Dívida financiada por esquema em pirâmide Portugal “próximo problema global” e “à beira da bancarrota”


Simon Johnson considera ainda que "nem os líderes políticos  gregos, nem os portugueses, estão preparados para realizar os cortes  necessários"

Portugal é o próximo alvo dos mercados financeiros, está, como a Grécia, à beira da bancarrota, e ambos parecem muito mais perigosos do que a Argentina em 2001, diz o antigo economista chefe do FMI, Simon Johnson, que critica fortemente a forma como Portugal se tem financiado, comparando-a ao esquema em pirâmide usado por Bernard Maddof.

A conclusão é apresentada pelo antigo economista chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Simon Johnson, numa análise realizada para o jornal norte-americano ‘New York Times’, intitulada “O próximo problema global: Portugal”.

“O próximo no radar será Portugal. Este país escapou em grande medida às atenções, muito porque a espiral da Grécia desvaneceu. Mas ambos estão economicamente à beira da bancarrota, e ambos parecem muito mais perigosos do que Argentina parecia em 2001, quando entrou em incumprimento”, diz a análise do economista, que é Professor no Massachusstts Institute of Technology.

Simon Johnson equiparou ainda o financiamento de Portugal a um esquema em pirâmide (como o utilizado pelo gestor norte-americano Bernard Maddof que lhe valeu a prisão perpétua).

O economista diz que Portugal, tal como a Grécia, em vez de abater os juros da sua dívida, tem refinanciado os pagamentos de juros todos os anos através de emissão de nova dívida, chegando mesmo ao ponto de dizer que “vai chegar a altura em que os mercados financeiros se vão recusar pura e simplesmente a financiar este esquema ponzi”.

Quanto à correcção dos desequilíbrios, o economista critica fortemente a falta de medidas mais duras.

“Os portugueses nem sequer estão a discutir cortes sérios. (…) Estão à espera e com a esperança de que possam crescer suficientemente para sair desta confusão, mas esse crescimento só pode chegar através de um espantoso crescimento económico a nível global”, disse.

Simon Johnson considera ainda que “nem os líderes políticos gregos, nem os portugueses, estão preparados para realizar os cortes necessários”, que o Governo português “pode apenas aguardar por vários anos de alto desemprego e políticas duras”, e ainda que os políticos portugueses podem apenas “esperar que a situação piore, e então exigir também bailout (plano de apoio)”.

Simon Johnson é Professor na Universidade norte-americana MIT – Massachusetts Institute of Technology, faz parte do Instituto de Economia Internacional (em Washington), é conselheiro económico do Departamento Orçamental do Congresso dos EUA (Congressional Budget Office) e foi economista chefe e director do departamento de investigação do FMI.

Anúncios

2 thoughts on “Dívida financiada por esquema em pirâmide Portugal “próximo problema global” e “à beira da bancarrota”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s