Família quer esclarecer suicídio na irmandade


Família quer esclarecer suicídio na irmandade

A família de uma irmã que morreu afogada num tanque, dentro da propriedade pertencente à Fraternidade Missionária Cristo Jovem, em Requião, Famalicão, está a reavaliar as circunstâncias que rodearam a morte de Maria Amélia, 55 anos, em agosto de 2004, à luz das acusações de maus-tratos, escravidão, rapto e escravidão sobre “noviças” que levaram a Polícia Judiciária a constituir arguidos um padre e três irmãs da Fraternidade.


Maria Amélia ingressou na instituição com 25 anos e terá ali deixado bilhetes que indiciariam suicídio, até porque sofreria de “forte depressão”. O Ministério Público de Famalicão arquivou o processo, por não haver indícios de crime. Na altura, a Fraternidade terá indicado que a irmã sofria de depressão, mas não tomaria a medicação prescrita.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s