Catarse

Toda a alma é imortal, porque aquilo que se move a si mesmo é imortal.


3 Comentários

Rússia pode abandonar a OMS se provar a corrupção entre a Indústria Farmacêutica e a OMS

O deputado da Duma Russa, Igor Barinov, apelou para a Rússia se retirar da OMS se uma investigação sobre o alegado acordo entre a OMS e as empresas farmacêuticas sobre o escândalo da gripe suína provar ser exacto, de acordo com relatos sa imprensa europeia.

Igor Barinov, Membro da Comissão do Parlamento do Estado (Duma) nas acusações de corrupção, disse que era preciso haver uma investigação para apurar se os especialistas de aconselhamento  receberam dinheiro da indústria farmacêutica e se isso influenciou a OMS a declarar uma pandemia de nível 6 de emergência pela primeira vez em 40 anos, apesar do fato de que a gripe não ser letal, nem se espalhar rapidamente.

Jornalistas dinamarqueses que forneceram “informações” concluiram que a gripe pode ser o maior caso de corrupção da nossa era, após analisarem as ligações entre os especialistas da OMS e as empresas farmacêuticas.

A OMS recomendou a compra do controverso Tamilfu suíço Roche, a despeito de evidência que a droga causa efeitos colaterais graves.   O ministério ucraniano para a saúde comprarou grandes estoques em excessivo de Tamiflu.

Nós certamente devemos levar a cabo uma investigação minuciosa antes de tomar qualquer decisão “,declarou  Barinov na sexta-feira aos jornalistas.

“Se a informação for confirmada, vamos ter de colocar a questão de saber se faz sentido para a Rússia pertencer a OMS, e suspender a nossa participação . se necessário “.

Rússia gastou mais de 4 bilhões de rublos até agora com gripe suína.

Barinov sugeriu que o chefe de investigação da OMS, o representante russo na organização, o membro do comitê executivo da OMS, Vladimir Starodoubov.

“Ninguém põe em causa os serviços prestados no século 20 pela OMS na luta contra a malária, a sida, mas hoje deve-se perguntar se essa organização não é atingida  pelo vírus da corrupção, e até que ponto estas recomendações são fundadas, até que ponto podemos nós confiar  “, disse Barinov.

O director do Programa Nacional de Vigilância Sanitária do Instituto russo Guennadi Onichtchenko disse na reunião com o Procurador-Geral da Federação da Rússia para a legislação na área farmacêutica que a luta contra a gripe suína no mundo tem as características de uma parcela.

Há também evidências de que foi fundamental na difusão da Aids.

Google Translate(28 November 2009)

http://translate.google.com/translate?hl=en&langpair=en|pt&u=http://www.theflucase.com/index.php?option=com_content&view=article&id=2100:russia-could-withdraw-from-who-over-swine-flu-corruption&catid=41:highlighted-news&Itemid=105&lang=en

http://snipurl.com/tglv5


2 Comentários

Russia Warns: 21 Days for NATO/USA leave Black Sea

O aviso é para ser levado a sério

Antes, nos noticiários contavam-nos metade da história, agora ocultam-nos a verdade!

posted by Mário Nunes at Kafe Kultura

Russian warships set sail for manoeuvres near US waters

A fleet of Russian warships led by a massive missile cruiser set sail from their Arctic base on Monday for naval exercises off Venezuela near US waters that have not been seen since the Cold War.

“They left at 10:00 am (0600 GMT). It’s the nuclear-powered guided missile cruiser Peter the Great, the anti-submarine warship Admiral Chebanenko and other accompanying ships,” Russian navy spokesman Igor Dygalo told AFP.

Dygalo said he could not reveal how many ships were involved in the deployment or when they would arrive. The exercises in the Caribbean Sea are expected to take place in November or December, officials said.

The deployment follows the arrival of two Russian Tu-160 nuclear bombers in Venezuela earlier this month also for exercises, an event that Venezuelan President Hugo Chavez branded a “warning” to the US “empire.”

Chavez was due in Moscow this week on his third visit since June last year.

“It’s a warning. Russia is with us… we are strategic allies. It is a message to the empire. Venezuela is no longer poor and alone,” the fiercely anti-US leader said during a public event this month after the bombers landed.

in Prision Planet

O Nascimento da Aliança Anti-Nato ( Ambos do grupo BRIC)- CNN


1 Comentário

Deixa-me rir, Uauuauauau

Bush acusa Rússia de ter violado Carta da ONU ao entrar na Geórgia

O Presidente norte-americano, George W. Bush, acusou hoje a Rússia de ter violado a Carta das Nações Unidas, nomeadamente a “igualdade de direitos dos Estados”, ao ter entrado na Geórgia no mês passado.

in Público

Deixa-me rir, uauauauauauauau

A carta das Nações Unidas só serve ao Bush quando lhe interessa. Quando invadiu o Iraque não se lembrou dessa famosa carta, quando promove golpes de Estado essa carta é inexistente, e quando ocupa o Afeganistão para dominar a produção de ópio a carta também não existe.

A geórgia não invadiu nada! Foi tudo ilusão nossa e dos Russos. Os Pobres coitados é que foram invadidos.

Bela Hipócrisia, Velhacos, Carniceiros, que vivem pela calada da noite ocupando e comendo o que não é deles. Este Neoliberalismo só existe pela confrontação, pela ganância na ocupação e usurpação do que não lhes pertence de modo a obter lucro e espezinhando populações inteiras até à sua escravidão.

Só quem é parvo,estúpido , idiota ou escravo é que vai nesta velha cantiga….


1 Comentário

À beira de uma nova Guerra com o apoio de Sarah Palin “White Trash”

Presidente russo diz que NATO “provocou” o conflito no Cáucaso

in Público

Nada mais verdade e que todos já sabemos. A NATO, os ISRAELITAS e os Estados Unidos fabricaram este conflito, com o objectivo de alargar a base de influência da NATO e Estados Unidos, devido aos recursos económicos naquela zona do Cáucaso. Só tiveram a “agradável” surpresa de os Russos terem reagido demasiado depressa.

Para que serve a NATO?

A Nato é a força armada americana na Europa, que pretende defender ou pretendia defendia da ameaça comunista…hoje em dia, a Europa não tem força armada que consiga resistir à Rússia, devido às imposições Americanas após a segunda guerra mundial. A Europa ficou refém de todos os planos americanos e hoje em dia é um “boneco” sem estrutura para contrabalançar a força dos Estados Unidos e ter a sua própria actuação. Como fonte de decisão desapareceu.

Temos visto as inúmeras viajens da senhora da Morte à Europa num esforço de consertar forças e ideias, ideias do Clube de Bilderberg, que pretendem a toda a força provocar uma nova guerra, manipulando as pessoas através dos políticos europeus e dos média. A verdade está ameaçada. E mais ameaçada fica com a suposta eleição de Sarah Palin ” White Trash” que já declarou publicamente guerra à Rússia.

Sarah Palin Wants War With Russia! 9-11-08 she got to be a victim of mind control

Não podemos também esquecer que já foi autorizado o ataque pelos Israelitas ao Irão por parte da Administração Bush. Sarah Palin “White Trash” segue o mesmo caminho e as mesmas ideias, sendo mais perigosa que o candidato à Presidência dos Estados Unidos:

Michael Moore: Sarah Palin is an extremist when you find out about her!   http://www.tinyurl.com/allaboutpalin

Partimos assim, para o final deste ano com nuvens negras acerca do futuro da humanidade. esperemos que ela continue a existir e que as nuvens negras desapareçam…


Deixe o seu comentário

Nuances do capitalismo

CAPITALISMO IDEAL

Você tem duas vacas.
Vende uma e compra um boi.
Eles multiplicam-se, e a economia cresce.
Você vende a manada e aposenta-se. Fica rico!

CAPITALISMO AMERICANO

Você tem duas vacas.
Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas.
Fica surpreso quando ela morre.

CAPITALISMO JAPONÊS

Você tem duas vacas.
Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam 20 vezes mais leite.
Depois cria desenhinhos de vacas chamados Vaquimon e vende-os para o mundo inteiro.

CAPITALISMO BRITÂNICO

Você tem duas vacas.
As duas são loucas.

CAPITALISMO HOLANDÊS

Você tem duas vacas.
Elas vivem juntas, em união de facto, não gostam de bois e tudo bem.

CAPITALISMO ALEMÃO

Você tem duas vacas.
Elas produzem leite regularmente, segundo padrões de quantidade e horário previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa.
Mas o que você queria mesmo era criar porcos.

CAPITALISMO RUSSO

Você tem duas vacas.
Conta-as e vê que tem cinco.
Conta de novo e vê que tem 42.
Conta de novo e vê que tem 12 vacas.
Você pára de contar e abre outra garrafa de vodka.

CAPITALISMO SUÍÇO

Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua.
Você cobra para guardar as vacas dos outros.

CAPITALISMO ESPANHOL

Você tem muito orgulho de ter duas vacas.

CAPITALISMO BRASILEIRO

Você tem duas vacas.
E reclama porque o rebanho não cresce…

CAPITALISMO HINDU

Você tem duas vacas.
Ai de quem tocar nelas.

CAPITALISMO PORTUGUÊS

Você tem duas vacas.
Foram compradas através do Fundo Social Europeu.
O governo cria O IVVA – Imposto de Valor Vacuum Acrescentado.
Você vende uma vaca para pagar o imposto.
Um fiscal vem e multa-o, porque embora você tenha pago correctamente o IVVA, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais.
O Ministério das Finanças, por meio de dados também presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presume que você tenha 200 vacas.
Para se livrar do sarilho, você dá a vaca que resta ao inspector das finanças para que ele feche os olhos e dê um jeitinho…



4 Comentários

EUA formaram tropas especiais georgianas

Notícia do “Financial Times”
EUA formaram tropas especiais georgianas antes de ofensiva na Ossétia 
06.09.2008 – 13h49 Lusa

O exército norte-americano deu treino de combate a 80 comandos das forças especiais georgianas meses antes de a Geórgia lançar a ofensiva armada na Ossétia do Sul, em Agosto, noticia hoje o jornal britânico “Financial Times”.

O jornal, que teve acesso a documentos e entrevistas com responsáveis de formação militar dos Estados Unidos, garante que esta acção pode ter motivado as acusações do primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, que recentemente acusou Washington de ter armado e dado formação ao exército georgiano.

O treino foi ministrado por oficiais norte-americanos e por militares contratados às empresas de segurança MPRI e American Systems, ambas com sede na Virgínia.

In Público

Uma parte da verdade apareceu no “Finacial Times”. Os Estados Unidos criram e deram formação militar a forças especiais Geórgianas antes da invasão da Ossétia do Sul e da Abkhásia. A mão dos estados Unidos neste conflito é evidente, clara e límpida. Os estados Unidos programaram, planearam com o Governo da Geórgia a invasão de duas Repúblicas Independentes com o intuito de alargarem o seu raio de acção e influencia no Cáucaso. Estes são os culpados pela crise humanitária no Cáucaso e deveriam ser julgados por crimes contra a Humanidade…Bush ,Bush é um deles.


2 Comentários

A União Europeia e Estados Unidos Recuam!

Cimeira em Avignon
UE pede inquérito sobre conflito no Cáucaso
05.09.2008 – 18h08 Reuters

A Alemanha e Itália, entre outros estados da União Europeia, pediram hoje a abertura de um inquérito para apurar culpas em relação ao episódio da Ossétia do sul, que opõe a Geórgia e a Rússia. Para estes países só assim a UE poderá reforçar os laços com os dois países.Peter Mandelson, comissário europeu do comércio externo, avançou hoje que não é justo punir Moscovo bloqueando a entrada da Rússia na Organização Mundial do Comércio, a OMC, frisando que o que convém à UE é ao reforço dos laços com a Rússia a longo termo.Apesar de terem estado em cima da mesa, tanto a UE como os EUA recuaram na imposição de sanções contra a Rússia por esta ter enviado forças armadas para impedir a Geórgia de retomar terreno no território separatista da Ossétia, reacção que foi classificada de desproporcionada.

In Público

Curiosa a reacção da Europa e dos estados Unidos. depois de tantas ameaças à Rússia devido á sua intervenção no Cáucaso, nomeadamente no conflito entre a Geórgia e a Ossétia do Sul.

Julgo que a posição de força da Rússia ao apontar o seu armamento bélico de precisão contra a Polónia que acabou de assinar um tratado com os estados unidos para a instalação de um escudo “ofensivo”, terá estado no volte face das suas posições contra a Rússia.

Por outro lado a Europa e os Estados Unidos podem já estar a pensar no que poderá acontecer à Ucrânia e nomeadamente à Crimeia, onde a existência de cidadãos russos e o facto de a Rússia a reclamar para si, poderá por passo falso da U.E. e U.S.A a uma invasão.

A U.E. e os U.S.A. já não jogam este xadrez sozinhos, estão muito bem acompanhados…

Por fim, fosse esta cimeira de condenação à Rússia, e seria motivo de manchete, mas como é um recuo da União Europeia e dos Estados Unidos tem de passar desapercebido…

Uma nota: O twingly do Público começou desde ontem a não aceitar os comentários deste blogue. Há uma enorme dificuldade em conseguir que o twingly insira este blogue nos seus links.


Deixe o seu comentário

O Vesgo

Adepto incondicional

Georgia

«Cavaco apoia Geórgia

O presidente da República mostrou-se, terça-feira, satisfeito com o resultado do Conselho Europeu sobre a crise União Europeia-Rússia. E demonstrou que na política externa está em completa sintonia com o Governo.

Na Polónia, de onde segue amanhã para a Eslováquia, Cavaco Silva afirmou que “Portugal se revê de forma muito forte nas conclusões do Conselho Europeu” e defendeu a rápida entrada em vigor do Tratado de Lisboa para que a Europa seja “mais ouvida na cena internacional, nomeadamente por parte da Rússia“.»


Depois da Rússia Soviética agora é a Rússia Capitalista. Uma Europa que apoia a Independência do Kosovo, mas recusa a das regiões da Geórgia que referendaram por 99% o seu desejo de independência. Voltarão a virar a casaca que for uma região da Federação Russa a declarar a independência e de novo ainda se a coisa acontecer na Ucrânia. Claro que o Sr. Silva não apoia nem deixa de apoiar nada, faz aquilo que a União Europeia lhe diz para fazer e ainda arranja tempo para fazer propaganda a um Tratado de Lisboa que, pelas regras que a própria União Europeia escreveu, devia estar morto e enterrado. Nada como haver um inimigo externo, um lobo mau para vender aos povos aquilo que não querem comprar.


Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI


Deixe o seu comentário

Rage Guitarist: Government Sponsored Terror “Embedded in the DNA” Of American Politics

Tom Morello speaks to We Are Change on false flag terrorism

Steve Watson
Infowars.net
Thursday, Sept 4, 2008

Tom Morello, guitarist with rock protest band Rage Against the Machine, spoke out against false flag terrorism on the same day an impromptu performance by the band was shut down by police outside the RNC.

Morello spoke briefly to members of We Are Change Tuesday just before appearing at an event being held by independent candidate Ralph Nader in St. Paul, Minnesota.

“When the media speaks of terrorism it tends to be in the context of lone bandits from middle eastern countries when most of the terrorism that occurs in the world is government sponsored.” Morello told Change reporters.

“Whether it’s the Bush administration or the Putin administration, terror is not something that is unfamiliar to governments.”

It is nothing new,” Morello continued, “From Gulf of Tonkin to the Maine, in the Spanish American war, it is something that is embedded, unfortunately, in the DNA of American politics.

Earlier in the day Rage announced they would make an unscheduled appearance and perform at the Ripple Effect Day Festival at the Capitol in St. Paul.

However, as soon as police got wind of the plans, state troopers were dispatched to the scene, the power was cut and the band were barred from the stage.

As the crowd grew restless, Morello and frontman Zack de la Rocha took to a megaphone and led the protesters in a sing-a-long of some of their hits anyway:

Police reportedly used batons, pepper spray and fired bean bag rounds and tear gas to disperse the demonstrators, in scenes more akin to the streets of communist China. After whittling the crowd down to around 75, police surrounded them, ordered them to the ground and arrested them all.

We are free citizens of America, and we are here because we love our country,” said a girl who was leading the crowd, who refused to give her name. 102 people in total were arrested.

The activity marked a second night of indiscriminate police crackdowns throughout the city on innocent protesters.

To read the full story, go to Infowars.net.


3 Comentários

A Nova Guerra

Em retaliação contra instalação de escudo antimíssil norte-americano
Rússia instala armas de precisão na fronteira com a Polónia 
04.09.2008 – 19h52 Reuters

A Rússia vai instalar armas de precisão na fronteira com a Polónia, anunciou o presidente do Comité de Defesa do parlamento russo, Viktor Zavarzine. A decisão de Moscovo surge depois da Polónia ter autorizado os Estados Unidos a instalarem o escudo antimíssil em território polaco.

“Temos um novo arsenal bélico e decidimos instalá-lo perto da fronteira com a Polónia”, onde serão instalados os mísseis de intercepção norte-americanos”, disse Zavarzine que não precisou que tipo de armamento vai ser instalado.

In Público

Parece que os Russos irão responder ao Escudo Americano com a instalação de arsenal bélico de precisão.

A vontade e a ambição de uma Nato e de um Estados Unidos que rebocam uma União Europeia para um início de uma Guerra Fria, ou de uma nova Guerra. Os senhores do Mundo de Bilderberg não podem viver sem ameaçar outros Países ou sem os levar para a sua área de influência.

Bem Vindos ao admirável mundo novo da Nova Ordem Mundial (NWO).


1 Comentário

O Reaparecimento da Guerra Fria

A guerra-fria aquece

 Guerra fria

Parece que uma virose passou por aqui e está a apanhar cada elemento desta família à vez. Agora tocou-me a mim pelo que não estou com forças nem vontade para grandes textos. Fica a imagem desta nova “Guerra-fria”, entre os mesmos intérpretes da última, só que desta vez não é uma luta entre o Capitalismo e o dito Comunismo da URSS, mas entre dois capitalismos selvagens, o que já existia nos EUA e o que cresceu por detrás da queda do muro de Berlim. Como sempre são os interesses e não as pessoas que contam e somos confrontados com a hipocrisia e a irracionalidade nas suas razões. Uns reconhecem a independência unilateral do Kosovo e agora consideram ilegal que a Ossétia do Sul faça o mesmo, apesar de um referendo a ter escolhido com uma maioria de 99%. Outros que se recusaram a reconhecer o Kosovo vêm agora reconhecer a da Ossétia. Quem é o bom ou o mau nesta história nem me interessa muito agora, mas espero que com um Sarkozy à frente da EU isto esta guerra não aqueça demais e não sejam os escombros incandescentes das casas das populações inocentes que o venham a mostrar. Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI


3 Comentários

Basta de Mentiras e Hipócrisias da Nato e seus aliados

Independência da Ossétia e da Abkházia: NATO pede a Moscovo que reveja a sua decisão

A NATO apelou hoje à Rússia que “reveja a sua decisão” de reconhecer a independência da Abkházia e da Ossétia do Sul, de acordo com um comunicado da Aliança Atlântica hoje tornado público.

In Público

Como sempre, os senhores da Nova Ordem Mundial, pensam que todos têm de se ajoelhar perante Bush e a Nato.

Gostaria que me explicassem o que faziam os Conselheiros Militares da Nato, Israelitas e Norte Americanos na Geórgia quando se deu o ataque à Ossétia do Sul?

Esta Invasão e limpeza étnica por parte da Geórgia e dos seus aliados, USA, NATO e Europa foi planeada, só não contavam com a resposta Russa.

Com a Independência do Kosovo abriu-se um precedente, que Putin bem avisou o Ocidente. No entanto este Ocidente só tem olhos para a sua ambição militar, estratégica e Geopolítica de domínio, alastrando-se como uma praga pelo mundo.

Se Kosovo é Independente, a mesma LEI que permitiu deve-se por uma questão de igualdade e de Honra aplicar-se à Ossétia do Sul e à Abkhazia.

A Rússia por seu lado afirma que não tem medo de uma nova Guerra Fria.

Os Barões deste Mundo não podem viver sem Guerras, sem pessoas a viver com fome, com doenças, desde que esses Barões continuem a Tentar Governar o Mundo. Eles só governam se nós os deixarmos, pois somos nós que temos o poder para dizer: BASTA.

A Nato é um pau mandado dos Estados Unidos

O deputado russo considera que os Estados Unidos cometem um “erro terrível” ao reconhecer a independência do Kosovo. “No fundo, Tahci (líder do Kosovo) não é muito diferente de Bin Laden. Os americanos alimentaram esse terrorista e agora ele faz explodir as suas casas. Tahci será mais um Bin Laden” – concluiu Markov.

In Da Rússia

O G7 e o G8 são dominados pelos Estados Unidos. Não admira a tomada de posição, Afinal os restantes Países deste grupo são dominados e “escravos” das decisões do governo americano.


5 Comentários

Condenam? E O Kosovo é diferente em quê?

Estados Unidos condenam reconhecimento russo da Ossétia e Abkhazia

Quem se lembra do Kosovo? Foi separado da Sérvia com a ajuda dos Estados Unidos, Nato e União Europeia, devido ao facto de ali viver uma maioria Albanesa. Vários países entre os quais os Estados Unidos reconheceram a Independência do Kosovo face à Sérvia.

Pergunto: Os motivos são diferentes do Caso da Ossétia do Sul e da Abkházia? Ou é diferente porque desta vez é apoiado pelos Russos? Afinal há leis diferentes.

Os Amigos da Senhora da Morte e do Bush, estão “sempre dentro da lei” e têm “sempre razão”. A Lei destes senhores é diferente da que foi aplicada ao Kosovo.

A Ossétia do Sul e a Abkházia não se podem tornar Independentes porque:

1º São amigos dos Russos, o que é grave;

2º A Geórgia que ocupou aqueles estados reclama-os para si;

3º Os Estados Unidos são amigos da Geórgia!

Conclusão: Os Estados Unidos não apoiam a Independência daqueles dois Estados porque querem ser Independentes da Geórgia e são apoiados pelos Russos. Não há Lei Internacional que resista quando essa mesma Lei tem várias faces e várias interpretações e interesses. Tudo é uma questão de interesses geopolíticos e estratégicos. Tivessem eles Petróleo e Gás Natural e já os Estados Unidos falariam noutra linguagem.

A Hipocrisia da União Europeia, que age como correia de transmissão dos Estados Unidos, aceitou a Independência do Kosovo e não aceita a da Ossétia do Sul nem da Abkházia Porquê? O Amigo Americano domina a União Europeia. Esta União deveria ser independente desses interesses Americanos, ter uma política independente, mas não . São as marionetas dos Estados Unidos, do Clube de Bilderberg.


1 Comentário

Os Eixos

Neste planeta onde vivemos, sempre ouvimos falar do Bem e do Mal, de Deus e do Diabo. Agora mais recentemente um grupo de dirigentes auto proclamou uma Guerra contra o Eixo de Mal, Deste modo partem do pressuposto que eles fazem parte do Eixo do Bem. Este Eixo do Bem, tem à sua frente a dirigir os destinos O Governo dos Estados Unidos na pessoa de George Bush, que expandiu a sua força e  levou para a sua zona de influência a Europa Ocidental e também se expande para o Leste – antigos Países dominados pela antiga União Soviética. A NATO faz parte integrante deste famoso Eixo do Bem, cujas orientações e decisões são ditadas pelo Governo dos Estados Unidos.

Deste modo temos o Mundo dividido entre o Bem e o Mal, já não sob a capa da Religião, mas sob a capa da Política. Este Eixo de Bem apoiou a invasão o Iraque e Afeganistão, onde permanecem e ninguém lhes propõe sanções pela destruição da infra estrutura Iraquiana, nem pelas mortes, mutilados e órfãos de Iraquianos. A Nato como parte integrante deste Eixo do Bem tem tropas no Afeganistão a lutar pretensamente contra a Al Quaida na procura de Bin Laden.

A destruição da Sérvia por este Eixo também foi realizada e ninguém se dignou a impor sanções económicas e o seu isolamento mundial.

Há uma lei Justificada e aplicada por este Eixo de Bem, cujas premissas já não são aplicadas a quem não lhe pertence . Essa Lei que se auto justifica e que se aplica é a chamada Nova Ordem Mundial, conduzida pelos estados Unidos e Grâ Bretanha, no domínio do Mundo.

QUando Condoleeza Rice fala e diz o que todos já ouvimos, temos a tendência para nos esquecermos que as justificações dadas contra a Rússia nunca foram implementadas contra os Estados Unidos pela Invasão do Iraque e Afeganistão. A tentativa de fazer passar a imagem de que foi a Rússia que destruiu a Ossétia do Sul, que invadiu a Geórgia e que se recusa a retirar as suas tropas, fáz parte do plano de manipular as ideias das pessoas, ao culpar a Rússia e apagando a ideia e o facto de que esta Guerra no Cáucaso foi originada pelo Governo da Geórgia. Ao governo da Geórgia os estados Unidos nunca o condenaram pelo ataque à Ossétia do Sul, nem retiraram o seu aopoio, única e simplesmente pelo facto de o ataque ter sido orquestrado e planeado conjuntamente entre a NATO, Estados Unidos, Israel e Geórgia.

O que interessa a este Eixo do Bem é apagar a sua acção no Cáucaso e denegrir quem foi em ajuda da população da Ossétia do Sul. Para este Eixo, os interesses económicos da grandes companhias são muito mais importantes do que a vida das populações, quaisquer que elas sejam.

Os dominadores, os mais fortes escrevem sempre a história e os factos à sua maneira e de acordo com as suas ideias, transmitido-as constantemente através de uma comunicação social manipulada e servil. E Nós vamos sendo manipulados de modo a admitirmos a implementação de uma Nova Ordem Mundial, sem sabermos para onde caminhamos e para onde nos levam.

Este Eixo do Bem é o verdadeiro Eixo do MAL


8 Comentários

Russos retiram esta semana?Será?

A Russian military vehicle rolls past a house set on fire by South Ossetian militia in the Georgian village of Kvemo-Achebeti outside the South Ossetian capital of Tskhinvali, August 18, 2008. (Denis Sinyakov/Reuters)
NATO Freezes Russian Ties Over Georgia — Yahoo News/Reuters

BRUSSELS (Reuters) – NATO agreed after U.S. pressure on Tuesday to freeze regular contacts with Russia until Moscow had withdrawn its troops from Georgia in line with a peace deal.

The alliance also agreed to upgrade contacts with Tbilisi but stopped short of accelerating its efforts to join NATO, an ambition which had enraged Russia even before the two-week-old conflict over Georgia’s breakaway South Ossetia region.

“We have determined that we cannot continue with business as usual,” the 26 NATO states said in a joint declaration issued after emergency talks in Brussels.

The statement did not explicitly refer to a U.S. demand to suspend contacts within the six-year-old NATO-Russia Council (NRC), but NATO Secretary-General Jaap de Hoop Scheffer said it was clear such contacts could not take place at present.

“As long as Russian forces are basically occupying a large part of Georgia I cannot see a NATO-Russia Council convening at whatever level,” he told a news conference.

Read more ….

More News On Nato And Russian Relations

NATO: Russia not honoring cease-fire terms — CNN
Analysis: NATO grapples with the angry bear — CNN
NATO: Cooperation with Russia depends on troop pullout — USA Today
NATO pulls its punches on penalty against Russia — Yahoo News/AP
Russia hits back at Nato warning — BBC
Nato offers scant comfort for Georgia over conflict with Russia — Telegraph

Nota: As tropas Russas já deveriam ter saído da Geórgia, na semana passada. Mesmo tenso em conta as possíveis razões para esta demora da saída das tropas Russas, julgo que é desnecessário esta demonstração de força exagerada que terá consequências nas suas relações com a Europa e com a Nato.

Mr. Putin, está a comportar-se como o Bush e seus aliados. Não havia necessidade de mostrar que quem manda é o senhor nem de prolongar tanto a estadia das tropas Russas.

Já é tempo de ajudar as populações a restabelecer as suas vidas, da ajuda humanitária às pessoas que nada têm a ver com esta Guerra nem com as demonstrações de ambição e poder de ambas as partes do conflito.


Deixe o seu comentário

Moscow fears Georgian provocations as Russian forces withdraw. Mikhail o Mentiroso

Russian military forces are returning to their starting positions in the Georgian-South Ossetian conflict zone – despite Russian military concerns over provocations from the Georgian side. The withdrawal is part of a six-point plan drawn-up by Russia and France and follows a weekend conversation between President Dmitry Medvedev and French leader Nicolas Sarkozy.

Meanwhile, the Deputy Chief of the Russian General Staff, Anatoly Nogovitsyn, has said Georgian units are attempting to increase their combat readiness and have intensified ‘subversive’ operations against Russian servicemen.

In Russia Today

GORI, Georgia – Russian tanks and troops roamed freely around Gori on Monday and made forays toward the Georgian capital, keeping control of the highway that slices through Georgia’s midsection despite Russia’s announcement that a withdrawal had begun.

The movements of Russian forces around the key city of Gori raised questions about whether Russia was fulfilling its side of the cease-fire intended to end the short but intense fighting that reignited Cold War tensions.

The deputy chief of the Russian general staff, Col.-Gen. Anatoly Nogovitsyn, told a briefing in that “today, according to the peace plan, the withdrawal of Russian peacekeepers and reinforcements has begun” and said forces were leaving Gori.

But Russian military vehicles roared along roads in and around Gori on Monday and Russian troops were restricting access to the city, where shops were shut and people milled around on the central square with its statue of the Soviet dictator and native son Josef Stalin.

“The city is a cold place now. People are fearful,” said Nona Khizanishvili, 44, who fled Gori a week ago for an outlying village and returned Monday, trying to reach her son in Tbilisi.

Yahoo! News

Krajina, Not Kosovo

Ossetia as botched Balkans replay

by Nebojsa Malic

Six days ago, as most of the world was watching the opening ceremonies of the Olympics in Beijing, Georgian troops attacked the self-proclaimed Republic of South Ossetia. Russia quickly intervened, ousting Georgian forces from the region and attacking Georgian military bases. Despite the training and weapons supplied by the U.S. and Israel, the Georgian military quickly collapsed. President Mikheil Saakashvili, installed in power in 2003 by a CIA-sponsored “Rose Revolution,” pleaded for help from his patrons, painting himself and his country as victims of “Russian aggression.” Aside from empty words of encouragement and hypocritical condemnation of Russian “excessive force,” the Empire had no help to give.

Nota: Independentemente do facto da Rússia ainda não ter totalmente desocupado a Geórgia, gostaria de perguntar – e sem querer fazer comparações- a quem já não se lembra ou se esqueceu, quando é que as forças dos USA, DA União Europeia incluindo Portugal e de outros Países desocupam o Afeganistão e o IRAQUE?!

Não acham que já era tempo? Ou não conseguiram os objectivos a que se propunham?  Encontraram as famosas armas de destruição massiva? Ou o objectivo principal era controlar e obter para a Oligarquia os campos petrolíferos, e a partir do Iraque atacar o Irão?

Nova Ordem Mundial: Um Governo Mundial, Um estado Mundial, Uma única Lei, Mundial, um único exército. e o restante da população mundial: Escravos.


5 Comentários

Chegará a vez deles

No conflito que opõe a Geórgia à Rússia as explicações não parecem ser tão lineares quanto a comunicação social portuguesa nos propõe. Apesar de todo o cuidado posto nas frases, Carlos Santos Pereira foi, até agora, o único comentador que esclareceu a natureza da pendência.

Map of region

Vou tentar resumir: desde 1990 que as Nações Unidas tutelam a Ossetia do Sul, e, desde 2003, os Estados Unidos têm um peão no presidente da Geórgia, Mikheil Saakachvili, o que permite a constituição de uma espécie de tenaz proliferante, com pontos “amigáveis” na Ucrânia, e a ameaça de instalação, pelos americanos, do sistema antimísseis, na República Checa e na Polónia.

Como retaliação, os russos anunciam apontar os seus mísseis à Ucrânia e à Polónia. Junte-se-lhe a questão dos combustíveis e adivinhar-se-á a crispação internacional, colocada ante uma outra face de uma outra Guerra Fria.

No “Diário de Notícias”, Santos Pereira esclarece, citando George Friedman, director do Observatório de Análise Geopolítica: “Pela primeira vez desde o colapso da União Soviética, os russos lançaram uma acção militar decidida, e impuseram uma situação militar.

Fizeram-no de forma unilateral, e os países que olhavam para o Ocidente, para intimidar a Rússia, vêem-se agora obrigados a ter em conta o que aconteceu.”

Tudo leva a crer que a exibição de força russa conduzirá a um recuo dos Estados Unidos.

Este é o eixo do problema. Sabe-se que, tanto na Ucrânia como na Geórgia, a intervenção dos americanos não se limitou ao envio de centenas de “assessores” militares: o investimento, naqueles países, de milhões e milhões de dólares não são demonstrações de compaixão nem expressões de solidariedade.

Seja quem for o próximo presidente, o legado deixado por Bush revela-se um bico-de-obra de difícil solução. E adiante-se que nenhum dos dois intervenientes está disposto à humilhação de uma derrota desacreditante. Por outro lado, a política externa francesa já exprimiu a gravidade do caso, ao mesmo tempo que inflecte para o lado da razão russa. Fê-lo com o melindre que o assunto envolve. Mas fê-lo.

Há uma extraordinária superficialidade no tratamento destas crises, por parte dos jornais, das rádios e das televisões portuguesas. A grande rábula da designada “visão ocidental dos acontecimentos” encobre ignorância, leviandade e cumplicidade.

A autêntica “visão” será a da procura da “verdade”, o que quer que esta palavra hoje signifique. De facto, em todos os conflitos não existe uma razão unilateral. As responsabilidades cabem a muitas partes, inclusive aquelas que não aparecem à luz do dia. E não há “distanciação” possível quando a beligerância, nascida sempre de manobras políticas, atinge níveis como os registados nesta guerra.

Raras vezes a Imprensa (não só a portuguesa, mas sobretudo a portuguesa) foi ao fundo das questões. E o anticomunismo ainda se não desvaneceu do espírito da esmagadora maioria dos “comentadores”, como se não houvesse outros e novos e surpreendentes temas e teses a merecer a sua atenção. O preconceito obnubila qualquer sentido crítico, por mais ténue que ele seja. Eles falam e escrevem como se o comunismo não tivesse acabado. Ou não acabou? Ou como se a Rússia estivesse a desenvolver potencialmente uma espécie de niilismo, resultante da nostalgia comunista. Tudo isto é ridículo.

A perspectiva na qual se colocam os “colunistas” permite que os consideremos ou ineptos, ou preguiçosos, ou ignorantes. Ou isso tudo, com canalhice à mistura.

Estamos a assistir a acontecimentos de conclusões imprevisíveis. A liberdade tem sido espezinhada em nome de uma paz falaciosa. Pouco sabemos, com rigor, das grandes transformações por que passa parte substancial da América Latina, e das dificuldades tremendas com que se deparam os governos não submissos ao “diktat” dos EUA.

A nossa comunicação social, neste como em numerosos e vários casos, emudece, ou faz pender a balança da informação e da análise para um só lado. Não é só um erro profissional: é uma estrebaria moral, um ultraje deontológico e uma perfídia abjecta.

O descrédito que tombou sobre a nossa Imprensa, a quebra avassaladora das tiragens, deve-se, grandemente, à perda dessa unidade fundamental entre o jornal e o leitor.

Muitos portugueses lêem e falam francês, inglês e alemão.

É absurdo ignorar esta vertente do conhecimento. Encontram na Imprensa estrangeira o que nem por sombras é publicado na de cá. Haverá “felicidades diferentes”, como reconhecia Camus.

Porém, verdades impostas pela multiplicação de manipulações, de omissões e de enganos, são difíceis de manter por tempo excessivo. Entre a separação e a comunhão, o leitor avisado tem escolhido a primeira.

A semelhança entre os jornais, a ausência de causas, a uniformidade do estilo, a “distanciação”, a morte da paixão em favor da gelidez da prosa, o mesmo registo filosófico e análogas “linhas” editoriais afugentaram milhares e milhares de leitores. Ancilosados na superstição de que aquilo que escrevem faz opinião, muitos directores de jornais (e lembro-me, neste momento, de alguns, por igual desprezíveis) não entendem que, mais cedo ou mais tarde, os seus “serviços” serão dispensados.

Chegará a vez deles. Para parafrasear um famoso editorial do “Jornal Novo”.

Baptista Bastos In Jornal de Negócios


1 Comentário

Darth Cheney, o arquitecto das Guerras

Cessar-fogo não estabelece limite de tempo ao contingente russo na Geórgia

In Público

Como o propagandista  Nazi, Joseph Goebbels, disse, é fácil iludir uma pessoa. Você apenas diz-lhes que foram atacados e acenam a bandeira.

Trabalhou certamente para os americanos.

Darth Cheney

A Culpabilidade e a indiferença dos povos americanos fizeram muitas vítimas. Há 1.25 milhões de Iraquianos mortos. Há 4 milhões de Iraquianos deslocados. Ninguém sabe quantos são os mutilados e órfãos.

O Iraque está em ruínas, a sua infra-estrutura destruída por bombas americanas, por mísseis, e pelo armamento aéreo.

Nós não sabemos o rol de morte no Afeganistão, mas mesmo os protestos do regime fantoche pró americano ,as matanças repetidas das mulheres e das crianças por tropas dos E.U. e da OTAN.

Nós não sabemos qual o rol de morte que seria no Irão se Darth Cheney e os neoconservadores com Israel obtiverem sucesso em bombardear o Irão, talvez com armas nucleares.

O que nós sabemos são que todos estes assassinatos e destruição não têm nenhuma justificação e são péssimos. É o trabalho de um homem mau que não têm nenhum dilema sobre a mentira e a ilusão a fim matar povos inocentes para conseguir a sua agenda não-declarada.

O sucesso da propaganda dos neoconservadores foi tão grande que o partido de oposição não levantou um dedo para controlar as acções criminosas do regime de Bush. Mesmo Obama, que promete a “mudança” é constrangido em demasiado pelo sucesso dos neoconservadores na lavagem cerebral feita à população americana para fazer o que seus apoiantes  esperavam que os conduzi-se para fora desta vergonha em que o regime neoconservador de Bush os encarcerou.


Isto resume aproximadamente o estado pessimista que existe no povo americano antes da luz verde dada por Bush para que o regime fantoche na Geórgia fizesse uma limpeza étnica na Ossétia do Sul a fim desactivar o movimento separatista. Os meios de comunicação social americanos, aka, o ministério das mentiras e engano, outra vez encobriram o regime criminoso de Bush e protestaram contra “a invasão russa” como encobrimento à limpeza étnica dos russos na Ossetia do sul pelo assalto militar Georgiano.


Somente desta vez, o mundo não comprou a história. Muitos anos de mentiras-9/11, armas iraquianas de destruição maciça, al Quaeda e suas conexões, yellowcake, ataque do antraz, armas nucleares iranianas, “os Estados Unidos não torturam,” os bombardeamentos de casamentos, funerais, e os jogos de futebol das crianças, Abu Ghraib, capitulações, Guantanamo, várias teorias fabricadas sobre terroristas , o assalto determinado às liberdades civis- fizeram o seu papel na descredibilidade americana. Ninguém fora da América acredita por muito mais tempo nos média dos E.U. ou no governo dos E.U.

O mundo relatou os factos – a invasão contra civis russos pelos americanos e israelitas que treinaram e equiparam as tropas Georgianas.

In InforWars


Deixe o seu comentário

O Tiro saiu pela Culatra…Demita-se Mikhail Saakachvili

O Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, assinou hoje o plano preparado com a França para um cessar-fogo na Geórgia, anunciou o Kremlin.

O acordo de cessar-fogo foi assinado ontem em Tbilissi pelo presidente da Geórgia, Mikhail Saakachvili, e enviado hoje por fax para a Rússia pela diplomacia americana, anunciaram hoje os russo, que disseram também que o documento “é idêntico ao já anteriormente assinado pelos presidentes da Abecásia e da Ossétia do Sul”, os dois territórios separatistas da Geórgia.

O acordo, negociado pela França (que preside à União Europeia), tinha sido “clarificado” ontem junto dos georgianos pela secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice.

O documento não foi ainda tornado público, mas autoriza no entanto a Rússia a tomar “medidas suplementares de segurança” em redor da Ossétia do Sul, cujo alcance não é ainda conhecido.

Nota: O Acordo inicial sobre a integridade da Geórgia foi modificado após reunião com o Presidente Francês, SarkozY, tendo a “garantia da integridade territorial da Geórgia”, que estava na primeira redacção do Plano Sarkozy, proposto em nome da União Europeia, foi substituído por um ponto que prevê “a abertura de discussões internacionais sobre o futuro estatuto e as modalidades de segurança duradoura na Abkházia e na Ossétia do Sul”, os dois territórios separatistas pró-russos da Geórgia.

Isto significa que os Russos conseguiram o que pretendiam e  Mikhail Saakachvili ficou a abanar os braços e teve de aceitar o acordo. Significa também que o plano inicialmente traçado com os USA para a ocupação e limpeza étnica da Ossétia do Sul e Abecássia ,fracassou.

De Salientar uma reportagem censurada pela Fox News sobre uma adolescente Americana que agradece aos Russos por a ter em salvo dos ataques georgianos. A Famosa Liberdade de expressão Ocidental que critica os países chamados totalitários,  só passa o que lhes apetece da agenda de controle mundial por parte dos USA, Um exército, um governo, uma lei, a opressão dos Estados e das populações:

Entretanto George Friedman liga a invasão georgiana ao plano de misseis  Americano:

Para Políticos que honram a verdade, a dignidade e o bem estar do seu povo, Mikhail Saakachvili só teria uma saída , a sua demissão, pois pôs em causa a vida dos georgianos e de outras comunidades que não queriam fazer parte da Geórgia.

In Público


Deixe o seu comentário

São uns Morcões

Palhaços da hipocrisia

Palhaço de guerra

Não estamos em 1968. A Rússia não pode fazer o que quiser, invadir um país e sair impune“, declarou a secretária de Estado dos Estados Unidos, Condoleezza Rice. “As diferenças da Ossétia do Sul com a Geórgia poderiam ter sido resolvidos com muita calma, por meio negociações. Ao ampliar o conflito, a Rússia colocou em perigo as vidas dos civis na Ossétia e na Geórgia“, acrescentou Rice.

AhAhAhAh. Não fossem tão tristes as mortes e a miséria que a guerra cria as declarações desta cadela raivosa até davam vontade de rir. Então um país que ataca e invade outros contra a opinião das Nações Unidas, quem viola todas leis internacionais, simplesmente para roubar petróleo, vem agora armar-se moralista. Vem depois falar de que o tudo podia ter sido resolvido em negociações e que a intervenção Russa é que colocou em perigo as vidas dos civis da Ossétia, como se quem disparou os primeiros tiros e quem iniciou a guerra não tivesse sido a Geórgia. Maior hipocrisia não pode haver. Estes F. da P. do Bush e a cabra da Rice bem mereciam que lhes caísse uma bigorna nos cornos.

PS: Como disse num post anterior nada justifica a morte de cidadãos inocentes. Não defendo o assassino do Putin nem o novo regime capitalista da Rússia que, como os Americanos, também tenta estender a sua hegemonia na zona. Agora querer colocar as culpas deste conflito só nas suas costas é no mínimo patético.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17


2 Comentários

Der deutsche Staat ist souverän?O Estado Alemão é Soberano?

Merkel critica resposta desproporcionada da Rússia; Medvedev responsabiliza Geórgia

In Público

David Brockschmidt – O estado alemão é soberano?

Contrato Secreto

Pela lei internacional, um país é soberano se tem o poder de tomar decisões internas e externas sem a interferência de outro país e sem sofrer pressões políticas de qualquer grupo interno ou externo.A questão que coloco ao governo alemão e à Chanceler Angela Merkel é: É a República Federal Alemã hoje um estado completamente soberano segundo a sua própria lei e a lei internacional? Sim ou não?Se a resposta é não, então explique, por favor, quais são as restrições internas ou externas impostas aos alemães. Se a resposta é sim, então explique a razão por que as questões que apresento em seguida não afectam a soberania alemã.

  1. A Alemanha não possui um Tratado de Paz com os países com os quais se esteve envolvido na Segunda Guerra Mundial. Foram 64 países, incluindo as quatro principais potências vencedoras: Estados Unidos da América (EUA), Reino Unido (RU), União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e França.
  2. A cláusula que considera a Alemanha e o Japão como inimigos continua em vigor na Carta das Nações Unidas e pode ser accionada em qualquer momento, se necessário, pela força militar.
  3. O governo actual afirma aos cidadãos e à comunidade internacional que as suas fronteiras actuais constituem a totalidade do território alemão. A decisão do Tribunal Constitucional alemão de 1973 afirma o contrário. O juízo refere claramente que o Reich Alemão ainda existe de jure dentro das fronteiras de 1937. Se olharmos para uma carta geográfica de 1937 e a compararmos com a actual, vemos claramente que há territórios alemães a Este que são hoje parte da Polónia e da Rússia. Estes territórios, de acordo com as decisões dos tratados das potências aliadas vitoriosas sobre a Alemanha nas conferências Teerão, Yalta e Postdam apenas deveriam permanecer sob administração polaca ou russa até que um tratado de paz fosse assinado com a Alemanha. Isto não aconteceu. Como é isto possível então que o governo alemão após a Segunda Guerra Mundial tenha entregue de jure estes territórios à Rússia e à Polónia, que os administram de facto? Faz isto algum sentido?
  4. Após a reunificação da Alemanha Ocidental com a Alemanha Oriental foi dito aos cidadãos alemães e à comunidade internacional que, conforme o Acordo dos 2 mais as 4 potências vitoriosas, que estas abdicavam dos direitos e das responsabilidades sobre as quatro zonas de ocupação no território alemão e respectivos sectores na Grande Berlim. Isto não foi feito!

    As quatro potências terminaram as actividades em território alemão, porém não abdicaram dos seus direitos.O documento oficialmente publicado do acordo dos 2+4 é muito claro a este respeito. O facto, porém, é que a maior parte dos direitos de ocupação dos aliados – EUA, RU e a França – sobre a Alemanha foram transferidos ou incorporados no assim chamado Estatuto das Tropas da NATO. Foi assim declarado forçosamente que os direitos dos Aliados da Guerra e do pós-Guerra sobre a derrotada Alemanha se mantinham e não foram abolidos.
  5. Os quatro pontos anteriores culminam com o dossier Kanzlerakte da Chancelaria. O governo da Alemanha Ocidental sob o Chanceler Konrad Adenauer, perante os altos comissários de três potências das forças acupantes, o EUA, o RU e a França, estabeleceram um tratado secreto datado de 21 de Maio de 1949, que foi assinado em 23 de Maio de 1949 pelo Chanceler Konrad Adenauer, o Presidente do Parlamento Alemão, Adolf Schönfeller e o vice-Presidente do Parlamento Alemão, Herman Schäfer. O ponto principal deste acordo secreto é o chamado Veto Aliado, que surge como consequência da cláusula de inimigo atribuida pela Carta das Nações Unidas à Alemanha e ao Japão. Lá está dito:
    1. Que a imprensa alemã será controlada pelas potências ocupantes até 2099.
    2. Que as reservas de ouro da Alemanha são confiscadas como compensação.
    3. Que o assim designado Veto Aliado respeitante à derrotada Alemanha incluia qualquer decisão interna ou externa do Governo Alemão só se tornando efectivo mediante o consenso dos três altos comissários militares ocidentais.
  6. O Major General Gerd Helmut Komossa, chefe do serviço de espionagem militar – Militarischer Abschirm Dienst (MAD) – desde 1977 até 1980 confirma este acordo top secret entre o Governo Alemão sob o Chanceler Adenauer e os aliados ocidentais no seu livro: Die Deutsche Karte – a Carta Alemã, Graz, 2007, ISBN: 978-3-902475-34-3, a páginas 21. Segundo o Major General Komossa, cada novo Chanceler Alemão fica obrigado a assinar o acordo secreto, o chamado Kanzlerakte, antes de tomar posse como Chanceler perante o Parlamento Alemão.

Permitam-me ainda os leitores recordar que as antigas zonas de ocupação pelas potências ocidentais estão hoje sob ocupação de forças militares dos EUA, RU, França, Canadá, Bélgica e Holanda. Esta persistência da ocupação da Alemanha pelos países mencionados é justificada e legalizada no quadro do Estatuto das Tropas da NATO que integra quase todos os direitos de ocupação das potências vencedoras sobre a Alemanha. As instalações militares dos aliados na Alemanha e, certamente na Europa Ocidental e no Japão são extra-territoriais, tais como as embaixadas estrangeiras. As leis e regulamentos locais não se aplicam dentro destas circunscrições militares.Por favor, Senhora Chanceler da República Federal Alemã, Dr Angela Merkel, foi obrigada ou não a assinar o dossier do Chanceler – Kanlerakte e/ou qualquer outro documento cedendo a qualquer potência estrangeira o direito de limitar as liberdades do seu povo ou a soberania da República Federal da Alemanha?A ironia é que uma única potência vitoriosa, a Rússia – ex-URSS, abandonou permanentemente a zona de ocupação na Alemanha e o sector ocupacional na Grande Berlim!

Infelizmente, a ‘soberana’ República Federal Alemã não pode dar às restantes forças ocupantes ocidentais as respectivas guias de marcha. Isto iria contra os direitos dos aliados estabelecidos pelos acordos feitos entre três deles – Churchill, Roosevelt e Stalin – nas conferências de Teerão, Yalta e Postdam.

Em resumo: eu quereria estar de acordo com o ex-embaixador dos EUA na Alemanha, Kornblum, que informou enfaticamente as autoridades alemãs: “Vocês não são soberanos!” Esta declaração nunca foi repudiada ou questionada por qualquer governante alemão.

Assim, Senhora Chanceler, explique por favor! Eu pergunto:“O estado alemão soberano existe?”

NB:

  1. Nem todos os documentos do Acordo dos 2+4 entre os dois antigos estados alemães e os quatro aliados foram tornados públicos, e alguns estão classificados como secretos por muitos mais anos
  2. Relativamente ao livro do Major General Gerd-Helmut Kossoma, publicado no ano passado, pergunto-me a mim próprio porque razão não terá havido um protesto ou pelo menos uma questão sobre o Kanzlerakte na imprensa alemã? Sertá que os alemães vivem num permanente estado de negação da sua própria história?
David Brockschmidt, The ‘Sovereign’ Federal Republic of Germany
publicado por Adelaide Institute em Maio de 2008


Grato ao raivaescondida pela pista.

António Chaves Ferrão em Ferrão


Deixe o seu comentário

O Assassino anda à solta?

Saakashvili may be put on trial in Russia, say prosecutors

Russian investigators have launched a criminal case on charges of genocide in connection with the events in South Ossetia. Russia’s Interfax news agency reports that the Russian General Prosecutor’s Office has said Georgian President Mikhail Saakashvili may also be put on trial.

Na BBC:

The Bush administration appears to be trying to turn a failed military operation by Georgia into a successful diplomatic operation against Russia.

Saakashvili critica silêncio do Ocidente face às provocações de Moscovo


Georgian President Mikhail Saakashvili in Tbilisi on 13 August 2008

Espantoso como a Comunicação Social funciona. O Coitadinho do Mikhaeil culpado pela Guerra e por Crimes com o Apoio de Bush está Santificado…A Nova Ordem Mundial, que tem o controle sobre a comunicação social e que tem estado a tentar controlar a Internet, vai transformar como milagre a água em Vinho, ou, uma Derrota em Vitória. Gráças às suas amizades com Bush, Skull and Bones, Illuminati e Clube de Bilderberg, este Mikhail, vai aparecer como vencedor de uma Guerra que não ganhou, cuja preocupação não foi ajudar os desalojados e os feridos e famílias vítimas desta guerra, mas sim, aparecer com o seu fluente Inglês a falar e dar entrevistas para a CNN, FOX E BBC entre muitas do Clube de Bilderberg, vestindo a pele de cordeiro imolado…Este “homem” ou melhor morcão tem de ser Santificado pelo Santo Bush e Nossa Senhora Condoleezza.

Kremlin failed by keeping western journalists away?

Gori foi Bombardeada , nomeadamente a Praça. segundo Mikhail. Vejam como está e ouçam o Mikhail a falar sobre o assunto. Este tem de ser julgado.

In Público


5 Comentários

Estaremos à beira de uma Guerra Núclear?

Ministro dos Negócios Estrangeiros russo Lavrov desvaloriza mais relatórios de avanço russo como “um truque de  propaganda “

Paul Joseph Watson Joseph Paul Watson
Prison Planet Prison Planet
Thursday, August 14, 2008 Quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Na segunda-feira à noite presidente georgiano Mikhail Saakashvili  alegou falsamente que a Rússia tinha lançado uma escalada de ataques para invadir a Geórgia  e  “cortar-la ao meio”, no qual pediu observadores numa tentativa de agitar os E.U. e da Europa em oferecer apoio militar imediata.  Saakashvili  anunciou que  o porto de Poti seria colocado sob o controlo dos militares E.U. , um pedido prontamente negado pelo Pentágono.

Lavrov também advertiu Washington para escolher entre a cooperação com a Rússia ou prosseguir o seu “projecto virtual” com a Geórgia.  A Geórgia é um Estado cliente do  EUA / OTAN dirigido por um  Presidente fantoche instalado através de uma falsa  revolução que foi financiado pela ONG’s americanas e da CIA.

Economista Político e   geopolítico um dos autores mais vendidos, F. William Engdahl afirma que os  US arriscam entrar numa guerra nuclear contra a  Russia por causa dos acontecimentos na  Georgia e Ossétia do Sul, tendo o Presidente Bush  e Condoleezza Rice agravado a situação utilizaando a sua retórica alegadamente contra as violações  do cessar – fogo.


O Secretário de Estado ameaçou a Rússia sobre o seu isolamento internacional depois da resposta ao ataque sorrateiro georgiano à Ossétia do Sul, na semana passada, um assalto  que causou cerca de 2000 civis vidas.


O Presidente Bush também tem exigido à Rússia mudar a sua actuação e ameaçou com a suspensão da sua filiação no G8 e dos seus membros na OMC bloqueados.


Notícias  Ocidentais alegam que a Rússia continua a realizar manobras militares agressivas dentro da Geórgia, mas esses relatórios foram denunciados com firmeza pelos russos como propaganda.Ontem foi amplamente relatada alegações, que as forças russas foram atacar as forças da Geórgia na cidade de Gori e denunciado por  Tbilisi, como inexactas.


O Geopolítico, perito e autor do mais-vendido livro “Um Século de Guerra: Anglo-American Oil Política e da Nova Ordem Mundial”, F. William Engdahl hoje adverte que a crise poderia degenerar numa confrontação nuclear completa explodindo entre os E.U. e da Rússia .


“O que Washington está literalmente a jogar aqui é uma guerra, psicologicamente , militarmente e nuclear errada com os  russos , “, disse Engdahl, acrescentando que a Rússia tem claramente traçada uma linha na Geórgia no que se refere à tentativa de invadir a Ossétia do Sul .


“Rússia entrou em Geórgia essencialmente para entregar uma mensagem”, afirma Engdahl.  “Existem mais de 1000 E.U. forças especiais militares na Geórgia a fazer exercício, na formação de tropas, antes da Geórgia lançar o ataque à Ossétia a 8 agosto.  Há, pelo menos, 1000 tropas israelitas, em empresas de segurança privadas e conselheiros militares, incluindo assessores que estão actualizando a força aérea Georgiana numa instalação perto de Tbilisi.  Isso foi o que o  avião russo atingiu, e eles tornaram,  o ataque militar à Ossétia do Sul militarmente impossível, fazendo incursões pelo interior do território georgiano antes de apelar a um cessar . “


Engdahl afirma que o conflito resume-se ao facto de que há uma nova guerra fria devido ao petróleo da região da Ásia Central, com as empresas petrolíferas E.U. terem aberto o gasoduto BTC  que atravessa o Azerbaijão e a Geórgia e leva petróleo do mar Cáspio para o oeste , que marginalizaria o território russo.

Público


1 Comentário

Mikheil Saakashvili agita a bandeira da ocupação esquecendo-se do seu povo sem rumo

Saakashvili forgets about his people in media fever

Saakashvili forgets about his people in media fever

Over the last few days Georgia’s President Mikhail Saakashvili has thrown much of his effort into convincing the wider world that Georgia was the victim, not the instigator, of the military conflict in South Ossetia. But it seems the president has taken his eye off what’s going on at home – a place where some of his own people now have nowhere to go.

On the international stage, Mikhail Saakashvili is still showing his face – flanked by Eastern European leaders, it’s all image and bravado. The Georgian president says Russia is still the Soviet Union and he is its unwilling victim.

He’s brought in a Belgium public relations firm to help build his image and keep foreign correspondents updated with e-mail alerts detailing the latest alleged Russian aggressions.

Refugee camps are the post war reality of Saakashvili policy. New refugees are bussed in by the hour.

Most people blame Saakashvili for starting the war but now when it’s over he’s nowhere around to help them rebuild their lives.

“Saakashvili is responsible. Who are we? Are we animals or people? I have no house because of him. My daughter’s pregnant and I don’t know where she is. I have nothing. Saakashvili is responsible for this. We’re here because of him. And where are the georgian journalists to tell about this?” refugee Victoria Ivanadze said.

Both rich and poor have suffered from the outbreak of conflict in South Ossetia.

“Foreign investment has completely stopped. They say they’ll come back, but it will be slow. It will take at least one year for us to build up to the level we were before the fighting. Our biggest problem is to bring back the trust of western partners – to convince them to trust the Georgian economy. I have nineteen factories and most of them are closed. I’ve lost millions of dollars,” businessman Merab Kupunia said.

Meanwhile, all taxi drivers in Tbilisi says the same thing: “Saakashvili thinks too much about himself and not enough about his people”.

LEYA Público

Comentário:

Mikheil Saakashvilli, está mais interessado na contra informação , em acusar os Russos de não quererem sair, em mostrar que é lider de um País que atacou a Ossétia do Sul, ladeado por lider de alguns Países, como tendo ganho a Guerra, esquecendo-se totalmente da população, que foi aquela que o elegeu, que foi a principal vítima das suas decisões, do que em resolver o problema humanitário dos Geórgianos.