Catarse

Toda a alma é imortal, porque aquilo que se move a si mesmo é imortal.


12 Comentários

Zeitgeist Addendum (Legendado) 3-4/12

α

Ω

Publicado por lucask8nunes

Site Oficial do documentario:
http://www.zeitgeistmovie.com/

Site Oficial do Projeto Venus:
http://www.thevenusproject.com/

Site do Zeitgeist Moviment:
http://thezeitgeistmovement.com/

A Revolução é Agora


1 Comentário

Os Sionistas Nazis: Porque estás a fazer aos outros o que não gostaste que te tivessem feito?

Descobre as Diferenças!

THE GRANDCHILDREN OF HOLOCAUST SURVIVORS FROM WORLD WAR II ARE DOING TO THE PALESTINIANS EXACTLY WHAT WAS DONE TO THEM BY NAZIGERMANY.

BUILDING WALLS & FENCES TO KEEP PEOPLE IN PRISONS

CHECK POINTS NOT TO ALLOW PEOPLE BASIC FREEDOM OF MOVEMENT

ARRESTS & HARASSMENTS

DESTROYING HOMES & LIVELIHOODS

GIFTS (WITH LOVE) FROM THE CHILDREN OF PEACE-LOVING & CIVILIZED COUNTRIES

THE CLASSIC PROPAGANDA MACHINE – YOU WILL FIND THE PICTURE INBLACK&WHITEIN ALL AMERICAN AND SOME OTHER WESTERN COUNTRIES HISTORY BOOKS, ENCYCLOPAEDIAS, LIBRARIES, MUSEUMS. THAT DEPICTS A YOUNG JEWISH BOY WITH HIS HANDS UP WHILE NAZI TROOPS POINT THEIR GUNS AT HIM AND HIS FAMILY IN ORDER TO EXPEL THEM FROM THEIR HOMES. (IT’S SUPPOSED TO MAKE YOU SYMPATHIZE WITH THE VICTIMS & TO SUPPORT THEIR CAUSE FOR JUSTICE & A HOMELAND)

THE ISRAELIS PRACTICE THE SAME TACTICS



2 Comentários

O Genocídio em Gaza

Doze Regras de Redacção dos Grandes Media quando a notícia é do Médio Oriente

1. No Médio Oriente são sempre os árabes que atacam primeiro e sempre Israel que se defende. É inconveniente falar em «represálias» quando se tratar do exército israelita.

2. Os árabes não têm o direito de matar civis. A isso chama-se «terrorismo».

3. Israel tem o direito de matar civis. A isso chama-se «legítima defesa».

4. Quando Israel mata civis em massa, as potências ocidentais pedem que seja mais comedido. A isso chama-se «reacção da comunidade internacional».

5.Os palestinianos não têm o direito de capturar soldados de Israel dentro de instalações militares com sentinelas e postos de combate. Isso chama-se «sequestro de pessoas indefesas».

6.Israel tem o direito de sequestrar a qualquer hora e em qualquer lugar quantos palestinianos desejar. Actualmente são mais de 10 mil, 300 dos quais são crianças e mil são mulheres. Não é necessária qualquer prova de culpabilidade. Israel tem o direito de manter sequestrados presos indefinidamente, mesmo que sejam autoridades eleitas democraticamente pelos palestinianos. Isto chama-se «prisão de terroristas».

7.Quando se mencionam as palavras «Hezbollah» e «Hamas», é obrigatório a mesma frase conter a expressão «apoiado e financiado pela Síria e pelo Irão».

8.Quando se menciona «Israel», é proibida qualquer menção à expressão «apoiado e financiado pelos EUA». Isso poderia dar a impressão de que o conflito é desigual e que Israel não está em perigo de existência.

9.Quando se referir a Israel, são proibidas as expressões «territórios ocupados», «resoluções da ONU», «violações dos Direitos Humanos» ou «Convenção de Genebra».

10. Os palestinianos são sempre «cobardes», que se escondem entre a população civil. Se eles dormem nas suas casas, com as suas famílias, a isso dá-se o nome de «dissimulação» e «cobardia». Israel tem o direito de aniquilar com bombas e mísseis os bairros onde eles dormem. A isso chama-se «acção cirúrgica de alta precisão».

11. Os israelitas falam melhor inglês, francês, espanhol e português que os árabes. Por isso eles e os que os apoiam devem ser mais vezes entrevistados e ter mais oportunidades do que os árabes para explicar as presentes Regras de Redacção (de 1 a 10) ao grande público. A isso chama-se «neutralidade jornalística».

12. Todas as pessoas que não estão de acordo com as Regras de Redacção acima expostas são «terroristas anti-semitas de alta periculosidade».

Depois de matar 1.100 pessoas, centenas delas crianças, Israel prepara-se para ficar em Gaza.


EM GAZA

A questão não é saber quem é contra ou a favor de judeus ou muçulmanos. É saber do que se fala.

Deputado britânico judeu

Por cá, o conhecimento da matéria resume-se a isto.


2 Comentários

«choque e pavor», O senhor da Guerra – Israel

Entre o cerco e os bombardeamentos israelitas, o fanatismo do Hamas, a corrupção e docilidade da Autoridade Palestiniana, a traição e cumplicidade das nações árabes e o silêncio do Ocidente, os palestinianos não podiam estar mais sozinho.

Têm muita razão os que exigem democracia nos países árabes. Fossem o Egipto ou a Jordânia democráticos e nunca os seus governos seriam cúmplices do cerco a Gaza. É porque são ditaduras corruptas que se vendem com facilidade e que não acompanham a indignação dos seus povos. Tivessem os palestinianos um líder forte e não dois líderes péssimos e os israelitas teriam de negociar. Assim, resta a guerra. Quem achou que o melhor seria vergar os palestinianos e comprar os seus líderes e os seus aliados não se pode queixar. Assim, a paz é uma miragem. E quem paga é o povo de Gaza.

Por Daniel Oliveira in Arrastão

«Os acontecimentos ao longo da frente Sul que começaram sábado de manhã, às 11h30, parecem-se muito com uma guerra entre Israel e o Hamas. É difícil dizer onde (geograficamente) e por quanto tempo vai prosseguir a violência antes de uma intervenção da comunidade internacional com vista à suspensão das hostilidades. Todavia, a salva de abertura israelita não é uma operação “cirúrgica” ou um ataque limitado. É o assalto mais violente a Gaza desde que este território foi conquistado em 1967.»

É interessante notar que os comentadores israelitas, como a maior parte dos comentadores da imprensa ocidental, não assinalam a razão mais importante do falhanço do cessar-fogo de seis meses, que durou de 19 de Junho até 19 de Dezembro. Como nos confirmou Khaled Mechaal, chefe da comissão política do Hamas na semana passada, o acordo compreendia, para além do cessar-fogo, o levantamento do bloqueio de Gaza e um compromisso do Egipto em abrir a passagem de Rafah. Ora, não só Israel violou o acordo de cessar-fogo lançando um ataque que matou várias pessoas no dia 4 de Novembro, como os pontos de passagem não foram reabertos senão parcialmente, e o bloqueio foi mesmo reforçado nas últimas semanas. A população, que era largamente favorável ao acordo em Junho, exige hoje uma clarificação: ou a guerra ou a abertura incondicional dos pontos de passagem e o fim da chantagem permanente que permite a Israel matar lentamente à fome (e privar de cuidados de saúde) a população. Esta está certa quando acusa Israel, como relata o sítio Internet da Al-Jazeera em inglês: «Gazans: Israel violated the truce» (Mohammed Ali).



Deixe o seu comentário

Rachel Corrie – Assassinada por uma escavadora Israelita em defesa da Justiça

Rachel Corrie

Eu não gostaria de ter de colocar aqui este post, mas A Besta quase me obrigou a isso, pelo que optei por colocar apenas a imagem bonita e quem quiser que veja as feias em alguns links que aqui deixo, no entanto, se desejarem saber mais é escolherem um motor de busca e colocarem o nome…

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas