Afinal, a Autoeuropa também está envolvida na manipulação de CO2


Produção em Outubro caiu 12% face a 2014 e revela que a crise das manipulações já começa a sentir-se em Palmela

A Autoeuropa volta a estar envolvida em mais um escândalo do grupo Volkswagen (VW). Depois de a SIVA, representante em Portugal das marcas Volkswagen, Audi e Skoda, ter admitido que a fábrica de Palmela produziu vários modelos com dispositivos que falseavam os resultados das emissões de gases poluentes, nomeadamente nos modelos produzidos nas suas instalações – Eos, Scirocco e Sharan –, agora é a vez de a Autoeuropa ser atingida pela manipulação das emissões de dióxido de carbono (C02).

O VW Scirocco a gasóleo, com motor 2.0 litros, produzido exclusivamente pela fábrica de Palmela, é um dos modelos que integram a lista das viaturas adulteradas para falsear a emissão de óxido de azoto. Este modelo deveria ser colocado no mercado no final deste ano.

Recorde-se que, a juntar à lista dos 11 milhões de carros a gasóleo manipulados, surgiram este mês 800 mil carros – dos quais 98 mil seriam a gasolina – envolvidos na manipulação de emissões poluentes . O grupo alemão reconheceu entretanto que a maioria destes carros se encontra a circular nos países europeus, mas ainda não revelou marcas, modelos e geografias em causa.

Discurso contraditório O que é certo é que o envolvimento da Autoeuropa nestes escândalos acaba por contrariar o que várias vezes foi dito pela fábrica de Palmela desde o início da crise, em Setembro. Contactada na altura pelo i, a administração da Autoeuropa garantiu várias vezes que não estava envolvida nestes casos de manipulações de emissões.

Também a comissão de trabalhadores afastou responsabilidades no caso, alegando sempre que era um caso inédito e que na Autoeuropa, tal como acontece em todas as fábricas da VW, “pegavam” no motor que vinha da fábrica em que era produzido. “O motor já vem completo. A única coisa que era acrescentada para que o motor trabalhasse eram peças como o alternador e a caixa de velocidades”, salientou.

Mais tarde, e depois de se tornar público o envolvimento da Autoeuropa nestes casos, o representante da comissão de trabalhadores garantiu ao i que não sabia como iria a marca resolver a situação. “Já assistimos a casos em que há problemas com determinadas peças de modelos que são vendidos, e estes casos são simples de resolver. Os proprietários desses veículos são chamados à fábrica para que essas peças sejam substituídas. Mas esta situação é diferente, estamos a falar da instalação de um chip que serve para deturpar informações”, referiu.

Também o próprio ministro da Economia, Pires de Lima, se mostrou em Setembro confiante em relação à credibilidade da fábrica em Portugal, ao afirmar que “a informação que tem da Autoeuropa é a de que os carros montados na fábrica de Palmela não tiveram a incorporação de motores sob suspeita no âmbito do escândalo que afecta o grupo alemão Volkswagen”, acrescentando ainda que a maior parte dos automóveis que saem da Autoeuropa são para exportar – um argumento que foi muitas vezes repetido pela administração da fábrica de Palmela, mas que se viu obrigada a mudar perante a sua envolvência no caso das manipulações.

A verdade é que a crise já se está a sentir na produção da Autoeuropa. A fábrica produziu 9701 carros em Outubro, o que representa uma quebra de 12,1% face ao mesmo mês do ano anterior, quando produziu 11 040 veículos, revelaram os últimos dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s