Catarse

Toda a alma é imortal, porque aquilo que se move a si mesmo é imortal.


Deixe o seu comentário

Gripe A, Iraque e outros “flops”

Gripe A, Iraque e outros "flops"

00h00m

…E, então, as trombetas da OMS anunciaram ao Mundo o advento de um novo Apocalipse, de seu nome gripe H1N1. Uma histeria colectiva percorreu o Globo. As previsões apontavam para milhões de infectados, grande parte dos quais condenados à morte.

Como no auge da guerra fria, fizeram-se listas dos “indispensáveis”, os quais, em vez de se refugiarem nos abrigos antiatómicos, tomariam a vacina imunizadora. Gente imprescindível (funcionários dos partidos políticos, por exemplo…) foi informada de que estaria na primeira linha para a recepção da vacina.

Os profissionais de Saúde, naturalmente, contavam–se entre os eleitos. Todavia, e infelizmente (já se verá para quem…), grande parte da classe recusou a benesse, argumentando que a gripe A não mataria mais do que a gripe sazonal. Em poucos meses, acabou-se o pânico – e hoje já quase ninguém fala na pandemia. Foi um “flop” positivo!

Mas, entretanto, os laboratórios farmacêuticos tinham posto as linhas de produção a trabalhar em pleno, a vacina não chegava para as encomendas, as acções dessas companhias subiam em flecha, os cofres estavam a abarrotar. E, agora, acaba-se nisto: a própria OMS vai pedir uma auditoria à gestão da gripe, pois há suspeitas de que os riscos da pandemia foram empolados, sob pressão dos laboratórios.

E, não sei porquê, ocorre-me outro “flop” – só que esse negativo. Falo da invasão do Iraque, decretada pela tríade Bush-Blair-Aznar, sob pretexto de que os seus arsenais estavam repletos de armas de destruição massiva. Não era verdade – só que, entretanto, alguém enchera os bolsos graças à ameaça de algo que não existia. Com a gripe A, suspeita a própria OMS, estará a passar-se coisa idêntica…

in J.N.


1 Comentário

A Falsa Pandemia: empresas farmacêuticas lucraram com o pânico da gripe suína, afirma o chefe da Agência de Saúde Europeia

O surto de gripe suína era uma “falsa pandemia” movida por empresas de medicamentos que fizeram bilhões de libras através do pânico em todo o mundo, alegou um importante especialista europeu em saúde.

Wolfgang Wodarg, chefe de saúde do Conselho da Europa, acusou os fabricantes de medicamentos e vacinas da gripe de influenciar a decisão da Organização Mundial de Saúde de declarar uma pandemia.

Isto levou a que as empresas farmacêuticas assegurassem “enormes lucros”, enquanto os países, incluindo o Reino Unido, “desperdiçaram” seus parcos orçamentos da saúde com milhões que estão sendo vacinados contra uma doença relativamente branda.

A resolução proposta pelo Dr. Wodarg pedindo uma investigação sobre o papel das empresas de droga foi aprovada pelo Conselho da Europa, o “senado” baseado em Estrasburgo que é responsável pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Um debate de urgência sobre a questão será realizado ainda este mês.
As afirmações do Dr. Wodarg emergem no mesmo momento em que o governo britânico está tentando desesperadamente se livrar de 1 bilhão de libras em vacina da gripe suína, encomendadas na época do pânico.

O Departamento de Saúde britânico alertou que poderia haver até 65.000 mortes por causa da gripe suína, criou uma linha telefónica e site especial para aconselhamento, suspendeu as regras normais para drogas anti-gripe para que pudessem ser dadas sem receita médica e aconselhou às autoridades locais para se prepararem para uma pandemia grave.

Planeadores foram orientados a prepararem os necrotérios para uma grande número de mortes e houve alertas de que o Exército poderia ser chamado para evitar tumultos enquanto a população lutasse para obter drogas.

Mas com menos de 5.000 pessoas na Inglaterra contraindo a doença até a semana passada e apenas 251 mortes no total, Dr. Wodarg definiu o surto do H1N1 como “um dos maiores escândalos médicos do século”.

Ele afirmou: “O que tivemos foi uma gripe leve – e uma falsa pandemia.”

Ele acrescentou que as sementes do pânico foram semeadas cinco anos atrás, quando se temia que o vírus mais letal da gripe aviária poderia se transformar em uma forma humana.

O “clima de pânico” levou os governos a estocar o remédio anti-gripe Tamiflu e criando “contratos adormecido” para milhões de doses de vacina.
Dr Wodarg afirmou: “Os governos fecharam contratos com produtores de vacinas onde assegurariam as encomendas com antecedência e tomariam para si quase toda a responsabilidade.
“Desta forma, os produtores de vacinas teriam a certeza de enormes lucros sem qualquer risco financeiro.
‘Então, eles só esperariam até que a OMS declarasse a “pandemia” e activassem os contratos. ”
Ele também afirma que para continuar a avançar os seus interesses, as principais fabricantes de medicamentos colocaram ’seu pessoal’ nas “engrenagens” da OMS e outras organizações influentes.

Ele acrescentou que sua influência poderia ter conduzido a OMS a suavizar a sua definição de pandemia – levando à declaração de um surto mundial em Junho passado.

Dr Wodarg disse: “A fim de promover os seus medicamentos patenteados e de vacinas contra a gripe, as empresas farmacêuticas influenciaram os cientistas e os órgãos oficiais, responsáveis pelas normas de saúde pública, para alardear os governos pelo mundo inteiro.

“Eles nos fizeram esbanjar parcos recursos de saúde para estratégias de vacina ineficientes e que milhões de pessoas saudáveis fossem expostas desnecessariamente ao risco dos efeitos colaterais desconhecidos de vacinas insuficientemente testadas.

Ele não dá os nomes de ingleses com os conflitos de interesse.

Mas no ano passado, o Daily Mail revelou que Sir Roy Anderson, um cientista que aconselha o Governo sobre a gripe suína, também possui um salário de 116.000 libras por ano no conselho da GlaxoSmithKline (GSK).
A GSK produz drogas e vacinas anti-gripe e deve ser uma das maiores beneficiárias da pandemia.O Departamento de Saúde britânico afirmou que embora a doença pareça estar em declínio, não descarta uma terceira onda, e insiste que todos as pessoas que podem receber a vacina que o façam.

P professor David Salisbury, chefe de imunização do governo britânico, disse que não havia “nenhuma razão” para as alegações do Dr Wodarg, dizendo que as pessoas com conflitos de interesse foram mantidos fora do processo decisório.

Um porta-voz da GSK declarou: “Alegações de influência indevida são equivocadas e infundadas. A OMS declarou que o vírus H1N1 preenchiam os critérios para uma pandemia. Como a OMS afirmou, regulamentos legais e inúmeras salvaguardas existem para evitar eventuais conflitos de interesse. ”

A empresa, que ainda emprega Sir Roy, disse que ele tinha declarado os seus interesses comerciais e não tinha qualquer participação em reuniões relacionadas com a compra de drogas ou vacina para o Governo ou GSK.

Fontes:

Daily Mail: The ‘false’ pandemic: Drug firms cashed in on scare over swine flu, claims Euro health chief

In    Fim dos tempos


Deixe o seu comentário

64 pessoas morreram no Japão depois de terem sido vacinados contra gripe dos porcos.

Um total de 64 pessoas  morreram no Japão até ao mês de dezembro, entre  8o pessoas  após terem recebido o “tiro” da vacina dos suínos, de acordo com um relatório no jornal Mainichi. Um menino  morreu imediatamente depois de receber a vacina. Um outro homem foi encontrado inoperante na sua casa  quatro dias depois de ter recebido a vacina  dos suínos. Queixou-se do  estômago e vomitou  e morreu mais tarde em repouso junto dos seus familiares. O médico  indicou que sua morte não estêve ligada com a vacina H1N1  e que o efeito é  lateral , era somente um mal de estômago.

Tem havido muitos relatórios das mortes relacionadas a Tamiflu no Japão, incluindo  jovens que caemmortos nos seus  apartamentos após terem tomado Tamiflu, apresentando acções violentas , irracionais e alucinações.


Deixe o seu comentário

Lord Monckton: Global Warming big scientific fad

The United Nations Climate change conference has opened in the Danish capital Copenhagen. RT’s Laura Emmet has talked to one man who’ll be there – who’s also one of the most outspoken critics of global warming theory.


Deixe o seu comentário

New H1N1 Vaccines To Be Grown In Dog Cells, African Green Monkey Kidney Cells, Worm Viruses And Genetically Engineered E.Coli Bacteria

H1N1 Swine Flu Vaccines To Be Grown In Dog CellsNew H1N1 Vaccines To Be Grown In Dog CellsCurrent H1N1 swine flu vaccine production primarily relies on growing the H1N1 swine flu inside of chicken eggs. However, that process has proven to be too slow to please vaccine manufacturers, so new “cutting edge” processes are being developed to make the vaccine production process quicker and more efficient. According to the Washington Post, some of the bizarre new vaccine production methods being developed include using dog cells to grow the vaccine, using genetically engineered E.coli bacteria to grow the vaccine, and inserting genetically engineered flu genes into a worm virus, which then infects cells from caterpillar ovaries.  In addition, some manufacturers are considering going back to an old method that used African green monkey kidney cells to grow flu vaccines.

Does all of that sound far fetched?

After all, who would want to have a vaccine injected into their body that was grown inside someone’s pet dog?

But unfortunately this is not science fiction.

This is science fact.

A massive new vaccine factory in North Carolina opened on December 1st which will produce flu vaccines using dog cells instead of chicken eggs.  This facility was built with 487 million dollars in funding from the U.S. federal government.

Why does it seem like the U.S. government is always throwing hundreds of millions of dollars at really, really bad ideas?

Would any of you out there really be comfortable having a vaccine injected into you that was grown inside of dog cells?

But this is really happening.

The Washington Post also reported on other bizarre new vaccine production methods that are being developed by pharmaceutical companies…..

*VaxInnate of Cranbury, New Jersey has produced an experimental H1N1 swine flu vaccine using genetically engineered E.coli bacteria.

E.coli bacteria?

Does that actually sound like a good idea to anyone?

Does anyone in that company have even one shred of common sense?

*Protein Sciences of Meriden, Connecticut is seeking FDA approval to sell a vaccine produced by inserting genetically engineered flu genes into a worm virus, which then infects cells from caterpillar ovaries.

Yes, that definitely sounds safer and easier than growing the vaccine inside of chicken eggs.

Not.

*Baxter International was recently granted approval to sell an H1N1 swine flu vaccine in Europe that utilizes a decades-old line of African green monkey kidney cells.

But that is just for Europe right?

Wrong.

Baxter is also working on a version of that vaccine for the United States.

Why does Baxter always have to be right in the middle of these things?

Talk about a company that the government should investigate.

But the truth is that these new production methods would only make a really bad situation even worse.

You see, the things that vaccine manufacturers already admit are in these vaccines is enough to make your hair stand on end.

Respected natural health researcher Stephen Lendman has complied a list of ingredients commonly found in flu vaccines that may or may not be admitted to on the package inserts.    The following is an excerpt from Stephen Lendman’s excellent article entitled “Ineffectiveness and Dangers of Flu Shots”…..

****

Millions voluntarily take annual flu shots not knowing their harmful ingredients. With variations by producer, they contain numerous stabilizers, neutralizers, carrying agents, and preservatives, including:

– 25 micrograms of mercury (thimerosal), a known neurotoxin; one microgram is considered toxic; according to the NIH, “mercury and all of its compounds are toxic, exposure to excessive levels can permanently damage or fatally injure the brain and kidneys;” even “exposures to very small amounts” can also cause “allergic reactions, neurological damage and death;” it’s also linked to autism;

– aluminum hydroxide and phosphate, known to be linked to some neurodegenerative diseases, including Alzheimer’s disease; the Office of Occupational Safety and Health Administration (OSHA) reports x-ray evidence of pulmonary fibrosis among workers studied; it also reports that patients undergoing long-term kidney dialysis develop speech disorders, dementia, or convulsions;

– formaldehyde, a known carcinogen according to the National Cancer Institute; it’s also linked to upper respiratory tract problems and effects on lymphatic and hematopoietic systems (relating to human blood cells);

– gelatin, polysorbate 80 and resin – ingredients causing severe allergic reactions;

– ammonium sulfate, a suspected gastrointestinal, liver, and respiratory toxicant and neurotoxicant;

– sorbitol, a suspected gastrointestinal and liver toxicant;

– phenoxyethanol (antifreeze), a suspected developmental and reproductive toxicant;

– beta-propiolactone, a known carcinogen and suspected gastrointestinal, liver, respiratory, skin and sense organ toxicant;

– gentamycin, an antibiotic;

– triton X100, a strong detergent;

– animal tissues and fluids, including potentially contaminated horse blood, rabbit brain, dog kidney, monkey kidney, chick embryo, chicken egg, duck egg, pig blood, and porcine (pig) protein/tissue;

– calf and fetal bovine serum;

– macerated cancer cells;

– diploid cells from aborted fetal tissue

****

Do you really want these things injected into you and your family?

Mercury is the second most toxic substance known to mankind.

Is it really a great idea to be injecting it into the bloodstream of your children?

Have you ever wondered why autism is unknown among the Amish (who do not vaccinate their children), while in the rest of American society autism is absolutely exploding?

In fact, a new government study has found that 1 in every 91 U.S. children will be diagnosed at some point in their lives with autism.

That is something to think about.

One of the ingredients not even on Lendman’s list that is commonly found in vaccines is Polysorbate 80, which has been associated with infertility in female mice.

Do you really want to risk infertility just to feel a little safer from a mild disease like the H1N1 swine flu?

The truth is that an increasing number of medical doctors are speaking out about the dangers of these vaccines.  Will you listen to them?…..

In case you have missed it, the reality is that dozens upon dozens upon dozens of H1N1 swine flu side effect horror stories are already pouring in.  Large numbers of people are getting hurt by this vaccine.

If you have an H1N1 vaccine story to share, we encourage you to visit this brand new site and share what has happened to you.

It has been demonstrated that the more people are educated about what is in these vaccines, the less likely they are to take them.  People deserve to be able to make an informed decision about these shots, but unfortunately the mainstream media only presents one side of the argument.

If you are considering taking a vaccine, please think twice before you do so.  Educate before you vaccinate.  Don’t just blindly trust the world “health authorities” or the government officials who are in the pocket of the pharmaceutical industry.  Get informed and make your own decision.  There is too much at stake to let others do your thinking for you.


Deixe o seu comentário

Há uma máquina para matar o vírus H1N1?

Novos purificadores de ar adaptados ao vírus pandémico. Empresa diz que conseguem evitar que o H1N1 infecte humanos
Empresa quer vender aparelhos aos hospitais e clínicas portuguesas

Fotogaleria

Chama-se “Virus Washer”, assemelha-se a um aparelho de ar condicionado e chega ao mercado apresentando-se aos consumidores como o primeiro produto que evita o contágio pelo vírus da gripe A. A japonesa Sanyo já comercializava purificadores de partículas e, quando surgiu a epidemia, percebeu que havia um novo mercado a explorar. Adaptou-os ao H1N1 e prepara-se agora para lançar este mês um modelo de uso doméstico e outro de uso industrial, destinado a espaços de maior dimensão. O director-geral da divisão de ar portuguesa, José Rodeia, diz que a estratégia é fechar negócio com “escolas, hospitais, salas de espera de consultórios e todos os locais com concentração de pessoas”.

A empresa garante ter testado esta tecnologia com ensaios feitos em colaboração com universidades e institutos japoneses e diz que o “Virus Washer” torna 99% dos vírus inactivos face a uma exposição de dez minutos. A tecnologia baseia-se no uso de água electrolisada – a água da torneira com que se abastece o aparelho contém iões de cloreto e, quando electrolisada, gera dois tipos de oxigénio activo: ácido hipocloroso e radicais OH. Os nomes são complexos mas têm uma missão simples: destruir a proteína que reveste o vírus da gripe (esporos), evitando que ele contamine células do hospedeiro. Mantém-se no ar, mas torna-se inactivo.

O virologista Mário Cunha, do laboratório do IPO de Lisboa, afirma que o vírus da gripe se transmite de três formas: contacto directo entre pessoas, contacto com objectos contaminados e inalação de aerossóis. No caso das superfícies, apenas o uso de álcool consegue destruir o H1N1 e, para evitar a transmissão por via respiratória, há os equipamentos de purificação de ar. “Qualquer um destrói o sobretudo que envolve o vírus, que fica inactivo e perde a capacidade de infectar”, refere Mário Cunha. O especialista diz ainda que o ar tem, em média, 12000 partículas por cm3 e, no interior dos edifícios, pode estar 2 a 5 vezes mais contaminado. “Quando tossimos e espirramos somos capazes de produzir até um máximo de 20 000 gotículas.”

José Rodeia refere que o equipamento já está a ser comercializado nos EUA e pretende agora entrar no mercado europeu, tendo já sido apresentado em Espanha. Chegará a Portugal a 15 de Dezembro com um preço de 399 euros na versão doméstica e 3999 na versão industrial (com capacidade de purificar salas até 100 metros quadrados com grande concentrações de pessoas).


2 Comentários

FRENCH GOVERNMENT ABOUT TO IMPLEMENT FULL SCALE MARTIAL LAW IN PANDEMIC CRACKDOWN

The French government is about to move the country to the highest pandemic alert level allowing the implementation of full-scale martial law, according to a report in Le Figaro.

Measures allowed under the country’s highest pandemic level, 6, include

*forced vaccination
*forced quarantine/isolation
*compulsory wearing of face masks/respirators for health personnel
*the distribution of plastic body bags for the “deceased”
*a ban on public gatherings
*a ban on transporting documents by courrier
*closure of all schools and education establishments
*restricted movement
*restricted access to hospitals, old people’s homes, prisons and other social institutions
*restrictions in transport, also of food and other supplies

The move to pandemic level 6 under WHO’s instructions will strip French people of their basic civic rights at a time when the government has set up the infrastructure for the mass vaccination of the entire population by force mobilising military units to work in the special vaccine centers.

Only about 85 people in France have died from the swine flu according to the authorities, far fewer than for the regular flu.

There are no reliable figures for how many of these deaths were really due to the swine flu and how many were seasonal flu deaths reclassified as swine flu deaths by the government as has been proven to have occured in Scotland.

According to the French government, two to three million people have visited their doctor and are suspected of having the swine flu – and this is enough to enact the draconian legislation and move to compulsory vaccination with an untested and toxic jab for which the pharma companies have no liability.

However, this is clearly a fraudulent manipulation of scientific data to justify an illegal and criminal power grab.

People vaccinated in the special vaccine centers in Laxou en Lorraine have left comments on Le Figaro, saying they had to sit for 2 hours on the floor of a gymnasium before being given the swine flu jab in a box measuring one meter by one meter without any curtains and in full of view of everyone else.

“It is shameful!” says the person.

Are the people of France to be subjected to a degrading vaccination with toxic substances causing long term damage and death — in many cases, indeed, immediate death – by force in the full sight of the entire world?

And does the government of France, specifically President Nicolas Sarkozy, Health Minister Roselyne Bachelot and Defence Minister Herve Morin, really think they can get away with this mass murder by closing borders and shutting down the internet?

They can not.

We, the People, of The World refuse to allow this crime to occur, and the people responsible to go unpunished.

We refuse to let it occur in France or any country of the globe.

It is time to End the WHO, End the EU, and bring these criminals in the French and other governments to trial.

http://www.lefigaro.fr/sante/2009/12/01/01004-20091201ARTFIG00023-grippe-a-passage-au-niveau-6-envisage-.php

Here on Radio : http://www.youtube.com/watch?v=7thWsw9Qms8


Deixe o seu comentário

A Queda da República (Fall of the Rep*blic) 9-15


3 Comentários

Rússia pode abandonar a OMS se provar a corrupção entre a Indústria Farmacêutica e a OMS

O deputado da Duma Russa, Igor Barinov, apelou para a Rússia se retirar da OMS se uma investigação sobre o alegado acordo entre a OMS e as empresas farmacêuticas sobre o escândalo da gripe suína provar ser exacto, de acordo com relatos sa imprensa europeia.

Igor Barinov, Membro da Comissão do Parlamento do Estado (Duma) nas acusações de corrupção, disse que era preciso haver uma investigação para apurar se os especialistas de aconselhamento  receberam dinheiro da indústria farmacêutica e se isso influenciou a OMS a declarar uma pandemia de nível 6 de emergência pela primeira vez em 40 anos, apesar do fato de que a gripe não ser letal, nem se espalhar rapidamente.

Jornalistas dinamarqueses que forneceram “informações” concluiram que a gripe pode ser o maior caso de corrupção da nossa era, após analisarem as ligações entre os especialistas da OMS e as empresas farmacêuticas.

A OMS recomendou a compra do controverso Tamilfu suíço Roche, a despeito de evidência que a droga causa efeitos colaterais graves.   O ministério ucraniano para a saúde comprarou grandes estoques em excessivo de Tamiflu.

Nós certamente devemos levar a cabo uma investigação minuciosa antes de tomar qualquer decisão “,declarou  Barinov na sexta-feira aos jornalistas.

“Se a informação for confirmada, vamos ter de colocar a questão de saber se faz sentido para a Rússia pertencer a OMS, e suspender a nossa participação . se necessário “.

Rússia gastou mais de 4 bilhões de rublos até agora com gripe suína.

Barinov sugeriu que o chefe de investigação da OMS, o representante russo na organização, o membro do comitê executivo da OMS, Vladimir Starodoubov.

“Ninguém põe em causa os serviços prestados no século 20 pela OMS na luta contra a malária, a sida, mas hoje deve-se perguntar se essa organização não é atingida  pelo vírus da corrupção, e até que ponto estas recomendações são fundadas, até que ponto podemos nós confiar  “, disse Barinov.

O director do Programa Nacional de Vigilância Sanitária do Instituto russo Guennadi Onichtchenko disse na reunião com o Procurador-Geral da Federação da Rússia para a legislação na área farmacêutica que a luta contra a gripe suína no mundo tem as características de uma parcela.

Há também evidências de que foi fundamental na difusão da Aids.

Google Translate(28 November 2009)

http://translate.google.com/translate?hl=en&langpair=en|pt&u=http://www.theflucase.com/index.php?option=com_content&view=article&id=2100:russia-could-withdraw-from-who-over-swine-flu-corruption&catid=41:highlighted-news&Itemid=105&lang=en

http://snipurl.com/tglv5


1 Comentário

Organização Mundial de Saúde planeou “O Medo Global da Gripe Suína” – suspeitas de corrupção

Novye Izvestija Novye Izvestija
November 26, 2009 26 de novembro de 2009

Translated from Russian by Infowars Ireland Traduzido do russo por Infowars Irlanda

A pandemia de gripe suína que Novye Izvestija tem escrito sobre esre assunto, pode ser o embuste mais ambicioso e de corrupção do nosso tempo. Em qualquer caso, o aspecto comercial do enorme susto “gripe suína” é já evidente.

A mesma conclusão foi feita por jornalistas dinamarqueses que habilmente examinaram as relações entre a Organização Mundial da Saúde (OMS) e empresas farmaceuticas de todos o mundo, ganharam fortunas com a venda de drogas para combater a doença. Acontece, por exemplo, que muitos cientistas que se sentam em vários comitês da OMS, cuidadosamente ocultando o fato de que recebem dinheiro das empresas multinacionais farmacêuticas do mundo.

De acordo com o banco de investimento internacional da JP Morgan, a indústria farmacêutica vai fazer mais de 7 bilhões de euros este ano com a venda de vacinas contra H1N1. Os principais países ocidentais têm encomendado doses suficientes para vacinar toda a população, quer a sua (como a Austrália), ou um terço (Alemanha e em vários outros Estados-membros da UE).Fábricas de vacinas e comprimidos estão trabalhando dia e noite, em quatro rotações por turnos, com uma carteira de encomendas … eles não estão enfrentando a crise econômica mundial como pode acontece com outros.

Pela primeira vez em muitos anos de pandemia de gripe “o pânico” tem afetado a UE. A vacina foi produzida sem um número suficiente de exames clínicos e exames laboratoriais.

É um tal pânico justificado?  um número crescente de especialistas está examinando a questão comparando as estatísticas de mortalidade do vírus da gripe suína e a “convencional”,que no Outono começam sua marcha por todo o planeta. Até agora, segundo a OMS, seis mil pessoas foram vítimas de H1N1, enquanto a taxa de mortalidade média anual durante as epidemias  ‘tradicionais’ de gripe atinge meio milhão.

A principal causa da reação histérica à epidemia da gripe suína, de acordo com os repórteres do jornal dinamarquês ‘Informação’, não é porque ele é tão perigoso, mas por causa de uma forte campanha de relações públicas por especialistas da OMS.  Alguns deles [especialistas da OMS], estão, literalmente, ao serviço dos fabricantes de vacinas.

“É preocupante que muitos dos cientistas que se sentam em vários comitês da OMS, são apresentados como” peritos independentes, mas escondem o fato de que recebem dinheiro das empresas farmacêuticas “, confessou o professor de epidemiologia, Tom Jefferson, que trabalha na do Centro Cochrane, em Roma, a repórteres.

A OMS anunciou a pandemia da gripe suína sob pressão de um painel de conselheiros, liderado por um médico holandês, Albert Ostenhaus, apelidado de “Dr. Flu’ (do nome ‘Tamiflu’), porque ele era activo na promoção da vacinação em massa da população através da OMS e dos média ocidentais.  Agora, o governo da Holanda está a realizar um inquérito de emergência às actividades do “Doutor Flu”, tal se tornou conhecido que ele recebe um salário de várias companhias de fabricação de vacinas. Muitos outros conselheiros que se sentam nas duas cadeiras ‘(conflito de interesses) como Ostenhaus, e ao mesmo tempo a lidar com a pandemia da gripe suína, em nome da OMS, eles não gostam de anunciar que são pagos como assessores das gigantes farmacêuticas Roche, Johnson RW, SmithKline Beecham e Glaxo Wellcome, que receberam a maior parte das encomendas para a fabricação de vacinas. O resultado da pressão desses especialistas foi a resolução da OMS em 7 de julho deste ano, que apelou para uma campanha inédita de vacinação em massa.

“A OMS é tendenciosa em suas recomendações – diz o professor Tom Jefferson. – Medidas de higiene normal proporcionam efeitos muito maiores do que estas vacinas pouco estudadas, e ao mesmo tempo, a OMS refere-se ao uso de máscaras e lavar as mãos como um meio para combater a gripe suína apenas duas vezes em seus documentos.  Vacinas e outros medicamentos são referidas 42 vezes! “Dr. Jefferson e vários de seus colegas acreditam que os assessores pagos pelas empresas farmacêuticas devem ser removidos de suas posições e não autorizados a dar recomendações à OMS, mas a própria organização não tem pressa para realizar essa reforma.Porta-voz da OMS, Gregory Hertl, comentando o artigo na ‘Informação’ (jornal dinamarquês) disse que é impossível negar os serviços dos maiores especialistas do mundo pela simples razão de que eles têm um interesse financeiro na promoção de uma estratégia para combater diversas doenças.

Refira-se que este não é o primeiro ano em que o tema da corrupção “em farmacologia tem sido o foco dos média ocidentais. The New England Journal of Medicine publicou “o denunciante” há vários anos. Em uma série de artigos do denunciante revelou a vida dentro da “máfia de branco”. Segundo eles, apenas 11-14% dos orçamentos das empresas farmacêuticas são gastos em pesquisa, mas 36% dos fundos são gastos no PR. Grande parte do dinheiro acaba nos bolsos dos médicos, cientistas, e as contas de várias organizações que trabalham em cuidados de saúde.


Deixe o seu comentário

A grande farsa do Aquecimento Global 1- 4

O Canal 4 britânico produziu um documentário devastador intitulado “A Grande Fraude do Aquecimento Global”. Ele não foi, ao que parece, exibido por nenhuma das redes de televisão nos EUA. Mas, felizmente, ele está disponível na Internet.


Deixe o seu comentário

A história surpreendente atrás do embuste do aquecimento global


Um texto publicado em Janeiro de 2009 no site OSMOOTHIE alertava para a manipulação climatérica, para o embuste do CO2 como principal poluente da atmosfera e causado do efeito de estufa:
Publicado janeiro em 29, 2009

KUSI, “a história surpreendente atrás do embuste do aquecimento global
por John Coleman

Todos os actores importantes estão agora no lugar em Washington e nos governos estatais através de América para etiquetar oficialmente o dióxido de carbono como um poluente e para decretar as leis que nos taxam cidadãos para nossas pegadas do carbono. Somente dois detalhes estão na maneira, nos tempos económicos esmorecidos e em uma volta dramática para um clima mais frio. Os últimos dois Invernos amargos têm conduzir a uma ascensão na consciência pública que o CO2 não é um poluente e não é um gás de estufa significativo que esteja provocando o aquecimento global do fugitivo.

Como nós chegamos a este ponto onde a ciência má está conduzindo o governo ?

A história começa com um Oceanographer nomeado Roger Revelle. Seriu com a marinha na segunda guerra mundial. Depois que a guerra ele assentou bem no director do instituto Oceanographic de Scripps em La Jolla em San Diego, Califórnia. Revelle viu a oportunidade de obter o financiamento principal da marinha para fazer medidas e pesquisa sobre o oceano em torno dos Atolls pacíficos onde as forças armadas dos E.U. conduziam testes da bomba atómica. Expandiu extremamente as áreas do instituto de interesse e entre outro empregou Hans Suess, um químico notável da Universidade de Chicago, que estava muito interessada nos traços de carbono no ambiente do burning de combustíveis fósseis. Revelle etiquetou sobre aos estudos de Suess e co-autorizou um estudo em 1957. O papel levanta a possibilidade que o dióxido de carbono pôde criar um efeito de estufa e causar o aquecimento atmosférico. Parece ser um argumento para financiar para mais estudos. Financiar, sincera, é onde a mente de Revelle estava na maioria das vezes.

Revelle seguinte empregou um Geochemist nomeado David Keeling para planear uma maneira de medir o índice atmosférico do dióxido de carbono. Em Keeling 1960 publicado seu primeiro papel que mostra o aumento no dióxido de carbono na atmosfera e que liga o aumento à queima de combustíveis fósseis.

Estes dois artigos de investigação transformaram-se a terra firme da ciência do aquecimento global, mesmo que não oferecessem nenhuma prova que o dióxido de carbono era de facto um gás de estufa. Além não explicaram como este gás de traço, simplesmente uma fração minúscula da atmosfera, poderia ter todo o impacto significativo em temperaturas.

Deixe-me agora tomá-lo de volta aos anos 50 em que isto estava indo sobre. Nossas cidades entrapped em um nuvem da poluição motor a combustão interna crus que carros pstos e caminhões para trás então e das emissões descontroladas das centrais energéticas e das fábricas. Os carros e as fábricas e as centrais energéticas enchiam o ar com todas as sortes dos poluentes. Havia um válido e a preocupação séria sobre as consequências da saúde desta poluição e de um movimento ambiental forte estava tornando-se para exigir a ação. O governo aceitou este desafio e os padrões ambientais novos foram ajustados. Os cientistas e os coordenadores vieram ao salvamento. Os novos combustíveis reformulados  foram desenvolvidos para carros, como eram os motores altas tecnologia, controlados por computador novos e os conversores catalíticos. Em o meio dos anos 70 os carros eram já não poluidores do máximo, emitindo-se somente alguns dióxido de carbono e vapor de água de suas tubulações de cauda. Do mesmo modo, o processamento novo do combustível e os purificadores da pilha de fumo foram adicionados a industrial e as centrais energéticas e suas emissões foram reduzidas extremamente, também.

Mas um movimento ambiental tinha sido estabelecido e seu financiamento e muito existência dependeu de ter uma edição de continuação da crise. Assim os artigos de investigação de Scripps vieram apenas no momento direito. E, com eles veio o nascimento de uma edição; aquecimento global sintético do dióxido de carbono da queima de combustíveis fósseis.

Revelle e Keeling usaram esta alarmismo nova para manter seu crescimento do financiamento. Outros investigadores com motivações ambientais e uma fome para o financiamento viram este tornar-se e escalaram-no a bordo também. As concessões de pesquisa começaram a fluir e a hipótese alarmista começou a aparecer em toda parte.

A curva de Keeling mostrou uma ascensão constante no CO2 na atmosfera durante o período desde que o óleo e o carvão foram descobertos e usados pelo homem. Até à data de hoje, o dióxido de carbono aumentou de 215 a 385 porções por milhão. Mas, apesar dos aumentos, é ainda somente um gás de traço na atmosfera. Quando o aumento for real, a percentagem da atmosfera que é CO2 permanece minúscula, aproximadamente .41 centésimo de um por cento.

Diverso a hipótese emergiu nos anos 70 e no 80s sobre como este componente atmosférico minúsculo do CO2 pôde causar um aquecimento significativo. Mas permaneceram não demonstrados. Os anos passaram e os cientistas mantiveram-se alcangar para fora para a evidência do aquecimento e da prova de suas teorias. E, o dinheiro e as reivindicações ambientais manteve-se na acumulação.

Para trás nos anos 60, esta pesquisa do aquecimento global veio à atenção de um Maurício nomeado de nação unida carregada burocrata canadense forte. Procurava edições que poderia se usar para cumprir seu sonho do governo do um-mundo. Forte organizou um evento do dia de terra do mundo em Estocolmo, Sweden em 1970. Disto desenvolveu um comité dos cientistas, dos ecólogos e de eficiente políticos do UN para continuar uma série de reunião.

Forte desenvolveu o conceito que o UN poderia exigir pagamentos das nações avançadas para o dano climático de seu burning de combustíveis fósseis beneficiar as nações subdesenvolvidas, uma sorte do imposto do CO2 que fosse o financiamento para seu governo do um-mundo. Mas, ele necessário mais prova científica suportar sua tese preliminar. Tão forte patrocinou o estabelecimento do painel intergovernamental de nação unida na mudança de clima. Esta não era uma organização científica do estudo puro do clima, como nós fomos conduzimos para acreditar. Era uma organização dos burocratas do UN do governo do um-mundo, dos activistas ambientais e dos cientistas da ecologia que imploraram o financiamento do UN assim que poderiam produzir a ciência eles necessários para parar a queima de combustíveis fósseis. Durante os últimos 25 anos foram muito eficazes. As centenas de papéis científicos, de quatro reuniões internacionais principais e de resmas de notícias sobre o Armageddon climático mais tarde, o UN IPCC fizeram seus pontos à satisfação da maioria e compartilharam mesmo de um prémio de paz de Nobel com Al Gore.

Ao mesmo tempo, esse Maurício Strong era ocupado no UN, coisas começ um bocado fora da mão para o homem que é chamado agora o avô do aquecimento global, Roger Revelle. Tinha sido muito polìtica active nos anos 50 atrasados porque trabalhou para mandar a Universidade do Califórnia encontrar um terreno de San Diego junto ao instituto de Scripps em La Jolla. Ganhou essa guerra principal, mas perdeu uma batalha da mais alta importância mais tarde quando foi passado sobre na selecção do primeiro chanceler do terreno novo.

Deixou Scripps finalmente em 1963 e transportou-se à Universidade de Harvard para estabelecer um centro para estudos de população. Era lá que Revelle inspirou um de seus estudantes assentar bem em um activista principal do aquecimento global. Este estudante diria mais tarde, “ele feltro como tal privilégio poder ouvir-se sobre os readouts de algumas daquelas medidas em um grupo de não mais do que os undergraduates uma dúzia. Estava aqui este professor que apresenta a algo não os anos velhos mas frescos fora do laboratório, com implicações profundas para nosso futuro!” O estudante descreveu-o como “um professor maravilhoso, visionário” quem fosse “um dos primeiros povos na comunidade académico para soar o alarme no aquecimento global,” esse estudante era Al Gore.

gore_firegloablawarminghoax1

Pensou do Dr. Revelle como seu mentor e referiu-lhe frequentemente, retransmitindo suas experiências como um estudante em sua terra do livro no contrapeso, publicou em 1992.

Então, Roger Revelle era certamente o avô do aquecimento global. Seu trabalho tinha colocado a fundação para o UN IPCC, desde que a munição do combustível do anti-fóssil ao movimento ambiental e a Al Gore emitido em sua estrada a seus livros, sua movimento, seu prémio de paz de Nobel e uns cem milhão dólares do negócio de créditos do carbono.

O que aconteceu em seguida é surpreendente. A agitação do aquecimento global estava transformando-se a celebridade da causa dos meios. Depois que todos os meios são na maior parte liberais, ama Al Gore, amores advertir que nós de desastres iminentes e para nos dizer “o céu estão caindo, o céu estão caindo”. Os políticos e o ecólogo amaram-no, demasiado.

Mas a maré estava girando com o Roger Revelle. Foi forçado para fora em Harvard em 65 e retornou a Califórnia e semi a uma posição da aposentadoria no UCSD. Lá teve o tempo para repensar o dióxido de carbono e o efeito de estufa. O homem que tinha inspirado Al Gore e tinha dado ao UN a investigação básica ele necessário para lanç seu painel intergovernamental na mudança de clima tinha dúvidas. Em 1988 escreveu duas letras preventivas aos membros de congresso. Escreveu, “minha própria opinião pessoal é que nós devemos esperar outros 10 ou 20 anos a ser convencidos realmente que o efeito de estufa está indo ser importante para seres humanos, em maneiras positivas e negativas.” Adicionou, “… nós devemos ser cuidadosos não despertar demasiado alarme até a taxa e uma quantidade de aquecimento torna-se mais desobstruída.”

E em 1991 Revelle aliou-se com Chauncey Starr, fundando o directivo do instituto de investigação da energia eléctrica e do cantor de Fred, o primeiro diretor do serviço satélite de tempo dos E.U., para escrever um artigo para o compartimento do cosmos. Incitaram mais pesquisa e imploraram cientistas e governos não mover demasiado rápido para emissões de CO2 da estufa do freio porque era de modo nenhum certo que o impacto verdadeiro do dióxido de carbono e limitar o uso de combustíveis fósseis poderia ter um impacto negativo enorme na economia e os trabalhos e nosso standard de vida. Eu discuti esta colaboração com o Dr. Cantor. Assegura-me que era consideravelmente mais certo que Revelle do que era naquele tempo que o dióxido de carbono não era um problema.

Roger Revelle atendeu à enclave do verão no bosque boémio em Califórnia do norte no verão de 1990 ao trabalhar nesse artigo? Entregou um discurso da beira do lago lá aos motores e aos abanadores montados de Washington e de Wall Street em que se desculpou emitindo o UN IPCC e Al Gore neste ganso selvagem – persiga sobre o aquecimento global? Disse que a conjectura científica chave de sua vida tinha despejado erradamente? A resposta 2 aquelas perguntas é, “eu penso assim, mas eu não a sei  certo”. Eu não consegui confirmar até à data deste momento. É um pequeno como Las Vegas; o que é dito nas estadas boémias do bosque no bosque boémio. Não há nenhum transcrito ou as gravações e os povos que atendem são incentivados não falar. Contudo, o tópico é tão importante, que alguns povos compartilharam comigo em uma base informal.

Roger Revelle morreu de um ataque cardiaco três meses depois que a história do cosmos foi imprimida. Oh, como eu o desejo estavam ainda vivo hoje. Pôde poder parar este disparate científico e terminar o embuste do aquecimento global.

Al Gore não admitiu a culpa do Mea de Roger Revelle como as acções do homem idoso senil. E, o próximo ano, ao funcionar para o vice-presidente, disse que a ciência atrás do aquecimento global está estabelecida e não haverá não mais debate, de 1992 até que hoje, e suas cortes recusem debater o aquecimento global e em que nos pergunte aproximadamente cépticos insultam-nos simplesmente e chamam-nos nomes.

Tão hoje nós temos a aceitação do dióxido de carbono como o culpado do aquecimento global. Conclui-se que quando nós queimamos combustíveis fósseis nós estamos deixando uma pegada inexorável do carbono que nós devamos pagar a Al Gore ou aos ecólogos para deslocar. Nossos governos em todos os níveis estão considerando taxar o uso de combustíveis fósseis. A Agência de Protecção Ambiental federal está na orla de nomear o CO2 como um poluente e estritamente de regular seu uso proteger nosso clima. O presidente novo e o congresso dos E.U. são a bordo. Muitos governos estatais estão movendo sobre o mesmo curso.

Nós já estamos sofrendo deste disparate do CO2 de várias maneiras. Nossa política energética hobbled estritamente por nenhuma perfuração e por nenhumas refinarias novas por décadas. Nós pagamos pela falta que esta criou cada vez que nós compramos o gás. Sobre isso que o tudo isto sobre o milho baseou o álcool etílico custa-nos milhões dos dinheiros provenientes dos impostos nos subsídios. Isso igualmente conduziu acima dos preços dos alimentos. E, toda a esta é longe de sobre.

E, eu sou convencido totalmente que não há nenhuma base científica para algum dela.

Aquecimento global. É o embuste. É ciência má. É um levantamento com macaco elevado da política de interesse público. Não é nenhum gracejo. É o grande embuste na história.

John Coleman é o fundador da canaleta de tempo e é um apresentador do tempo para o KUSI em San Diego, CA.

Neste momento, este artigo continua a ter importência pelo facto de ter rebentado o caso “Climategate”. Mais um vídeo acerca do assunto:



Deixe o seu comentário

Global Warming On Trial: Inhofe Solicita uma investigação ao IPCC da ONU

Em resposta à revelações surpreendentes decorrentes dos e-mails hacked CRU, o senador Jim Inhofe afirmou que a menos que algo seja feito nos próximos sete dias, ele vai levar o pedido de uma investigação rigorosa em evidências de que os conceituados cientistas do clima conspiraram para manipular dados para ocultar provas de resfriamento global, enquanto exercíciam a caça às bruxas  a académicos para eliminar os cientistas cépticos de  mudança climática feita pelo homem.

Falando no programa  “Américas Morning Show” hoje cedo, Inhofe,  Membro do Senado do Meio Ambiente e Comissão das Obras Públicas , disse que as novas revelações provam o que ele tem advertido há sobre mais de quatro anos, que os políticos orientaram o preconceito dos cientistas do clima filiadas com a ONU IPCC,  fraudulentamente “cozinharam a ciência” para estar conforme com sua agenda.

“Se nada acontecer nos próximos sete dias, quando voltamos para a sessão de hoje a uma semana que iria mudar essa situação, vou pedir uma investigação”, disse Inhofe. “Cause this thing is serious, you think about the literally millions of dollars that have been thrown away on some of this stuff that they came out with.” “Porque este assunto é sério, você pensa  literalmente acerca dos milhões de dólares que foram gastos em algumas dessas matérias que saíram.”

Ouça a entrevista com Inhofe


2 Comentários

Gripe A: Quarta grávida vacinada perde bebé

Em Portalegre

Morreu mais um feto no Hospital de Portalegre em que a grávida foi vacinada contra a gripe A.

A grávida residente em Ponte de Sôr deu entrada, nas últimas 24 horas, nesta unidade hospitalar, onde a 15 de Novembro morreu um outro feto com 34 semanas em que a mãe também foi vacinada.

O pai da grávida, Romão Catarino, confirmou o caso referindo que uma das possíveis causas poderá ter resultado do enrolamento do cordão umbilical à volta do pescoço do feto.

O Hospital de Portalegre promete, para o final da tarde, esclarecimentos sobre este caso, divulga a ‘Rádio Portalegre’.

No espaço de oito dias, sobe para quatro o número de grávidas vacinadas com a ‘Pandemrix’ que perderam os bebés. Além dos dois casos de Portalegre, ocorreu um em Lisboa e um outro em Leira.

Na Europa são conhecidos pelo menos mais três casos com grávidas que tomaram a vacina e perderam os bebés. Dois na Noruega e um em França.

João Saramago


Deixe o seu comentário

A Queda da República (Fall of the Rep*blic) 5 a 8


1 Comentário

Gripe A: Terceiro feto morto em grávida vacinada

por DN.PT

Gripe A: Terceiro feto morto em grávida vacinada

Deu ontem entrada no Hospital de Santo André, em Leiria, mais uma grávida com um feto morto e que tinha sido vacina contra a gripe A (H1N1). É o terceiro caso em poucos dias, mas as autoridades não confirmaram até agora nenhuma relação causa-efeito entre a morte dos fetos e a inoculação.

A jovem de 27 anos estava grávida de vinte semanas e tinha sido vacinada no início do mês. Deu ontem entrada no Hospital de Santo André, em Leiria, que confirmou a morte do feto, que será autopsiado.

Ontem foi confirmada, no hospital CUF Descobertas, a morte de um feto de 34 semanas, cinco dias depois de a mãe ter sido vacinada contra a gripe A. A situação surgiu dois dias depois de uma outra mulher, vacinada em Portalegre, ter perdido a filha que esperava há também 34 semanas. A Direcção-Geral da Saúde recusa comentar o caso até serem conhecidos os resultados de análises e testes que só podem ser feitos depois do nascimento.

O director clínico do Hospital CUF Descobertas garantiu hoje que vai ser feita autópsia ao feto que morreu com 34 semanas. A autópsia poderá ser fundamental para encontrar a causa da morte, mas os médicos recusam estabelecer uma ligação entre a morte do bebé e a vacina para a gripe A.


Deixe o seu comentário

Morreu mais um feto de 34 semanas numa grávida recém-vacinada

 

Uma mulher grávida de 34 semanas deu entrada ontem no Hospital da Cuf Descobertas, no Parque das Nações em Lisboa, segundo confirmou ao i fonte do Grupo José de Mello Saúde. A mulher foi vacinada na passada quinta-feira, dia 12, contra a Gripe A.

Garantiu ainda a mesma fonte que a “grávida encontra-se neste momento em trabalho de parto”.

A grávida deu entrada ontem no hospitale o feto encontrava-se já sem vida.

O i contactou o ministério da Saúde, mas até ao momento ainda não foi possível mais esclarecimentos sobre o caso.

Este não é um caso isolado. No passado domingo soube-se que uma grávida tinha perdido o feto, quatro dias depois de ter sido vacinada contra a gripe A, numa unidade hospitalar em Portalegre.

Uma relação que foi negada pelo próprio hospital ao afirmar que a autópsia realizada ao feto indicou que a morte foi provocada por alterações na circulação sanguínea.

Também Francisco George já tinha reagido, ao sublinhar que “a morte do feto foi uma coincidência temporal”, acrescentando que “todos os especialistas acreditam que não há relação entre a morte do feto e a vacina contra a gripe A que a mãe tomou”.


Deixe o seu comentário

The European BioWar outbreak, by Dr Rebecca Carley

A Tale of Two Stories: The European BioWar outbreak and the censoring of it by the mainstream news media.

by Dr Rebecca Carley

The biggest story on the Planet today is the outbreak of a veryserious Advanced Biological War virus in Europe.

The second biggest story on the Planet is the suppression of this story for almost two weeks by the corporate owned mainstream news media.

There is a lot we know and a lot that we can only speculate on about what is unfolding in Central Europe. We know that in mid-October, less than a month ago, there was a growing number of cases of what many thought was Swine Flu (A/H1N1) in the western part of the Ukraine. We know that many hundreds if not thousands of people in western Ukraine witnessed low flying light airplanes aerosol spraying something over

Ukrainian cities during the days of October 29, 2009 and October 31, 2009.

We know that beginning the night of October 29th, massivenumbers of people begin to get very sick. We know that the Ukraine government issued a statement denying that it was doing any aerial spraying to combat the growing disease or authorizing any spraying

over Ukrainian cities. We know that by October 30th, the Ukrainian authorities closed all schools for three weeks and banded public gatherings.

We do NOT know what disease the people were/are coming down with. We do know that doctors are describing the disease as Pneumonic Plague, or as some type of hemorrhagic fever, or as hemorrhagic influenza, or as hemorrhagic pneumonia. We know that the illness, whatever it is, does not appear to be A/H1N1. We do not know if the disease is a

recombination of A/H1N1 with other viruses or some totally different virus or if it is in fact a virus. We know that the World Health Organization (WHO) has had several days to sequence the genes of the disease but has failed to release this data.

We know that WHO has NOT called for the quarantining of the Ukraine or the shutdown of all global travel to/from the area of infection and that this is the same thing that they did when Mexican Swine Flu (A/H1N1) first broke out and that the failure to contain that virus early on ensured its spread throughout the world.

We know that the internal temperature of the lungs of those with a terminal case of what many are calling ‘Ukrainian Plague’ is often from 130F to 135F. We do know that autopsies show that the lungs are filled with blood, and are black in color, and that the lung tissue has turned to mush. We know that patients who first show any signs of illness usually crash in less than 48 hours, sometimes the same day.

We know that the disease was spreading by about 200,000 per day but that this has slowed to about 100,000 day now, in the Ukraine, as people take extraordinary steps to contain the spread of the disease.

We know that well over one and a third million people in the Ukraine are very ill with the disease (according to published official sources) and that over 60,000 are hospitalized in serious to critical condition. We know that the disease has a very high transmission rate with a likely low amount of viral (if it is in fact a virus) material needed to cause an infection. We know that the official reports of deaths are under 300 in the Ukraine. We also know that it is normal for hospital admissions of people with ARI (acute respiratory infection) to have a fatality rate of from 5% to 10%. We know that non-official sources were reporting over 3,000 deaths several days ago and that this number is more in tune with the 5-10% fatality rate than the official figures.

We do not know what effective treatments are for this illness. We do know that young adults seem to be more in danger of this illness. We suspect that ‘cytokine storming’ similar to that in the 1918 Spanish Flu, that killed approximately 50 million people, is taking place.

We know from official Ukrainian Health Ministry reports that the illness does not test out as Mexican Swine Flu (A/H1N1). We do not know if the existing Swine Flu vaccine has any effect, but based on the non-positive response to Swine Flu in testing, we suspect that the vaccine is ineffective as the viral protean shell is different than A/H1N1 (if in fact it is a virus that causes the illness).

We know that the illness has spread to Poland, where over one quarter of a million people are now very ill. We know that it has spread to Belarus and to Hungary and elsewhere in central Europe. We know that 900,000 people are said to have Swine Flu in Norway but we do not know if this is related to Ukraine Plague in any way.

We know that on November 8th a South African site (fto.co.za ) carried the following:

/”Suspicious aircraft were forced to land. A US operated (Russian-made long-range heavy transport) AN-124 changed its call sign from civilian to military which then triggered a respo nse from the IAF (Indian Air Force) upon entering Pakistani air space (forcing) the plane to land in Mumbai while (a) second one was forced down by Nigerian fighter jets that also arrested the crew.”

“According to reports, China’s People’s Liberation Army Air Force contacted the Indian and Nigerian intelligence officials about the presence of these US operated Ukrainian aircraft amidst growing concern that the United States was spreading ‘biological agents’ in the Earth’s atmosphere, which some Chinese officials believed to be an attempt to (commit) mass genocide via the spread of H1N1 swine flu.”

These aircraft “were carrying ‘waste disposal’ systems that could spray up to 45,000kg (nearly 100,000 pounds) of aerial type mist from sophisticated….nano pipes” in the planes’ wings – called chemtrails./

We know that Baxter International Pharmaceuticals sent 72 kilos of human influenza H3N2 vaccine materials to 16 labs in European nations which contained live H5N1 Bird Flu viruses. We know that this was only discovered when a Czech lab tested the material on several ferrets (ferrets have a similar respiratory system to humans) and all of the ferrets died in short order. We know that Baxter claimed that this was human error. We also know that such a ‘human error’ is basically impossible with the containment protocols in place at Baxter and any other modern biolabs using Biosafety Level 3 (BLS-3) lab technology.

We know that in mid-August a Joseph Moshe, who is a Mossad biological warfare expert, called in to Dr. A. True Ott’s national radio talk show and reported that Baxter was getting ready to release a deadly plague from its Ukrainian lab and that he was shortly meeting with US Attorneys in Los Angles to give evidence about this. We know that shortly thereafter Moshe was apprehended by Federal agents and LA police and taken to the Israeli Consulate. We know that he was quickly flown to Israel and that no further word has come from him.

We know that over the last three or so years a large number of biological experts, from a number of places all over the world, have died strange deaths and that this has been commented on by various publications in the past.

We know that the sudden appearance of Mexican Swine Flu (A/H1N1) virtually had to have been a release from a biological warfare lab. We know that A/H1N1 has gene sequences from three different types (American, Asian, and African) of Swine Flu, of Bird Flu, of two different types of human seasonal flu, and of Spanish Flu and that such a recombination is so unlikely in nature as to be virtually impossible. We know that the WHO policies of not requiring a major quarantine of Mexico ensured that A/H1N1 would spread throughout the world.

We know that the current Swine Flu “Vaccine” is almost totally untested, and that the manufactures are protected from lawsuits for even deliberate acts that result in deaths and that nations acquiring the vaccines are required to sign contracts agreeing not to release negative information on the “vaccine” to the public. We know that published additives to the “vaccine” include highly dangerous-to-human-health substances.

We know that the corporate owned mainstream news media (with strong links to global banking families) have censored this story in a way that has never happen before. We know that the outbreak of a unknown but deadly and very rapidly spreading disease in Europe is the largest story on Earth but that it is NOT being reported on.

http://europebusines.blogspot.com/

Also found at http://mignews.com.ua/en/articles/378759.html is the

following:

// 13.11.2009 // 14:24 //

Doctors learned why Ukrainians dying! (updated at 06:25 pm)

MIGnews.com.ua

All victims of the virus in Bukovyna (22 people at the age of 20-40) died not from bilateral pneumonia, as was previously thought, but as a result of viral distress syndrome, i.e the total destruction of the lungs.

At first the cardio-pulmonary insufficiency comes, and consequently cardiogenic shock is developed, which causes cardiac standstill and death, told the chief of bureau of the Chernivtsi regional forensic examination, doctor of science, Professor Viktor Bachynsky, UNIAN reports.

“During a bilateral pneumonia some morphological picture is observed. As of data of deaths, there is no such morphological picture. The virus, which causes death, is very aggressive, it does not strike the trachea, but immediately gets into the lungs and causes heavy swelling and solid hemorrhage. Mixed types of parainfluenza and influenza A/N1N1 lead to this state. This is a very toxic strain, which has not yet answered to the treatment of the Ministry of Health”, – said Viktor Bachinsky.

According to him, there is a need to change the treatment standards, because those which were used earlier, resulted in nothing – doctors failed to save all people infected with the virus in the reanimation.

The belt ventilators did not help also. For this reason a group of professors of Chernivtsi Medical University appealed to the Ministry of Health and National Security and Defense Council with a demand to review the standards of treatment of patients in Bukovyna. Scientists-morphologists sent to Kyiv reports, studies and analysis of critically ill patients and people who died of virus.

Viktor Bachinsky noted that the virus is extremely toxic, it is able to penetrate not only through respiratory apparatus but also through the eyes. Chernovtsy scientists recommend in any case use masks and even wear protective spectacles. An important condition to prevent deterioration of the situation is also the observance of quarantine regime.

06:19 p.m. Ministry of Health does not consider it is necessary to publish data on the number of confirmed cases of influenza pandemic in the laboratory. “Ukraine is in the A/N1N1 influenza pandemic, and now it does not matter how many of these cases will be detected, we should treat everybody equally,” – said Deputy Minister of Health Vasyl Lazoryshynets at a briefing on Friday.

Vasyl Lazoryshynets also reminded that in Ukraine since the beginning of the epidemic 1,25 mn people became ill with pandemic influenza, influenza and acute respiratory diseases, including 61,000 people -

over the past day, which is by 8,500 less than the previous day. 65,615 people are treated in hospital, including 392 – in the reanimation, 60 have artificial pulmonary ventilation.

Since the beginning of the epidemic in Ukraine 239 people died, including 26 people during the last day, most of them are in the Ivano-Frankivsk, Chernivtsi, Lviv and Ternopil Regions. He also said that according to the laboratory data, 14 people died of pandemic influenza, Interfax-Ukraine reports.

06:25 p.m. To date, swine flu in Ukraine is dominant, but not the only strain, said the head of mission of the World Health Organization in Ukraine Yukka Pukkila.

Yukka Pukkila said that the strain of pandemic virus is detected in 22 cases of 34 samples sent to the control laboratory, which collaborates with WHO in London.

At the same time, Yukka Pukkila stressed that, besides Californian flu in Ukraine there is a large number of varieties of acute respiratory viral diseases and many other viruses that infect the respiratory system, reports Liga.

The genocide is now on being fast tracked, as promised by the murderous cabal controlling the world:

see http://tcrnews2.com/Agenda21.html.

Thank to listeners Verne & Kenneth for this important info… Also if you missed my show yesterday with Elizabeth Wallace, grandmother of Christian (who was murdered by his pediatrician with 6 vacs when he was already sick), you can hear the archive, for free and

without commercials, at http://thelightofdayradioshow.com/archives/RBN-BACKUP/commercialFree.html

(scroll down to 11/14/09 show). VERY IMPORTANT…especially for anyone you know who still beLIEves that vaccines promote health.

Thank you to Sheldon for these archives…

Lastly, after many people have asked me why I did not have a paypal button on my site for people to make donations, I have put one up (to left of the “baby with a needles” picture), in case any of you want to support my work.


Remember, folks, WE can stop the genocide…do not be afraid! We are reaching critical mass, if we have not already done so…

Dr C


Deixe o seu comentário

Gripe A: mãe recebe vacina e feto morre

Hospital de Portalegre diz que não há relação entre os dois factos

Uma mulher grávida de 34 semanas foi vacinada com a vacina contra a gripe A e o feto de oito meses acabou por morrer três dias depois, confirmou o tvi24.pt junto de fonte do Hospital de Portalegre.

A mesma fonte adiantou que até ao momento não está provada qualquer relação entre os dois factos. Em comunicado, o hospital esclarece que o nascimento do bebé já morto ocorreu este domingo e que a grávida dirigiu-se ao hospital no sábado «por diminuição dos movimentos fetais».

João Romacho, cunhado da mulher de 31 anos, natural de Alegrete, Portalegre, disse em declarações à Lusa, que depois de na quarta-feira ter sido vacinada contra a gripe A, a grávida começou a queixar-se de dores no corpo e mal-estar geral, estranhando que o bebé ora se mexesse mais do que o normal, ora não se mexesse.

«No sábado de manhã [a grávida] foi ao Centro de Saúde de Portalegre, onde a médica que a assistiu verificou que o batimento cardíaco do feto era baixo, mas existia, e aconselhou-a a ir para casa e a voltar no dia seguinte para ver como estava», disse João Romacho à Lusa.

A mulher acabaria por recorrer ao Hospital de Portalegre por volta do meio-dia de sábado, onde ficou a saber que o coração do feto tinha parado.

João Romacho disse à Lusa que os médicos afastaram desde logo a hipótese de a morte do feto estar relacionada com a vacina, mas os familiares da mulher desconfiam que possa haver uma ligação.

«Não podemos dizer que tenha sido da vacina até porque anteriormente já tinha havido um episódio em que o batimento cardíaco do bebé estava muito acelerado, mas claro que depois de ter tomado a vacina… deixa-nos intrigados e com interrogações. A realidade é que a partir daí [da vacinação] se desenvolveram uma série de reacções», disse o familiar.

O hospital confirma, no comunicado, que a mãe foi vacinada contra o vírus H1N1 na passada terça-feira, mas adianta que não é possível estabelecer uma relação causal entre a vacinação da grávida e da morte do feto».

A direcção hospital acrescenta também no comunicado que «a ocorrência de nados-mortos em Portugal, sem causa prévia, é em média de um por dia».

João Romacho adiantou ainda que os familiares aguardam agora pelos resultados da autópsia ao feto e reclamam explicações dos médicos que acompanharam a mulher ao longo da gravidez para apurar se houve responsabilidades. Só a autópsia, efectuada pelo Instituto de Medicina Legal, poderá revelar a causa de morte do bebé e se a morte estava ou não relacionada com a vacina contra o vírus H1N1.


Deixe o seu comentário

Medical Doctor Retracts H1N1 Vaccine Advice After Reading Insert

Kevin Copenhagen

Prisonplnet.com Saturday, Nov 14th, 2009

The following video highlights a retraction made by a medical doctor, Dr. Roby Mitchell, after he initially advised a group of nurses to take the H1N1 Swine Flu vaccine. Once he had read the actual package insert which comes with the vaccine and realized that the vaccine makers themselves admit it is untested and may cause a myriad of disorders to include paralysis, neurological damage, possible sterilization and may cause fetal harm in pregnant women (one of the high priority groups targeted to get the vaccine), he retracted his advice so that they would have informed consent.  His reading of the insert also revealed that an adjuvant called MF 59, which is similar to the squalene molecule found in our normal nerve tissue, is indeed in the H1N1 vaccine after we’ve been told that adjuvants had been removed. We need more doctors like this one in our country who use their common sense and not talking points from the media and pharmaceutical industry when giving advice to their patients and colleagues. My sincere compliments go out to Dr. Mitchell.


Deixe o seu comentário

Woman stole “swine flu” vaccine in Sweden

Woman stole “swine flu” vaccine in Sweden

A woman was seen rushing into a local vaccine station in Luleå in the north of Sweden, grabbing three syringes and then rushing back out into a waiting car. The car drove away at a high speed.

According to the local Police, Rolf Hamstig, there is no trace of the woman but certain tips to the police has been given.

It is unclear weather the woman stole the vaccine (which is given for free in Sweden) for her own use or if she stole it in order to be able to test it in an independant lab to objectively establish what it contains. This might be a big problem since the Swedish agreement with GlaxoSmithKline, the manufacturer of the poisonous Pandemrix “swine flu” vaccine forbids disclosure of the real ingredients in the shots.

Original article


Deixe o seu comentário

Depopulation theory and practice – video

Leuren Moret worked as a scientist at Lawrence Livermore Laboratories and has a BS in Geology at U.C. Davis and an MA in Near Eastern studies from U.C. Berkeley. She serves as environmental commissioner for the City of Berkeley.

Leuren was an Expert Witness at the International Criminal Tribunal For Afghanistan At Tokyo.  She is an independent scientist and international expert on radiation and public health issues and is on the organizing committee of the World Committee on Radiation Risk, an organization of independent radiation specialists, including members of the Radiation Committee in the EU parliament, the European Committee on Radiation Risk.

She has conducted research concerning the impact on the health of the environment and global public health from atmospheric testing, nuclear power plants, and depleted uranium.  She has helped collect and measure radiation in 6000 baby teeth from children living around nuclear power plants, and helped The State of Louisiana (USA) pass the first state depleted uranium bill for mandatory testing of soldiers.

In this rather chilling interview about population control, Leuren goes into many areas that highlight what has been going on.

Link to page with video

short videos:

 


Deixe o seu comentário

BAXTER ADMITS CONTAMINATING 72 KILO VACCINE WITH BIRD FLU ON MAIN STREAM TELEVISION

On TVN24 in Poland Baxter has admitted they contaminated 72 KG of vaccine material with the live bird flu virus.

As a result of handling this contaminated material in February, 36 people working for the labs Avir and BioTest had to be treated preventatively for the bird flu in hospitals in Austria and the Czech Republic, underlining that their health was threatened by the material in the opinion of medical experts.
Both Avir and BioTest have stated that the final purpose of the contaminated Baxter material was for use in regular seasonal flu vaccines, strongly suggesting the notion it would have been injected into people if it had not been detected by staff at BioTest.

The Times of India reported on March 6th that a global bird flu pandemic had nearly been triggerd by the Baxter material.

Because Baxter is obliged under EU rules to handle the bird flu virus using biosafety level 3 or 4 precautions in its ultra modern biomedical facilities in Austria, an accidental contamination can be virtually ruled out.  No evidence has been presented by Baxter to prove otherwise.

Biosafety level 3 regulations apply to any virus that can cause a serious disease in human beings.

The bird flu, a lab engineered virus, has a mortality rate of over 60%.

The gigantic amount of 72 kilos of vaccine material was contaminated in Orth an der Donau.

It is not clear why Baxter had the bird flu virus in its vaccine production facilities in Orth an der Donau in the first place.

WHO supplied the bird flu virus to Baxter. But for what purpose?

It is not clear how the live bird flu virus could have been sent out of the facilities without being radiated (to kill or weaken the virus) and mixed with normal flu material making it an even more potent potential bioweapon under a false label unless it was part of a deliberate plan.

In spite of the overwhelming evidence of a crime that posed a real and deadly danger to the Austrian people, the prosecutor at Korneuburg has dropped the case against Baxter.

As this extract from Wikipedia makes clear, the biosafety level 3 regulations make accidentally contaminating 72 kilos of vaccine material with the live bird flu virus about as easy as it would be to get 72 tonnes of gold out of the high security vault of the Austrian national bank.

“Biosafety level 3

This level is applicable to clinical, diagnostic, teaching, research, or production facilities in which work is done with indigenous or exotic agents which may cause serious or potentially lethal disease after inhalation.

….Laboratory personnel have specific training in handling pathogenic and potentially lethal agents, and are supervised by competent scientists who are experienced in working with these agents. This is considered a neutral or warm zone.

All procedures involving the manipulation of infectious materials are conducted within biological safety cabinets or other physical containment devices, or by personnel wearing appropriate personal protective clothing and equipment. The laboratory has special engineering and design features.

It is recognized, however, that some existing facilities may not have all the facility features recommended for Biosafety Level 3 (i.e., double-door access zone and sealed penetrations). In this circumstance, an acceptable level of safety for the conduct of routine procedures, (e.g., diagnostic procedures involving the propagation of an agent for identification, typing, susceptibility testing, etc.), may be achieved in a biosafety level 2 facility, providing

  1. the filtered exhaust air from the laboratory room is discharged to the outdoors,
  2. the ventilation to the laboratory is balanced to provide directional airflow into the room,
  3. access to the laboratory is restricted when work is in progress, and
  4. the recommended Standard Microbiological Practices, Special Practices, and Safety Equipment for Biosafety Level 3 are rigorously followed.”