Ajuda externa: e o povo, pá? – João Lemos Esteves


1.É certo e sabido que Portugal enfrenta um dos períodos mais difíceis da sua história. A situação orçamental do país é preocupante exige um tratamento de choque. Não podemos persistir num modelo que já está falido e que nos trouxe à ruína. Que nos irá custar enormes sacrifícios. Note-se que não coloco em causa a dimensão social do nosso Estado: democracia implica uma ideia de dignidade da pessoa humana que impede a degradação das condições de vida dos indivíduos à mais pura e ignóbil miséria. Só o Estado – em colaboração com a sociedade civil – poderá exercer um papel eficaz na promoção da qualidade de vida da população, assumindo-se como corretor das desigualdades geradas pelo livre funcionamento dos mercados. O problema foram os excessos e os vícios que o nosso Estado foi gerando, criando a ideia do “Estado paizinho” que dispunha de mundos e fundos para acorrer a tudo e todos. Mais: a colonização do Estado pelos partidos políticos (todos – da esquerda à direita) fez nascer uma elite medíocre que vive à conta dos favorzinhos, das cunhas, do lugar nas empresas públicas – gozando literalmente com o dinheiro dos contribuintes honestos. Dos portugueses que trabalham para alcançarem a vida com que sonharam, para sustentarem as suas famílias, para darem novas oportunidades aos seus filhos. Quem paga a fatura são sempre os mesmos: os mais carenciados (em relação aos quais o Estado permitiu que se criasse uma cultura de subsidiodependência que, ao invés de ajudar, destruiu as suas vias) e a classe média. Um país assim não é sustentável.

2.Contudo, hoje – mais do que olhar para o passado – importa encarar o futuro. O passado é importante para sabermos aquilo que não queremos. Os erros que não devemos (não podemos) voltar a cometer. Importa construir o futuro com confiança, seriedade, honestidade – e muita, muita vontade de mudar. O caminho será árduo: entre a margem do passado e a margem do futuro, a ponte do presente será difícil de percorrer. Todos devemos contribuir para o esforço de recuperação nacional. Não podemos crir divisões na sociedade portuguesa – antes devemos promover o amplo consenso, o espírito de cooperação, a compreensão. Trata-se de Portugal. Do nosso país. Dir-me-ão que foi a incompetência dos políticos que nos conduziu a situação tão grave. É verdade. Mas este não é o momento de julgar os responsáveis pelo nosso triste passado e complexo presente – é o momento de pensarmos nas gerações futuras. De recuperar o orgulho de ser português.

3.Dito isto, os sacrifícios terão de ser impostos com equidade. Com justiça. Quem tem mais, mais deve contribuir. Quem tem menos, menos deverá ser penalizado. Os políticos não deverão esquecer o discurso social – de apoio aos portugueses que se confrontam com situações de desemprego, cujos filhos não dispõem de meios para estudar, que precisam de contar cada cêntimo para (sobre) viver. O discurso político não pode, pois, reduzir-se aos números, às finanças. Estas são muito importantes? Sem dúvida. Mas o fim, a razão de ser das sociedades politicamente organizadas é proteger e promover a qualidade de vida dos cidadãos. Atrás de cada décima do nosso défice, estão rostos de portugueses. Como nós. Eles são a nossa preocupação. Eles devem ser a prioridade dos nossos políticos. Serei eu um sonhador? Talvez. But i’m not the only one…

P.S – Hoje, o texto deveria abordar a estratégia do PS. Contudo, falaremos deste tema amanhã. Por duas razões: hoje, inicia-se o congresso socialista; segundo, porque recebi mail de senhora que me contou os sacrifícios que passa, em virtude de ter perdido o seu emprego. São estes portugueses que não têm voz que devem ser atendidos – para além das discussões sobre défices, FMI’s, PS ou maiorias absolutas…

Email:politicoesfera@gmail.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s