Bullying a professores: Professor de Música atira-se ao rio para não enfrentar os alunos


Na manhã de 9 de Fevereiro, L. V. C. parou o carro no tabuleiro da Ponte 25 de Abril, no sentido Lisboa-Almada. Saiu do Ford Fiesta e saltou para o rio. Há vários meses que o professor de música da Escola Básica 2+3 de Fitares (Sintra), planearia a sua morte. Em Novembro escreveu uma nota no computador de casa a justificar o motivo: “Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimentos, a única solução apaziguadora será o suicídio“.

L. V. C., sociólogo de formação, tinha 51 anos, vivia com os pais em Oeiras, era professor de música contratado e foi colocado este ano lectivo na Escola Básica 2+3 de Fitares, em Sintra. Logo nos primeiros dias terão começado os problemas com um grupo de alunos do 9º ano. A indisciplina na sala de aula foi crescendo todos os dias, chegando ao ponto de não conseguir ser ouvido. Dentro da sala, e ao longo de meses, os alunos chamaram-lhe careca, tiraram-lhe o comando da aparelhagem das mãos, subindo e descendo o volume de som, desligaram a ficha do retroprojector, viraram as imagens projectadas de cabeça para baixo.

Houve vezes em que L. V. C. expulsou os alunos da sala, vezes em que fez participações disciplinares. Foram pelo menos sete as queixas escritas que terá feito à direcção da escola, alertando para o comportamento de um aluno em particular. Colegas e familiares do professor de música asseguram que a direcção não instaurou nenhum processo disciplinar.

O i tentou confirmar esta informação, mas a directora do agrupamento escolar, Cristina Frazão, explicou que só prestaria esclarecimentos mediante autorização da Direcção Regional de Educação de Lisboa. Contactada pelo i, a entidade não respondeu até ao fecho desta edição. A Inspecção-Geral de Educação, também contactada pelo i, remeteu o caso para o Ministério de Educação que, por seu turno, não prestou esclarecimentos.

O i teve acesso a uma das participações feitas pelo professor de música. No dia 15 de Outubro de 2009, L. V. C. dirigiu à direcção da escola uma “participação de ocorrência disciplinar”, informando que marcou falta disciplinar a um aluno e propondo que fossem aplicadas “medidas sancionatórias“. Invocou vários motivos, entre os quais “afirmações provocatórias”, insultos ou resistência do aluno em abandonar a sala.

O professor de música desabafou que não suportava mais dar aulas àquela turma do 9º ano: “Nos últimos meses, já se acanhava perante os seus alunos como se tivesse culpa”, explicou ao i um familiar. Atravessar o corredor da escola foi um dos seus pesadelos, é aí que os alunos se concentram quando chove: “Um dia, chamaram-lhe cão.” Nos outros dias, deram-lhe “calduços” na nuca à medida que caminhava até à sua sala de aula.

Alguns professores testemunharam a “humilhação” de L. V. C. nos corredores da escola e sabiam que se sentia angustiado por “não ser respeitado pelos alunos”. Só não desconfiavam que a angústia se tivesse transformado em desespero. O professor de música não falava com ninguém. Chegava às sete da manhã para preparar a aula. Montava o equipamento de som, carregava os instrumentos musicais da arrecadação até à sala. Deixava tudo pronto e depois entrava no carro: “Ficava ali dentro, de braços cruzados, e só saia para dar a aula.” L. V. C. preferia estar no carro em vez de enfrentar uma sala de convívio cheia de colegas: “Era mais frágil do que nós, dava para perceber que não tinha o mesmo estofo.”

Sentia os problemas de indisciplina como “autênticos moinhos de vento”, conta o psicólogo que o seguiu nos últimos dois anos. L. V. C. tinha acompanhamento psicológico e psiquiátrico e era ainda seguido por uma médica de família: “Todos os técnicos de saúde que o acompanharam aconselharam uma baixa médica porque o seu quadro clínico se agravou”, conta o especialista, esclarecendo que o seu paciente “tinha fragilidades psicológicas inerentes a ele próprio”. Falhas que se deterioraram. Meses antes da sua morte, pensava com insistência que lhe restava “pouco espaço de manobra”.

“Evitava expulsar os alunos porque temia parecer inábil perante a direcção da escola”, diz o psicólogo. Fez ainda várias tentativas antes de se sentir encurralado. Mudou os alunos problemáticos de lugar, teve explicações particulares e aprendeu a trabalhar com as novas tecnologias aplicadas à música. Introduziu equipamento multimédia para cativar os adolescentes. Não resultou. Acabaram-se os trunfos. O psicólogo fez uma recomendação à médica de família para passar uma baixa ao seu paciente por “temer o pior”. “Tentámos travá-lo, mas ele próprio já não queria parar. Só parou quando se atirou ao Tejo.”

One thought on “Bullying a professores: Professor de Música atira-se ao rio para não enfrentar os alunos

  1. Farto de Pulhas

    A dependência económica faz destas coisas. Tenho um filho que quando acabou o curso foi precisamente dar aulas de música. Logo nas primeiras aulas a turma quis medir forças com ele pela desobediência. Só o fizeram uma vez. Apesar da sua juventude (teria 22 ou 23) colocou a turma fora da sala, fechou-a à chave, e entregou a chave à contínua de serviço. Problema resolvido! Alguém resolveu o problema porque quando voltou a turma parecia outra. Como experiência chegou, e, felizmente não seguiu a via do ensino, embora materialmente tenha ficado pior. Claro que o fez porque não tinha qualquer dependência económica. No meu caso sempre achei que: “um emprego, não passa de um emprego” e por isso, utilizarem coacções comigo nunca deu resultado. Nada, nem nenhum bem material é mais importante que a dignidade e a liberdade pessoal. Outros, não pensam assim, e sofrem… Cumprimentos

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s