Professores: Protesto é “lição de dignidade”


Foram 80 mil os docentes que hoje voltaram à rua, num protesto que foi tido como “uma lição de dignidade” para o Ministério da Educação.

O porta-voz da Plataforma Sindical dos Professores declarou hoje, no discurso da manifestação dos docentes em Lisboa, que o protesto é “uma lição de dignidade para quem há-de levar com mais lições”, referindo-se ao Ministério da Educação (ME).

Recordando declarações de responsáveis do ME que hoje admitiram não estarem preocupados com a manifestação, Mário Nogueira afirmou que o protesto significa uma “vitória dos professores” e que aquelas declarações “valem o desrespeito e desprezo” dos docentes.

Classificando a manifestação de “extraordinária” e calculando em 80 mil o número de participantes, Mário Nogueira criticou as políticas educativas do Governo, apelidando a ministra da Educação e o primeiro-ministro de “incompetentes”, “prepotentes” e “arrogantes”.

Voltando a não admitir que o Governo possa alcançar novamente uma maioria absoluta nas legislativas de Outubro, Mário Nogueira referiu-se a Maria de Lurdes Rodrigues e a José Sócrates como “gente que não sabe governar e que não legitima a maioria absoluta porque a transforma em ditadura de incompetência, prepotência e arrogância”.

O também dirigente da Federação Nacional de Professores (Fenprof) criticou igualmente “a manipulação de números e de resultados” do programa Novas Oportunidades e das iniciativas ligadas à distribuição do computador Magalhães.

Lembrou o “cansaço” e o “desgaste” dos professores, mas sublinhou que o protesto de hoje superou qualquer cansaço, atraindo muitos milhares de docentes a Lisboa.

O porta-voz da Plataforma Sindical dos Professores recordou que “a manifestação pode ser ainda muito importante na negociação de três pontos: continuação da revisão do estatuto da carreira docente, reforma do modelo de avaliação de desempenho e a negociação do despacho que estabelece a organização do ano lectivo”.

Apesar do cansaço, Mário Nogueira disse que é preciso continuar a negociar porque “o óptimo para eles (governo) é que os professores não voltassem a negociar”. “O bom era se não estivéssemos reunidos aqui hoje”, acrescentou o dirigente da Fenprof.

“Mas hoje queremos dizer adeus a um dos períodos mais negros da história da Educação em Portugal”, rematou.

As duas últimas manifestações nacionais de professores, a 08 de Março e 08 de Novembro do ano passado, reuniram em Lisboa 100 mil e 120 mil pessoas, respectivamente, segundo as estruturas sindicais.

Expresso

Um pensamento em “Professores: Protesto é “lição de dignidade””

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s