Ataque iminente ao Irão

Biggest Newspaper In Holland Says Dutch Intelligence Helped Prepare Imminent Attack On Iran

De Telegraaf front page says sources inside AVID helped CIA map air attack

Steve Watson
Infowars.net

The biggest Newspaper in the Netherlands today devotes its front page to news that the Dutch intelligence agency has helped the CIA prepare for an air attack on Iran which it now believes is imminent.

AVID, Holland’s military intelligence service, has pulled back from operations it was carrying out inside Iran as it believes an American led attack will go ahead within weeks according to De Telegraaf’s sources.

The headline reads:

“AIVD is calling back spy because of US plans
ATTACK ON IRAN IMMINENT”

De Telegraaf reports that the decision has already been made by the U.S.
to attack Iran using unmanned aircraft. Potential targets are said to be nuclear facilities and military installations. The latter have been mapped by the CIA with the help of the Dutch secret service.

Nota: Conscientemente preparemo-nos para assistirmos e sermos partes integrantes de mais uma Guerra, a Guerra contra o Irão decidida pelas altas esferas do Clube de Bilderberg, e da Administração dos Estados Unidos com a conivência da União Europeia que mais não faz do que  concordar com as ordens do Clube de Bilderberg – não fossem esses dirigentes pertencentes a essa Ordem secreta ou quase semi-secreta-. Para estes Senhores do Mundo o Planeta Terra não pode viver em Paz, só em Guerras. Dêem uma oportunidade à Paz.

Rússia recusa mundo dominado pelos Estados Unidos, garante Medvedev 

In Público

Os U.S.A. criaram as condições para um nova Era de Blocos e de confrontações, para uma nova Guerra, que se rá conhecida por  Terceira Guerra Mundial

Profecias, AQUI

O Primeiro a ser Chipado

O Chip

O Chip das matriculas

No mesmo dia em que o Sr. Silva promulga a lei que vai obrigar que todos os carros sejam obrigados a ter o famoso “chip” que possibilitará a sua localização imediata, num importante passo em direcção ao “Big Brother” foi nomeado o novo Superpolícia, o Senhor de todas as policias, o Secretário-geral da Segurança Interna Mário Mendes, que trabalhará na cadeira do lado do Sócrates. Sabendo como o Engenheiro se comporta, que detesta ser contrariado ou criticado, que tem mau feitio, quer é arrogante, que é mau e que professa a doutrina Bildberguiana, não me deixa dormir descansado.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

35 mil ficaram de fora…

Se é um dos 35 mil que ficou de fora, não desanime: vêm aí as cíclicas!

Segundo a FENPROF, ficaram sem colocação 35 mil professores. Para a Ministra da Educação, o concurso decorreu com normalidade e as escolas já possuem os professores necessários ao seu normal funcionamento. Se assim fosse, não haveria necessidade das colocações cíclicas. Se você é um dos 35 mil não colocados, não desespere. Esteja atento às cíclicas. Provavelmente, irá arranjar uma colocação, nas cíclicas, mais perto de casa. Há milhares de candidatos que irão ser colocados nas cíclicas. Por isso, esteja confiante. Se o seu grupo de recrutamento for o 550 (Informática), é quase certo que venha a ser colocado em breve. Contudo, se o seu grupo de recrutamento for um daqueles onde há muitos horários zero, talvez esteja na altura de mudar de profissão ou de país. Por que razão, não tenta uma colocação no Reino Unido? Dirija-se ao British Council e peça informações sobre vagas para professor. Outra hipótese: os Palops.

Chipados como animais

Cavaco Silva promulga decreto para instalação de ‘chip’ electrónico nos automóveis 

Cavaco Silva diz mesmo que se trata “sem dúvida, de um domínio particularmente melindroso do ponto de vista da salvaguarda da esfera da vida privada dos cidadãos”.E realça a necessidade de “assegurar, com muita clareza, que os dados pessoais registados sejam objecto da maior reserva e acompanhados de um sistema que garanta efectivamente tal reserva”, e lembra que “as questões colocadas pelo diploma em apreço ultrapassam em muito a experiência da “Via Verde” ou a regulamentação comunitária relativa ao Serviço Electrónico Europeu de Portagens”.

NOTA: Um Chip nos automóveis é uma violação da privacidade de cada um de nós. Quando se começa a exigir mais segurança, perdemos sempre em termos de Liberdade. A Liberdade e a Segurança não combinam, pois uma deles anula a outra.

A introdução de um chip nos automóveis devido ao furto de carros é uma ideia perniciosa, falaciosa e mentirosa. Alguém vai usufruir de lucros com a venda deste Chip.

Após a introdução deste chip nos automóveis a nossa liberdade fica atenuada, e com a quantidade de assaltos que tem havido nestes ultimos dias, parece-me que os portugueses irão pagar do seu prórpio bolso, não só o chip automóvel mas também o chip nos seres humanos. Seremos como gado detectável em qualquer altura e local. A nossa privacidade desaparece totalmente. Seremos uns escravos de quem nos governa, e a nossa liberdade como pessoas, indivíduos livres desaparecerá. É o Big Brother a começar a funcionar. É a Nova Ordem Mundial. É a escravidão do ser humano.

Esqueçam a salvaguarda de dados – dados que conterão toda a informação acerca de si- pois há quem tenha sempre acesso a eles. A vossa liberdade e privacidade desapareceram.

Imagens do Chip implantado em seres humanos.

Motorola estuda chip para implante cerebral

Chip comparado a um grão de arroz

Será que podemos Chipar os deputados do PS, de modo a sabermos o que fazem, o que dizem e por onde andam?

Afinal Cavaco Silva que interrompeu as férias para uma importantíssima comunicação ao País, pois estava em causa os seus poderes, está-se nas tintas para a população portuguesa assim como para o direito à liberdade e privacidade, no entanto o espaço aéreo de Albufeira – residência de praia- foi proibido de ser sobrevoado por causa da sua privacidade enquanto estava no gozo das suas férias.

Bem vindos à Nova Ordem Mundial, Portugal Matrix AQUI

Coloco aqui algumas figuras dos microchips que já estão sendo implantados.


Consequências nefastas do microchip, AQUI

VeriChip Microchip Implants Cause Fast-Growing, Malignant Tumors in Lab Animals…

NOVA ORDEM MUNDIAL

Saltwater

We are a rock revolving
Around a golden sun
We are a billion children
Rolled into one
So when I hear about
The hole in the sky
Saltwater wells in my eyes
We climb the highest mountain
We’ll make the desert bloom
We’re so ingenious
We can walk on the moon
But when I hear of how
The forests have died
Saltwater wells in my eyes

I have lived for love
But now that’s not enough
For the world I love is dying
(and now I’m crying)
And time is not a friend
(no friend of mine)
As friends we’re out of time
And it’s slowly passing by..yyy…yyy…yyy
Right before our eyes

We light the deepest ocean
Send photographs of mars
We’re so enchanted by
How clever we are
Why should one baby
Feel so hungry she cries
Saltwater wells in my eyes

I have lived for love
But now that’s not enough
For the world I love is dying
(and now I’m crying)
And time is not a friend
(no friend of mine)
As friends we’re out of time
And it’s slowly passing by..yyy…yyy…yyy
Right before our eyes

We are a rock revolving
Around a golden sun
We are a billion children
Rolled into one
What will I think of me
The day that I die
Saltwater wells in my eyes

Saltwater wells in my eyes

Os velhos já não contam?

Portugal e a Europa envelhecem e, segundo as advertências de sociólogos e antropólogos, só a imigração pode salvar as veias esclerosadas de um continente sem tino e com poucos jovens propensos à procriação. O sistema capitalista parece ter urdido a teia do seu próprio esvaziamento. A globalização não resultou; ou, esclarecendo …


A globalização não resultou; ou, esclarecendo: permitiu a acumulação de fortunas colossais e colocou na miséria mais desesperante milhões daqueles para quem o seu trabalho é insuficiente como garantia de subsistência. O excesso de ganância, a finança a sobrepujar a economia e esta a dominar a política resultaram nesta desorientação.

Mário Soares não se cansa de bater na mesma tecla. E se lermos, com a atenção que ela merece, a dr.ª Teodora Cardoso, entre alguns mais, aperceber-nos-emos de que, assim, as coisas do mundo encaminham-se para a catástrofe. O culto da juventude pela juventude, uma das componentes da ideologia do «mercado», fez rasto a partir da sombria década de 80. O Portugal do dr. Cavaco foi reflexo da Inglaterra de Margaret Tatcher e dos Estados Unidos de Ronald Reagan. O fim da História, como remate de uma era e nascimento de outra, promissora, próspera e feliz, fora «decidido» por um pensador menoríssimo, Fukuyama, no trilho de Milton Friedman. Nada de novo. Apenas o remanejar de teses que agitavam alguma nostalgia dos velhos autoritarismos, apoiados em poderosas empresas, nacionais e multinacionais.

Esta criação de «outro modelo» foi desastrosa. Em Portugal, o aparecimento de um magote de clones uns dos outros fez remover, de lugares importantes, não só a competência e a experiência – como, sobretudo, a memória. Um episódio: por esse tempo, fui redactor-principal de uma revista, «Época», do Grupo Impala. O director era Wilton Fonseca, que possuía uma visão aberta do que deveria ser uma publicação daquele tipo. Um grupo de excelentes jornalistas fora atraído pelo projecto de Wilton.

A certa altura, precisámos de um redactor que percebesse de economia. Fui encarregado de os entrevistar. Com a paciência que a minha tradicional impaciência julgava improvável, lá fui escutando os candidatos, para aí uns dez. Até que me surgiu pela frente, desenvolto, sem medo e sem fadiga, um rapaz cheio de gel, e vestido a preceito: fato cinzento, sapatos pretos envernizados, e botões de punho numa imaculada camisa. Entregou-me um currículo assustador. Pela acumulação de empregos onde já estivera e pela acumulação de erros gramaticais, de sintaxe e de bom senso. Devo dizer aos meus Dilectos que não cultivo a compaixão ante a ignorância nem a condescendência perante a soberba. Antes de começar a entrevista, o moço advertiu: «Quero ganhar seiscentos contos livres de impostos, cartão de crédito, e carro.» Ergui-me, estendi-lhe a mão: «Também eu queria.» O rapaz, que era apenas gel e sapatos pretos envernizados, chegou a director de duas publicações e, mais tarde, foi assessor de ministro. Perdi-lhe o trilho, mas mantive a memória.

«Deixem-nos trabalhar!», o estribilho de propaganda do cavaquismo, expunha a aparente virilidade daquela gente desembaraçada num cartaz onde todos estavam de mangas arregaçadas. O mal dos governos anteriores era diminuído com a promessa de novos tempos. Foi o que se viu. Até hoje não se apurou, com rigor e minúcia, o destino de rios e rios de dinheiro provenientes de Bruxelas. Com aquele dinheirão, até eu, chefe nominal de uma família empobrecida, até eu faria uma figuraça. Cavaco não foi tocado pela sensibilidade social, enquadrando esta palavra na mais ampla da sua definição. Além do que demonstra um atroz conservadorismo, cada vez mais evidente, nestas actuais funções. Transformou o dinheiro em betão, e esqueceu-se, por ignorância cava, a instrução, o apoio à investigação, os cuidados com a velhice. O culto da juventude pela juventude é um culto protofascista. Está nos livros e di-lo a experiência histórica. E as coisas não acontecem por acaso: isto anda tudo ligado, como avisou o poeta Eduardo Guerra Carneiro.

Portugal está cada vez mais velho e a precisar dos imigrados como factores determinantes da sua própria continuidade como nação. O racismo, a xenofobia, o desprezo pelo outro atira-nos para o abismo. É uma imprudência que pagaremos caro. Como a supressão dos velhos constitui a legitimação de uma peculiar violência. Quando um homem de quarenta ou cinquenta anos é atirado para o desemprego; quando uma mulher de trinta ou quarenta é estimulada a «reformar-se», fica obstruído o campo livre da memória e da experiência, em favorecimento daquilo que é absolutamente injustificável. A «renovação de quadros» é uma falácia, destinada, somente, a beneficiar a reduzida lista de gente, para a qual o mundo do trabalho será a execução de uma espécie de desprezo.

APOSTILAA Imprensa, as televisões e as rádios portuguesas pouco nos informa da realidade política no Cáucaso. Escassamente se sabe do que ocorre no «outro lado.» Chega a ser ultrajante o modo e os estilo como «comentadores do óbvio», referem a trágica situação do que ocorre naquela parte da Europa. Temos de ler jornais estrangeiros (e, mesmo assim, nem todos) para obtermos as informações que nos permitem ajuizar os factos. Talvez seja um pouco pedante da minha parte, que não trago a verdade na mão, mas os Dilectos perdoar-me-ão se lhes assinalar um notabilíssimo artigo, «Moscou-Tbilissi: responsabilités partagées», assinado pelo professor de Oxford, Mark Almond, e publicado na edição de sexta-feira, 22 de Agosto, p.p., de «Le Monde.» É um documento admirável pelo registo pedagógico e pelo esclarecimento que faz da gravíssima questão caucasiana. Começa a ser abjecta a posição unilateral dos jornais portugueses sobre numerosos problemas que, directa ou indirectamente, afectam todos nós.

In J. Negócios , Baptista Bastos

A Festa do Crime violento

A Festa do Crime violento

A Festa da Segurança

Depois de todo o folclore mediático de Agosto, este ano dedicado ao “Crime violento”, o mês aproxima-se do fim, terminam as férias, as nossas e a dos responsáveis pelo estado da sociedade em que vivemos. Uns para acusarem os que lá estão agora, como se fossem inocentes na mentira, outros para apresentar as soluções milagrosas que vão acabar com o crime. Uma grande festa em hora nobre, em que todos somos convidados. Discursos dos responsáveis acompanhados por imagens de operações policiais de encher o olho com todas as policias na rua para apreenderem um canivete e meia dúzia de condutores com uma cerveja a mais. Já me sinto muito mais seguro agora que acabou Agosto e os crimes vão sair dos cabeçalhos e voltar para as páginas interiores do Correio da manhã.

«Pinto Monteiro justificou a sua posição pelo facto de haver um hiper garantismo concedido aos arguidos que colide com o direito das vítimas, com o prestígio das instituições e dificulta e impede muitas vezes o combate eficaz à criminalidade complexa“».

Como o Estado é incapaz de reconhecer as suas culpas, passa-as para todos nós culpando os nossos direitos. Uma forma simples de reforçar o poder e de nos retirar um pouco mais da nossa liberdade como cidadãos.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Despedimentos e Precariedade

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses atribuiu nesta quarta feira os títulos de “Campeões da Precariedade” aos Hospitais Curry Cabral e Santa Maria, em Lisboa, num acto simbólico contra a precariedade laboral. Em conjunto, os dois hospitais têm cerca de 650 enfermeiros com contratos temporários. O sindicato denuncia a crescente precariedade num sector onde há evidente necessidade de mais profissionais.

“Atribuímos a medalha de campeão da precariedade ao Hospital Curry Cabral, porque tem 148 enfermeiros contratados, e ao Hospital de Santa Maria, que tinha 500 enfermeiros nessa situação em 2006”, explicou À imprensa Isabel Barbosa, da direcção-geral de Lisboa do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

Para denunciar a existência de “um grande ritmo de trabalho, que compromete a qualidade e a segurança dos serviços prestados”, assegurada com elevado número de trabalhadores precários, o sindicato promoveu nesta quarta feira uma “Caravana Olímpica da Enfermagem”, com atribuição de medalhas às instituições do distrito de Lisboa com piores desempenhos nesta matéria.

A “medalha da precariedade” foi também atribuída ao Hospital Júlio de Matos e à Administração Regional de Saúde de Lisboa, enquanto na modalidade “discriminação” a medalha foi atribuída ao Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, “porque discrimina os enfermeiros contratados no pagamento das horas suplementares de trabalho”. A Maternidade Alfredo da Costa assegurou o título de “campeã da prepotência”.

A iniciativa do sindicato pretende denunciar as más condições de trabalho dos enfermeiros e responder ao “grande desinvestimento do governo na área da Saúde”, como explicou Isabel Barbosa: “um grande nível de desemprego entre os jovens e de enfermeiros com vínculo precário contrasta com a necessidade de enfermeiros nos serviços”.

POBRE POVO NAÇÃO DOENTE

Está uma batalha lá fora e os políticos não encontram melhor forma de reconhecimento do que se passa senão com dizer coisas sem sentido. A violência está a mudar (mudou) a nossa sociedade e põe em causa não apenas a face social do País como favorece a emergência de ataques à liberdade, em nome da segurança. As primeiras páginas dos jornais, os “alinhamentos” dos noticiários televisivos não se baseiam em princípios abstractos: a gestão do medo traduz a realidade do medo, e uma falta de confiança na avaliação dos políticos.Impressionamo-nos com a crueza das imagens de brutalidade mas, a seguir, admitimo-las porque nos resignámos. Criou-se a mentalidade difusa, volatilizada, de que esta realidade é a concepção subjacente da “modernidade”. Oculta-se a verdadeira razão: o capitalismo contemporâneo criou um indivíduo que recusa e resiste a qualquer forma de compromisso. Os laços sociais foram destruídos e o homem “moderno” encerra-se em si próprio, indiferente não só ao “outro” como relapso aos assuntos públicos.As esferas estão demarcadas. Se, num lado, os guetos não ocultam a injustiça e são alfobres de ressentimento, resultantes das deformações sociais, no outro lado estão os condomínios fechados, que multiplicam as fronteiras entre dois mundos distintos. O que se entrevê como protecção transforma-se em couraça.

As classes dirigentes alteraram, dramaticamente, os espaços de aproximação afectiva. Vivemos num país, numa sociedade, que ignora o conceito de comunidade e de partilha para se converter numa massa esvaziada de substância.

A “prevenção” do crime está certa. Mas as declarações nesse sentido, proferidas por responsáveis da “segurança”, desembaraçam-se de qualquer desejo de análise e de racionalidade. “Mais polícia” é paliativo; não é solução. A desumanização social, a deformidade e a abjecção que se encontram na natureza do sistema ganharam raízes na cultura dominante. A desigualdade na distribuição da riqueza é afrontosa. Os jornais informam que aquele multimilionário superou, em fortuna acumulada, aqueloutro; que “gestores” auferem reformas sumptuárias após meia dúzia de meses de exercício de funções; que a fuga aos impostos é uma prática só possível, e permitida, aos ricos – como se o valor de uma pessoa fosse, claramente, inferior ao de outra.

Dostoievski ensinou que o crime compensa. Raskolnikov é, unicamente, castigado pelo remorso. Sentimento que me não parece muito comum entre aqueles indicados. Henri Michaux, poeta de que gosto muito, autor, aliás, de um pequeno livro, Equador, este, sim, maior, escreveu: “Só lutamos bem por causas que nós próprios modelamos e com as quais nos queimamos ao identificarmo-nos com elas.”

O português não é mobilizado porque é constantemente desprezado.

In D.N. de Baptista Bastos

Propaganda e-learning …esqueci de salvar…

Mais de mil escolas com melhor acesso à Internet no próximo ano lectivo

Cerca de 1200 escolas terão, já no próximo ano lectivo, um computador por cada cinco alunos, “rácio que colocará Portugal entre os países europeus mais avançados neste domínio”, segundo o PTE.

In Público

Nota:

Estive sinceramente a pensar neste assunto. Vejamos, numa escola onde não há salas a mais, onde todas estão ocupadas com turmas numa média de 30 alunos, onde na Biblioteca não há espaço e onde existe 5 computadores antigos que mal arrancam, dei comigo a pensar:

Se a minha escola for uma das eleitas, onde instalarão os computadores?

Se a escola tem em número de alunos entre os 500 a 600, significa que teriam de ser instalados 100 computadores. Só me falta saber onde? Será no corredor? Não! Demasiado pequeno para tanto computador.

Nas salas de aula mal cabem 30 alunos quanto mais computadores.

Já sei. Vai ser no recreio. Aqui sim, podem instalar 100 computadores à vontade e ainda sobra espaço.

Os professores podem enviar os alunos para o recreio de modo a realizarem trabalhos de grupo pois estes computadores estarão equipados com o famoso e-learning.

The Illuminati (Legendado) 4-5 /11

A Nova Ordem Mundial – The New World Order – Illuminati, Skull and Bones, Maçonaria, Sociedades Secretas, Governo Oculto, conspirações e muito mais. Documentário, que mostra o poder verdadeiro por trás dos governos e da política. Como age e manipula nos bastidores, criando caos, medo, guerra e controlando o crime organizado para então surgir como o salvador, oferecendo acabar com tudo isto, instalando um governo global.

Publicado por lucask8nunes

Boliqueime e os Caceteiros de D. Miguel

Boliqueime e os Caceteiros de D. Miguel

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas
Imagem generosamente dedicada, a mim, pelo KAOS
Tinha decidido não o fazer, antes de 1 de Setembro, mas a força das circunstâncias leva-me a quebrar o silêncio, tão-só porque Aníbal, o peso-morto que vegeta em Belém, deu público início a inconfessáveis manobras perigosas.
Se eu tivesse de escolher uma figura na qual descarregar todas as responsabilidades e peso pelo Desastre Europeu Português, essa figura chamar-se-ia Aníbal Cavaco Silva.
Nos seus bons tempos, que foram péssimos para mim, tempos de fraude, de desvio de Fundos Estruturais, de ladrões, pedófilos, incompetentes a ocuparem os mais altos postos do Estado, do novo-riquismo a chocar pessoas, que, como eu, detestavam tudo o que aí se incarnava, Cavaco Silva lançou as sementes de tudo o que presentemente sofremos. Foi o criador da mancha da Droda, da impunidade dos Dinheiros Sujos, do Vale-Tudo dos amigalhaços políticos.
Aníbal começou como euro-céptico, até descobrir que “Europa” rimava com Milhões, Politicamente cobarde, e humanamente igualmente cobarde, o homem-das-mãos-que-suam, que se fazia transportar numa viatura blindada (!), com medo de que lhe “fizessem a folha”, e que agora manda interditar o espaço aéreo do palheiro onde foi passar as suas saloias férias de 2008, com ridículos “Jesus Christ Superstar” pelo meio, Aníbal, o filho do Homem da Bomba, muito conhecido das feiras baixas do Algarve interior — “O meu filho é o maior político de Portugal!… (sic.)”, berrava ele na funesta campanha presidencial de 2005, onde o desanquei até onde puderam as minhas forças pessoais — Aníbal prepara-se para começar a estrebuchar no sentido que (ainda) menos nos convém.
Esse Cavaco está AQUI satirizado para sempre, e não vale a pena sonharmos com outro, porque o presente está apenas mais velho, afectado por acidentes neurológicos, mas nunca esquecerei aquela mãozinha medrosa, que na marquise da noite das Eleições, só se atreveu a abrir o vidro, depois de contada e reconfirmada a trágica contagem eleitoral. Ainda lhe podiam dar um tiro de misericórdia. Na mesma situação, à mesma hora, já Soares, com todo o seu penoso currículo, teria feito um discurso ecoante por toda a Europa.
Aníbal é o mesmo que, em 1985, traiu esse mesmo Mário Soares, e se lançou numa aventura chavista, apoiado por um Partido de má memória, alicerçado noutro valente traste do panorama português, um tal de Ramalho Eanes, que começou como General e acabou como lambe-botas da Opus Dei. Essas mesmas forças, agora, com outra cara, um tal de M.M.S. — “Movimento Mérito e Sociedade” — que começa já a mandar “atirar a matar”, estão-se a preparar para tomar de assalto os lugares do Poder. Não são os únicos: juntem-lhe Ferreira Leite e o M.E.P., e só faltarão movimentos Neo-Fascistas, como em França e Itália, assim por alto.
Um dos problemas que estamos a atravessar chama-se OPUS DEI e as gentes que apoia na sombra, mas isso é apenas a ponta de um icebergue.
Foi ela, que, na sombra, ajudou a eleger, em 2006, o Incómodo de Belém.
Aníbal cumpre todos os requisitos da Opus: é discreto, medíocre, e sabe SERVIR. Na hora da verdade, não tem excrúpulos em dar golpes baixos. Eles aí estão.
Aníbal é uma permanente ausência dos momentos críticos da Sociedade Portuguesa, e só intervém com comunicações, promulgações e vetos de conveniência, da conveniência retrógada dos sectores que representa: a última, foi uma tal Lei do Divórcio, que já alastrou pela Europa de Vanguarda, excepto cá, porque o casamento, em Portugal, é para procriar.
Muitos duvidaram desta longa mansidão do Sr. Profesor de Boliqueime, pois eu não.
Professor do raio que o parta: muita da minha escola de resistência a ele o devo, e nunca o esquecerei.
Ele agora voltou, e agora volto também eu.
Fala-se de Violência, e já há meses a nossa equipa era consensual em que a “coisa” tinha de esplodir por qualquer lado, e, ou estoirava em bloco, e havia uma reviravolta do “Status”, ou ia alastrar em mancha de óleo, esquina a esquina, porta a porta, homem contra homem, mano a mano.
Isso é o que se quer apresentar como estando a acontecer, ora, eu duvido profundamente de que tal corresponda à real Verdade.
Tal como o Sr. Sampaio, outro dos Trastes de Belém, está em curso uma preparação de um Golpe de Estado Parlamentar, para desencadear, nas populações a iminência da necessidade de uma reviravolta governamental. Sampaio e as forças que o acolitavam foram sinistras no seu acto, e, em três meses, atiraram para a rua um gajo que se arriscava a pôr em causa as jogadas do Sistema, e colocaram no Poder, com Maioria Absoluta, um Servo das Forças Externas, e nós aplaudimos.
Sócrates já cumpriu o seu dever: vendeu o que restava da Identidade Nacional, por um punhado de folhas, chamado Tratado de Lisboa, e usualmente conhecido, nos meios esclarecidos, por “Tratado de Bilderberg”. Nele, o cidadão e os pequenos estados ajoelham-se, perante as conveniências de uma porcaria, chamada Pântano do Desenvolvimento, Sufoco da Inflação e Paralisia dos Mercados. O Fim do Iluminismo.
Em Bilderberg não há lugar para o indivíduo, mas apenas lugar para a Máquina dos Interesses.
Sócrates cumpriu o seu ridículo papel, e está na hora de o pôr a andar.
Os métodos são sempre os mesmos, Medo, Instabilidade e Insegurança.
São velhos, em Portugal, assim que me lembre, desde o tempo de D. Miguel, em que os acólitos do Absolutismo, andavam pelas ruas, e espancavam, até à morte, quem se lhes opusesse. Hoje, chamam-se “encapuzados” (como insistem em grafar e pronunciar os aprendizes de analfebetismo da Comunicação Social…), “carjackers” (como pretendem os que julgam não saber viver numa América pequeníssima, e desconhecem o Português-Língua), os sequestradores, os assaltantes de bombas e velhinhas, os infindáveies, e súbitos, sincronizados, salteadores de balcões de bancos e correios.
Os métodos, meus senhores, são sempre os mesmo: a “coisa” começa sempre pelos Verões, e é designada por “Verão Quente”. É, nada mais, nada menos, do que a Camorra profunda que realmente gere isto tentar dar um piparote nos fantoches políticos que já não lhes servem convenientemente os interesses circunstanciais, através de meios clássicos. Sócrates ascendeu ao Poder no meio de um País devastado por incêndios criminosos. Através da sua “máquina de controlo dos meios de Comunicação Social”, ou de quem, por ele, a manipula, e bem, escondeu-se, do país, que, até Julho, a área florestal ardida dupicara (!), relativamente ao ano transacto. Você lembra-se de ver a televisão em chamas, como se fez, quando se tratou de correr com Santana Lopes?… Eu não vi, nem me lembro, portanto, a arma dos fogos estava obsoleta e excluída, era preciso pensar em algo de melhor, que batesse à porta de todos os cidadãos.
Portugal é um país de “gente-a-mando”: a mando para mandar matar um segurança de discoteca, a mando para fazer calar um traficante que pode pôr em risco as caras insuspeitas dos jantares do “Eleven”, a mando para assustar quem sabe o que não deve sobre as redes pedófilas que imperam em todo o Estado Português, nos jogos das armas, da carne humana, dos circuitos em que somos apenas oleodutos das Mafias Russa e Turca, dos “off-shores”, blindados por detrás de sorrisos de solário sapiente, como o sinistro Borges, da Ferreira Leite e do palerma do Constâncio.
Escapou à máquina de Sócrates que lhe pudessem tirar o tapete sem ser através do método clássico dos… “Incêndios”.
Antigamente — ontem — para os saloios e saloias que acreditam no Ídolo de Fátima — eu partia esse ídolo à martelada, se alguma vez lá fosse!… — os fogos bastavam.
Subitamente,
“Suddenly this Summer”,
as Forças das Trevas decidiram pôr em campo os homens a mando da Violência.
Há, para a minha crença, um EXCESSO de sincronia de “encapuzados”, de salteadores e agressores, de gente a atacar em lugares simbólicos, como Poço de Boliqueime — a fossa onde o outro nasceu — ou os escritórios de advogados, como o de Vitalino Canas, outro de bom currículo, do P.S. Não nos espantemos que o próximo assalto seja à caixa registadora dos Jerónimos…
Esses cavalheiros de baixa extracção — [a mando de] — cumprem ordens de outros que tais, com a diferença de que a extracção é a mesma, mas os lugares de chegada diversos: são os mais altos postos da Decisória Política, Económica e Financeira da Cauda da Europa, que, no centro dos ares condicionados, desencadeiam as operações de campo.
Diz Aníbal que nos falta muito para atingir a Média Europeia. É verdade: devia ter-se lembrado disso há 20 anos, quando dispôs de todos os meios para o fazer, e só conseguiu que Portugal, que já estava na Cauda de Fora da Europa, passasse a estar na Cauda de Dentro da Mesma. Tudo o resto foram sequelas e consequências. o Pântano do Presente.
Como Sampaio fez o jogo sujo de Sócrates, Aníbal prepara-se agora para fazer o jogo daquele Horror chamado Ferreira Leite, só que, hoje, nós já conhecemos o cenário, os sintomas e os métodos.
Sr. Aníbal Cavaco Silva, desiluda-se: a sua Rainha é uma megera, estúpida, empedernida, e, como Vossa Excelência, com todas as más provas dadas. Já a conhecemos em todos os papéis falhados: chegou a sua Secretária das Finanças, e teve de correr com ela, porque tinha das Finanças uma visão de merceeira, que, desde então, se agravou. Foi sua Ministra da Educação, e ajudou a que a Educação se tornasse no Chiqueiro em que se tornou. Devia haver uma Modalidade Olímpica que fosse “Luta de Mulheres na Lama”, onde pudéssemos saborear o nocaute entre Ferreira Leite e Lurdes Rodrigues, bem boas uma para a outra. Lembram-se de um tal de Coelho, que tinha cara de Coelho, de onde Coelho era alcunha e não apelido, que chegou a Secretário de Estado da Educação, sem sequer ser licenciado?… Eu lembro: faz-me lembrar o Gás Sócrates, mas em mau. É hoje representante, com nível de Deputado Europeu, da desgraçada República Portuguesa, ou seja, de mim, escritor, e de si, leitor atento.
Que se desiludam as forças a mando com um novo Golpe de Estado de Verão.
Este texto vem para incendiar atmosferas: nós sabemos que é fácil mandar matar e assustar, que o digam facínoras como Pinto da Costa, Valentim Loureiro, Cónegos Melos ou José Eduardo dos Santos. Eles andam aí, e deram ordem de soltura a bandos de idiotas que pensam que estão, por 200 € (confirmem o valor) a tentar semear pelo país uma atmosfera de Pavor.
Não há Violência: há tão-só uma manipulação da Violência para perturbar um ciclo político, terrível, que execramos, mas, constitucionalmente, legítimo.
Na sombra, as forças que nos governam, e cujos verdadeiros rostos desconhecemos, e desconheceremos, estão, mais uma vez, a tentar demonstrar que o exercício das Urnas é uma mera gracinha, que, de tempos a tempos, se concede ao ignaro Português. Afora isso, quem manda são eles.
Este é um apelo a toda a Blogosfera, e da Blogosfera à Atmosfera: Cidadãos, conterrâneos, pessoas que ainda sentem e pensam, neste destroçado rectângulo de tão ilustres passados: a hora é de cavar trincheiras, de desconfiar e de lutar até ao fim.
NÃO PASSARÃO!
(Pentágono em “Arrebenta-Sol“, a “Sinistra Ministra“, “Democracia em Portugal“, o “KLANDESTINO” e “The Braganza Mothers“)

Denunciar

Denunciar leis absurdas

Image Hosted by ImageShack.us

Caros professores,

No ano lectivo de 2008/09, a avaliação de desempenho será para cumprir integralmente, conforme o monstruoso ECD do ME e a respectiva regulamentação, salvaguardando, apenas, o facto de ser experimental. Quem não foi avaliado no ano lectivo de 2007/08, será avaliado agora em relação aos 2 anos lectivos.

É clarividente que estas leis têm como objectivo favorecer as falsas estatísticas e destruir os professores, para obter votos da população a qualquer preço e para poupar dinheiro. São medidas do mais descarado populismo!

O maior azar seria este ano lectivo decorrer com tranquilidade, o que iria consolidar estas leis! Quanto mais turbulência houver, melhor é para os professores! Não devem procurar soluções aparentes e duvidosas, mas denunciar o que está mal. Leis inexequíveis não se podem cumprir; leis erradas não se devem cumprir!

Não restam dúvidas de que o Governo não vai olhar a meios para destruir ainda mais os professores, perante a opinião pública. Com estas medidas, perdeu os professores, mas já ganhou a população, visto que a maior parte do povo sente grande felicidade com o mal dos outros e quer ter diplomas sem esforço!! Por isso, os professores têm de ser firmes heroicamente até ao fim e defenderem-se por todos os meios dignos. É com evidências que se combatem as mentiras.

É necessário denunciar TODAS as situações e reacções inconvenientes causadas por estas novas leis, para se confirmar quanto elas são más e quanto precisam de ser revogadas. Devem ser comunicadas por escrito (pode ser por «e-mail»), para os sindicatos, para os partidos da Oposição, para o Presidente da República e, se possível, para os meios de comunicação social. Convém juntar todo o tipo de elementos úteis, como fotocópias. No caso de se tratar de violência verbal ou física, deve-se, ainda, apresentar queixa à Procuradoria-Geral da República e à Associação Nacional de Professores. Não se pode deixar passar nada em falso!

É preciso recorrer a todos os meios lícitos, para levar estas leis ao total descrédito, desmentir as estatísticas do Governo e fazer tudo para que se perceba quanto os alunos perderão com estas leis (embora muitos deles fiquem contentes no imediato), já que os ditadores querem cidadãos ignorantes, para serem mais fáceis de domar!!

A luta vai ser dura e vai haver muitas intimidações, mas temos de resistir até ao fim. Já estando o ensino a apodrecer no fundo do poço, a única medida alternativa é voltar para trás, para cima!

Os melhores votos de boas lutas! A sorte ajuda os audazes!

(anónimo, recebido por mail)

O Reaparecimento da Guerra Fria

A guerra-fria aquece

 Guerra fria

Parece que uma virose passou por aqui e está a apanhar cada elemento desta família à vez. Agora tocou-me a mim pelo que não estou com forças nem vontade para grandes textos. Fica a imagem desta nova “Guerra-fria”, entre os mesmos intérpretes da última, só que desta vez não é uma luta entre o Capitalismo e o dito Comunismo da URSS, mas entre dois capitalismos selvagens, o que já existia nos EUA e o que cresceu por detrás da queda do muro de Berlim. Como sempre são os interesses e não as pessoas que contam e somos confrontados com a hipocrisia e a irracionalidade nas suas razões. Uns reconhecem a independência unilateral do Kosovo e agora consideram ilegal que a Ossétia do Sul faça o mesmo, apesar de um referendo a ter escolhido com uma maioria de 99%. Outros que se recusaram a reconhecer o Kosovo vêm agora reconhecer a da Ossétia. Quem é o bom ou o mau nesta história nem me interessa muito agora, mas espero que com um Sarkozy à frente da EU isto esta guerra não aqueça demais e não sejam os escombros incandescentes das casas das populações inocentes que o venham a mostrar. Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Basta de Mentiras e Hipócrisias da Nato e seus aliados

Independência da Ossétia e da Abkházia: NATO pede a Moscovo que reveja a sua decisão

A NATO apelou hoje à Rússia que “reveja a sua decisão” de reconhecer a independência da Abkházia e da Ossétia do Sul, de acordo com um comunicado da Aliança Atlântica hoje tornado público.

In Público

Como sempre, os senhores da Nova Ordem Mundial, pensam que todos têm de se ajoelhar perante Bush e a Nato.

Gostaria que me explicassem o que faziam os Conselheiros Militares da Nato, Israelitas e Norte Americanos na Geórgia quando se deu o ataque à Ossétia do Sul?

Esta Invasão e limpeza étnica por parte da Geórgia e dos seus aliados, USA, NATO e Europa foi planeada, só não contavam com a resposta Russa.

Com a Independência do Kosovo abriu-se um precedente, que Putin bem avisou o Ocidente. No entanto este Ocidente só tem olhos para a sua ambição militar, estratégica e Geopolítica de domínio, alastrando-se como uma praga pelo mundo.

Se Kosovo é Independente, a mesma LEI que permitiu deve-se por uma questão de igualdade e de Honra aplicar-se à Ossétia do Sul e à Abkhazia.

A Rússia por seu lado afirma que não tem medo de uma nova Guerra Fria.

Os Barões deste Mundo não podem viver sem Guerras, sem pessoas a viver com fome, com doenças, desde que esses Barões continuem a Tentar Governar o Mundo. Eles só governam se nós os deixarmos, pois somos nós que temos o poder para dizer: BASTA.

A Nato é um pau mandado dos Estados Unidos

O deputado russo considera que os Estados Unidos cometem um “erro terrível” ao reconhecer a independência do Kosovo. “No fundo, Tahci (líder do Kosovo) não é muito diferente de Bin Laden. Os americanos alimentaram esse terrorista e agora ele faz explodir as suas casas. Tahci será mais um Bin Laden” – concluiu Markov.

In Da Rússia

O G7 e o G8 são dominados pelos Estados Unidos. Não admira a tomada de posição, Afinal os restantes Países deste grupo são dominados e “escravos” das decisões do governo americano.

Quem Lucra com a Fome e Pobreza?

Motins da fome marcam o fim da era da alimentação barata

Ao desfolhar jornais velhos no meu escritório/biblioteca, deparei-me com este curioso artigo, da autoria de Jorge Almeida Fernandes, no Jornal «Público», do dia 27.04.2008, que importa reter (na memória) e reproduzo abaixo na íntegra.
À distância de 4 meses, longe vão os tumultos verificados um pouco por todo o mundo, devido à instabilidade dos mercados e à oscilação do preço do barril de petróleo.
E penso, caramba nada foi feito, para inflectir a situação! A instabilidade social (em Portugal e no Mundo) aumentou fruto de vários factores.
Urge repensar a maneira como gastamos energia e como a obtemos.
No futuro teremos que mudar muito dos nossos comportamentos, inclusive a forma como nos deslocamos.
Provavelmente, desta vez, a crise foi abafada.
Mas, o mal-estar (geral) é evidente. Parece que está um tacho ao lume, em banho-maria…
Recordo as teorias de Thomas Malhus – sobre o crescimento da população humana e sobre a eventualidade dos alimentos não chegarem para a espécie humana – leccionadas na disciplina de Ecologia, nos meus tempos de Liceu.
Provavelmente, a situação já será incomportável, teremos que mudar qualquer coisa, sobre risco de desaparecermos como espécie…

«Após 40 anos de preços baixos, o custo da alimentação vai subir. Os pobres já estão a sofrer e duvida-se que possamos dar de comer a todos!» «Os motins de fome em África, na Ásia e na América Latina assinalam o fim de uma era, a da comida barata, e o risco de tempos de penúria alimentar. Josette Sheeran, directora do Programa Alimentar Mundial da ONU (PAM), definiu o “novo rosto da fome”: o custo dos alimentos sobe rápida e sustentadamente, invertendo quatro décadas de declínio dos preços. Está em risco imediato a segurança alimentar de 36 países.
“É a pior crise do género em 30 anos”, afirma o economista Jeffrey Sachs, conselheiro do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. “É um enorme problema que ameaça um grande número de governos. Alguns estão encostados às cordas e há consequências políticas ainda por chegar.”
Estão a ser tomadas medidas de emergência para conter a expansão dos motins e da fome, que hoje atinge 854 milhões de pessoas. Mas o PAM e as ONG estão perplexos. Nas crises recentes tratava-se de dar comida a populações vítimas de desastres naturais ou humanos: secas, guerras civis ou até casos de governos que utilizam a fome como meio de domínio político ou de chantagem internacional. Hoje, com “comida nas prateleiras”, as pessoas não têm dinheiro para a comprar. Como ajudar?
A fúria dos pobres
Os mexicanos foram pioneiros: em Janeiro de 2007, um motim contra o aumento de 40 por cento no custo da tortilla, alimento dos pobres, obrigou o Governo a subsidiar os preços. Em Setembro, houve confrontos violentos em Marrocos e, a seguir, na Mauritânia e na Guiné. Este ano a mancha dos protestos, que fizeram algumas dezenas de mortos, alastrou aos Camarões, Senegal, Burkina Faso, Costa do Marfim, Madagáscar, Moçambique, Etiópia. No Haiti, os tumultos levaram à queda do primeiro-ministro. Na Ásia, atingiram o Uzbequistão, a Indonésia, o Iémen, o Bangladesh e o Paquistão. Como medida preventiva, vários países suspenderam ou restringiram a exportação de cereais: Vietname, Tailândia, Camboja, Índia, Indonésia, Cazaquistão, Rússia, Ucrânia, Argentina, Brasil. Em reacção, o preço do arroz subiu 31 por cento num só dia (27 de Março).
A onda de choque chegou aos EUA, onde começou o açambarcamento de arroz e farinha. Duas grandes cadeias de supermercados passaram a limitar a venda de arroz. Poucos levaram a sério a premonitória “greve à pasta” dos italianos, a 13 de Setembro de 2007, contra a “especulação”. As várias Chinas Uma extraordinária conjugação de factores poderia levar a pensar numa crise conjuntural ou reversível: secas ou inundações, desvio de cereais para bio combustíveis, baixos stocks e especulação. De facto, os fundos especulativos passaram a apostar nos cereais (“o trigo vale ouro”). Mas, a mudança não é conjuntural, é estrutural, diz a maioria dos especialistas. Para não falar no petróleo e nos fertilizantes, basta somar àqueles factores um outro: o aumento exponencial do consumo e a mudança de hábitos alimentares nos “países emergentes”, fazendo explodir uma procura que a oferta não acompanha. Países como a China e a Índia, e muitos outros, não têm apenas “fome de energia”. Com a industrialização, perdem agricultores e ganham consumidores que se alimentam melhor. O crescimento das classes médias aumenta o consumo de carne e a consequente necessidade de importar muito mais cereais para criar aves, porcos e vacas, isto é, “ocidentalizam” a alimentação à medida que se modernizam.
Tensões e desafios As medidas de emergência deverão aliviar a pressão e reduzir a especulação. Todos os olhos estão postos nas colheitas de 2008. Mas o carácter estrutural e fulminante da crise levou o Banco Mundial e o FMI a penitenciarem-se por políticas passadas. Haverá ressacas. As políticas agrícolas da UE e dos EUA serão postas em causa. Crescerão as tensões Norte-Sul e em torno da globalização, pois vários Estados, face à instabilidade interna, são incitados a tomar medidas proteccionistas e a afirmar a sua “soberania alimentar”.
Se as crises no Haiti ou na África fazem sobretudo temer uma catástrofe humanitária com turbulências políticas, já casos como o do Egipto são uma dor de cabeça geopolítica para todas as potências. Mubarak, dizem analistas egípcios, não resistiria a uma praga de fome urbana. Um colapso no Cairo é inimaginável: abalaria todo o Médio Oriente, o “celeiro do petróleo”.
O “choque alimentar” terá como primeiro efeito fazer da agricultura uma prioridade mundial, reconheceu-o Pascal Lamy, presidente da OMC. A crise seria então uma oportunidade. Em 1960, havia duas pessoas a partilhar um hectare cultivado. Em 2050, haverá seis. Dizem os agrónomos: a revolução verde quantitativa do século XX – mais terras, mais irrigação e mais química – está esgotada. Trata-se de inventar outra, adaptada à escassez de recursos. Os pobres gastam 60 a 80 por cento do seu rendimento na alimentação, os ricos apenas 10 a 20 por cento. Faz toda a diferença…»

Etiquetas: 

posted by Mário Nunes at Kafe kultura

Cego é o que não quer ver…

Teixeira dos Santos diz que “linha de rumo” do país se mantém

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, garante que o Governo vai prosseguir a “linha de rumo” traçada para o país, para que Portugal mantenha a “solidez financeira” e consiga enfrentar “intempérie que vem do exterior”.

Imagem do Kaos

Nota: Não há maior cego do que aquele que não quer ver. Não é necessário nada de especial para verificar o estado em que a economia deste país à beira mar plantado se encontra. Não há poder de compra, a classe média está em crise para não falar nos 1.800 milhões de pobres em Portugal com uma população que ronda ps 10.000 milhões.

Só uma pequena Oligarquia tem acesso ao poder de compra, é a Oligarquia que nos governa e que governa este governo, desgovernado sem rumo – aparentemente tem rumo…mas o rumo centra-se na colecta financeira e na coação aos que não podem , por não terem poder económico para um bom advogado, de lutar contra este fascismo financeiro.

Cego é o que não quer ver o estado em que o País está.

Manter o rumo, mas qual rumo? O rumo de fingir que se faz e esperar que a Europa retome o crescimento, enquanto se dá benesses a quem pertence a um pequeno grupo Oligárquico que nos governa?

O Rumo resume-se à cobrança de impostos? É isto o rumo? Só? Não admira que Portugal esteja sempre em crise…

A Mentira é uma arma de destruição massiva.

Dark Energy and Black holes, Energia Negra e Buracos Negros

An orbiting observatory has spotted a massive cluster of galaxies in deep space that can only be explained by the exotic phenomenon known as dark energy, the European Space Agency (ESA) said on Monday.

Distant Galaxy Blob

Spotted in a scan by ESA’s orbiting X-ray telescope XMM-Newton, the cluster’s mass is about 1,000 times that of our own galaxy, the Milky Way, it said.

The huge cluster, known by its catalogue number of 2XMM J083026+524133, lies 7.7 billion light-years from Earth and helps confirm the existence of dark energy, the agency said.

Under this hypothesis, most of the universe comprises “dark energy,” an enigmatic force that is causing the expansion of the cosmos to accelerate.

The outward drive of dark energy is such that, in more recent times, massive galaxy clusters have lacked the gravitational glue to be able to form.

So the newly-discovered super-cluster can only have been formed earlier in the history of the universe, a notion that is backed by its huge distance from Earth.

“The galaxy cluster is so big that there can only be a handful of them at that distance,” said ESA, likening the achievement to finding a “cosmic needle in a haystack.”

The observation was made by a team led by Georg Lamer of the Potsdam Astrophysics Institute, eastern Germany, initially using a photon imaging camera aboard the XMM-Newton.

Intrigued by the indicators of scorching gases spewed out by X-ray sources, the astronomers followed up by getting a deep exposure image of the region from a large binocular telescope in the Arizona desert.

“Dark energy” is believed to comprise more than 72 percent of the detected universe and “dark matter” — heavy particles still waiting to be discovered — accounts for around 23 percent, according to cosmological theory.

That leaves less than five percent of normal, or baryonic, matter, the category for the protons and neutrons that compose it.

In Discovery News

E Black Holes

Vodpod videos no longer available.

A Energia Negra a responsável pela expansão do Universo.

A Mentira é uma arma

Algo está errado

Num período em que a criminalidade em geral e a violenta em particular aumentam, efectuar cortes no Ministério da Administração Interna que reduzirão o seu orçamento, em menos 17 por cento no investimento e um corte de oito por cento nas despesas de funcionamento, parece-me não só totalmente descabido como irresponsável e imoral. ( E pelos vistos não é só a mim…)Desde logo porque está patente que os meios existentes não têm chegado e que a grave crise que o país atravessa e que só os governantes não vêm, forçosamente, fará essa criminalidade aumentar. Depois, é passada uma mensagem que desmoraliza os cidadãos e as forças policiais, levando a crer que haverá, mesmo, um maior facilitismo nesse combate que parece estar a ser perdido. Ou seja, resumindo, quer-me parecer que se irá assistir ao contrário do que deveria ser feito, que seria encetar um combate sério a essa ameaça real.
Porém, posso estar enganado e aquilo que não chegava passar a chegar, talvez os nossos estimados governantes estejam a pensar prescindir das suas seguranças privadas, dos seus carros e outras coisas do género. Hoje, por exemplo, mais um indivíduo foi atingido na cabeça por ter tentado resistir a um assalto à mão armada, foi em Boliqueime, quer-me é parecer que deveria ter sido outro o alvo, e esse sim lá nascido e com sérias responsabilidades no estado de coisas a que o país chegou…

Os Manipuladores da especulação

O Monstro da especulação

 Capitalismo

«Os investidores responsáveis pela escalada que colocou os preços das matérias-primas – agrícolas e não só – em preços recorde no início de Julho, estão a vender posições nestes mercados, numa reorganização das suas carteiras. Em pouco mais de um mês, os bens agrícolas desceram, em média, 26%. Os índices que agregam várias matérias-primas (agrícolas, metais, petróleo) já corrigiram entre 17% e 22%. E o investimento financeiros nestes mercados baixou 50% entre o primeiro e segundo trimestres.»

in Diário de Notícias

Agora que o preço petróleo baixou, no mercado internacional, (já vai nos 110 dólares), porque nas bombas de gasolina a gravidade é invertida e os preços sobem rapidamente mas para cairem é em câmara lenta, deve haver aí muito governante, a começar no Engenheiro, que devem estar a suspirar de alivio. Se os especuladores não tivessem ido de férias, se apertassem um bocadinho mais o mercado, a economia Europeia e Norte Americana corriam o perigo de estoirarem. Bom era que aprendessem alguma coisa com isto, que entendessem que este mercado liberalizados e não controlado pelos estados, os deixa à mercê do grande capital e impotentes para reagir. Era bom que vissem que no meio disto tudo quem ganhou foram especuladores, (basta imaginar o que representará 26% do mercado mundial) e quem perdeu fomos todos nós. Era bom que entendessem que é a politica que fazem e defendem, que permite que isto possa acontecer…e um dia a casa cai.


Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Quem ganha com este negócio?

Em 2015 haverá mais mortes que nascimentos na UE

Um em cada quatro portugueses terá mais de 65 anos em 2035, segundo um estudo do Eurostat divulgado hoje, que refere que 25,4 por cento dos europeus serão idosos dentro de 27 anos.

In Público

Preste atenção no banqueiro sionista, Paul Warburg:

“Nós teremos um governo mundial caso você goste ou não. A única questão é se esse governo será alcançado pela conquista ou pelo consenso.” (17 de Fevereiro de 1950, conforme ele declarou diante do Senado norte-americano).

Sua intenção é efectuar completo e total controle sobre todo ser humano no planeta e reduzir drasticamente a população mundial em dois terços. Enquanto o nome Nova Ordem Mundial seja o termo mais frequentemente usado hoje para imprecisamente se referir a qualquer um envolvido nessa conspiração, o estudo de exactamente quem constitui esse grupo é algo complexo e embaraçado.

Em 1992, o Dr John Coleman publicou Conspirators Hierarchy: The Story of the Committee of 300. Com louvável sabedoria e pesquisa meticulosa, o Dr Coleman identifica os actores e detalha cuidadosamente a agenda da Nova Ordem Mundial da dominação e controle mundial. Na página 161 de Conspirators Hierarchy, o Dr Coleman resume primorosamente a intenção e propósito do Comitê dos 300, como se segue:

“Um Governo Mundial e um sistema monetário unificado, sob permanente não eleitos oligarcas hereditários que se auto-seleccionam na forma de um sistema feudal como era na Idade Média. Nessa entidade de um Mundo Unificado, a população será limitada por restrições no número de crianças por família, doenças, guerras, fome, até 1 bilião de pessoas que sejam úteis para a classe governante, em áreas que serão estritamente e claramente definidas, permanecendo como a população mundial total.

Não haverá classe média, apenas governantes e servos. Todas as leis serão uniformes sob um sistema legal de cortes mundiais praticando o mesmo código de leis, apoiados por uma força policial e um exército do Governo Mundial Unificado para reforçar as leis em todos os países onde nenhum limite nacional deverá existir. O sistema será na forma de um estado de bem-estar; aqueles que forem obedientes e subservientes ao Governo Mundial Unificado serão recompensados com os meios de subsistência; aqueles que forem rebeldes simplesmente serão escravizados até a morte ou serão declarados fora-da-lei, e dessa forma um alvo para qualquer um que desejar matá-los. A propriedade privativa de armas de fogo de qualquer espécie será proibida.”

In Sinais dos Tempos

The Illuminati (Legendado) 2-3/11

A Nova Ordem Mundial – The New World Order – Illuminati, Skull and Bones, Maçonaria, Sociedades Secretas, Governo Oculto, conspirações e muito mais. Documentário, que mostra o poder verdadeiro por trás dos governos e da política. Como age e manipula nos bastidores, criando caos, medo, guerra e controlando o crime organizado para então surgir como o salvador, oferecendo acabar com tudo isto, instalando um governo global.

Publicado por lucask8nunes

Condenam? E O Kosovo é diferente em quê?

Estados Unidos condenam reconhecimento russo da Ossétia e Abkhazia

Quem se lembra do Kosovo? Foi separado da Sérvia com a ajuda dos Estados Unidos, Nato e União Europeia, devido ao facto de ali viver uma maioria Albanesa. Vários países entre os quais os Estados Unidos reconheceram a Independência do Kosovo face à Sérvia.

Pergunto: Os motivos são diferentes do Caso da Ossétia do Sul e da Abkházia? Ou é diferente porque desta vez é apoiado pelos Russos? Afinal há leis diferentes.

Os Amigos da Senhora da Morte e do Bush, estão “sempre dentro da lei” e têm “sempre razão”. A Lei destes senhores é diferente da que foi aplicada ao Kosovo.

A Ossétia do Sul e a Abkházia não se podem tornar Independentes porque:

1º São amigos dos Russos, o que é grave;

2º A Geórgia que ocupou aqueles estados reclama-os para si;

3º Os Estados Unidos são amigos da Geórgia!

Conclusão: Os Estados Unidos não apoiam a Independência daqueles dois Estados porque querem ser Independentes da Geórgia e são apoiados pelos Russos. Não há Lei Internacional que resista quando essa mesma Lei tem várias faces e várias interpretações e interesses. Tudo é uma questão de interesses geopolíticos e estratégicos. Tivessem eles Petróleo e Gás Natural e já os Estados Unidos falariam noutra linguagem.

A Hipocrisia da União Europeia, que age como correia de transmissão dos Estados Unidos, aceitou a Independência do Kosovo e não aceita a da Ossétia do Sul nem da Abkházia Porquê? O Amigo Americano domina a União Europeia. Esta União deveria ser independente desses interesses Americanos, ter uma política independente, mas não . São as marionetas dos Estados Unidos, do Clube de Bilderberg.