Islândia diz que Governo português deve ser investigado


O membro do Banco Central da Islândia, Gylfi Zoega, considera que Portugal deve investigar quem está na origem do elevado endividamento do Estado e bancos.

 

Economia Economista 07:55 – 10/09/12 POR Lusa

A participar nas conferências do Estoril, o economista, que também participou no documentário premiado com um Óscar ‘Inside Job – A verdade sobre a crise’, disse em entrevista à Agência Lusa que Portugal beneficiou muito de estar no euro nesta altura, porque para além do apoio dos seus parceiros da união monetária, terá de resolver os seus problemas estruturais ao invés de recorrer, como muitas vezes no passado, à desvalorização da moeda.

“Talvez para Portugal estar no euro nesta altura seja uma bênção, porque apesar de não conseguir sair do problema de forma tão fácil como antes, através da depreciação [da moeda], vocês têm de lidar com os problemas estruturais que têm”, disse.

A Islândia, na sequência da grave crise económica que sofre desde 2008, derivada do colapso do seu sistema financeiro (que chegou a ser 10 vezes maior que a economia islandesa), também teve de recorrer ao Fundo Monetário Internacional para resolver os seus problemas de financiamento, mas neste caso a experiência não é nada mal vista.

“Penso que o FMI é útil neste sentido, porque é uma instituição que pode ajudar a coordenar as acções. Existem coisas impopulares que têm de ser feitas, e pode ser utilizada como um bode expiatório para essas medidas impopulares, que teriam de ser aplicadas de qualquer forma. Ajuda os políticos locais a justificar aquilo que podiam não conseguir fazer por eles próprios”, diz.

O responsável diz mesmo que a experiência do seu país tem sido “muito boa” e que a instituição tem feito um grande esforço de coordenação para garantir que as medidas têm os efeitos desejados.

“A experiência com o FMI acabou por ser muito boa, porque actualmente têm uma tendência para serem muito pragmáticos, para encontrar soluções que funcionem. Tiveram algumas medidas pouco ortodoxas, como os controlos de capital e outras para reduzir o défice, e ajudaram a garantir que o programa estava no caminho certo, visitando todos os ministérios, o banco central. Tem sido um esforço em grande cooperação”, explica.

No entanto, recorrer a ajuda externa tem as suas consequências e a principal tem sido a falta de confiança dos mercados, explica ainda Gylfi Zoega, acrescentando que ainda não existe previsão para quando ou se a Islândia vai conseguir voltar a financiar-se nos mercados.

“[A Islândia] Não tem qualquer acesso aos mercados de capitais actualmente, e é uma questão em aberto. Quanto tempo demorará? Se os mercados ficarão completamente fechados? Se olham para isto como um problema isolado que podem perdoar ou se olham e pensam nisto como algo mais crónico. Portanto, nós não sabemos como vai ser o nosso acesso ao mercado no futuro”, afirma.

Advertisements

One thought on “Islândia diz que Governo português deve ser investigado

  1. O pior é que os bandidos dos banqueiros são na maior parte deles e das vezes, cobertos pelas próprias entidades governamentais. É um covil melindroso de onde todos mamam, mas que ninguém se quer comprometer. A Islândia teve a coragem de ir por diante com a gatunagem. Aqui em Portugal, uma medida dessas seria inverosímil, até porque com toda a burocracia, NUNCA o assunto seria saneado. Por outro lado, enquanto que lá por fora as pessoas são ouvidas, julgadas e postas na prisão, aqui não. É todo um sistema mal montado em Portugal. É por estas e outras, que os governantes que temos, não passam do baixo nível. Não sabem dar uma imagem à altura dos nossos antepassados. Basta viajar para nos darmos conta de que muitas vezes é muito mais conhecida uma mera “faixa de Gaza” do que Portugal, como país. Portugal NÃO PASSARÁ DA CEPA TORTA, enquanto não houver governantes à altura, honestos e que releguem para segundo plano a vaidade de ser o senhor “x” ou “y”. Quanto aos tribunais, aqui deverão ser feitos grandes esforços no sentido de se culpabilizar ou não com clareza alguém, julgá-lo rapidamente e metê-lo na prisão, caso seja disso, mas por juiz apartidário e ponto final. Assim, evitar-se-ião caboiadas de prisões mediáticas para fazer falar toda a gente, depois prisão domiciliária, seguida de um belo pedido de indemnização ao Estado. Resumindo, os larápios, ainda ficam a ganhar com estes negócios.
    JR.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s