’s atmosphere, which some Chinese officials believed to be an attempt to (commit) mass genocide via the spread of H1N1 swine flu.”

These aircraft “were carrying ‘waste disposal’ systems that could spray up to 45,000kg (nearly 100,000 pounds) of aerial type mist from sophisticated….nano pipes” in the planes’ wings – called chemtrails./

We know that Baxter International Pharmaceuticals sent 72 kilos of human influenza H3N2 vaccine materials to 16 labs in European nations which contained live H5N1 Bird Flu viruses. We know that this was only discovered when a Czech lab tested the material on several ferrets (ferrets have a similar respiratory system to humans) and all of the ferrets died in short order. We know that Baxter claimed that this was human error. We also know that such a ‘human error’ is basically impossible with the containment protocols in place at Baxter and any other modern biolabs using Biosafety Level 3 (BLS-3) lab technology.

We know that in mid-August a Joseph Moshe, who is a Mossad biological warfare expert, called in to Dr. A. True Ott’s national radio talk show and reported that Baxter was getting ready to release a deadly plague from its Ukrainian lab and that he was shortly meeting with US Attorneys in Los Angles to give evidence about this. We know that shortly thereafter Moshe was apprehended by Federal agents and LA police and taken to the Israeli Consulate. We know that he was quickly flown to Israel and that no further word has come from him.

We know that over the last three or so years a large number of biological experts, from a number of places all over the world, have died strange deaths and that this has been commented on by various publications in the past.

We know that the sudden appearance of Mexican Swine Flu (A/H1N1) virtually had to have been a release from a biological warfare lab. We know that A/H1N1 has gene sequences from three different types (American, Asian, and African) of Swine Flu, of Bird Flu, of two different types of human seasonal flu, and of Spanish Flu and that such a recombination is so unlikely in nature as to be virtually impossible. We know that the WHO policies of not requiring a major quarantine of Mexico ensured that A/H1N1 would spread throughout the world.

We know that the current Swine Flu “Vaccine” is almost totally untested, and that the manufactures are protected from lawsuits for even deliberate acts that result in deaths and that nations acquiring the vaccines are required to sign contracts agreeing not to release negative information on the “vaccine” to the public. We know that published additives to the “vaccine” include highly dangerous-to-human-health substances.

We know that the corporate owned mainstream news media (with strong links to global banking families) have censored this story in a way that has never happen before. We know that the outbreak of a unknown but deadly and very rapidly spreading disease in Europe is the largest story on Earth but that it is NOT being reported on.

http://europebusines.blogspot.com/

Also found at http://mignews.com.ua/en/articles/378759.html is the

following:

// 13.11.2009 // 14:24 //

Doctors learned why Ukrainians dying! (updated at 06:25 pm)

MIGnews.com.ua

All victims of the virus in Bukovyna (22 people at the age of 20-40) died not from bilateral pneumonia, as was previously thought, but as a result of viral distress syndrome, i.e the total destruction of the lungs.

At first the cardio-pulmonary insufficiency comes, and consequently cardiogenic shock is developed, which causes cardiac standstill and death, told the chief of bureau of the Chernivtsi regional forensic examination, doctor of science, Professor Viktor Bachynsky, UNIAN reports.

“During a bilateral pneumonia some morphological picture is observed. As of data of deaths, there is no such morphological picture. The virus, which causes death, is very aggressive, it does not strike the trachea, but immediately gets into the lungs and causes heavy swelling and solid hemorrhage. Mixed types of parainfluenza and influenza A/N1N1 lead to this state. This is a very toxic strain, which has not yet answered to the treatment of the Ministry of Health”, – said Viktor Bachinsky.

According to him, there is a need to change the treatment standards, because those which were used earlier, resulted in nothing – doctors failed to save all people infected with the virus in the reanimation.

The belt ventilators did not help also. For this reason a group of professors of Chernivtsi Medical University appealed to the Ministry of Health and National Security and Defense Council with a demand to review the standards of treatment of patients in Bukovyna. Scientists-morphologists sent to Kyiv reports, studies and analysis of critically ill patients and people who died of virus.

Viktor Bachinsky noted that the virus is extremely toxic, it is able to penetrate not only through respiratory apparatus but also through the eyes. Chernovtsy scientists recommend in any case use masks and even wear protective spectacles. An important condition to prevent deterioration of the situation is also the observance of quarantine regime.

06:19 p.m. Ministry of Health does not consider it is necessary to publish data on the number of confirmed cases of influenza pandemic in the laboratory. “Ukraine is in the A/N1N1 influenza pandemic, and now it does not matter how many of these cases will be detected, we should treat everybody equally,” – said Deputy Minister of Health Vasyl Lazoryshynets at a briefing on Friday.

Vasyl Lazoryshynets also reminded that in Ukraine since the beginning of the epidemic 1,25 mn people became ill with pandemic influenza, influenza and acute respiratory diseases, including 61,000 people -

over the past day, which is by 8,500 less than the previous day. 65,615 people are treated in hospital, including 392 – in the reanimation, 60 have artificial pulmonary ventilation.

Since the beginning of the epidemic in Ukraine 239 people died, including 26 people during the last day, most of them are in the Ivano-Frankivsk, Chernivtsi, Lviv and Ternopil Regions. He also said that according to the laboratory data, 14 people died of pandemic influenza, Interfax-Ukraine reports.

06:25 p.m. To date, swine flu in Ukraine is dominant, but not the only strain, said the head of mission of the World Health Organization in Ukraine Yukka Pukkila.

Yukka Pukkila said that the strain of pandemic virus is detected in 22 cases of 34 samples sent to the control laboratory, which collaborates with WHO in London.

At the same time, Yukka Pukkila stressed that, besides Californian flu in Ukraine there is a large number of varieties of acute respiratory viral diseases and many other viruses that infect the respiratory system, reports Liga.

The genocide is now on being fast tracked, as promised by the murderous cabal controlling the world:

see http://tcrnews2.com/Agenda21.html.

Thank to listeners Verne & Kenneth for this important info… Also if you missed my show yesterday with Elizabeth Wallace, grandmother of Christian (who was murdered by his pediatrician with 6 vacs when he was already sick), you can hear the archive, for free and

without commercials, at http://thelightofdayradioshow.com/archives/RBN-BACKUP/commercialFree.html

(scroll down to 11/14/09 show). VERY IMPORTANT…especially for anyone you know who still beLIEves that vaccines promote health.

Thank you to Sheldon for these archives…

Lastly, after many people have asked me why I did not have a paypal button on my site for people to make donations, I have put one up (to left of the “baby with a needles” picture), in case any of you want to support my work.


Remember, folks, WE can stop the genocide…do not be afraid! We are reaching critical mass, if we have not already done so…

Dr C


Deixe o seu comentário

A Queda da República (Fall of the Rep*blic) 3-4

obama_joker