Islândia diz “não” em referendo ao pagamento a credores externos

Os islandeses votaram em referendo que o Estado não deve pagar a dívida de cerca de quatro mil milhões de euros à Holanda e ao Reino Unido, de acordo com os resultados preliminares anunciados.

foto Ingolfur Juliusson/REUTERS
Islândia diz "não" em referendo ao pagamento a credores externos
Presidente da Islândia, Olafur Grimsson

Segundo a rádio pública islandesa, 7685 eleitores votaram “não” e 5286 votaram “sim” ao pagamento de quase quatro mil milhões de euros a credores externos.

O dinheiro serviu para indemnizar milhares de depositantes lesados pela falência do banco islandês IceSave.

O referendo foi convocado pelo presidente da Islândia, Olafur Grimsson, que a 20 de Fevereiro deste ano vetou, pela segunda vez, a lei IceSave (que tinha sido aprovada pelo Parlamento islandês), e que estabelece o pagamento de 3,9 mil milhões de euros aos credores externos.

Esta foi a segunda vez que os islandeses decidiram se queriam ou não que dos seus bolsos saísse uma parte significativa do valor total das indemnizações que o governo da Islândia se comprometeu a pagar a Londres e a Haia.

O Icesave foi uma das instituições financeiras que faliram na sequência da crise financeira mundial que atingiu com especial dureza a Islândia, com cerca de 320 mil habitantes, provocando a queda da moeda e da economia do país.

Na primeira consulta popular de 2010, mais de 90% dos islandeses rejeitou contrair uma dívida pública que se prolongaria por vários anos.

 

Fonte: JN

Anúncios

Islândia: esquerda vence eleições

26-Abr-2009

A social-democrata Johanna Sigurdardóttir ficará à frente do governo - Foto: Lusa

Nas eleições realizadas este sábado na Islândia, um dos países europeus mas afectados pela crise económica, os partidos de esquerda reforçaram as suas posições e asseguraram a maioria no parlamento. Johanna Sigurdardóttir, primeira-ministra interina, continuará como chefe do governo. Os conservadores tiveram o pior resultado de sempre.

De acordo com projecções realizadas quando já estavam escrutinados mais de 90% dos votos, as eleições realizadas este sábado na Islândia reconduzirão Johanna Sigurdardóttir à frente do governo, com o apoio.dos social-democratas e da esquerda verde.

A actual primeira ministra tinha assumido o cargo interinamente, em Janeiro desta ano, após a demissão de Geir Haarde, o líder do Partido da Independência, conservador, na sequência dos massivos protestos populares contra as suas medidas anti-crise. A Islândia foi um dos primeiros países europeus a sofrer drásticos impactos da crise económica actual.

Segundo as previsões, o Partido Social Democrata, de Johanna Sigurdardóttir, vai assegurar a eleição de 20 deputados, enquanto o Movimento Esquerda Verde vai eleger 14, ganhando cinco deputados em relação ao anterior processo eleitoral. Estes dois partidos conseguem assim mais de metade dos 63 deputados da Islândia.

As projecções indicam também que o Partido da Independência não ultrapassará os 23%, o pior resultado dos conservadores islandeses na sua história.

Esquerda.net